Erica Sfredda é a nova presidente da Secretaria de Atividades Ecumênicas

Erica Sfredda é a nova presidente da Secretaria de Atividades Ecumênicas

Erica Sfredda trabalha na Divisão de Finanças do Município de Torino e é membro ativo da Igreja Valdense, onde ocupa o cargo de pregadora local. Fizemos algumas perguntas a ela.

É a primeira vez que a presidência da SAE é assumida por um protestante. O que esses dados representam na sua opinião?

A associação sempre teve membros protestantes dentro do Comitê, pois a interdenominacionalidade, incluindo a gestão, sempre foi uma prioridade. O presidente é sobretudo a pessoa que representa publicamente a associação, dado que as decisões são sempre colegiadas e remetidas a toda a Comissão Executiva, que também ouve os dirigentes dos grupos locais. Ter escolhido um presidente protestante significa ter maturidade para acreditar plenamente que a associação é interconfessional e que, mesmo em um país de maioria católica, a interlocução pode estar totalmente a par dos mundos ortodoxo e católico romano.

Quando nasceu seu interesse pelo diálogo ecumênico? E que lugar ocupa no seu caminho de fé?

Meu pai era metodista e minha mãe valdense, então, em certo sentido, nasci em uma família que fez do ecumenismo um de seus pilares. Meus pais também experimentaram o ecumenismo com outras confissões cristãs com grande intensidade desde a época do Concílio Vaticano II, e por isso sempre respirei um ar de abertura, de escuta, de atenção uns para com os outros. Aos 16 anos vim pela primeira vez para a SAE, que na época realizava suas sessões no Passo della Mendola, e foi uma experiência que me marcou para sempre. Ano após ano, cresci na minha fé e na minha identidade como valdense, através do diálogo com muitos pastores (na época eu vivia na diáspora e, portanto, para mim as Sessões também foram uma oportunidade preciosa para conhecer minha igreja melhor), mas também com os religiosos das outras confissões e sobretudo com os jovens e as jovens que, como eu, procuravam a sua fé e o seu lugar num mundo em constante turbulência e mudança. Hoje, com uma identidade que se tornou clara e profunda, só posso afirmar que minha fé foi forjada e desenvolvida em meu caminho ecumênico, à luz daquelas passagens bíblicas que nos pedem com absoluta clareza para trabalharmos juntos na busca da um só Senhor, para não ser escândalo para o mundo, para sermos dignos da vocação que nos foi dirigida.

Na 57ª formação ecumênica da SAE, realizada em julho passado, o número de jovens participantes foi crescente: um interesse renovado pelo diálogo ecumênico?

Eu gostaria de poder responder que sim, mas estaria blefando. O número de jovens foi absolutamente o habitual, mas numa percentagem superior porque muitos dos idosos não participaram devido ao Covid. A sessão deste ano foi particularmente bonita e intensa e eles tiveram uma presença significativa. A esperança do novo Comitê Executivo é tornar os jovens mais protagonistas e, portanto, aumentar seu número e importância: eles não são o futuro do associativismo e do ecumenismo na Itália, mas são já hoje a Igreja; precisamos de sua voz fresca, crítica, animada e curiosa para continuar a crescer, jovens e velhos. É uma aposta no futuro, ao invés de uma realidade já hoje.

Quais são os projetos futuros da SAE?

A SAE quer continuar a ser sal e fermento na terra. Assim, procuraremos trabalhar com pessoas e comunidades tendo em mente o conceito de diferenciação: não somos todos iguais e o que atrai alguém pode não ser compreendido ou adequado para outra pessoa. A nossa tentativa será diferenciar as nossas propostas: a par da Summer Session, um momento fundamental de crescimento e formação para todos e todos aqueles que dela sintam necessidade, e da Spring Conference, em que a associação também se reflecte, queremos poder desenvolver algumas linhas específicas, por exemplo sobre a salvaguarda da criação ou a questão do género.

Partindo da bagagem de experiências pessoais, laborais e comunitárias, qual será a sua contribuição específica para o trabalho do Sae?

