Trazendo a mensagem do reino celestial de Deus para a Terra

Trazendo a mensagem do reino celestial de Deus para a Terra

Antes do Sínodo, foi realizada a consulta ecumênica organizada pelo Departamento Ecumênico da EKvW. Entre seus convidados, a pastora Rita Famos, presidente da Igreja Evangélica Reformada na Suíça e membro do Conselho da Comunhão das Igrejas Protestantes na Europa (CPCE), Zoltán Balog, bispo da Igreja Reformada na Hungria, abaixo assinado como coordenador da Mediterranean Hope , o programa para refugiados e migrantes da Federação das Igrejas Protestantes da Itália, e Christoph Picker, diretor da Academia Evangélica da Renânia-Palatinado.

A conferência intitulada “Como funciona a paz? Perspectivas da Igreja sobre a democracia e a paz na Europa” abriu com algumas reflexões de Picker que deram impulso aos trabalhos do dia. As igrejas protestantes podem ajudar a fortalecer as democracias europeias, continuando a promover uma cultura de paz e tolerância, garantindo a pluralidade, a atenção às diferenças e às minorias. Questões críticas também foram expressas, como o risco de certas reflexões permanecerem nas academias, em um nível ideal, sem encontrar a prática e ativar uma participação mais ampla no processo democrático que deveria envolver membros da igreja e da política.

Nos dias seguintes, durante o Sínodo, parece-me que também emergiram outros temas que se tornaram centrais no debate: a guerra na Ucrânia e a busca de uma “paz justa”; mudança climática e a tentativa de se tornarem igrejas de “impacto zero”; o envolvimento com os migrantes em termos de acolhimento, proteção de direitos e preocupação com a tendência para políticas nacionais e europeias de encerramento, expulsão e criminalização; a “saúde” das igrejas com relação a graves declínios no número de membros, frequência e finanças; relações ecumênicas com outras comunidades de fé e compromisso com a missão dentro e fora da igreja.

Independentemente de sermos igrejas majoritárias ou minoritárias, fazemos as mesmas perguntas que os crentes evangélicos e os evangélicos? Temos consciência do impacto que temos na sociedade e na política e, sobretudo, dos instrumentos de que dispomos?

Ao visitar alguns prédios históricos das igrejas da região da Vestfália, sua beleza sóbria e orgulhosa me impressiona e percebo o pesar daqueles que me acompanham e me falam das dificuldades em mantê-los, em manter as comunidades unidas, em continuar o precioso trabalho de testemunho evangélico na cidade.

As palavras da presidente da EKvW (e da EKD) Annette Kurschus no primeiro dia de trabalho do Sínodo me impressionam: “Não devemos lidar apenas com os problemas internos da igreja, mas também com os importantes em nossa sociedade . Devemos manter a terra aberta para o céu e vice-versa: levar a mensagem do reino celestial de Deus de forma tangível à terra”.

Por isso é tão importante que a Igreja ainda se faça ouvir sobre questões que dizem respeito a todos, como as abordadas pelo Sínodo da EKvW.

Também sinto que não falta uma atenção particular aos que fugiram ou ainda fogem das guerras e perseguições, seja da Ucrânia ou do outro lado do Mediterrâneo. Da Itália aproximo um pouco mais o Mediterrâneo da Alemanha, contando o que está acontecendo nas “nossas” fronteiras e o empenho das Igrejas. Mas a sensação é que já está perto: está presente nas palavras para lembrar os que perdem a vida na travessia marítima, no reconhecimento da importância de não esquecer nomes, de não baixar a atenção aos direitos, de trabalhar incansavelmente junto às instituições e sociedade civil para garantir práticas de acolhimento e solidariedade, acompanhamento em percursos educativos, proteção no mercado de trabalho.

Trago a voz de uma igreja pequena, mas que sempre soube que isso não significa ser uma igreja sozinha ou sem possibilidade de fazer a sua parte. E é certamente também nas alianças ecumênicas e nas relações com as igrejas em nível internacional que esse potencial se concretiza. Desafios difíceis, em tempos difíceis mas se os partilharmos, talvez possamos continuar a estar onde mais se necessita – aqui e agora – cuidando da terra para que se abra ao céu.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Começa hoje o Sínodo Luterano em Roma

Começa hoje o Sínodo Luterano em Roma

Roma (NEV), 28 de abril de 2022 – A XXIII sessão do Sínodo da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) começa hoje em Roma, no Hotel Villa Aurelia.Uma vez cumprido formalmente a constituição do "parliamentino" luterano, prevista noNo início da tarde, entraremos no centro do debate com o relatório do Presidente do Sínodo, Wolfgang Pradera que se seguirão os relatórios do Consistório e do Reitor cessante, Heiner Bludau.Em seguida, será a vez dos cumprimentos do Presidente da Federação das Igrejas Evangélicas emItália, Daniele Garroneo primeiro convidado entre vários esperados para os próximos dias.Uma sessão, a XXIII, que verá a eleição do Reitor e do Vice-Reitor do CELIprevisto para sábado, 30 de abril.Após o período de pandemia, portanto, o Sínodo Luterano volta a se reunir ao vivo, em Roma.Para Wolfgang Prader, 47, presidente do Sínodo, a nomeação deste ano éparticularmente relevante porque “estamos mais uma vez na condição de nos encontrarmos em presença […] para discutir e debater após a sessão do ano passado teve que ser realizada online". Os sinodais, mais de 50, como aponta o vice-presidente do sínodo Ingrid Pfrommer“eles são escolhidos pelas 15 comunidades luteranas presentes na Itália, e terão a tarefa de discutir as várias resoluções e propostas apresentadas, votando a seguir e participando das eleições para a renovação dos mandatos sinodais”.Entre as atividades programadas para esta XXIII sessão, uma mesa redonda, amanhã, 29abril, moderado pelo vice-reitor Kirsten Thiele, que terá como tema “liberte-se para a liberdade”. Com a participação de representantes do mundo protestante europeu: MichaelHubner (Secretário Geral da Federação Mundial Martin Luther), Leon Novak (Bispo da Igreja Evangélica da Confissão Augusta na Eslovênia), Gerhild Herrgesell (Conselheiro Eclesiástico para o desenvolvimento da Igreja Evangélica Austríaca) e Olaf Wassmuth (Chefe do Departamento de Turismo do Sul da Europa e Exterior da Igreja Evangélica Alemã).O Sínodo Luterano representa, portanto, como afirma uma nota do CELI, "uma importante oportunidade não só religiosa, mas de confronto e debate com os fermentos teológicos, sociais e culturais que animam as sociedades europeias no atual momento histórico, oferecida em comparação com a empresa italiana". ...

