Peregrinação Ecumênica.  Amanhã o Papa no Concílio Ecumênico em Genebra

Peregrinação Ecumênica. Amanhã o Papa no Concílio Ecumênico em Genebra

Entrada do Centro Ecumênico de Genebra, sede do Conselho Mundial de Igrejas

Genebra (NEV), 20 de junho de 2018 – Na sede do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), em Genebra (Suíça), o contagem regressiva: faltam algumas horas para a chegada de Papa Franciscoesperado na manhã de quinta-feira para a “peregrinação ecumênica” por ocasião do 70º aniversário do corpo mundial de igrejas anglicanas, protestantes, ortodoxas e católicas antigas.

A capela do centro ecumênico com (à direita) a cruz de Lund

No centro de sua visita ao CMI intitulada “Caminhando, rezando e trabalhando juntos” estarão os três conceitos de unidade, paz e justiça. Em particular, a manhã do dia 21 de junho será dedicada à “unidade visível dos cristãos”, com a “oração ecumênica” que acontecerá na capela do centro. A tarde, por outro lado, será inteiramente dedicada aos temas da justiça e da paz, com mensagens de Papa Franciscopelo secretário geral do CMI, pastor Olav Fykse Tveite o moderador do Comitê Central do CMI, Agnes Abuom. Um momento significativo será o encontro do Papa Francisco com uma delegação de representantes das igrejas das duas Coreias.

O jardim do instituto Bossey onde os presentes serão trocados

Também é aguardado o encontro do Papa Francisco com um grupo de estudantes do Instituto Ecumênico de Bossey, a 20 km de Genebra, onde a “liderança ecumênica” irá almoçar. Seguir-se-á, no jardim do centro acadêmico para jovens teólogos de todo o mundo, a troca de presentes entre a liderança do CMI e o diretor do Bossey Institute, e o Papa Francisco.

Antes do retorno ao Centro Ecumênico, está marcada uma coletiva de imprensa às 14h (somente credenciados e autorizados). O pastor Tveit, o cardeal, intervirá Kurt Koch, presidente do Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos. Irá moderar Marianne Ejderstendiretor de comunicação do WCC.

O longo dia em Genebra começará para o Papa Francisco já no aeroporto Genebra-Cointrin – onde será recebido pelo presidente da Confederação Suíça, Alain Berset – e terminará ao final da tarde com a Missa no Palexpo, a poucos passos do aeroporto.

O Papa Francisco será o terceiro pontífice a ir à sede do órgão que reúne 350 igrejas anglicanas, evangélicas, ortodoxas e velocatólicas de todo o mundo, depois das visitas de Paulo VI em 1969 e de João Paulo II em 1984, mas seja o primeiro a ir lá para celebrar o diálogo e a colaboração entre as igrejas. O principal motivo de sua visita é o 70º aniversário do CMI.

Entre os convidados estavam 150 delegados das igrejas do Comitê Central do CMI, que se reuniram nos últimos dias.

Será possível acompanhar o evento em transmissão ao vivo aqui: mas também na página do Facebook do CEC (Conselho Mundial de Igrejas) e também no Youtube (www.youtube.com/WCCworld/live)

Olav Fykse Tveit com um membro do comitê central do CMI em Genebra

Para mais informações sobre o Conselho Mundial de Igrejas, sua liderança, organização e história, e sua relação com a Igreja Católica, veja aqui.

EU’hashtags para a visita do Papa Francisco a Genebra em 21 de junho é #PapalVisit. O motivo é o 70º aniversário do CEC cuja hashtag é: #WCC70

Uma página em italiano sobre a visita do Papa Francisco está aqui.

O perfil do Twitter do CEC é @oikoumene e a do secretário geral é @OlavTveit.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Igrejas católicas e protestantes europeias pedem o fim da guerra