Sou uma mulher muito ocupada porque sou esposa e mãe, trabalho na Divisão de Finanças do Município de Turim e sou membro ativo da Igreja Valdense, onde ocupo o cargo de pregadora local: digamos que esta a presidência da SAE é uma aposta que alguns membros quiseram fazer focando em mim e “abordando minha vocação” como dizem em nossas igrejas. Sei que não estarei sozinho, tenho uma boa equipe ao meu lado, Simone Morandini, Donatella Saroglia, Lívia Gavarini E Frances Del Corso, e conto também com o trabalho de muitos e muitos parceiros que se disponibilizaram para dar continuidade a esta obra visionária iniciada há 60 anos por Maria Vingiani. A contribuição, portanto, não será apenas minha, mas de muitos e muitos: juntos tentaremos trabalhar à luz daquela única esperança que é o nosso único Senhor. Ser ecumênico não é algo mais, uma vitrine que alguns querem e da qual outros podem abrir mão. Ser ecumênico faz parte da própria essência do ser cristão: em primeiro lugar porque é o próprio Senhor que nos chama à unidade. Tudo isso a partir da minha individualidade de mulher européia e valdense, criada em uma comunidade multicultural que viveu o processo de “Ser igreja juntos”, onde aprendi que a contaminação é uma graça, porque a diversidade e a diferença são uma riqueza inestimável, uma preciosidade dom que nos enriquece espiritualmente, mas também existencialmente.

entrevista por Marta D’Auria

Leia em Riforma.it

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Fés, pluralismo religioso e os novos ministros da religião

Fés, pluralismo religioso e os novos ministros da religião

"O balanço global desta experiência é muito positivo - afirma Paolo Naso, que também é coordenador do Conselho para as relações com o Islão - porque evidencia o dinamismo das comunidades religiosas que operam em Itália, num contexto em que é mais urgente e necessário garantir o adequado reconhecimento jurídico dos sujeitos religiosos e das confissões religiosas cada vez mais relevantes a nível cultural e social. A recente nomeação da Comissão de Acordos e Liberdade Religiosa para a presidência do Conselho - prossegue Naso -, após quatro anos de férias, é mais um sinal positivo; a esperança é que finalmente se abra uma nova época para os direitos em matéria de liberdade religiosa e o reconhecimento do pluralismo confessional que é cada vez mais evidente também na Itália”. A reunião será encerrada pelo Subsecretário do Interior, Ivan Scalfarotto. O curso O curso, financiado com fundos europeus para a integração, foi dividido em 8 sessões realizadas na Universidade La Sapienza de Roma e na Universidade Estatal de Milão. Entre os temas abordados, a legislação sobre liberdade religiosa, a reorganização do chamado terceiro setor, a dimensão cívica do diálogo inter-religioso, o direito de família com referência específica às questões de gênero. O curso de formação faz parte de um projeto mais amplo promovido pelo Conselho para as relações com o Islã italiano, criado no Ministério do Interior. Em particular, conclui Naso, “foram organizados encontros com mais de uma centena de jovens muçulmanos que tiveram a oportunidade de se encontrar directamente com o Ministro do Interior e com altos responsáveis ​​do ministério. Por fim, na próxima segunda-feira, na Universidade Insubria de Como, serão apresentados novos documentos sobre o tema do pluralismo religioso, fruto de uma comparação direta entre alguns especialistas e representantes de várias comunidades de fé”. ...

