Erica Sfredda é a nova presidente da Secretaria de Atividades Ecumênicas

Erica Sfredda é a nova presidente da Secretaria de Atividades Ecumênicas

Erica Sfredda trabalha na Divisão de Finanças do Município de Torino e é membro ativo da Igreja Valdense, onde ocupa o cargo de pregadora local. Fizemos algumas perguntas a ela.

É a primeira vez que a presidência da SAE é assumida por um protestante. O que esses dados representam na sua opinião?

A associação sempre teve membros protestantes dentro do Comitê, pois a interdenominacionalidade, incluindo a gestão, sempre foi uma prioridade. O presidente é sobretudo a pessoa que representa publicamente a associação, dado que as decisões são sempre colegiadas e remetidas a toda a Comissão Executiva, que também ouve os dirigentes dos grupos locais. Ter escolhido um presidente protestante significa ter maturidade para acreditar plenamente que a associação é interconfessional e que, mesmo em um país de maioria católica, a interlocução pode estar totalmente a par dos mundos ortodoxo e católico romano.

Quando nasceu seu interesse pelo diálogo ecumênico? E que lugar ocupa no seu caminho de fé?

Meu pai era metodista e minha mãe valdense, então, em certo sentido, nasci em uma família que fez do ecumenismo um de seus pilares. Meus pais também experimentaram o ecumenismo com outras confissões cristãs com grande intensidade desde a época do Concílio Vaticano II, e por isso sempre respirei um ar de abertura, de escuta, de atenção uns para com os outros. Aos 16 anos vim pela primeira vez para a SAE, que na época realizava suas sessões no Passo della Mendola, e foi uma experiência que me marcou para sempre. Ano após ano, cresci na minha fé e na minha identidade como valdense, através do diálogo com muitos pastores (na época eu vivia na diáspora e, portanto, para mim as Sessões também foram uma oportunidade preciosa para conhecer minha igreja melhor), mas também com os religiosos das outras confissões e sobretudo com os jovens e as jovens que, como eu, procuravam a sua fé e o seu lugar num mundo em constante turbulência e mudança. Hoje, com uma identidade que se tornou clara e profunda, só posso afirmar que minha fé foi forjada e desenvolvida em meu caminho ecumênico, à luz daquelas passagens bíblicas que nos pedem com absoluta clareza para trabalharmos juntos na busca da um só Senhor, para não ser escândalo para o mundo, para sermos dignos da vocação que nos foi dirigida.

Na 57ª formação ecumênica da SAE, realizada em julho passado, o número de jovens participantes foi crescente: um interesse renovado pelo diálogo ecumênico?

Eu gostaria de poder responder que sim, mas estaria blefando. O número de jovens foi absolutamente o habitual, mas numa percentagem superior porque muitos dos idosos não participaram devido ao Covid. A sessão deste ano foi particularmente bonita e intensa e eles tiveram uma presença significativa. A esperança do novo Comitê Executivo é tornar os jovens mais protagonistas e, portanto, aumentar seu número e importância: eles não são o futuro do associativismo e do ecumenismo na Itália, mas são já hoje a Igreja; precisamos de sua voz fresca, crítica, animada e curiosa para continuar a crescer, jovens e velhos. É uma aposta no futuro, ao invés de uma realidade já hoje.

Quais são os projetos futuros da SAE?

A SAE quer continuar a ser sal e fermento na terra. Assim, procuraremos trabalhar com pessoas e comunidades tendo em mente o conceito de diferenciação: não somos todos iguais e o que atrai alguém pode não ser compreendido ou adequado para outra pessoa. A nossa tentativa será diferenciar as nossas propostas: a par da Summer Session, um momento fundamental de crescimento e formação para todos e todos aqueles que dela sintam necessidade, e da Spring Conference, em que a associação também se reflecte, queremos poder desenvolver algumas linhas específicas, por exemplo sobre a salvaguarda da criação ou a questão do género.

Partindo da bagagem de experiências pessoais, laborais e comunitárias, qual será a sua contribuição específica para o trabalho do Sae?

