17 de fevereiro no calendário escolar: o “caso” no Piemonte

17 de fevereiro no calendário escolar: o “caso” no Piemonte

Roma (NEV), 19 de julho de 2022 – 17 de fevereiro é uma festa pela liberdade de todos, “que faz parte da história geral da liberdade de consciência”, na Itália e na Europa, “deve ser uma festa para todos”. Ele disse isso hoje, em uma entrevista para a Rádio Beckwith, Bruna Peyrotpresidente da Fundação Centro Cultural Valdense de Torre Pellice, o “coração” dos vales valdenses no Piemonte.

Fundo: ontem Mônica Canalis, vice-secretário do PD Piemonte e vereador e Mark Cognovereador da Cidade Metropolitana e prefeito de Torre Pellice (Turim) denuncia que no calendário escolar do Piemonte a minoria religiosa dos valdenses teria sido “ignorada”, pois “ao contrário dos anos anteriores, foi negado suspender as aulas no dia da festa, 17 de fevereiro”.

A Valdensian Cultural Center Foundation envia imediatamente uma carta pública ao governador Albert Círio e ao prefeito de Torre Pellice, para pedir “reconsideração de decisões que prejudicam a expressão cultural e civil de grande parte da cidadania”, conforme consta no texto abaixo, publicado na página fb da instituição protestante.

Algumas horas depois da resposta do Conselheiro para a Educação da Região do Piemonte Elena Chiorino: “O calendário escolar é uma referência para todos, visando garantir a uniformidade e continuidade das atividades em sala de aula, também e sobretudo no interesse das famílias: isso não exclui a plena autonomia das escolas que têm o direito de estabelecer adaptações para o calendário, face às necessidades decorrentes do alargamento do plano de oferta formativa e às necessidades ambientais específicas. As escolas podem definir projetos ligados a tradições locais ou eventos intimamente ligados ao seu território, adaptando assim as atividades escolares”.

Aqui a entrevista da Rádio Beckwith com Bruna Peyrot e que um Mônica Canalis.


Para saber mais:
“17 de fevereiro na escola? A Região está retrocedendo”, artigo de Reforma

