Anne Burghardt é a nova secretária da Federação Luterana Mundial

Anne Burghardt é a nova secretária da Federação Luterana Mundial

Burghardt assumirá o cargo de novo secretário-geral da FLM no início de novembro, sucedendo o pastor Martin Junge que liderou a comunhão de 148 igrejas nos últimos onze anos. Ela será a primeira mulher e a primeira representante da Europa Central e Oriental a ocupar esta posição de liderança.

Após o anúncio, Burghardt disse: “Sinto-me honrado por este grande papel e profundamente grato pela confiança que os membros do Conselho depositaram em mim. Ao aceitar esta responsabilidade muito especial na comunhão, oro pela orientação do Espírito de Deus. Congratulo-me com a oportunidade de trabalhar com o Conselho, igrejas-membro e vários parceiros enquanto a Federação continua a participar da missão holística de Deus. Que Deus abençoe nossa comunhão para que, por sua vez, seja uma bênção para a igreja em geral e para o mundo”.

Parabenizando Burghardt por sua eleição, o presidente da FLM, o arcebispo Panti Filibus Musa, ele declarou: “Parabenizo a pastora Burghardt por sua eleição. Desempenhará um papel vital na liderança de nossa comunhão global de igrejas, ajudando a moldar sua jornada contínua e a dar testemunho do Evangelho, trabalhando pela paz, justiça e reconciliação. Burghardt traz sua inestimável experiência e presentes para sua nova função e estou ansioso para trabalhar com ela.”

Burghardt possui ampla experiência no campo das relações ecumênicas, tendo também atuado como Secretária de Relações Ecumênicas nos Escritórios de Provisão de Genebra da Federação Luterana de 2013 a 2018. Também foi Coordenadora de Conteúdo da XII Assembleia da Federação Luterana Mundial, realizada em Windhoek , Namíbia em 2017, e nas comemorações dos 500 anos da Reforma no mesmo ano. Ele também é membro do conselho de diretores da Conferência das Igrejas Européias (KEK).

O pastor Burghardt estudou teologia na Universidade de Tartu, na Estônia, na Friedrich-Alexander-Universität Erlangen-Nürnberg, na Alemanha, e na Universidade Humboldt de Berlim. Ele é mestre em Teologia e atualmente está concluindo estudos de doutorado no campo da liturgia ortodoxa. é casado com Arnd Matthias Burghardttambém ordenado pastor da Igreja Evangélica Luterana da Estônia e o casal tem dois filhos.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Naufrágio de Crotone, luteranos: “Não podemos nos calar”

Naufrágio de Crotone, luteranos: “Não podemos nos calar”

Desenho de Francesco Piobbichi, operador da Mediterranean Hope - FCEI Roma (NEV), 1º de março de 2023 – “Como Igreja, sabemos como é complexo lidar com a questão da migração. No entanto, essa complexidade não pode ser traduzida em silêncio ou, pior, em negação”. A igreja luterana na Itália escreve isso em uma nota. “A Igreja Evangélica Luterana na Itália – lê-se no comunicado de imprensa divulgado hoje – expressa suas condolências pelas vítimas do naufrágio ocorrido na costa da Calábria. As mais de sessenta vítimas recuperadas até agora, entre muitos meninos e meninas, somam-se a outras pessoas que, nos últimos anos, se lançaram ao encontro da Europa. Como cristãos, sentimos faltar-nos as palavras pela crueldade com que estas buscas de encontro, estes pedidos de ajuda, muitas vezes ficam suspensos, senão mesmo rompidos. Consideramos estas mortes, e as que as precederam, o sinal do pecado que nos diz respeito. Não no abstrato, mas no concreto. Podemos nós, como os justos do Evangelho de Marcos, perguntar: Senhor, quando te vimos como estrangeiro e te acolhemos? Podemos, olhando para estes nossos irmãos e irmãs, responder afirmativamente a esta pergunta? As viagens dos migrantes sinalizam a fragilidade de nossa sociedade. E da política muitas vezes até interessada em fazer dessas mortes a responsabilidade de quem morreu. É inadmissível que o pedido de dignidade humana, de encontro no caminho da solidariedade se simplifique a números, quotas, admissões. A complexidade não é uma equação a ser reduzida ao mínimo, nem as pessoas são variáveis ​​intercambiáveis. Nas nossas praias, essas mesmas praias para onde iremos daqui a alguns meses para refrescar o verão, o nosso tormento acende-se”. O CELI, prossegue o texto, “juntamente com as suas profundas condolências deseja também manifestar o seu encorajamento para que o nosso país não se deixe desumanizar, não se acostume com estas como com as outras mortes que as precederam. Como cristãos, temos o dever de fazer parte dessa complexidade. Enfrentá-lo juntos, ecumenicamente. Acreditamos que a gestão dos fluxos migratórios é necessária e que, mesmo neste caso, a complexidade não pode e não deve ser reduzida ou banalizada dentro das típicas polarizações e explorações políticas. O que aconteceu diante de Cutro é um grito muito alto: ao céu, mas sobretudo à terra. E chama-nos cristãos a dar conta de sermos armas que acolhem, mas também vozes que intervêm, falam claramente tanto à sociedade como à política. A santidade da vida humana se aplica a todos os seres humanos em todos os lugares. Tanto na costa da Calábria como nos campos de migrantes. Campos que, também graças às políticas contraditórias implementadas nos últimos anos, continuam a fazer vítimas e a gerar desespero após desespero”. A Igreja Evangélica Luterana na Itália espera, portanto, “com vigor, que pelo menos os cristãos, as pessoas de fé saibam falar juntas, em uma voz que contém uma pluralidade de tons. Harmonioso. Porque o Deus da Paz e da Vida nos deu voz para falar quando necessário”. ...