Ler artigo
Mulheres de fé.  Diversidade espiritual de uma perspectiva feminina

Mulheres de fé. Diversidade espiritual de uma perspectiva feminina

Roma (NEV), 30 de setembro de 2020 - A conferência organizada pelo Centro de Estudos sobre Liberdade de Religião, Crença e Consciência (LIREC) intitulada "Mulheres de Fé. Diversidade espiritual de uma perspectiva feminina". A presidente da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI), pastora, participa Gabriela Lio. A conferência faz parte do "Projeto Saber" dedicado ao estudo das minorias religiosas na Itália e das diferentes formas como estas últimas se inserem no contexto social italiano. O objetivo é promover o diálogo e a troca de experiências através dos testemunhos de alguns representantes de diferentes religiões, comprometidos com a promoção e proteção dos princípios fundamentais da dignidade do homem e da mulher. As organizadoras escrevem no convite da iniciativa: “As mulheres de fé desempenham um papel vital não apenas dentro de suas respectivas comunidades religiosas, mas também na sociedade multicultural e multirreligiosa de hoje”. A conferência, anteriormente adiada devido às disposições da emergência do coronavírus, será realizada em plataforma digital no dia 5 de outubro de 2020, das 16h30 às 19h. Para participar, cadastre-se no seguinte link: PLANO 16h30 Saudações Sen. Valéria Fedeli Pedro Nocita Presidente Honorário do Centro de Estudos LIREC Apresentar e moderar Raffaella DiMarzio Diretor do Centro de Estudos LIREC CAIXAS DE SOM Gabriela Lio Presidente da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI) Mariangela Fala Presidente da Fundação Maitreya e da Mesa Inter-religiosa de Roma Paula Cavallari Professor de história e filosofia, promoveu o Observatório Inter-religioso contra a violência contra as mulheres (OIVD) do qual é presidente. Swamini Hamsananda Ghiri Freira hindu e vice-presidente da União Hindu Italiana França Coen Co-presidente da Federação Italiana de Judaísmo Progressista e vice-presidente da Religiões pela Paz seção italiana. Elizabeth Nistri Presidente da Federação Feminina para a Paz Mundial-Itália Susana Giovannini Membro da Igreja Pentecostal Betel e do Grupo de Diálogo Inter-religioso pela Paz de Cosenza Marisa Iannucci Islamologista e ativista de direitos humanos. presidente da ônus vitalício. Os parceiros do evento são: a Associação Internacional para a Defesa da Liberdade Religiosa (AIDLR), a revista Consciência e Liberdade, o Observatório Inter-religioso sobre a Violência contra a Mulher (OIVD) e a Federação Feminina para a Paz no Mundo-Itália (WFWP). ...

Ler artigo
A voz dos jovens abre a Assembleia da Conferência das Igrejas da Europa

A voz dos jovens abre a Assembleia da Conferência das Igrejas da Europa

Novi Sad (NEV), 1 de junho de 2018 – Uma ponte que liga duas margens, duas margens, é o símbolo que caracterizou ontem à noite em Novi Sad (Sérvia) o culto de abertura da XV Assembleia Geral da Conferência das Igrejas Europeias (KEK) . Uma ponte que lembra o logotipo da Assembleia e representa a vocação do CEC a ser um lugar de encontro e diálogo entre as Igrejas europeias, sob a bandeira do chamado de Cristo: "Sereis minhas testemunhas" (Atos dos Apóstolos 1: 8). O culto, que decorreu numa das praças do centro, foi pontuado pelos cânticos do coro da igreja ortodoxa de Novi Sad e contou com a voz de três jovens de diferentes países europeus e de diferentes tradições cristãs – entre as quais o metodista italiano Júlia Félix Delmonte – que testemunharam sua experiência pessoal em torno dos temas hospitalidade, mudança climática e inclusão, temas que serão retomados pela Assembleia. A partir da esquerda, Beate Fagerli, Atenágoras da Bélgica, Joris Verscammer Em seu primeiro dia de trabalho, a Assembleia elegeu seu moderador na pessoa do pastor luterano norueguês Beato Fagerlie os dois vice-moderadores, o metropolita Atenágoras da Bélgica e o arcebispo Joris Verscammer da Velha Igreja Católica Holandesa, que será responsável por presidir os trabalhos. Os participantes foram recebidos por patriarca Irenej da Igreja Ortodoxa Sérvia, pelo Metropolita Irenej de Backracuja diocese tem sede em Novi Sad, e do presidente da província autônoma de Vojvodina, Igor Mirovic. A Assembléia também deu as boas-vindas à Federação Batista Européia (EBF) e à Igreja Episcopal Escocesa como novos membros do CEC. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.