FACTSHEET 17 de fevereiro para os valdenses

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

sim, não, quase.  5 de junho na Eurovisão

sim, não, quase. 5 de junho na Eurovisão

Foto Protestantismo/FCEI Roma (NEV), 31 de maio de 2022 – Uma celebração ecumênica de Pentecostes será transmitida no Eurovision no domingo, 5 de junho, às 10h, no RaiDue. Editado pela coluna "Protestantismo", este ano será transmitido de Pinerolo, na província de Torino. É a primeira vez que o telespectador poderá presenciar um momento de "hospitalidade eucarística", ainda que "imperfeita". Essa prática, de fato, não é permitida pela doutrina católica. No entanto, em vários contextos, tanto católicos como protestantes, a aceitação mútua da “Ceia Protestante” e da “Eucaristia Católica” já é uma realidade. No dia 5 de junho, haverá troca de pão e vinho entre o Templo Valdense de Pinerolo e a Catedral de San Donato: "Um sinal que coroa um longo caminho ecumênico e que pretende sublinhar o desejo de um testemunho comum em um mundo marcado pelo 'egoísmo e violência», lê-se na apresentação da Celebração. Eles serão os pastores Gênero Gianni E Mauro Pons da igreja valdense de Pinerolo, com o bispo Derio Olivero, Presidente da Comissão Episcopal para o Ecumenismo e o Diálogo, para acompanhar este momento de intercâmbio eucarístico. O pastor Genre diz: “é um sinal, uma primícia de um diálogo ecumênico, sem queimar o tempo, nem dar saltos”. É, de fato, uma delicada questão teológica. Consubstanciação e transubstanciação são conceitos que também têm a ver com escatologia e soteriologia (doutrina da salvação). Também, mas não só, porque dizem respeito também à fé, tradições, hábitos, espiritualidade, rituais e crenças pessoais. Basta dizer que, segundo uma pesquisa recente, nos Estados Unidos apenas um terço dos católicos afirma acreditar que "durante a missa, o pão e o vinho se tornam o corpo e o sangue de Cristo". O pão e o vinho, no contexto protestante, não podem substituir, ou ser, o Senhor; você não come Cristo, você come com Cristo, citando Victor Subilia em "Jesus na mais antiga tradição cristã". Na própria Reforma, o tema da Santa Ceia é amplamente debatido, com diferentes posicionamentos. Ulrich Zwingliopor exemplo, traduz o “Leste” da frase “este é o meu corpo” (hoc est corpus meum) com "significado”. Sempre o mesmo Zuínglio, entende a transformação em membros do corpo de Cristo como um fato que diz respeito não ao pão, mas à comunidade reunida. Martinho Luteropor sua vez, fala da ubiquidade de Cristo. João Calvinono entanto, está em uma posição intermediária. O pastor Genre nos conta como nasceu em Pinerolo o desejo da partilha eucarística: "Há alguns anos, o pároco Sérgio Rostagno propôs dar um passo adiante no sentido da partilha ecumênica. Ou seja, ele se propôs a fazer o que a cristandade fez em Roma no século III, de acordo com o ensinamento de Eusébio de Cesaréiabiógrafo do imperador Constantino. Eusébio sugeriu que os cristãos orientais e ocidentais trocassem sinais de pão e vinho. Rostagno propôs fazê-lo também em Pinerolo, inaugurando assim um caminho de intercomunhão. Não podemos falar de hospitalidade plena, mas é certamente uma experiência viva que se faz acompanhar de colaborações não só a nível ecuménico, mas também a nível económico e social”. De fato, em Pinerolo, “já faz algum tempo que os valdenses trazem vinho para a Eucaristia na catedral, na Páscoa, para a missa de vigília. Na manhã seguinte, no culto, uma delegação católica leva pão para a Ceia do Senhor”, continua o gênero. É um símbolo de reconhecimento mútuo, diz o pároco: “um sinal, graças ao qual dizemos uns aos outros: reconheço-vos como a Igreja de Cristo, apesar das diferenças. As diferenças são sempre frutíferas, enquanto a uniformidade e a homologação correm o risco de ser estéreis. Não queremos trabalhar pela unidade da Igreja no sentido de nivelar as coisas, mas no sentido de perspectivas e responsabilidades comuns. Lembrando que a Ceia é do Senhor, não das Igrejas”. Por mais de 50 anos, a área de Pinerolo e os vales valdenses representaram um fértil "laboratório ecumênico". Das reuniões no Centro Internacional Ágape, ao pioneirismo do don Mário Polastro, “uma pessoa humilde e profunda ao mesmo tempo”, diz Genre. Desde momentos de reflexão sobre casamentos mistos e baptismos, aos muitos projectos que vêem católicos e protestantes juntos, desta área nasceram encontros, documentos, bolsas de trabalho, apoio à emergência da covid e inúmeras outras experiências que viram a sinergia concreta entre a diocese e a União das igrejas metodistas e valdenses, por meio dos fundos do Otto per mille valdensiano. Não basta o diálogo, conclui o pastor Genre: “Precisamos de reciprocidade. A este respeito, é significativo que o culto de Pentecostes seja itinerante. Passe pelo templo valdense, a catedral católica e o monumento ecumênico dedicado a todas as vítimas da intolerância e da violência perpetradas também em nome de Deus”. Estamos a falar da obra do escultor austríaco Gerald Brandstötter que representa a estaca de 1397 em Steyr, na Áustria, na qual morreram os valdenses que não quiseram renunciar à sua fé. Bem em frente a este monumento há um momento litúrgico de confissão de pecado e anúncio de perdão e graça. É o momento simbólico de superação da intolerância e da agressão mútua. Mesmo os de hoje, na Ucrânia, como em muitas outras áreas do mundo. A troca de pão e vinho entre protestantes e católicos, na Eurovisão, é um sinal perturbador até para não especialistas. Genre conclui: “É uma tentativa de dar substância a algo visível. Não basta dizer ecumenismo. Respostas comuns devem ser dadas para recuperar a credibilidade como igrejas cristãs na Europa Ocidental. Esperamos que essas sementes dêem bons frutos, tanto no diálogo ecumênico quanto na cooperação em nível social”. Para saber mais: Fulvio Ferrario, professor de teologia sistemática e decano da Faculdade Valdense de Teologia em Roma: "Hospitalidade eucarística: e se colocarmos o coração em paz?" O documento "Juntos à Mesa do Senhor", editado pelo grupo de trabalho ecumênico católico-protestante (ÖAK), que defende a participação mútua na Eucaristia como teologicamente justificada. “Hospitalidade eucarística: a caminho da unidade dos cristãos”, livro editado por Margarida Ricciuti (valdense) e Pedro Urcioli (Católica), publicada pela Editora Claudiana. O volume trata do tema da hospitalidade eucarística a partir do documento A Ceia do Senhor, assinado por Paulo rico E João Cereti, onde se expressam as razões que sustentam esta prática. Seguido por contribuições sobre o tema de perspectivas católicas, ortodoxas, luteranas, batistas, metodistas, valdenses, adventistas, anglicanas e pentecostais. O boletim "Hospitalidade Eucarística" (OE). Com curadoria de membros do grupo ecumênico Breaking the Bread, que inclui crentes protestantes e católicos individuais. Nascido em 2011 em Turim, o grupo envolve igrejas, mosteiros e paróquias. O boletim da OE propôs um questionário sobre o assunto, que foi respondido por membros de igrejas católicas e protestantes, padres, pastores e pastoras, pregadores locais, diáconos e freiras. ...

