Igreja Batista OPM, “Multiplicar a esperança por mil”

Igreja Batista OPM, “Multiplicar a esperança por mil”

Roma (NEV), 22 de abril de 2023 – “Multiplicar a esperança por mil”: este é o lema da campanha Otto per mille Baptist 2023. Estamos falando do compromisso da União Cristã Evangélica Batista da Itália (UCEBI) para fins de saúde , humanitário, social. Todos os anos, a UCEBI continua a aplicar 100% dos fundos recebidos “com extremo rigor, destinando-os – até ao último cêntimo – exclusivamente a intervenções sociais, assistenciais, humanitárias e culturais, em Itália e no estrangeiro”, lê-se no site da batistas. Entre os projetos ativos, financiados com os recursos do Otto per mille, podemos ajudar idosos, mulheres vítimas de violência, meninos e meninas. Entre as atividades realizadas pela UCEBI com os fundos Otto per mille, um projeto dos Médicos Sem Fronteiras contra a violência contra as mulheres, a casa de repouso GB Taylor em Roma, apoio às atividades da Associação Italiana de Pessoas com Síndrome de Down (AIPD) – Onlus de Pisa e o projeto Medical Hope da Federação de Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) para assistência médica a refugiados sírios no Líbano e na Itália.


Quem são os batistas? “Para explicar de forma simples podemos dizer: os cristãos da igreja de Martin Luther King”. É o que afirma o site da UCEBI, membro da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). Fundada em 1956, recolhe o legado da União Batista Apostólica Cristã (UCAB), fundada em 1884 pelas missões inglesas e americanas que chegaram à Itália na década de 1860, por sua vez herdeiras dos anabatistas e da chamada Reforma Radical da Inglaterra de 1600.


Aqui todas as informações da Receita Federal em 2, 5 e 8 por mil.

As imagens escolhidas para a campanha publicitária Otto per mille battista:

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Dia Mundial dos Oceanos.  “Águas do mar, fonte de vida”

Dia Mundial dos Oceanos. “Águas do mar, fonte de vida”

Um enquadramento do vídeo de apresentação da Conferência das Nações Unidas sobre o Oceano (27 de junho/1 de julho de 2022, Lisboa - Portugal) Roma (NEV), 9 de junho de 2022 – O Dia Mundial dos Oceanos ocorreu ontem. O slogan deste ano foi: “Revitalização: Ação Coletiva pelo Oceano”. No mesmo dia, há dois anos, em meio à pandemia, a Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) apresentou seu Dossiê para o Tempo da Criação. Dedicado precisamente aos oceanos, cuja biodiversidade é tão preciosa como a da terra, o Dossiê é muito atual e tem como título “Águas marinhas, fonte de vida”. É inspirado no versículo "O oceano a cobriu com seu manto" (Salmo 104,6a). Nesta ocasião, a GLAM relança as questões da proteção dos oceanos através da partilha de algumas informações, que a seguir reportamos na íntegra. Um ano enquadrado pela Década da Ciência Oceânica das Nações Unidas e celebração da Conferência das Nações Unidas sobre o Oceano, dois anos depois de ter sido cancelada devido à pandemia. O Dia Mundial dos Oceanos lembra a todos o importante papel que os oceanos desempenham na vida cotidiana. O oceano cobre mais de 70% do planeta, representa 95% da biosfera, produz pelo menos 50% do oxigênio do planeta, abriga a maior parte da biodiversidade terrestre. Em relação à humanidade, o oceano é a principal fonte de proteína para mais de um bilhão de pessoas e para cerca de 3 bilhões, é a principal fonte de subsistência. Além de empregar cerca de 40 milhões de pessoas. Nas mãos humanas, o oceano está sofrendo com a poluição (a cada ano, estima-se que 5 a 12 milhões de toneladas de plástico fluam para ele), pesca, mineração, guerras com 90% das grandes populações de peixes esgotadas e 50% dos corais recifes destruídos - estamos tirando mais do oceano do que pode ser reposto. Estes são os propósitos do Dia Mundial dos Oceanos: informar o público sobre o impacto das ações humanas no oceano; desenvolver um movimento mundial de cidadãos pelo oceano; mobilizar e unir a população mundial em um projeto de gestão sustentável dos oceanos do mundo. Este ano, as Nações Unidas estão sediando a primeira celebração híbrida do evento. A Ocean Conference decorrerá de 27 de junho a 1 de julho em Lisboa, Portugal. O tema principal será: 'Aumentar a ação oceânica baseada na ciência e a inovação para a implementação do Objetivo 14: inventário, parcerias e soluções'. Em abril, o 4º Fórum dos Oceanos abordou os desafios e oportunidades para a economia dos oceanos abordando: Setores emergentes da economia oceânica sustentável, como a produção de algas marinhas. Mecanismos de apoio à transparência e subsídios à pesca. Reforma dos mercados da economia oceânica e medidas não tarifárias. Sustentabilidade social das cadeias produtivas da pesca e da aquicultura. Cadeias de abastecimento marítimas sustentáveis ​​e resilientes. Aspectos comerciais relacionados com o lixo marinho e a poluição plástica. Abaixo, o vídeo de apresentação do Dossiê GLAM2020 sobre os Oceanos [embed]https://www.youtube.com/watch?v=jiQ42-riZlI[/embed] ...