Sou uma mulher muito ocupada porque sou esposa e mãe, trabalho na Divisão de Finanças do Município de Turim e sou membro ativo da Igreja Valdense, onde ocupo o cargo de pregadora local: digamos que esta a presidência da SAE é uma aposta que alguns membros quiseram fazer focando em mim e “abordando minha vocação” como dizem em nossas igrejas. Sei que não estarei sozinho, tenho uma boa equipe ao meu lado, Simone Morandini, Donatella Saroglia, Lívia Gavarini E Frances Del Corso, e conto também com o trabalho de muitos e muitos parceiros que se disponibilizaram para dar continuidade a esta obra visionária iniciada há 60 anos por Maria Vingiani. A contribuição, portanto, não será apenas minha, mas de muitos e muitos: juntos tentaremos trabalhar à luz daquela única esperança que é o nosso único Senhor. Ser ecumênico não é algo mais, uma vitrine que alguns querem e da qual outros podem abrir mão. Ser ecumênico faz parte da própria essência do ser cristão: em primeiro lugar porque é o próprio Senhor que nos chama à unidade. Tudo isso a partir da minha individualidade de mulher européia e valdense, criada em uma comunidade multicultural que viveu o processo de “Ser igreja juntos”, onde aprendi que a contaminação é uma graça, porque a diversidade e a diferença são uma riqueza inestimável, uma preciosidade dom que nos enriquece espiritualmente, mas também existencialmente.

entrevista por Marta D’Auria

Leia em Riforma.it

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Vozes diferentes, desafios comuns.  Igrejas evangélicas italianas votam em novos líderes

Vozes diferentes, desafios comuns. Igrejas evangélicas italianas votam em novos líderes

Roma (NEV/CS27), 28 de outubro de 2021 – A Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI) elege seu novo Presidente e novo Conselho, que chegaram ao fim de seu mandato de três anos. A Assembleia reunirá nos dias 29 e 30 de outubro, com duas etapas: a XIX e a XX Assembleia. Normalmente essa etapa é acompanhada da convocação de uma Assise, adiada por conta da pandemia. A FCEI, entre as duas assembleias, está assim a organizar este ano uma mesa redonda intitulada “Diferentes vozes, desafios comuns”. A marcação, presencial e online, é aberta ao público e realiza-se no sábado, dia 30 de outubro (mediante reserva e green pass). Eleições de novos dirigentes na tarde de 30 de outubro. A mesa redonda incluirá: Emanuela Del ReRepresentante Especial da UE para o Sahel. Daniele GarroneFaculdade Valdense de Teologia. Shahrzad Houshmand Zadehteólogo muçulmano. marco impagliazzopresidente da Comunidade de S. Egídio. Yassine Laframpresidente da União das comunidades e organizações islâmicas na Itália (UCOII). Marco Tarquíniodiretor da Avvenire. Lia Tagliacozzo, escritor e jornalista (vídeo mensagem). Moderado Cláudio ParavatiDiretor de Comparar. Na abertura, os vários chefes de serviços e comissões da FCEI apresentam brevemente o trabalho dos últimos três anos. O evento público de 30 de outubro é inspirado no versículo de Jeremias 1, 11 "O que você vê?" e conclui com uma meditação com curadoria do pároco Luca Maria Negro, presidente cessante da FCEI. Descarregue aqui o folheto da FCEI. Para participar na mesa redonda do dia 30 de outubro presencialmente (lugares limitados) é necessário fazer reserva por escrito para [email protected] – A participação online é aberta a todos* nas páginas do Facebook do NEV – notícias evangélicas e Confronti. Este é o calendário de eventos em Roma: sexta-feira 29, de 15 a 18, presencialmente, na igreja metodista na via XX Settembre, última sessão da XIX Assembleia da FCEI. (Acesso restrito). sábado 30, dos 10 aos 13, mesa redonda intitulada "Diferentes vozes, desafios comuns". Igreja Metodista na via XX Settembre, esquina com a via Firenze, e ao vivo pelo Zoom e Facebook. (Participação gratuita. Reserva obrigatória e passe verde para acesso às instalações). sábado 30, a partir das 15 horas, presencialmente, na igreja luterana da via Sicilia: eleições, constituição da XX Assembleia da FCEI e, posteriormente, primeira reunião do novo Conselho da FCEI. (Acesso restrito). O Conselho cessante é formado por Luca Maria Negro (presidente), Christiane Groeben (vice-presidente), Richard Kofi Ampofo, Stefano Bertuzzi, Ilaria Castaldo, Daniele Garrone, Roberto Mellone (tesoureiro). Para saber mais Baixe o relatório trienal 2019-2021 sobre as atividades da FCEI no site www.fcei.it ...