Ler artigo
Terremoto Türkiye-Síria, as igrejas metodista e valdense alocam quinhentos mil euros

Terremoto Türkiye-Síria, as igrejas metodista e valdense alocam quinhentos mil euros

Roma (NEV), 9 de fevereiro de 2023 – A Igreja Evangélica Valdense – União das Igrejas Metodista e Valdense, lemos no site chiesavaldese.org, está “próxima das populações síria e turca violentamente afetadas pelo trágico terremoto de 6 de fevereiro. Orações e sentimentos de proximidade vão para as vítimas, os feridos, os sobreviventes e todas as pessoas que estão trabalhando para levar ajuda e apoio na certeza de que Deus não se afasta da dor de suas filhas e filhos”. A Tavola Valdese, "sentindo, para as igrejas que representa, a responsabilidade de contribuir ainda que com meios extraordinários para o compromisso a favor das intervenções de ajuda às populações afectadas pelo sismo, decidiu destinar quinhentos mil euros, obtidos junto do Otto fundos para mil destinados anualmente às Igrejas Metodista e Valdense, para o estabelecimento de um Fundo especial destinado a este fim. "Graças à rede de Igrejas irmãs presentes nas áreas mais afetadas e às organizações de comprovada eficácia e confiabilidade com as quais estabelecemos relações consolidadas de colaboração nessas áreas - declara o moderador do Tavola Valdese Alessandra Trotta – tentaremos obter ajuda adequada e eficaz, mesmo nos territórios menos expostos à atenção pública, como os sírios já castigados por anos de guerra. Diante de uma tragédia tão imensa, que revela ainda mais a fragilidade humana, somos todos chamados a mostrar o que de melhor pode fazer esta frágil humanidade se iluminada por um espírito de solidariedade capaz de superar fronteiras e barreiras”. O moderador Trotta também enviou uma mensagem de condolências ao pastor Najla Kassab do Sínodo Evangélico Nacional da Síria e do Líbano, bem como presidente da Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas, expressando total solidariedade e apoio às igrejas metodistas e valdenses italianas. ...

Ler artigo
O calendário do Advento da Igreja Valdense de Turim

O calendário do Advento da Igreja Valdense de Turim

A capa do calendário Roma (NEV), 1 de dezembro de 2020 – Também neste Natal diferente dos outros, devido à pandemia, é celebrada a contagem regressiva para o dia 25 de dezembro. O Calendário do Advento está de volta, em dupla face, papel, “físico”, e obviamente também em versão digital, online. Foi criado e publicado pela Igreja Valdense de Turim. “Esta é uma forma de estarmos juntos alguns minutos por dia, cada um em sua própria casa – lê-se no site da igreja valdense na capital piemontesa -. Todos os dias você pode abrir uma folha e ler algo pensado e criado para todos nós por um grupo diferente de nossa igreja. Uma forma de pensarmos uns nos outros nestes tempos difíceis. Os gráficos foram desenhados e criados por Silvia Tártara, lembra-nos que para além dos enfeites, dos doces e das luzes, o Advento é um caminho que nos leva à Salvação, que nos leva a descobrir uma pitada de eternidade. Que o Senhor os proteja e os guie neste caminho de espera e aproximação do Natal”. O calendário também terá uma versão online: será modificado dia após dia, de 1º a 24 de dezembro, todos os dias com novos conteúdos. Ele será compartilhado na página da igreja no Facebook, divulgado por meio de grupos de Whatsapp e também incluído no boletim semanal. “Publicamos em nosso site o Calendário do Advento preparado pelos grupos de trabalho para todas as irmãs e irmãos da igreja e para os curiosos que gravitam em torno de nossa Igreja – explicam ainda da Igreja Valdense de Turim -. Uma forma de partilhar o tempo de espera pelo Natal e recuperar um pouco o sentido de comunidade, talvez conhecendo-nos um pouco melhor e sentindo-nos mais em comunidade, mesmo à distância”. Todos os domingos, para os habitantes de Turim e arredores, haverá os lençóis da semana para serem recolhidos no Corso Vittorio, ou entregues em mãos por alguém da comunidade. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.