Ler artigo
Secretariado para atividades ecumênicas.  A mensagem de Basel ainda é relevante hoje?

Secretariado para atividades ecumênicas. A mensagem de Basel ainda é relevante hoje?

Roma (NEV), 11 de dezembro de 2019 - No domingo, 15 de dezembro, em Roma, realiza-se o terceiro encontro do ciclo curto proposto pela Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE), grupo romano, com o título "30 anos depois de Basel: Justiça, a paz, salvaguardando a criação – Balanço de um compromisso ecumênico diante dos desafios do nosso tempo”. O tema desta reunião é: "A mensagem de Basel ainda é relevante?" e eles dirão ao pastor Luca Maria Negropresidente da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI) e Luís Sandri, jornalista e especialista do Vaticano, entre outras coisas, especialista em questões relacionadas com as igrejas ortodoxas. O compromisso é para domingo, 15 de dezembro de 2019, às 16h30, na casa de hóspedes do mosteiro das monjas camaldulenses, Clivo dei Publicii, Aventino - Roma. Há trinta anos, em maio de 1989, foi inaugurada em Basel a primeira Assembléia Ecumênica Européia intitulada "Paz na Justiça". 600 delegados protestantes, católicos e ortodoxos de toda a Europa, representando as três grandes denominações cristãs, reuniram-se pela primeira vez desde o Grande Cisma entre o Oriente e o Ocidente (1054) e a Reforma Protestante. A SAE propôs uma série de encontros ecumênicos de formação justamente para refletir sobre este importante aniversário. A SAE é um movimento inter-religioso de leigos para o ecumenismo e o diálogo, a partir do diálogo cristão-judaico. A seção romana foi a primeira a se estabelecer entre os grupos locais. Fundado por Maria Vingiani, criou ao longo dos anos “uma densa rede de relações fraternas que teve, entre seus protagonistas, autênticas testemunhas e mestres do diálogo ecumênico”, lê-se no site da SAE. Entre eles, os pastores Mario Sbaffi, Valdo Vinay E Renzo Bertalotvestir Luís Della Torremonsenhor Clemente Riva e irmã Mariangela Della Valle. Entre suas atividades ecumênicas, promove encontros e iniciativas para o Dia do Judaísmo (17 de janeiro) e para a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos (SPUC), em colaboração com outros grupos e associações. ...

Ler artigo
#SPUC2020.  Oração ecumênica unidade cristã na África

#SPUC2020. Oração ecumênica unidade cristã na África

Foto de Albin Hillert/FLM Roma (NEV), 24 de janeiro de 2020 - Também os cristãos na África se uniram às celebrações ecumênicas e aos momentos de oração por ocasião da anual Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos, celebrada em todo o mundo de 18 a 25 de janeiro. Em Nairóbi, líderes religiosos, indivíduos, órgãos ecumênicos e representantes de organizações religiosas oraram juntos na Catedral Anglicana de Todos os Santos em um culto do "Movimento Ecumênico Internacional". Angeline Okola, coordenadora do programa do Conselho Mundial de Igrejas (CEC), da Rede Ecumênica de Defensores da Deficiência de Nairóbi, disse que a bondade é um atributo fundamental da humanidade que supera todas as divisões. “Como parte das atividades desta semana, exortamos o corpo de Cristo a mostrar essa bondade às pessoas com deficiência, ouvindo, conversando e interagindo conosco. Isso fortalecerá nosso sentimento de pertencer ao corpo unido de Cristo”. Innocent Maganya, professor da Tangaza University College em Nairóbi, presidente do Movimento Ecumênico Internacional do Quênia, em um comunicado, pediu às igrejas, como parte de seu testemunho ecumênico, que demonstrem bondade em um mundo que experimenta experiências sociais, políticas, econômicas e espirituais. Sublinhou que o Quénia acolheu "muitos estrangeiros", incluindo refugiados da Somália, Sudão do Sul, Etiópia, Burundi, Ruanda e República Democrática do Congo. O bispo católico romano Alfred Rotich, presidente da Comissão de Ecumenismo na Conferência dos Bispos Católicos do Quênia, enfatizou a compaixão, humildade e amor, proferindo o sermão durante o serviço realizado na Catedral Anglicana. Segundo Rotich, as igrejas e os cristãos têm o mandato de abrir suas portas e receber os outros porque são feitos à imagem de Deus: “Eles saberão que somos cristãos se abrirmos nossas portas”, disse o bispo. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.