As fogueiras dos valdenses, em nome da liberdade

As fogueiras dos valdenses, em nome da liberdade

Roma (NEV), 17 de fevereiro de 2023 – Algumas imagens, tiradas por Free Ciuffredamembro do conselho da FCEI, de uma das fogueiras acesas nos vales valdenses, em particular neste caso em Villar Pellice, por ocasião da festa de 17 de fevereiro.
Para saber mais:


Os valdenses celebram o dia 17 de fevereiro em memória do reconhecimento de seus direitos civis pelo rei da Sardenha, Carlo Alberto. É uma festa sentida com particular solenidade nos vales valdenses do Piemonte, onde o 17 de fevereiro assumiu o caráter de festa civil e religiosa: de um lado, as procissões com fanfarras e fogueiras noturnas – em memória de como, do vale a vale, espalhavam-se as notícias das liberdades concedidas – de outro, os cultos celebrados nos vários templos.

As “Patentes da graça” assinadas pelo rei Carlo Alberto em 17 de fevereiro de 1848 (e publicadas em 25 de fevereiro seguinte) concederam aos valdenses do Piemonte direitos civis e políticos, mas não plena liberdade religiosa. De fato, a disposição diz: “os valdenses podem desfrutar de todos os direitos civis e políticos de nossos súditos, frequentar escolas dentro e fora das universidades e obter graus acadêmicos. Porém, nada se inovou no exercício do seu culto e nas escolas que dirigem”. Apesar das limitações dessa redação, as “Cartas Patentes” puseram fim a uma condição de inferioridade civil que durou séculos: até fevereiro de 1848, os valdenses foram proibidos de frequentar escolas públicas e de exercer suas profissões (a não ser a de tabelião). e médico, para benefício exclusivo dos correligionários); fora do “gueto alpino” de seus vales, eles não podiam nem mesmo possuir imóveis. Além disso, as administrações municipais deviam ser compostas majoritariamente por católicos, mesmo nos municípios quase totalmente valdenses. Quanto ao exercício do culto, este continuou a ser permitido apenas num certo número de templos autorizados, localizados nos lugares mais altos, com proibição absoluta de atividades religiosas fora desses locais.

Vários liberais piemonteses lutaram em favor de direitos civis iguais para os valdenses: isso é demonstrado por uma petição cujo primeiro signatário foi Roberto d’Azeglio; seguido por, entre os outros seiscentos, Camillo Cavour e 75 eclesiásticos católicos.

Em 29 de março do mesmo ano, uma disposição semelhante de emancipação foi adotada para os judeus, enquanto nos anos seguintes amadureceram as condições para uma verdadeira liberdade – não sem duras batalhas que, por exemplo, envolveram a construção de locais de culto em Turim e Génova.

Por outro lado, os desenvolvimentos legislativos para as duas confissões foram diferentes: o regime jurídico das comunidades judaicas foi estabelecido por uma lei específica (a chamada “lei Rattazzi” de 1857). Em vez disso, os valdenses recusaram a promulgação de uma lei especial com uma famosa declaração de 1848, na qual o Conselho Valdense (o mais alto órgão executivo) declarou, entre outras coisas, que “a Igreja Valdense, sendo assim em virtude de sua regra de fé e de sua constituição, deve administrar-se de forma absolutamente independente de acordo com seus princípios, dentro dos limites da lei comum; todo impedimento e redução colocado pelo Estado em sua atividade e no desenvolvimento de sua vida interna desvirtuaria seu caráter de igreja e constituiria uma tentativa de destruí-la”.

Nenhuma lei especial foi aprovada sobre os valdenses e o sistema de “lei comum” permaneceu em vigor até 1929, oferecendo assim a todas as outras confissões evangélicas que apareceram na Itália unificada uma estrutura de liberdade religiosa. O aniversário de 17 de fevereiro – hoje comemorado por todos os protestantes de nosso país – tem, portanto, um duplo significado: é a celebração dos direitos civis concedidos a uma minoria e é, ao mesmo tempo, a memória de uma disposição que, em limitada, abriu caminho à liberdade religiosa em toda a Itália: uma festa que, devido aos seus significados gerais, tornou-se uma recorrência mais abrangente.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Martin Luther, 500 anos atrás, a excomunhão do pai da Reforma

