Centro Inter-religioso para a Paz.  Carta aos Sínodos e associações

Centro Inter-religioso para a Paz. Carta aos Sínodos e associações

Desenho de Anna Contessini retirado de www.cipax-roma.it/galleria_contessini/index.html

Roma (NEV), 6 de abril de 2022 – O Centro Interconfessional pela Paz (CIPAX) “recebeu com interesse e esperança a iniciativa da Igreja Católica de lançar uma dupla jornada sinodal, da Igreja italiana e universal, convidando os católicos a ouvir e à participação também de quem não está inserido nas estruturas eclesiásticas, de quem se sente distante, de quem pertence a outra tradição cristã ou professa outra religião, ou não crente”.

Com estas palavras, a CIPAX apresenta a sua mensagem aos Sínodos e à Rede Sinodal de associações constituídas para o “caminho sinodal” da Igreja Católica. O ponto de vista da CIPAX expressa sua natureza de associação inter-religiosa comprometida com a paz. “Acreditamos que o networking é em si um valor importante: muitas vezes nossa capacidade de influenciar é enfraquecida pela incapacidade de superar o individualismo, o narcisismo e o egoísmo. Pretendemos, portanto, caminhar juntos. Por isso, além de pedir ao Sínodo dos Bispos Católicos que se abra ao mundo, propomos passos comuns às nossas associações para que tenham mais força e impacto, sobretudo porque uma instituição, religiosa ou não, seja ela qual for, não pode evoluir sem ser empurrado de baixo”.

A carta é composta por diferentes seções e propõe objetivos e caminhos comuns. “Considera-se essencial que neste percurso haja igual dignidade e respeito por cada componente participante, e que também sejam acolhidos e incluídos os não crentes que queiram partilhar valores e compromissos”, escreve o CIPAX. E acrescenta: “Pretendemos ir mais longe, numa dimensão inter-religiosa que aproxime todos em torno de alguns valores fundamentais. Esses valores para a CIPAX são paz, não violência, respeito aos direitos, igualdade e paridade entre as pessoas, liberdade e justiça, respeito ao meio ambiente. Para a CIPAX, ecumenismo e inter-religiosidade não podem prescindir da paz, e vice-versa”.

O documento também fala de secularismo, minorias, não-violência, casamentos mistos, ministérios femininos, hospitalidade eucarística. Além disso, de um ecumenismo feito de escuta, portanto de silêncio e de superação das divisões: “Todos os fiéis devem poder participar das decisões que afetam sua vida e sua fé. Que todos eles sejam mestres e discípulos ao mesmo tempo. A diversidade é aceita como um ativo e não percebida como um obstáculo. Nesse sentido, o ecumenismo pode ser visto como uma projeção para o encontro inter-religioso, onde valores e ações comuns podem ser compartilhados. Práticas espirituais devem ser valorizadas. Diante das dificuldades iniciais imagináveis, é importante abrir espaço para a alteridade por meio da escuta, esvaziando-se de suas certezas para dar espaço ao “outro”, talvez até pelo silêncio que potencializa nossa sensibilidade. Incentivar o ecumenismo e a inter-religiosidade a partir de baixo, abrindo-se ao encontro com as diferentes experiências das associações religiosas para acolher as práticas que permitem avançar num caminho comum entre as diversas Igrejas e religiões. Na Ecúmena, no espaço habitado, recupera-se a dimensão espacial do círculo, numa referência à centralidade do púlpito, onde o centro é a comunidade, ainda que composta. A roda facilita o diálogo, o conhecimento, a inclusão, a partilha”.

Baixe o documento completo.

Acesse a apresentação da CIPAX.


O Centro Inter-religioso pela Paz (CIPAX) é uma associação cultural que desde 1982 promove “a colaboração de forças religiosas e seculares para a construção da paz, da justiça e da proteção da criação”. A CIPAX também se comprometeu, desde a sua criação, com o diálogo ecumênico e tem visto muitos protestantes em sua diretoria e entre seus membros. O canteiro de obras foi criado graças à contribuição de Otto per mille da Igreja Valdense – União das Igrejas Metodista e Valdense.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Igrejas conciliares ecumênicas.  Ioan Sauca mantém-se no cargo até 2021

