Emilia Romagna, as igrejas evangélicas abrem uma assinatura

Emilia Romagna, as igrejas evangélicas abrem uma assinatura

Foto: Proteção Civil

Roma (NEV), 19 de maio de 2023 – “Mais uma vez vemos as pesadas consequências da mudança climática em nosso país – declara o pároco Daniele Garrone, presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, que expressou proximidade “aqueles que tiveram que deixar suas casas ou viram seu trabalho comprometido. Acima de tudo, proximidade e solidariedade com aqueles que hoje choram seus entes queridos. Esperamos que todos possam ser salvos graças aos esforços dos socorristas, cujo compromisso é mais do que precioso. Então – continuou Garrone – será uma questão de reconstrução, com entusiasmo e previsão. Um esforço do qual as igrejas evangélicas pretendem participar”.

Para contribuir para ajudar a população da Emilia Romagna, a FCEI abriu uma assinatura, é possível fazer uma transferência bancária com o motivo “Assinatura da Emilia Romagna” para a Federação das Igrejas Evangélicas da Itália – Via Firenze 38, 00184 Roma, IBAN : TI 26 X 02008 05203 000104203419

ou via PayPal, aqui:


Aqui estão algumas vozes e testemunhos das igrejas protestantes das áreas afetadas pela enchente.

artigo anteriorEscuta, diagnóstico e tratamento
Próximo artigoApelo às Igrejas Europeias para o Dia Mundial do Refugiado

Agência de Imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Vozes jovens na Secretaria de Atividades Ecumênicas.  Fé é concretude

Vozes jovens na Secretaria de Atividades Ecumênicas. Fé é concretude

foto Laura Caffagnini Roma (NEV), 28 de julho de 2022 – São as vozes dos jovens católicos, protestantes e judeus que ressoam nos trabalhos da 58ª Sessão de Formação da Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE). Em andamento em Assis, tem como título “Em tempos sombrios, ousar esperar. As Palavras de Fé na Sucessão das Gerações – Uma Busca Ecumênica”. Terça-feira de manhã sediou a mesa redonda sobre "Fé: um tesouro para os jovens?". Participou: David Morsellide Roma, estudante de doutorado em matemática, membro fundador e primeiro vice-presidente da amizade judaico-cristã para jovens. Emanuele DeBettinibolsista de ciências históricas em Turim, atuante na Federação Italiana da Juventude Evangélica (FGEI). Emmanuel Gittoformado em ciências internacionais e diplomáticas, vice-presidente da juventude da Ação Católica, em diálogo com Donatella Saroglia da comissão executiva da SAE. Nadia Bouzekrivice-presidente da União das Comunidades Islâmicas na Itália (UCOII), ausente por motivo de força maior, compartilhou os preparativos do evento. Retomamos a seguir o resumo da fala de Emanuele De Bettini conforme noticiado pela SAE. Na parte inferior, o link para o comunicado de imprensa completo. De Bettini (na foto, segundo à esquerda) vive a fé como um fato concreto e como uma descoberta inesgotável. Ele expressou a necessidade de concretude dos jovens, mesmo dentro de suas próprias comunidades, que muitas vezes não estão em seu ritmo. Segundo o membro do FGEI, a rarefação da presença juvenil nas igrejas está ligada à própria modalidade frontal da transmissão da fé. “A fé me veio de uma série de experiências concretas de vida: o encontro com os irmãos e as irmãs e a oração”. Um valor da nossa associação, prosseguiu, é um percurso formativo entre pares, entre quem organiza os programas e quem participa; o limite é que o FGEI seja percebido como parte separada de nossas igrejas e não como parte integrante. Os jovens discutem entre os jovens. A virada deve vir de uma mudança de paradigma, de um encontro com outras gerações. Os jovens compartilham as crises do presente com os adultos, seus problemas não são radicalmente diferentes. Você pode falar como iguais. Momentos vitais também são relacionamentos fora do próprio círculo. “As relações com os outros são também relações com Deus.Participar de um coro judaico em Turim foi para mim uma oportunidade de entrar em contato com um mundo de novos significados religiosos ligados à fé. Cantar nesse sentido para mim significava redescobrir um tesouro”. Durante a mesa redonda, escreve a SAE, “emergiram consonâncias e traços comuns em torno da realidade da fé. A importância da oração e do cuidado da vida espiritual, a formação e o impulso que a vida associativa oferece ao desenvolvimento do caminho pessoal, a necessidade de discussão e partilha entre gerações, o acolhimento do outro e do outro como espaço que nos faz conhecer novas perspectivas, a vitalidade do diálogo inter-religioso". Por fim, falou-se de reciprocidade, de compreensão das próprias tradições e de diálogo, mesmo com o ateísmo. Para saber mais, acesse o site da SAE. Para ler o comunicado de imprensa completo sobre a mesa redonda sobre juventude e fé, clique AQUI. A 58ª Sessão de Formação do Secretariado de Atividades Ecumênicas conta com a presença em Assis, nestes dias, de vários representantes do mundo protestante. ...