Ler artigo
Federação protestante da França entre novos e velhos desafios

Federação protestante da França entre novos e velhos desafios

Roma (NEV/Riforma.it), 3 de fevereiro de 2020 – A assembleia anual da Federação Protestante da França (FPF) foi realizada nos dias 25 e 26 de janeiro, reunindo quase 170 delegados representando 30 igrejas e mais de 500 diáconos. Para além das habituais obrigações estatutárias, a edição 2020 da assembleia geral teve vários destaques: a mensagem aos delegados da assembleia geral do presidente da PFF, pároco François Clavairoly, que traçou as principais linhas de ação do protestantismo para o ano de 2020; conferência do pastor Olav Fykse Tveit, secretário geral do Conselho Mundial de Igrejas (CEC); a avaliação do ano de 2019 com a apresentação do relatório de atividades pelos serviços, concelho e comissões da Federação. Novos membros foram acolhidos dentro da FPF: CEEEFE, Comunidade das Igrejas Protestantes de Língua Francesa, que reúne mais de 30 igrejas reformadas de língua francesa no mundo, APATZI, Associação Protestante de Amigos das Populações Ciganas, Fundação das Diaconisas de Reuilly e, em julgamento, Adra France e a comunidade de Goshen. Algumas recomendações importantes foram votadas: entre estas, também "Não há paz sem justiça", uma moção de apoio às atividades do Dr. Denis Mukwegemédico congolês, Prémio Nobel da Paz 2018, na sequência da conferência que o médico proferiu em Paris, durante a qual também exortou o protestantismo transalpino a agir para pôr fim finalmente aos terríveis conflitos tribais que perturbam a República Democrática do Congo. O Dr. Mukwege, de facto, em novembro de 2019, pediu à FPF que atuasse para que fosse criada na República Democrática do Congo uma plataforma que reunisse todos os atores protestantes já engajados nesta temática. Por fim, um grande texto relembra o 75º aniversário da libertação dos campos de extermínio, em um contexto de crescentes atos anti-semitas na França. A assembléia geral encorajou o Conselho a expressar sua solidariedade com a comunidade judaica e a continuar o diálogo fraterno com o judaísmo. Em 27 de janeiro passado, por ocasião da inauguração do renovado memorial da Shoah pelo Presidente da República Francesa Emmanuel Macrontambém compareceu o presidente da FPF Clavairoly. Leia em Riforma.it ...

Ler artigo
FCEI, a palavra aos conselheiros cessantes.  Christiane Groeben

FCEI, a palavra aos conselheiros cessantes. Christiane Groeben

unsplash, foto de Tim Mossholder Roma (NEV), 27 de outubro de 2021 - Em vista da Assembleia a ser realizada em alguns dias, quando o atual Conselho da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI) encerrará seu mandato e um novo Conselho e um novo presidente será eleito , recolhemos o testemunho de serviço nestes anos de trabalho no Conselho da Federação, àqueles que, ou seja, têm orientado o caminho da FCEI. Pedimos assim aos vereadores e vereadores cessantes que nos falassem do passado, através de um balanço da experiência feita, e um olhar para o futuro. O Conselho da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), triênio 2018/2021, imagem de arquivo É a vez do vice-presidente, Christiane Groeben. Qual é a sua avaliação desta experiência? “Meu saldo pessoal depois de dois mandatos no Conselho da FCEI representando o CELI é que eles me enriqueceram em viver e conhecer melhor a realidade protestante na Itália, na qual minha igreja, parece-me, sempre ou muitas vezes teve um papel marginal . Dois fatores ou eventos muito diferentes aumentaram, a meu ver, a consciência de uma realidade protestante que se expressa com uma voz um pouco diferente, mas com a mesma mensagem: o ano da Reforma e da pandemia. Em 2017 muitos eventos, iniciativas, mensagens nos fizeram entender melhor o que nos une e conseguimos nos fazer ouvir. Em vez disso, a pandemia nos deu a oportunidade de nos encontrarmos em todos os lugares - para discutir, contar uns aos outros, estudar, anunciar a Palavra - fora de nossos muros físicos e mentais em um espaço público igual para todos. Fico grato por ter feito parte de uma equipe que, graças a muitos colaboradores especializados, conseguiu realizar projetos em benefício de nosso vizinho, como o Mediterranean Hope, com os Corredores Humanitários, em Lampedusa, Bósnia, Sicília e Calábria. Que testemunho você tem vontade de deixar para aqueles que virão depois de você? Gostaria que os que estarão na diretoria depois de mim tenham cuidado para que a voz pública da FCEI seja percebida em nosso país como a voz de um coro polifônico da realidade protestante. Um coro, não um trio ou um duo”. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.