Igrejas conciliares ecumênicas. Ioan Sauca mantém-se no cargo até 2021

Da esquerda para a direita, Ioan Sauca, Odair Pedroso Mateus, Doug Chial. foto CEC Roma (NEV), 4 de junho de 2020 - O secretário geral interino do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), padre Ioan Sauca, permanecerá no cargo até o próximo Comitê Central, marcado para junho de 2021, após os adiamentos devido à emergência do coronavírus. O moderador do WCC Agnes Abuom apelou às igrejas-membro para apoiar esta renovação de liderança. Isabel Apawo Phiri continuará seu trabalho na função de secretária geral adjunta no setor de Diaconia, bem como Elaine Dykes (finanças) e Marianne Ejdersten (comunicação). Também reconfirmado Odair Pedroso Mateus como secretário-geral adjunto ad interim para o programa do CMI "Unidade e missão". como diretor ad interim e até 2021 do Escritório da Secretaria-Geral foi nomeado em seu lugar Doug Chial. Leia a análise aprofundada e as biografias em Riforma.it artigo anterior“Supremacia branca não é mais aceitável”Próximo artigoRacismo: vírus para derrotar Agência de Imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália ...

Ler artigo
FCEI, a palavra aos conselheiros cessantes.  Christiane Groeben

FCEI, a palavra aos conselheiros cessantes. Christiane Groeben

unsplash, foto de Tim Mossholder Roma (NEV), 27 de outubro de 2021 - Em vista da Assembleia a ser realizada em alguns dias, quando o atual Conselho da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI) encerrará seu mandato e um novo Conselho e um novo presidente será eleito , recolhemos o testemunho de serviço nestes anos de trabalho no Conselho da Federação, àqueles que, ou seja, têm orientado o caminho da FCEI. Pedimos assim aos vereadores e vereadores cessantes que nos falassem do passado, através de um balanço da experiência feita, e um olhar para o futuro. O Conselho da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), triênio 2018/2021, imagem de arquivo É a vez do vice-presidente, Christiane Groeben. Qual é a sua avaliação desta experiência? “Meu saldo pessoal depois de dois mandatos no Conselho da FCEI representando o CELI é que eles me enriqueceram em viver e conhecer melhor a realidade protestante na Itália, na qual minha igreja, parece-me, sempre ou muitas vezes teve um papel marginal . Dois fatores ou eventos muito diferentes aumentaram, a meu ver, a consciência de uma realidade protestante que se expressa com uma voz um pouco diferente, mas com a mesma mensagem: o ano da Reforma e da pandemia. Em 2017 muitos eventos, iniciativas, mensagens nos fizeram entender melhor o que nos une e conseguimos nos fazer ouvir. Em vez disso, a pandemia nos deu a oportunidade de nos encontrarmos em todos os lugares - para discutir, contar uns aos outros, estudar, anunciar a Palavra - fora de nossos muros físicos e mentais em um espaço público igual para todos. Fico grato por ter feito parte de uma equipe que, graças a muitos colaboradores especializados, conseguiu realizar projetos em benefício de nosso vizinho, como o Mediterranean Hope, com os Corredores Humanitários, em Lampedusa, Bósnia, Sicília e Calábria. Que testemunho você tem vontade de deixar para aqueles que virão depois de você? Gostaria que os que estarão na diretoria depois de mim tenham cuidado para que a voz pública da FCEI seja percebida em nosso país como a voz de um coro polifônico da realidade protestante. Um coro, não um trio ou um duo”. ...

Ler artigo
Comunidades mais seguras e fortes na Europa.  As religiões trabalham juntas