Martin Luther, 500 anos atrás, a excomunhão do pai da Reforma

Roma (NEV), 3 de janeiro de 2021 – Em 3 de janeiro de 1521, com a bula Decet Romanum Pontificem, Martinho Lutero (1481-1546) é excomungado por Leão X. A acusação é de heresia. Reunimos aqui várias contribuições sobre a história e atualidade do pensamento de Lutero, quinhentos anos depois dessa data. Os quinhentos anos da Reforma foram celebrados em todo o mundo com inúmeras iniciativas em 2017: muitos eventos para comemorar as 95 teses que em 31 de outubro de 1517 Lutero afixou no portal da igreja do castelo de Wittenberg, iniciando assim a Reforma. A Federação Luterana Mundial (WLF) e o Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos (PCPCU) concordaram, inter alia, durante sua reunião anual conjunta realizada em Genebra em janeiro do ano passado, para comemorar conjuntamente o 500º aniversário da excomunhão de Lutero, que ocorreu em 1521. O Secretário Geral da FLM, Martin Junge e o Presidente do PCPCU, Kurt Kochco-presidiu a reunião no FLM Communion Office. “No espírito do compromisso de continuar trabalhando para passar do conflito à comunhão, o evento conjunto se concentrará nos importantes desenvolvimentos ecumênicos dos últimos tempos. Será delineado como o caminho ecumênico das últimas décadas permitiu relacionar um momento doloroso da história com abertura ao dom da unidade, pelo qual luteranos e católicos continuam a rezar e trabalhar”, escrevem os promotores. Para expressar esta abertura ecumênica, será celebrado um serviço litúrgico em 25 de junho de 2021 em Roma, em antecipação ao 500º aniversário da Confissão de Augsburgo, apresentada naquela data, em 1530. Aqui oferecemos um pequeno texto de Lutero, divulgado nas redes sociais nos últimos meses, que pareceu profético para muitos, a respeito da pandemia em curso: “Vou pedir a Deus, por misericórdia, para nos proteger. Depois vou desinfetar com fumaça, para ajudar a purificar o ar, dar remédios e tomá-los. Evitarei lugares e pessoas onde minha presença não seja necessária, para não ser contaminado e não colocar em perigo outras pessoas, para não causar sua morte por negligência minha. Se Deus quiser me levar, certamente me encontrará e terei feito o que Ele esperava de mim, sem ser responsável nem pela minha própria morte nem pela morte dos outros. Se meu vizinho precisar de mim, não evitarei lugares ou pessoas, mas irei livremente como mencionado acima. Veja, é uma fé temente a Deus, porque não é impetuosa nem temerária e não tenta a Deus”. Da Riforma destacamos o artigo de Paulo Ribet no livro “Relendo a Reforma. Estudos sobre a teologia de Lutero”, publicado por Claudiana em 2020. No site da igreja luterana na Itália, vários insights e leituras. Em abril de 1521, o imperador Carlos V convidou Lutero para a Dieta Imperial em Worms para interrogatório. O Eleitor da Saxônia, Frederico, o Sábio, obteve salvo-conduto para Lutero. Quando perguntado se queria revogar seus escritos, Lutero respondeu que não, a menos que eles provassem que ele estava errado com base na Sagrada Escritura e termina seu discurso com as famosas palavras: “Aqui estou. Eu não posso de outra forma. Deus me ajude. Amém". No caminho de volta de Worms, Frederico, o Sábio, salva sua vida, sequestrando-o com um falso assalto e escondendo-o no castelo "Wartburg" sob o nome de Junker Jörg, onde Lutero traduzirá o Novo Testamento do grego para o alemão. Até 1534 traduziu toda a Bíblia, base importante tanto para o luteranismo quanto para a língua alemã. Nos anos seguintes, ele delineou sua posição, enquanto em 1525 se desenvolvia a Revolta dos Camponeses. Leia mais sobre a biografia de Lutero aqui. Aqui a apresentação do livro do professor Paulo rico “De monge a marido” que contém a tradução de dois escritos de Martinho Lutero sobre casamento e vida familiar. ...

Ler artigo
Coronavírus, as Igrejas valdenses e metodista alocam 8 milhões de euros

