O protestantismo é belicista?

O protestantismo é belicista?

Foto de Ben White – Unsplash

Roma (NEV), 14 de outubro de 2022 – Entre os inimigos da paz na Ucrânia está também o bloco anglo-americano, e não é de se estranhar “porque os anglo-saxões são de origem protestante: para eles, calçar botas (de soldados) no terreno é bastante normal, porque a ordem deve ser mantida e a política e a guerra na visão protestante são apenas sistemas mundanos, caracterizados por regras autônomas de engajamento e não sobrecarregados por laços morais de derivação evangélica”. Lemos em um artigo na “Província” assinado por don Ângelo Rivadiretor do Semanário da Diocese de Como.

Lamentamos porque os argumentos apresentados, além de superficiais e estereotipados – não falta a citação aproximada de Weber sobre a ligação entre capitalismo e protestantismo – demonstram como o caminho ecumênico ainda carece de conhecimento mútuo, compreensão e revisão de clichês que dificultam o caminho que várias igrejas tentam fazer juntas.

Em nota particular, o autor do artigo corrigiu seu ponto e admitiu ter ido longe demais em análises e referências que merecem muito mais estudo. Tomamos nota disso e, portanto, podemos considerar o incidente encerrado. No entanto, alguns comentários são necessários.

O protestantismo tem responsabilidades históricas bem conhecidas e somos nós protestantes que reconhecemos isso, a partir de Lutero, também alimentou a semente violenta do antijudaísmo; que a escravidão foi aceita e até abençoada por muito tempo pelas comunidades protestantes que queriam construir um “mundo novo” e se colocar como modelo de civilização diante do mundo, “como uma cidade sobre uma colina”, citando o Evangelho de Mateus; e, novamente, poderíamos dizer do segregacionismo, ou da blasfema justificação teológica do apartheid. Em suma, não é difícil extrair argumentos do arquivo da história para alimentar um antiprotestantismo que, aliás em um país como a Itália, há muito é alimentado e sustentado com armas, repressão e discriminação. Mas quem fere pela controvérsia, perece pela controvérsia e, colocando-se ao mesmo nível e relembrando as cruzadas e a caça aos “hereges” (valdenses e outros), Torquemada e a Inquisição, o Syllabus e as generosas bênçãos às tropas coloniais italianas na África, a partida pode ser equilibrada. Mas que sentido isso faria? Qual é o valor espiritual dessa risível disputa fora do tempo e fora do lugar sobre as sombras negras que também se projetam sobre as tradições religiosas?

A cultura protestante não produz apenas anfíbios militares, como afirma uma vulgata superficial, mas também críticas ao poder estabelecido (as alas radicais da Reforma e os movimentos “puritanos” contra as igrejas “estabelecidas” e isto é, estatais); cultura de direitos humanosEleanor Roosevelt e toda a tradição liberal-democrática anglo-saxônica); martírio pela liberdadeDietrich Bonhoeffer); prática não violenta (Martin Luther King); modelos de reconciliação (as igrejas reformadas da África do Sul); uma visão ecumênica orientada para a paz (o Conselho Mundial de Igrejas). E para a frente.

O ecumenismo de hoje e de amanhã, para crescer, precisa de estudo, de método, de rigor. Para isso, precisamos nos livrar de pré-julgamentos e repertórios fáceis de polêmicas. A credibilidade do anúncio cristão no mundo de hoje depende disso.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Maria Vingiani: explorando os caminhos do encontro

Maria Vingiani: explorando os caminhos do encontro

Com efeito, em 2021, recorda Gavarini, foram organizados três momentos de recordação e estudo: dois online, a 26 de fevereiro de 2021, promovidos não só pela Sae, mas também pela Universidade Ca' Foscari de Veneza, pelo San Bernardino Institute of Estudos Ecumênicos em Veneza, da bunda. «Amici di don Germano Pattaro» e por familiares, e uma segunda vez em março; então, em outubro, o Sae organizou um dia na Faculdade Valdense de Teologia em Roma. O encontro de Pinerolo é promovido pela SAE (Grupo dos Vales de Pinerolo e Valdenses) em conjunto com a Comissão para o Ecumenismo das Igrejas Valdenses do Primeiro Distrito, que aderiu à iniciativa: a intenção é, explica Gavarini novamente, "divulgar este volume e o conhecimento desta figura que esteve entre os pioneiros do ecumenismo na Itália, dando origem a uma associação única a nível europeu, não só na Itália, como notaram testemunhas de autoridade como o teólogo valdense Paulo rico. Aproveitamos também a presença do jornalista em Pinerolo Raffaele Luise, decano dos vaticanistas de Rai, também aluno de Maria Vingiani, tendo sido professor no liceu. Juntamente com Luise envolvemos o atual presidente da Sae, Erica Sfreddaque teve a oportunidade de colaborar durante muito tempo, quando jovem, com a própria Maria Vingiani, como posso dizer que tive a sorte de o fazer eu próprio». Para quem ainda não conhece a figura de Maria Vingiani ou do Sae, uma boa oportunidade para o fazer, numa das primeiras “oficinas ecuménicas” em Itália, Pinerolo. Leia sobre a reforma ...

