Centro Inter-religioso para a Paz.  Carta aos Sínodos e associações

Centro Inter-religioso para a Paz. Carta aos Sínodos e associações

Desenho de Anna Contessini retirado de www.cipax-roma.it/galleria_contessini/index.html

Roma (NEV), 6 de abril de 2022 – O Centro Interconfessional pela Paz (CIPAX) “recebeu com interesse e esperança a iniciativa da Igreja Católica de lançar uma dupla jornada sinodal, da Igreja italiana e universal, convidando os católicos a ouvir e à participação também de quem não está inserido nas estruturas eclesiásticas, de quem se sente distante, de quem pertence a outra tradição cristã ou professa outra religião, ou não crente”.

Com estas palavras, a CIPAX apresenta a sua mensagem aos Sínodos e à Rede Sinodal de associações constituídas para o “caminho sinodal” da Igreja Católica. O ponto de vista da CIPAX expressa sua natureza de associação inter-religiosa comprometida com a paz. “Acreditamos que o networking é em si um valor importante: muitas vezes nossa capacidade de influenciar é enfraquecida pela incapacidade de superar o individualismo, o narcisismo e o egoísmo. Pretendemos, portanto, caminhar juntos. Por isso, além de pedir ao Sínodo dos Bispos Católicos que se abra ao mundo, propomos passos comuns às nossas associações para que tenham mais força e impacto, sobretudo porque uma instituição, religiosa ou não, seja ela qual for, não pode evoluir sem ser empurrado de baixo”.

A carta é composta por diferentes seções e propõe objetivos e caminhos comuns. “Considera-se essencial que neste percurso haja igual dignidade e respeito por cada componente participante, e que também sejam acolhidos e incluídos os não crentes que queiram partilhar valores e compromissos”, escreve o CIPAX. E acrescenta: “Pretendemos ir mais longe, numa dimensão inter-religiosa que aproxime todos em torno de alguns valores fundamentais. Esses valores para a CIPAX são paz, não violência, respeito aos direitos, igualdade e paridade entre as pessoas, liberdade e justiça, respeito ao meio ambiente. Para a CIPAX, ecumenismo e inter-religiosidade não podem prescindir da paz, e vice-versa”.

O documento também fala de secularismo, minorias, não-violência, casamentos mistos, ministérios femininos, hospitalidade eucarística. Além disso, de um ecumenismo feito de escuta, portanto de silêncio e de superação das divisões: “Todos os fiéis devem poder participar das decisões que afetam sua vida e sua fé. Que todos eles sejam mestres e discípulos ao mesmo tempo. A diversidade é aceita como um ativo e não percebida como um obstáculo. Nesse sentido, o ecumenismo pode ser visto como uma projeção para o encontro inter-religioso, onde valores e ações comuns podem ser compartilhados. Práticas espirituais devem ser valorizadas. Diante das dificuldades iniciais imagináveis, é importante abrir espaço para a alteridade por meio da escuta, esvaziando-se de suas certezas para dar espaço ao “outro”, talvez até pelo silêncio que potencializa nossa sensibilidade. Incentivar o ecumenismo e a inter-religiosidade a partir de baixo, abrindo-se ao encontro com as diferentes experiências das associações religiosas para acolher as práticas que permitem avançar num caminho comum entre as diversas Igrejas e religiões. Na Ecúmena, no espaço habitado, recupera-se a dimensão espacial do círculo, numa referência à centralidade do púlpito, onde o centro é a comunidade, ainda que composta. A roda facilita o diálogo, o conhecimento, a inclusão, a partilha”.

Baixe o documento completo.

Acesse a apresentação da CIPAX.


O Centro Inter-religioso pela Paz (CIPAX) é uma associação cultural que desde 1982 promove “a colaboração de forças religiosas e seculares para a construção da paz, da justiça e da proteção da criação”. A CIPAX também se comprometeu, desde a sua criação, com o diálogo ecumênico e tem visto muitos protestantes em sua diretoria e entre seus membros. O canteiro de obras foi criado graças à contribuição de Otto per mille da Igreja Valdense – União das Igrejas Metodista e Valdense.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Oração Ecumênica pela Declaração Conjunta sobre a Justificação

Oração Ecumênica pela Declaração Conjunta sobre a Justificação

Imagem de arquivo retirada de www.lutheranworld.org Roma (NEV), 22 de novembro de 2019 - A oração ecumênica pelo 20º aniversário da Declaração Conjunta sobre a Doutrina da Justificação (JDDJ), o histórico documento ecumênico assinado por ocasião da comemoração da Reforma Protestante, em 31 de outubro de 1999, acontecerá hoje em Roma. O JDDJ é o resultado de mais de três décadas de diálogo entre luteranos e católicos que efetivamente resolveram um dos principais conflitos da Reforma, pondo fim às suas respectivas excomunhões. Assinado em Augsburg (Alemanha) por representantes da Federação Luterana Mundial (WLF) e do Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos (PCPUP), foi posteriormente adotado também pelo Conselho Metodista Mundial (em 2006), pela Comunhão Mundial de Igrejas reformadas e pela Comunhão Anglicana (em 2017). O JDDJ levou católicos e luteranos a superar a profunda divisão da Igreja no Ocidente por meio do que se chamou de "consenso diferenciado", ou seja, um acordo alcançado respeitando diferentes pontos de vista superando os conflitos do passado. Em 2019, para o 20º aniversário da JDDJ, católicos, luteranos, metodistas, reformados e anglicanos de todo o mundo continuam reunidos em oração para comemorar juntos seu batismo. A oração ecumênica convocada hoje pelo cardeal Kurt Koch prevê uma liturgia conjunta na qual, entre outros, o pároco decano da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) Heiner Bludauo pastor luterano Michael Jonasa pastora Mirella Manocchiopresidente do Comitê Permanente da Obra para as Igrejas Metodistas na Itália (OPCEMI) e pastor valdense Rio Emanuel. O encontro marcado para a oração ecumênica de 22 de novembro de 2019 é na abadia de Sant'Anselmo às 18h na piazza dei Cavalieri di Malta, 5. ...