Ler artigo
Decreto de imigração, eu era estrangeiro: provisão inadequada

Decreto de imigração, eu era estrangeiro: provisão inadequada

Roma (NEV), 4 de maio de 2023 – O decreto do governo sobre imigração agora é lei. Para as organizações que promovem a campanha Eu era estrangeiro, que também é membro da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, “isso não é uma boa notícia”. Segundo Ero Straniero, seria uma medida: "inadequada face às entradas de trabalho no nosso país dado que, apesar das proclamações sobre o aumento regular dos fluxos, das promessas ao mundo produtivo carente de mão-de-obra e das intervenções mínimas para maior agilidade dos procedimentos, o sistema de contratação de estrangeiros continua sendo o, insuficiente e ultrapassado, de vinte anos atrás. Nem mesmo os previsíveis resultados do click day de 27 de março do ano passado, com mais de 240.000 pedidos de emprego contra 82.000 vagas disponíveis, serviram para pressionar o governo a dar um passo à frente e permitir que todos os empregadores que o solicitassem pudessem contratar o homem e trabalhadoras de que precisam nos próximos meses; desumano porque limita o acesso à protecção especial e priva milhares de pessoas que já se encontram em Itália e que aqui construíram relações e estabeleceram laços familiares e laborais, da possibilidade de sair da invisibilidade, obrigando-as novamente a viver na precariedade e provocando a criação constante de irregularidade; ilegítimo porque o respeito pela vida privada e familiar é um direito consagrado no artigo 8.º da Convenção Europeia dos Direitos do Homem (CEDH) e o nosso país tem a obrigação de assegurá-lo e não de negá-lo, como de facto prevê a intervenção do Governo sobre proteção especial; inúteis porque continuamos, já há vinte anos, a iludir-nos de que basta construir CPR em todas as regiões e aumentar os tempos de detenção para resolver o problema da irregularidade, quando já se constatou que o número de repatriamentos efectuados todos os anos é muito menor do que o número de pessoas mantidas nessas estruturas onde o abuso e a violência estão na ordem do dia; errado e contraproducente em termos de inclusão e segurança social porque o sistema de acolhimento é intervencionado cortando serviços e impedindo o acesso ao circuito SAI e o acolhimento generalizado de requerentes de asilo: o governo opta por negar o precioso trabalho de autarcas e organizações da sociedade civil nos últimos anos para uma acolhida voltada para a inclusão nos territórios das pessoas que chegam à Itália e se casa com a abordagem míope e perigosa dos decretos Salvini de 2018 porque se pretende criar precariedade, invisibilidade, exploração, com o objetivo de transformar imigração um problema, um bicho-papão a abalar e não uma oportunidade para a sociedade”. Por isso, hoje a campanha renova seu compromisso de “reformar a gestão dos fluxos migratórios em nosso país e garantir aos estrangeiros que aqui vivem e trabalham dignidade, oportunidade e participação”, conclui uma nota divulgada hoje por Ero Straniero. artigo anteriorVocê não está sozinho! Evangelização e direitos das mulheresPróximo artigoA fabrica Agência de Imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália ...

Ler artigo
Protestantes?  Viajando.  Um especial do protestantismo

Protestantes? Viajando. Um especial do protestantismo

Roma (NEV), 19 de agosto de 2020 – Quem são os protestantes na Itália hoje? Como vivem e testemunham a sua fé e qual é a sua contribuição como cidadãos? Para responder a essas perguntas, o Protestantismo, coluna de cultura e informação religiosa editada pela Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) e transmitida pela RAI2, decidiu embarcar em uma viagem por nossa península em um trailer. Da Sicília ao Piemonte conheceu comunidades, igrejas e atividades diaconais, ouviu as dificuldades e visitou os projetos, entrelaçou relações e contou histórias e história. Por toda a Itália livre do bloqueio, de Roma a Scicli, de Matera a Ventimiglia, o autor e diretor Paulo Emílio Landi reuniu-se com evangélicos italianos para saber quem são, no que acreditam e o que está no centro de sua ação na sociedade italiana. Uma viagem de 3.000 km em um trailer, acompanhado pela equipe de televisão, pelo pastor valdense José Platãopelo jornalista Nadia Angelucci e depois de Stephanie Scuderi. História, Bíblia, oração, obras sociais e muitos quilômetros para compor o retrato de uma significativa minoria que todos já ouviram falar, mas poucos conhecem. Os dois especiais serão transmitidos nos dias 23 de agosto e 2 de setembro, às 9h20, com reprises posteriores. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.