Ler artigo
Igrejas mundiais pela justiça racial e econômica

Igrejas mundiais pela justiça racial e econômica

Foto Albin Hillert/CEC. Arusha, Tanzânia, 7 de março de 2018 Roma (NEV), 28 de maio de 2019 – O Comitê Executivo do Conselho Mundial de Igrejas (CMI) reuniu-se de 22 a 28 de maio em Bossey, na Suíça. Entre as moções aprovadas, uma diz respeito à comemoração da viagem transoceânica forçada dos povos africanos escravizados por Angola para Jamestown, na Virgínia (EUA), que marca o quadricentenário. “A política e a prática de escravização do povo africano lançaram as bases para a privação sistemática de direitos e humilhação de pessoas de ascendência africana por 400 anos, nos Estados Unidos e em todo o mundo”, dizia o comunicado. O CMI “celebra a resiliência espiritual dos povos africanos nestes 400 anos – continua a declaração – e reafirma a parceria histórica entre igrejas e organizações ecumênicas nos Estados Unidos que, juntamente com o CMI, abordam o racismo em nível global”. O CMI pede a todas as igrejas membros que recordem este momento histórico e peçam perdão “em nome de nossos ancestrais que estiveram envolvidos na escravização do povo africano” e retomem a luta contra o racismo, pela justiça racial e econômica e pela reparação. A íntegra da declaração em inglês pode ser consultada AQUI. Muitos itens da agenda tratados pelo comitê, incluindo os preparativos para a 11ª Assembleia do CMI que será realizada em 2021 em Karlsruhe, na Alemanha, cujo tema será “O amor de Cristo move o mundo à reconciliação e à unidade”. Numerosas declarações foram assinadas pelo Comitê nos últimos dias. Um apelo aos cristãos perseguidos na Ásia, uma declaração sobre a crise global da biodiversidade e o fim do HIV e AIDS, o apelo para conter as tensões entre os EUA e o Irã e para uma paz justa na Palestina e em Israel. ...

Ler artigo
“Não tenha medo”.  mensagem ecumênica pascal

“Não tenha medo”. mensagem ecumênica pascal

Foto de Ignacio Joaquin Silveyra de Avila - Unsplash Roma (NEV), 12 de abril de 2020 - Uma mensagem pascal ecumênica dirigida aos cristãos da Itália: é uma novidade bem-vinda que nos traz esta Páscoa anômala, que quase todos celebraremos individualmente ou, no máximo, em família, encerrados em nossas casas para conter a infecção. De fato, todos os anos há uma espécie de mensagem ecumênica, mas por ocasião da "Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos", que acontece de 18 a 25 de janeiro: o tema da Semana é apresentado conjuntamente pelo bispo católico Ambrogio Spreafico , presidente da Comissão Episcopal para o ecumenismo, pelo Metropolita Gennadios, arcebispo ortodoxo da Itália e Malta, e pelo orador, como presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália. Mas este ano, ao aproximar-se a Páscoa, que as nossas Igrejas celebrarão em datas diferentes (12 de abril na tradição ocidental e 19 de abril na tradição oriental), "com base na fraternidade que nasce da confissão do mesmo Senhor, senti a necessidade de voltar a nos expressar juntos pronunciando uma palavra comum diante da pandemia que atingiu nosso país e o mundo inteiro. Uma pandemia global, portanto, que não poupa nenhuma região do mundo e que, além de causar desconforto, sofrimento e morte, condicionará fortemente as celebrações pascais das Igrejas cristãs, com o risco de obscurecer aquele sentimento de alegria que é típico do tempo pascal”. A mensagem parte do relato da Páscoa do Evangelho segundo Mateus, em que a ressurreição de Jesus é anunciada por um terremoto e pelo anjo do Senhor que rola a grande pedra do sepulcro, causando grande temor em todos os presentes - que isto é, os guardas e as "mulheres piedosas" que foram ao túmulo. Só que, enquanto o medo literalmente paralisa os guardas, as mulheres aceitam o convite do anjo para não temer e, verificando que o sepulcro está vazio, fogem "com medo e grande alegria". “Uma mistura de medo e alegria que os põe em movimento e os torna os primeiros arautos da ressurreição. Por isso – lê-se na mensagem – mesmo neste tempo de contágio, queremos aceitar o convite do anjo: “Não tenhais medo”. Cumprindo as regras de prudência a que teremos de continuar a cumprir para evitar o alastramento da pandemia, como Igrejas sentimo-nos chamadas a ser, como piedosas mulheres, arautos da ressurreição, do facto de a morte não ter a última palavra. Esta pandemia também fortalece em nós a vocação de estarmos juntos, neste mundo dividido e ao mesmo tempo unidos no sofrimento, testemunhas de humanidade e hospitalidade, atentos às necessidades de todos e especialmente dos últimos, dos pobres, dos marginalizados”. A mensagem termina com um convite à oração que une todos os cristãos: Pai nosso que estais nos céus... livrai-nos do Mal”. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.