Ler artigo
Ao Sínodo de bicicleta

Ao Sínodo de bicicleta

Torre Pellice (Turim), 22 de agosto de 2022 - De bicicleta de Turim a Torre Pellice - cerca de 60 quilômetros - para participar da Assembleia-Sínodo. Maria Elena LacquanitiBaptista, coordenadora da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), diz ter feito “esta escolha porque nos últimos quatro sempre saímos de férias de bicicleta, e também no final da Assembléia-Sínodo partiremos para Gênova e de lá para a Sardenha de bicicleta. Aderimos à ideia deste turismo lento tanto para dar o nosso contributo ao meio ambiente como porque representa uma dimensão diferente do turismo. A bicicleta permite-te penetrar na paisagem em todas as suas características, conhecer os territórios de forma mais profunda, fazer paragens onde quiseres, descobrir também os produtos e gastronomia locais”. Para Lacquaniti e seu companheiro é a primeira vez sobre duas rodas no Sínodo e em geral no Valli Valdesi. Ambos são delegados da assembléia protestante e pertencem à igreja batista de Civitavecchia. “Além de andar de bicicleta, gostamos de caminhar: temos feito nos últimos anos também como forma de educação dos nossos netos, para os fazer descobrir ou redescobrir a natureza, bem como uma necessidade e capacidade de convívio que parecia esquecida”, continua o coordenador do GLAM. E a escolha pessoal reflete um compromisso preciso com a sustentabilidade: “Precisamos rever os parâmetros do turismo de massa e da mobilidade. Vindo de Civitavecchia, por exemplo, estamos bem cientes do impacto do turismo de cruzeiros na taxa de poluição. É preciso refletir e reverter esse modelo baseado no turismo inútil, de atropelamento, que envolve altíssimos danos ao meio ambiente”. E o que poderia fazer a Assembleia-Sínodo em curso na Torre Pellice? “Experimente uma forma de hospitalidade ainda mais eco-sustentável: todos os delegados de bicicleta!”, comenta ironicamente o expoente do GLAM. Quanto à mensagem a ser dirigida às comunidades protestantes, “poderia questionar as igrejas sobre o turismo, assim como sobre a mobilidade. Precisamos olhar mais de perto as atividades sustentáveis, ter uma visão dos lugares e relações que podem ser divulgados às igrejas, contribuindo para a proteção e promoção dos territórios”. GLAM e eco-comunidades A Comissão GLAM está a serviço de comunidades e indivíduos que pretendem abordar questões ambientais e ecológicas a partir de uma perspectiva de fé. Entre suas atividades, está a construção de redes, dentro e fora das igrejas, em nível nacional e internacional. Um dos focos da GLAM é o trabalho para mulheres comunidade ecológica. Existem eco comunidades "iniciadas", "em andamento" e "graduadas", com base na adesão a um determinado limite de 40 critérios ambientais sobre: ​​culto e outros momentos litúrgicos. Trabalhos de manutenção visando a economia de energia. Eliminação de plástico. Educação e implementação de comportamentos virtuosos na administração, compras, uso de energia, mobilidade e gestão de resíduos. Até a verificação da ética dos bancos em que insistem as contas correntes das igrejas. O comunidade ecológica em Itália, algumas dezenas candidataram-se ao diploma GLAM, num universo de mais de uma centena de simpatizantes. "Plantando uma semente". Inscrições abertas para o 6º encontro nacional da ecocomunidade Quanto aos próximos compromissos GLAM, estão abertas as inscrições para o 6º encontro de eco comunidades. Organizado pela Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), será realizado em Nápoles de 4 a 6 de novembro. As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo
Aliança Batista Mundial.  Mackey é o novo presidente

Aliança Batista Mundial. Mackey é o novo presidente

Roma (NEV), 30 de julho de 2020 – O novo presidente da Aliança Batista Mundial (BWA) é argentino. é sobre o pastor Tomas Mackeyque foi eleito em 23 de julho e cujo mandato será de cinco anos. Mackey foi reitor do Seminário Teológico Batista Internacional em Buenos Aires, Argentina, de 1993 a 2004, e é professor desde 1979. Dirige a Fraternidade Pastoral da Associação Batista Argentina (ABA), foi Secretário Executivo da Juventude Batista Argentina de 1976 a 1978, e é Conselheiro Juvenil da Associação Batista Argentina desde 2005. Foi membro fundador da Aliança Cristã de Igrejas Evangélicas da República Argentina (ACIERA), membro fundador e atual membro do Conselho de Administração do Fórum Social Ecumênico, bem como membro do Conselho de Administração da Kairos Fundação de 1988 a 2004 e membro do Conselho de Administração da Sociedade Bíblica Argentina de 2004 a 2008. Ele atua no pastorado desde 1978 e desde 1988 é pastor da Igreja Batista de Buenos Aires, Argentina. “A Global Baptist Alliance abriu meus olhos para o mundo”, disse Mackey. Estou ansioso pela oportunidade de continuar servindo ao Senhor e à família BWA nesta função e convido todos a se juntarem a mim para experimentar a bênção de servir ao Senhor e à família batista em todo o mundo”. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.