Coronavírus, as Igrejas valdenses e metodista alocam 8 milhões de euros

foto de Milada Vigerova, www.unsplash.com Roma (NEV), 19 de março de 2020 - Oito milhões de euros para a emergência do coronavírus das Igrejas Valdense e Metodista. "As Igrejas valdenses e metodistas - lê-se em nota publicada há poucos minutos, hoje, 19 de março, no site chiesavaldese.org - e suas organizações de serviço social, educacional, cultural participam plenamente dos sofrimentos e preocupações, mas também da disposição partilhar esperanças e as melhores expressões de solidariedade que atravessam a vida do país em todas as suas componentes neste momento de emergência, com um olhar particularmente atento às realidades mais vulneráveis ​​e marginais. A Mesa Valdense, sentindo, para as igrejas que representa, a responsabilidade de contribuir mesmo com meios extraordinários para o compromisso direto de enfrentar a crise sanitária, social e econômica produzida pela propagação do vírus Covid-19, decidiu destinar 8 milhões euros , obtidos dos fundos Otto per mille atribuídos anualmente às Igrejas Valdenses e Metodistas, para a constituição de um Fundo especial destinado a este fim. La Tavola já está empenhada na avaliação criteriosa de linhas de ação e intervenção sérias, críveis e prospectivas, que exigem escolhas sem pressa e sem emoção, a serem confrontadas com assuntos institucionais e órgãos do terceiro setor. Estas linhas de ação seguirão duas direções: a primeira se concentra nas necessidades imediatas e urgentes, especialmente do tipo saúde, para as quais já estão fluindo muitos recursos, generosamente disponibilizados por indivíduos, fundações e outras organizações de caridade e para as quais , portanto, mantenham-se atentos à evolução da situação, sobretudo nas zonas do país que se apresentam mais frágeis e menos apetrechadas para fazer face à emergência. A segunda diretriz diz respeito à necessidade de recuperação para além da emergência, considerando o que ainda não se vê: os abismos de privação, exclusão e empobrecimento em que cairão as categorias sociais mais expostas às consequências do bloqueio prolongado das atividades produtivas e das redes sociais de apoio e das escolhas de redistribuição de recursos humanos e financeiros impostas nos últimos meses pelas medidas adotadas para conter o contágio". ...

Ler artigo
Sobre amores protestantes – Nev

Sobre amores protestantes – Nev

Roma (NEV), 14 de fevereiro de 2020 – “Ao meu amável senhor”, escreveu a ela. Ele fora frade, ela freira, antes de casar. Estamos nas primeiras décadas de 1500 e a igualdade de gênero ainda estava por vir. E apenas em 14 de fevereiro de 1546, quatro dias antes de morrer, Martinho Lutero dirigido a sua esposa, Katharina von Bora, uma ex-freira cisterciense educada com quem se casou em 1525, a última de uma longa série de cartas. Restam 21 e a correspondência virou livro, editado por Reinhard Dithmar, editado por Claudiana. A primeira dessas cartas de Lutero para sua esposa data de 4 de outubro de 1529 e começa com o relato das conversações de Marburg. O livro com as cartas entre os dois reformadores, resenhadas entre outras coisas pelo escritor e jornalista Natália Aspesi, mostra um Lutero íntimo e privado e apresenta a relação entre um marido e uma esposa muito amada e estimada, inclusive no campo teológico. Um ano depois, em 1547, outra figura feminina de primeira importância para o protestantismo morreu em Roma, Vitória Colonna, marquesa de Pescara, pertencente à mais famosa e controversa corrente de reforma em curso na Cúria Romana. Segundo muitos estudiosos, Vittoria Colonna, poetisa e nobre, teria influenciado a religiosidade e o processo criativo de Michelangelo na década de 1540. A Pietà de Vittoria Colonna, desenho a giz sobre papel de Michelangelo Buonarroti, datável de cerca de 1546 e preservado no Museu Isabella Stewart Gardner em Boston Entre a mulher, uma das figuras mais influentes do evangelismo italiano, e o artista, houve também por muitos anos uma estreita correspondência epistolar, outras cartas, portanto, das quais duas cartas de Michelangelo e cinco da marquesa permanecem até hoje. “Um homem em uma mulher, de fato um deus“isso Michelangelo viu nela, como escreveu em suas rimas. Também neste caso, subverter a identidade de gênero, subverter masculino e feminino, para atribuir respeito, honra e estima a uma mulher que não representa o amor romântico, mas sim uma referência espiritual, intelectual e cultural. Provavelmente haveria muito mais "histórias" de diferentes "amores" a serem celebradas hoje, 14 de fevereiro. Para redescobrir, em vez ou antes dos chocolates, também o sentido primitivo de uma festa que deriva da lupercali, antigos ritos pagãos dedicados ao deus da fertilidade Luperco. Em sua homenagem, explica Treccani, as comemorações foram realizadas no dia 15 de fevereiro festas lupercais de purificação: primeiro as cabras e um cachorro foram imolados, depois dois jovens Luperci, com as testas molhadas com o sangue das cabras e vestidos com as peles dos animais sacrificados, correram pelo Monte Palatino atingindo as mulheres com tiras do mesmo pele. Era então o Dia dos Namorados: dias ligados à natureza, ao despertar da primavera, aos ritos de fertilidade dos campos e das pessoas. [BB] ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.