Igrejas europeias: “testemunhando uma esperança radical”

Igrejas europeias: “testemunhando uma esperança radical”

Entre suas preocupações está a redução do espaço para a religião no discurso público, uma preocupação que torna a posição do CEC ainda mais valiosa. Os participantes reconheceram que é preferível construí-la em conjunto para fortalecer a voz cristã nas sociedades europeias contemporâneas.

A promoção dos direitos humanos e da liberdade religiosa, bem como o fim do sofrimento humano causado pelo conflito na Ucrânia, estiveram entre as principais preocupações apontadas pelas igrejas membros da CEC.

“A teologia e a igreja não podem deixar de ser públicas”, disse o pastor Serge Fornerod, diretor de relações ecumênicas da Igreja Protestante na Suíça, falando sobre o papel da igreja na teologia pública. Ele enfatizou os aspectos de treinamento, mediação e participação desse papel no discurso público.

Doutor Vincent Depaigne, coordenadora da Comissão Europeia para o diálogo instituído pelo artigo 17.º do Tratado sobre o Funcionamento da UE, discorreu sobre a história, o enquadramento e os desafios contemporâneos do Tratado, que introduziu a obrigação legal de a UE conduzir um diálogo aberto, transparente e regular com igrejas, associações religiosas e organizações filosóficas e não confessionais. Depaigne enfatizou a necessidade cada vez mais urgente de abordar a guerra na Ucrânia.

Planos para a iniciativa Kek também foram discutidos Caminhos para a Paz. “Como Igrejas, testemunhamos uma esperança radical que transcende os limites do aqui e agora”, refletiu o Dr. Christine Schliesser, diretor de estudos do Centro Ecumênico de Fé e Sociedade da Universidade de Friburgo. “Reconhecemos a gravidade da guerra e da morte, mas nos recusamos a permitir que a morte tenha o veredicto final sobre nós. Mesmo em meio à guerra, testemunhamos a vitória da ressurreição sobre a morte”.

Schliesser refletiu sobre por que as igrejas cristãs deveriam se envolver em assuntos públicos. “Precisamos de uma base teológica sólida para entender que nosso engajamento na esfera pública, na política, na economia e na sociedade civil – incluindo as questões de guerra e paz – não é algo externo ou mesmo alheio à fé cristã, mas algo fundamentado nas preocupações fundamentais de nossa fé”, disse ele.

O secretário-geral do CEC, Jørgen Skov Sørensendisse ter ficado animado com o grande número de participantes e o intenso compartilhamento de ideias ocorrido durante o encontro.

“Os participantes afirmaram o apoio contínuo de nossas igrejas-membro. Um forte compromisso com as iniciativas estratégicas definidas pelo Conselho de Governadores e uma apreciação de como as novas orientações políticas da CEC se refletem no planejamento da Assembléia de Tallinn”.

Sob a Bênção de Deus – Moldando o Futuro (“Sob a bênção de Deus – moldando o futuro”) é um tema que ressoa nas igrejas. Somos abençoados como comunidade e com um forte desejo de compartilhar essa bênção com outras pessoas em nossas sociedades europeias, moldando nosso futuro comum”, acrescentou Sørensen.

Em seus diálogos, os líderes ecumênicos exploraram respostas para perguntas em aberto: “Como a visão radical do reino de Deus pode inspirar a teologia pública? Como a teologia ecumênica pode desempenhar um papel em trazer mudanças positivas?”. A maioria das respostas foi baseada em um ecumenismo receptivo, ou seja, lidar com as diferenças em vez de superar as divisões.

Os participantes também se envolveram com sugestões e mensagens dirigidas à Assembleia da CEC a realizar de 14 a 20 de junho em Tallinn, na Estônia, explorando justamente o tema “Sob a bênção de Deus – moldando o futuro”.