Igrejas católicas e protestantes europeias pedem o fim da guerra

Roma (NEV), 22 de março de 2022 – O Comitê Conjunto das Igrejas Católicas e Protestantes da Europa emitiu uma declaração hoje. É um grupo de trabalho que reúne a Conferência das Igrejas da Europa (KEK) e o Conselho das Conferências Episcopais da Europa (CCEE). Apelando aos dirigentes das nações e à comunidade internacional, as entidades religiosas pedem que se façam todos os possíveis para pôr fim à guerra em curso “que está a destruir vidas e a causar sofrimentos indescritíveis”. A declaração foi redigida na reunião de 21 de março em Bratislava, Eslováquia. “O coração da fé cristã é a paz e a reconciliação, exemplificadas na vida de Jesus Cristo – reafirmam os signatários, citando a encíclica papal 'Fratelli Tutti' -. Jesus Cristo nunca convidou a fomentar a violência ou a intolerância. Ele mesmo condenou abertamente o uso da força para se impor aos outros”. A religião, escrevem ainda as duas entidades, “não pode servir de meio para justificar esta guerra. Todas as religiões, e nós como cristãos, estamos unidos para condenar a agressão russa, os crimes cometidos contra o povo da Ucrânia e a blasfêmia que representa o uso indevido da religião neste contexto”. A Comissão Mista agradeceu às Igrejas e ONGs envolvidas nas zonas fronteiriças e de conflito, junto com as autoridades de seus respectivos países, no acolhimento dos que fogem da guerra. “Continuemos a rezar pelo dom da paz. Convidamos todos os cristãos a unirem-se a nós em oração, fortalecendo seus esforços para afirmar o valor da vida e promover ativamente a reconciliação”. A reunião de Bratislava também foi uma oportunidade para discutir o compromisso das Igrejas europeias pela paz na Ucrânia, o estreitamento das relações entre as duas organizações e o atual processo sinodal da Igreja Católica. Entre os representantes do CEC estavam o presidente, pastor Christian Krieger. O vice-presidente, pároco Guli Francis-Dehqani. ainda é Valerie Duval-Poujol. Leah Schlenker. O arquimandrita Ignatios Sotiriadis. O Metropolita Joseph da Europa Ocidental e Meridional da Igreja Ortodoxa Romena. O secretário-geral Jørgen Skov Sørensen. O Secretário Executivo do CEC para o Diálogo Teológico Katerina Pekridou. ...

Ler artigo
Gestação para outros, Sínodo Valdense: não à criminalização

Gestação para outros, Sínodo Valdense: não à criminalização

Foto de Pietro Romeo/Reforma Torre Pellice (NEV), 25 de agosto de 2023 – A gestação para os outros e os direitos das crianças entre os temas do Sínodo Valdense, que se encerra hoje em Torre Pellice. Hoje, sexta-feira, 25 de agosto, a sala sinodal aprovou uma agenda na qual se expressa grande preocupação com as políticas que negam os direitos dos meninos e meninas já nascidos. Na ordem do dia, os signatários e deputados do Sínodo dizem não à criminalização de qualquer forma de gestação alheia, condenando as normas que definem o GPA como crime universal. A respeito destas questões, foi elaborado um documento pela Comissão para os problemas éticos colocados pela ciência (uma comissão ad hoc das igrejas batista, metodista e valdense, composta por teólogos, médicos e cientistas), que agora será examinado e examinado das igrejas locais. “Esperamos que sempre haja maior conhecimento e discussão ética nas comunidades – declarou Ilenya Gosspastora e coordenadora da Comissão - para ir além dos estereótipos e dos riscos da idealização da maternidade, cujo impacto final também é representado por expressões desvalorizadoras como “útero de aluguel”. O quadro de referência é um documento das igrejas já aprovado pelo Sínodo Valdense em 2017, dedicado às muitas formas possíveis de família. Durante anos, de facto, as igrejas protestantes têm apoiado as famílias arco-íris, em nome do acolhimento e da serenidade de todos, começando pelas meninas e meninos. Para mais informações: a conferência de imprensa final do Sínodo será realizada esta tarde, ao vivo em www.rbe.it e reform.it. ...

Ler artigo
Trabalhadores migrantes: não apenas anistias, reformas estruturais são necessárias

Trabalhadores migrantes: não apenas anistias, reformas estruturais são necessárias