Comunidades mais seguras e fortes na Europa. As religiões trabalham juntas

Imagens retiradas de www.sasce.eu/safety-security-guides/ Roma (NEV), 25 de outubro de 2022 – A coletiva de imprensa do projeto “Comunidades mais seguras e fortes na Europa - SASCE” terminou há pouco. Realizado pela Conferência das Igrejas Europeias (KEK) e financiado pelo Fundo de Polícia Interna da Comissão Europeia, o projeto visa aumentar a segurança dentro e fora dos locais de culto, bem como dentro e entre comunidades cristãs, budistas, muçulmanas e judaicas comunidades na Europa. A conferência de imprensa, organizada em conjunto com parceiros da União Europeia, apresentou o SASCE como “o único projeto transversal às várias comunidades de fé que disponibiliza ferramentas e práticas para a segurança de espaços públicos e instituições religiosas cristãs, muçulmanas, budistas e judaicas”. Ponto de partida da conferência, os dados sobre o aumento do extremismo e dos crimes de ódio na Europa. Estruturada como uma mesa redonda, a conferência destacou os desafios de segurança e destacou a importância de continuar trabalhando juntos. Atualmente, 15 países europeus estão envolvidos no projeto: Áustria, Bélgica, Croácia, Estônia, Finlândia, França, Grécia, Itália, Holanda, Polônia, Portugal, Espanha, Suécia e Hungria. Entre os temas que emergiram estava a percepção do medo, fenômeno crescente em vários níveis sociais. Precisamos dar às pessoas as ferramentas para reagir e enfrentar os riscos. Os relatórios também revelaram a consciência do aumento de sentimentos anticristãos, antijudaicos, islamofóbicos e, um fenômeno relativamente novo, sentimentos antibudistas. E são justamente os budistas que se perguntam como podemos ajudar a ensinar bondade, empatia, como ficar em paz. Compreender e saber o que acontece em outras comunidades é uma das formas de aumentar a solidariedade inter-religiosa, segundo alguns. Conexão, envolvimento, colaboração são outras palavras-chave expressas durante a conferência. O projeto SASCE está prestes a fechar. Qual será o próximo? Esta é uma das perguntas que aguardam resposta. Esperamos outros projetos e financiamentos, dada a importância do tema. As comunidades têm pedido por isso, para o maior interesse da sociedade como um todo. De fato, proteger comunidades de fé e prevenir riscos é um desafio que envolve todos. Os extremismos estão crescendo, as transformações da sociedade são cada vez mais bruscas e os ataques têm adquirido características mais sutis. Eles podem acontecer em qualquer lugar, em lugares grandes ou pequenos, nas cidades ou em qualquer outro lugar. As ameaças mudam de natureza, tanto por razões geopolíticas quanto por razões contingentes, em níveis micro. Estamos falando do comportamento de pessoas solteiras, de segurança local, interna e externa, de segurança suave. São questões sobre as quais, segundo os organizadores e participantes, é necessário sensibilizar todos os cidadãos, na sua totalidade. Entre os elementos de sucesso deste projeto: unidade. Trabalhar ativamente em conjunto, gerir ameaças, ser solidário com os outros, tudo isto representa uma força. E mesmo as ameaças internas podem ser mitigadas observando outras comunidades. É necessário também refletir sobre a própria identidade e a dos outros, aprofundar os elementos teológicos que levam a condenar ou justificar certas ações, buscar juntos como equilibrar as diversas instâncias. Outro ponto fundamental é representado pela análise das raízes do problema. A violência é um sintoma, mas de onde vem a radicalização e por quê? Como mitigá-lo? Nesses pontos, a proposta é clara: trabalhar na educação e nas escolas. Até as religiões parecem estar em competição, e isso é um problema. Através do projeto SASCE, as religiões estão juntas: é um grande sinal, dizem as organizações participantes: “Temos que entender e fazer as pessoas entenderem”. E precisamos fazer isso agora, porque o mundo mudou, as polarizações de cunho extremista, as narrativas políticas e sociais se exacerbaram. As igrejas estão em risco, as pessoas também. Não se trata apenas de ameaças físicas, mas também de ameaças verbais, situações que prejudicam a saúde mental ou emocional. Não esqueçamos que a violência ou ameaças contra imãs, rabinos, padres, pastores, voluntários e voluntárias estão aumentando. E depois há atos de vandalismo e roubos em locais religiosos e outras formas de ódio e abuso. Em resumo, não podemos deixar de tomar medidas imediatas contra todos os extremismos. A conferência de imprensa contou com a presença de: Elizabeta Kitanović – Secretário Executivo de Direitos Humanos do CEC. Ron Eichhorn – Presidente da União Budista Europeia. Aline Niddam – Chefe do escritório de segurança e crise do Congresso Judaico Europeu, pessoa de contato do SASCE. Ophir Revach – Diretor Executivo do Gabinete de Segurança e Crise do Congresso Judaico Europeu. Yohan Benizri – Ex-presidente da Federação Belga de Organizações Judaicas, vice-presidente do Congresso Judaico Europeu e membro do executivo do Congresso Judaico Mundial. Fiyaz Mughal – Fundador da Faith Matters. Iman Atta – Fundador e diretor da Faith Matters. Para assistir a coletiva de imprensa, clique abaixo: [embed]https://www.youtube.com/watch?v=CQU9Ah88aeY[/embed] SASCE O SASCE é um projeto dedicado à proteção de locais de culto e comunidades na Europa, fruto de uma parceria inter-religiosa entre o KEK e outras realidades de fé. Entre eles: Centro de Segurança e Crise do Congresso Judaico Europeu, Assuntos de Fé e União Budista Europeia. O projeto SASSE baseia-se nas melhores práticas recomendadas pela Comissão para a proteção dos espaços públicos da Europa, mas também no conhecimento e experiência da comunidade e grupos de segurança. Entre as ferramentas implementadas para esses objetivos: treinamento, cooperação, soluções tecnológicas. Esta parceria inter-religiosa recebeu uma doação de € 3 milhões da Comissão Europeia para a proteção de locais de culto na Europa. www.sasce.eu ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.