Leia sobre a reforma

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Igrejas reformadas em todo o mundo.  A palavra às Igrejas do Oriente Médio e de Gaza

Igrejas reformadas em todo o mundo. A palavra às Igrejas do Oriente Médio e de Gaza

Roma (NEV), 27 de abril de 2021 – O "processo de discernimento" da Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas (CMCR) continua. É um ciclo de encontros online sobre o tema "COVID e além". O próximo compromisso é quarta-feira, 28 de abril, às 15h, uma oportunidade para compartilhar ideias e reflexões sobre áreas de particular urgência. No contexto da pandemia de covid-19, as igrejas são chamadas a responder à injustiça e à crise. Este encontro conta com a participação das igrejas do Oriente Médio com uma apresentação intitulada "Fé em meio às calamidades". Esta região é caracterizada por instabilidade, incerteza e problemas constantes. As igrejas reformadas no Egito, Líbano, Irã, Iraque e Síria são uma parte inseparável de suas sociedades. Eles estão experimentando diferentes tipos de calamidades. "No entanto - lê-se na apresentação do evento -, em meio a essas calamidades, essas igrejas estão experimentando a presença de Deus. E estão ouvindo seu chamado para levar fé e esperança às suas sociedades". A segunda apresentação enfoca especificamente o povo palestino, com quem o CMCR tem se engajado em prol da justiça e da esperança. A intervenção tem por base o documento “Cry for Hope: A Call to Decisive Action” da coligação Kairós Palestina, que a CMCR convida a assinar. Entre os temas: os últimos despejos forçados de famílias palestinas, a situação difícil da população de Gaza e as aspirações dos jovens. Uma reflexão teológica também deve ser feita sobre a situação palestina no contexto do colonialismo, ocupação e império. O círculo de compartilhamento será transmitido ao vivo nas páginas do CMCR no Facebook, em inglês, francês, espanhol e postado no canal WCRC no YouTube. Você pode participar com comentários e mensagens escrevendo para este endereço de e-mail: [email protected] O que Deus quer de nós? “O que Deus quer de nós? Discernir, confessar e testemunhar no tempo do COVID-19 e além." É o processo de discernimento, com duração de um ano, tendo em vista o encontro presencial previsto para o final de 2021. O caminho culminará com a confissão coletiva da Comunhão por ocasião da Assembleia Geral de 2024, intitulada “Um Deus de vida”. Mais informações estão disponíveis em wcrc.ch/require. ...

Ler artigo
Montagem CEC.  Uma mensagem do Oriente

Montagem CEC. Uma mensagem do Oriente

À esquerda, Souraya Bechealany Novi Sad (NEV), 5 de junho de 2018 – “Agradecemos a acolhida que oferece aos nossos irmãos e irmãs que vêm do Oriente Médio. Sua recepção nos toca profundamente e o convidamos a abrir portas ainda maiores. No entanto, pedimos a vocês, acima de tudo, que trabalhem para que os cristãos permaneçam no Oriente Médio”. Esta é "a mensagem que vem do Oriente", lançada ontem, 4 de junho, pelos libaneses Souraya Bechealanysecretário-geral do Conselho de Igrejas do Oriente Médio (MECC), na Assembleia Geral da Conferência das Igrejas da Europa (KEK) em Novi Sad (Sérvia, 31 de maio - 5 de agosto). “Sem a presença dos cristãos, ou com sua presença reduzida, o Oriente Médio não será mais o mesmo e perderá seu sentido de alteridade – continuou Bechealany -. No Oriente Médio, nós, cristãos, não somos hóspedes, estamos em casa e participamos da construção das sociedades dos países em que vivemos”. Bechealany então falou sobre a situação libanesa: “A ONU e a União Européia querem que o Líbano receba 2,5 milhões de refugiados sírios e palestinos de uma população total de 4 milhões de pessoas. Somos um país endividado, como podemos lidar com esta emergência?”. Se as Igrejas européias podem oferecer ajuda às do Oriente Médio, o contrário também é verdadeiro: “Podemos ajudá-los a compreender e construir caminhos concretos de unidade na diversidade em seu continente, onde hoje chegam muitos cristãos orientais e muçulmanos. Temos para si as 'instruções de utilização' desta nova situação”. “Finalmente – concluiu o expoente do Oriente Médio – não fale por nós, não pense por nós, não decida por nós. Reflitamos juntos, unidos na Palavra e no testemunho”. (Libra) ...