Ler artigo
Prêmio Interfedi ao filme “Sonhos moram nas árvores” de Marco Della Fonte

Prêmio Interfedi ao filme “Sonhos moram nas árvores” de Marco Della Fonte

Detalhe do cartaz do filme "Sonhos moram nas árvores" de Marco Della Fonte Roma (NEV), 5 de dezembro de 2022 – O júri da Interfedi concedeu ao filme o “Prêmio pelo respeito às minorias e pelo secularismo” “Sonhos habitam árvores”. estréia do diretor Marcos Della Fonteconvidado do 40º Festival de Cinema de Turim (25 de novembro – 3 de dezembro de 2022), o longa-metragem recebe assim o reconhecimento da nona edição deste júri especial. O Júri Interfedi é de fato promovido, desde 2013, pela Igreja Valdense e pela Comunidade Judaica de Turim, com o patrocínio do Comitê Interfedi da Cidade de Torino. Este é o raciocínio: júri 2022 O Júri Interfedi 2022 é composto por Walter Nuzzo (representando o Comitê Inter-religioso). Nino Pennacchia (Igreja Valdense). Daniel Segre (comunidade judaica). Prêmio Interreligioso “O reconhecimento, estabelecido em 2013 por iniciativa da Igreja Valdense e da Comunidade Judaica de Turim, com a participação do Comitê Inter-religioso da Cidade de Turim, visa premiar e chamar a atenção para filmes que contribuam para dar voz a todos tipos de minorias, para promover o respeito pelas mesmas, o reconhecimento dos direitos, a integração, a superação da discriminação e que afirmem os valores da laicidade, a cultura da tolerância, o respeito pela autonomia, a liberdade e a responsabilidade individual" lê-se no comunicado de imprensa do Prémio. Este Prémio pretende reafirmar “os valores que constituem os fundamentos de toda a sociedade verdadeiramente democrática e pluralista”, denunciando toda a intolerância e racismo, propaganda anti-semita e discriminação contra as comunidades de fé, em primeiro lugar a islâmica. De fato, afirma "acolhida, partilha, solidariedade, respeito mútuo, dignidade humana, aceitação das diversidades étnicas, culturais e religiosas como fundamentos de uma sociedade justa e inclusiva, multiétnica, multiconfessional, multicultural, na qual os direitos e as liberdades do indivíduo sejam preservadas". O Comitê Inter-religioso da cidade de Turim reúne representantes do cristianismo (católicos, protestantes e ortodoxos), judaísmo, hinduísmo, islamismo, budismo e mundo mórmon. ...

Ler artigo
FORMA.  O “matadouro sagrado” de Valtellina (19 de julho de 1620)

FORMA. O “matadouro sagrado” de Valtellina (19 de julho de 1620)

Foto da Wikipédia. O massacre de Tirano, de uma xilogravura anônima mantida na biblioteca cantonal de Chur Ao raiar da madrugada de domingo, 19 de julho de 1620, quatro tiros do arcabuz deram o sinal. Os portões da cidade de Tirano foram trancados e os sinos tocaram. A população saiu às ruas, sendo surpreendida por algumas centenas de homens armados que massacraram todos os protestantes com arcabuz, espada ou pau. O cadáver do pastor reformado foi mutilado e insultado. Terminada a triste obra em Tirano, o pequeno exército desceu o vale, chegando a Teglio quando a comunidade reformada se reuniu na igreja para o culto. Alvejados com arcabuzes, os protestantes se fecharam no templo, até que a porta cedeu. Alguns, incluindo duas crianças de seis anos, pensaram em alcançar a segurança na torre do sino, que foi incendiada. Em Sondrio, capital do Vale, os protestantes conseguiram organizar um pelotão de setenta homens armados que, apesar de sua inferioridade, não foram atacados pelos rebeldes, que obviamente só estavam dispostos a massacrar, não a lutar. Os evangélicos desarmados foram mortos. Não bastando esta última para apaziguar a fúria da tropa, o cemitério evangélico foi profanado e os cadáveres lançados no Adda. Em Berbenno, a Igreja Católica Bartolomeo Porreto e outros se posicionaram contra o massacre e foram mortos junto com todos os protestantes do país. Para Caspano, o alfaiate André Paravicino conseguiu se esconder e foi capturado alguns dias depois. Convidado a abjurar, ele respondeu que era "da antiga fé católica romana, conforme pregada por São Paulo, que o homem é salvo pela graça por meio da fé, e não pelas obras, para que ninguém se glorie". Foi-lhe perguntado se considerava o papa o cabeça da igreja, e ele respondeu: "Não, visto que somente Cristo é o cabeça da igreja, segundo a promessa, estarei convosco até o fim do mundo". Ele foi queimado na fogueira em 15 de agosto. Fomentado pelo ódio contra-reformista e financiado pelo ouro espanhol, o massacre de cerca de 700 protestantes em Valtellina foi um súbito empurrão contra a ocupação tolerante dos Grisões. As comunidades evangélicas, que representavam cerca de 10% da população (excluindo a área de Bormio) e que acolheram figuras importantes da Reforma italiana, como Ludovico Castelveltro, Pier Paolo Vergério, Girolamo Zanchi E Cipião Lentoloforam completamente erradicados. A paz subseqüente assinada em Milão em 1639 impôs a proibição do culto público e privado de outras religiões que não a católica. Deste massacre italiano, quase totalmente esquecido, fica a definição do historiador católico Cesare Cantu “O matadouro sagrado de Valtellina” com o qual é lembrado, ainda que por poucos, e os versos bíblicos em italiano gravados nas ombreiras das casas que outrora pertenceram a protestantes, como um testemunho tenaz e irredutível. O Senhor Jesus Cristo diz: "Digo-vos que, se eles se calarem, as pedras clamarão" (Lucas 19:40). (Emanuele Fiume, para a agência de notícias evangélica nev-news, julho de 2020) ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.