Ler artigo
21 de março, Dia das Vítimas da Máfia em Milão

21 de março, Dia das Vítimas da Máfia em Milão

Fotos de Libera, associações, nomes e números contra as máfias Roma (NEV), 15 de março de 2023 - Este ano, o Dia Nacional de Memória e Compromisso em memória das vítimas inocentes da máfia promovida por Libera, a associação fundada por don Louis Ciotti para combater os fenômenos do crime organizado e apoiar a justiça social, acontecerá em Milão, como sempre no dia 21 de março. A iniciativa, intitulada nesta XXVIII edição "É possível", conta com o patrocínio da Prefeitura de Milão e da Região da Lombardia e o apoio da Diocese de Milão. Na noite anterior, segunda-feira, 20 de março, às 18h15, será celebrada em Santo Stefano Maggiore uma vigília de reflexão e oração ecumênica presidida pelo Arcebispo de Milão, mons. Mário Delpini. A escolha da basílica, também conhecida como "paróquia dos migrantes", tem um valor simbólico: como o próprio padre Ciotti sempre sublinhou, são precisamente os migrantes, de fato, os mais expostos à exploração das organizações mafiosas. Por isso, ao lado dos nomes das 1.069 vítimas inocentes da máfia "listadas" por Libera, serão lidos durante a Vigília os nomes das mais de oitenta vítimas do naufrágio de 26 de fevereiro passado em Steccato di Cutro. A celebração em Santo Stefano também terá um valor ecumênico: com Mons. Delpini estará de fato presente pai Traian Valdman (Igreja Ortodoxa Romena) e o pastor Daniela DiCarlo (Igreja Evangélica Valdense). Na terça-feira, uma procissão com saída às 9h do Corso Venezia chegará à Piazza Duomo às 11h onde serão lidos novamente os nomes das vítimas inocentes da máfia: cidadãos, magistrados, policiais, jornalistas, políticos, padres e empresários assassinados por organizações criminosas. Às 11:45 discurso de encerramento por Don Luigi Ciotti. O comercial Rai do evento: [embed]https://www.youtube.com/watch?v=hCXJkHWKlsU[/embed] ...