Ler artigo
16 dias para superar a violência, 9º dia.  Direito à felicidade para todos

16 dias para superar a violência, 9º dia. Direito à felicidade para todos

Imagem de Shamsia Hassani, artista afegã. Retirado do arquivo FDEI 16 dias contra a violência 2022 Roma (NEV), 3 de dezembro de 2022 – Publicamos, em fascículos e dia a dia, as reflexões do livrinho "16 dias contra a violência" editado pela Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI) a partir de 25 de novembro, Dia Internacional da Eliminação da violência contra a mulher, até 10 de dezembro, Dia dos Direitos Humanos. Para rever a apresentação oficial do dossiê, clique aqui. DIA 9: 3 DE DEZEMBRO Direito à felicidade para todos SOLICITARdiscutirO que significa, emnossa vida, o direito defelicidade? ceu sou mulher, e mulheres: aquelas que chegamo primeiro, o último e o infinitomultidão dos que estão no meio,sem nome. Os primeiros são sempre demaispoucos (estatísticas desanimadoras sobre o númerode gerentes, políticos, cientistas), eles recebemmas visibilidade e satisfação. Interessepouco para saber o quanto de si eles deixaram in-atrasa pra chegar, quanta incompletude simeles guardam dentro. Este último pode serignorado, escarnecido, mas também lamentado, ajudadotates, erguido como um símbolo da maldade docient, quando se trata de migrantes, mulheres,sempre vítimas de outro mundo, tambémquando são vítimas de homens destenosso mundo, porque é difícil admitirque os violentos estejam entre nós. Mulheresno meio, o penúltimo, trabalho para o homemmanter, muitas vezes forçado a tempo parcial Paranecessidades da família, demitido com mais facilidadedos homens, pague menos. Pelas dificuldadesque eles encontram desistir de desejos, pro-jatos, aspirações pessoais. O método deIgualdade de oportunidades não teve resultados satisfatóriosdesfeito, influenciando apenas no topo daramo social, em um período histórico em queo elevador social está bloqueado.Neste panorama qual mulher é, nãoDigo mais feliz, que é uma palavra grande, mas mais umaconfortável em sua própria mente e corpoum pouco de mulher, com a liberdade de estar ali? deve-ser universalmente claro que decolaraspirações, sonhos, ideias, projetos, transformaçõesEu dou a vida em uma pista de obstáculos, onde se você cairvocê mal se levanta, é violência.É demais esperar um tempo de novas so-roridade entre os primeiros, que têm mais poder deato, o último e o penúltimo, sabendo queninguém está sem poder e liberdade? VERSÍCULO BÍBLICO E todas as viúvas vieram a ele tristemente.gendo, mostrando-lhe todas as túnicas e vestidos que Gazelle fez enquanto ele estava com eles. Mas Pedro, tirando todos para fora, ajoelhou-se e orou; e, voltando-se para o corpo, disse: “Tabita, levanta-te” (At 9, 39-40). COMENTE Grande deve ter sido a felicidade deviúvas em re-abraçar sua queridavivo de novo. Tabita não era uma rebelde, masmulher corajosa sim. Na verdade, ele havia abraçado o cristianismo em uma época de perseguição.E fê-lo da forma mais coerente possível, tanto que foi definida como discípula”, a primeira e única mulher a receber esta denominação no Novo Testamento. Tabita era uma mulher ocupada, cuidando dos últimos e mais frágeis da época: as viúvas. Com eles, ele criou fortes laços de irmandade. Ele fez vestes e roupas para eles. Eram ternos feitos sob medida, porque ele considerava as viúvas comopessoas, não como uma categoria indistinta. EntãoTabitha adoeceu e morreu. Pietro foi chamado para intervir e quando chegou as mulheres já estavam lá.Os papéis haviam se invertido. Não era mais Tabitapara agir em auxílio das viúvas, foram elas que mostraram a Pedro o bem tangível do discípulo, pedindo-lhe o impossível. No seguimento de Jesus anulam-se as diferenças, estreitam-se as relações, a nova irmandade transcende os tempos e torna-se real e possível. E neste cenário, Tabitha volta à vida. ORAÇÃO Senhor, ajude-nos a ser seudiscípulos, nunca indiferentesà violência, sempre prontofazer o bem. A cartilha “16 dias para vencer a violência” pode ser baixada na íntegra em formato PDF (clique no link abaixo): 16 dias FDEI 2022 (disponível também em alemão, inglês e espanhol). Falamos de Irã, Afeganistão, Argentina, mas também de trabalho; dos jovens; de contracepção, aborto, prevenção; de política. E de felicidade. A publicação contra a violência contra a mulher também pode ser encontrada em encarte no semanário Riforma. “16 Dias Contra a Violência” é uma campanha internacional anual que começa em 25 de novembro, Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra a Mulher, e termina em 10 de dezembro, Dia dos Direitos Humanos. O Conselho Mundial de Igrejas (CEC) também está se juntando à campanha com várias iniciativas. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.