Ler artigo
Reparar os danos irreparáveis

Reparar os danos irreparáveis

Imagem gerada com GPT-3, o modelo de geração de linguagem em grande escala da OpenAI - openai.com (ER/NEV) Roma (NEV), 8 de março de 2023 - “De uma perspectiva restaurativa, todo conflito deve ser enfrentado no campo do pequeno grupo, do grupo institucional, interinstitucional e, finalmente, da comunidade”. Este é um dos nós da “reparação”, entendida como a possibilidade de mudança e transformação pessoal e coletiva, como cuidar, como superar traumas e injustiças sociais. Estas palavras são emprestadas do discurso de Ana Ponentediretor do centro diaconal "La Noce" de Palermo, recentemente palestrante no contexto das jornadas de estudo sobre a reparação organizadas em Nápoles, na Pontifícia Faculdade Teológica do Sul da Itália, pelo Pe. E.Jula, professor de ética e mediação de conflitos. A palestra teve como tema "O campo emocional e a relação transferencial e contratransferencial na mediação: um diálogo possível?". citações de Poente Madeleine e Willy Barangerpsicanalistas franco-argentinos, Melanie Klein Psicanalista britânico naturalizado austríaco, e Jacqueline Morineau, criador da mediação humanística. Uma verdadeira jornada multidisciplinar na resolução de conflitos, mas não só. "Ao passar de uma abordagem terapêutica e de atendimento individual para uma mais social - defende Ponente -, torna-se possível desenvolver um modelo de cidade para lidar com situações de privação social, pobreza, abandono escolar precoce, conflitos, traumas". Todos os atores envolvidos representam a "comunidade reparadora", que "ajuda o outro a recuperar partes de si perdidas, danificadas por traumas e injustiças". Outro elemento fundamental do processo de reparação diz respeito à "capacidade de se preocupar com as consequências, ou melhor, com os efeitos das próprias emoções na relação com os outros". E também a “capacidade de tolerar ambivalências, ódio e amor, bem como acreditar no poder restaurador e reconstrutivo dos laços sociais e afetivos”. A experiência de reparação tem um enorme potencial, explica Ponente, "pois liberta o indivíduo da sensação de dano irreparável, dando esperança às gerações seguintes, acreditando firmemente na possibilidade de enfrentar as marcas deixadas no mundo interno por experiências de relacionamentos rompidos, e com a convicção e a confiança de que permanece sempre o desejo de estabelecer relações nas quais se possa tornar depositário da confiança e estima dos outros. No entanto, vivemos numa época de profundas mutações, mudanças económicas e sociais; uma comunidade que quer se conotar como restauradora e relacional deve, portanto, assumir o desafio de enfrentar a crise dos laços sociais e promover a mudança. Não podemos ignorar que neste momento histórico muitos homens, mulheres e crianças continuam morrendo. Diante do ocorrido em Cutro [l’11 marzo, peraltro, la Federazione delle chiese evangeliche in Italia (FCEI) aderisce e partecipa alla manifestazione nazionale “Fermare la strage” ndr], não podemos deixar de refletir sobre a responsabilidade histórica de nos encontrarmos novamente diante de um enorme trauma social que pode ser irreparável. De fato, vivemos um momento histórico onde o evento traumático e catastrófico tem um valor dramático, pois é determinado pelo ataque do homem ao ser humano. O homem ataca a necessidade fundamental que o identifica como tal, a necessidade de relações, ou melhor, o desejo de relações como primeira satisfação da necessidade de segurança e de apego aos outros e à vida. No trauma perpetrado por humanos, o que é humano também define o inumano. A matriz humana de experiências devastadoras como guerras, genocídios, torturas políticas, abusos físicos e mentais, extermínios, produz consequências no indivíduo, nos grupos, na sociedade e na comunidade. A violência fica impressa na mente e no corpo da pessoa e seus efeitos afetam não só a geração afetada, mas também as seguintes”. O significado profundo e psíquico que as pessoas atribuem ao trauma, conclui Anna Ponente, “é um dos elementos que podem determinar a gravidade do impacto do trauma no indivíduo e no grupo, juntamente com o apoio que a pessoa receberá da comunidade. Devemos lutar contra este processo de desumanização e ao mesmo tempo implementar todos os métodos de reparação e apoio, do indivíduo e da comunidade”. Para ler um trecho da fala de Anna Ponente, clique aqui: O campo emocional e a relação transferência-contratransferência na mediação – de Anna Ponente. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.