Roma (NEV), 15 de julho de 2022 - por Benedetta Fragomeni - A conferência sobre Ero Straniero foi realizada ontem, 14 de julho, na Sala Zuccari do Palazzo Giustiniani, no Senado, vinte anos após a lei Bossi-Fini. , campanha lançada em abril de 2017, à qual também a FCEI adere, que surge da necessidade de adotar uma abordagem pragmática da questão migratória no nosso país. O projeto de lei de iniciativa popular intitulado "Novas regras para a promoção de autorizações de residência regular e inclusão social e laboral de cidadãos estrangeiros não pertencentes à UE" foi arquivado na Câmara dos Deputados em 2017 com mais de 90.000 assinaturas. Conforme explicou Julia Capitani, Oxfam Italia, a proposta é o resultado da "coalizão, da experiência de muitas realidades muito diferentes que funcionaram efetivamente juntas"; a campanha é de fato promovida por várias organizações, incluindo Italian Radicals, ACLI, ARCI, Centro Astalli, CNCA, A Buon diritto, Oxfam, ActionAid, Legambiente, Federazione Chiese Evangeliche Italiane, CGIL e dezenas de outras organizações, com o apoio de centenas de prefeitos. A reunião foi apresentada pelo senador Emma Boninoapoiante da campanha, que recordou os sucessos alcançados mas também que o caminho ainda é longo…“Ainda estamos aqui mas entretanto tenho a impressão que a consciencialização no nosso país melhorou um pouco dada a necessidade de muitos sectores industriais e comerciantes agora estão reconhecendo em voz alta que temos uma grande necessidade deles”. Durante a conferência, foram reafirmados os objectivos da campanha num contexto, o dos últimos anos, em que a atenção da opinião pública se voltou para as questões de emergência, chegadas e hospitalidade, "questões necessárias que, no entanto, temem deixar em segundo plano uma visão de longo prazo”, explica Giulia Capitani. Neste senário, EroStraniero pede "vias de entrada de trabalho reais, eficazes e adequadas aos novos cenários de mobilidade humana, mas também às necessidades reais do mundo produtivo por um lado e, por outro, a preparação de políticas ativas em nossa sociedade para as pessoas que já estão aqui”. A campanha propõe, portanto, uma reforma dos regulamentos para alcançar "uma solução pragmática que atenda às necessidades de todos, das pessoas que chegam ao nosso país, por um lado, e da sociedade de acolhimento, por outro". Entre os temas que emergiram, aliás, foi sublinhado como é necessário conciliar oferta e procura de forma eficaz, "existem duas necessidades: a dos trabalhadores e a dos empregadores que não cumprem por causa de um sistema que não pode ser sintonizado com a realidade do país” – explicou Júlia Gori, advocacy officer de campanhas, FCEI – “em comparação com o início da campanha há mais sensibilidade e conscientização, principalmente por parte dos empregadores. Mas faltam respostas estruturais ao mundo produtivo e isso corresponde à precariedade dos trabalhadores estrangeiros”. A conferência continuou com um retrato da realidade e dos atores envolvidos ou a envolver na perspetiva de uma nova estratégia. Ele falou sobre a situação atual sobre o tema da contratação ilegal Hardeep Kaur, FLAI-CGIL: "Não temos respostas certas para mais de metade das questões apresentadas" - explicou o sindicalista - "os pedidos de regularização não são números, são pessoas, que devem sair de um sistema que está "podre". O Bossi-Fini é no mínimo anacrônico”. Propor uma estratégia sobre necessidades comuns foi Cláudio CappelliniCNA, que trouxe a voz das pequenas empresas para a Itália: "Há um desejo muito forte nas comunidades estrangeiras de fazer negócios e também contribuir para o desenvolvimento dos países de origem, é necessário promover o envolvimento do sistema empresarial e construir pontes, formas de colaboração com os países com os quais a União Europeia tem acordos”. “As regularizações ou amnistias de 1990 a 2021 envolveram 1,8 milhões de cidadãos não comunitários. E quem está regularizado continua no mercado formal”. Os dados da Fundação Moressa apresentados pela pesquisadora Chiara Tronchin, agora na conferência de @Ero_Straniero pic.twitter.com/9LLGEEouDy — Esperança do Mediterrâneo (@Medohope_FCEI) 14 de julho de 2022 Entre as experiências relatadas por ocasião da conferência EroStraniero, Chris Richmond, fundador da Mygrants, contou sobre um projeto concreto, o de um app que lançou para aproximar empresas e trabalhadores, combinar talentos com oportunidades, antes mesmo de as pessoas saírem de seus países de origem. “Achamos que é hora de trabalhar no aprimoramento de habilidades, pretendemos identificar o assunto mais adequado para satisfazer a necessidade de emprego antes mesmo da partida. Pedimos uma coalizão entre empresas e sociedade civil”, afirmou. A última intervenção consistiu em Tatiana Esposito, diretor-geral da DG Políticas de Imigração e Integração do Ministério do Trabalho. “Identificamos alguns pontos críticos e imaginamos formas de superá-los – declarou o representante do ministério – que em alguns casos são muito semelhantes aos identificados pela campanha. Três coisas são necessárias: fôlego, planejamento, certezas. A incerteza aumenta a vulnerabilidade e abre caminho para a exploração”. Assim terminou a conferência da campanha Ero Straniero, na qual se reafirmou a necessidade de sair da lógica da intervenção única e trabalhar de forma sistémica e sistemática, procurando uma visão mais a longo prazo que tenha no seu centro a programação de vias de entrada para o trabalho e inclusão activa na sociedade da população estrangeira residente no nosso país. Aqui está o vídeo completo da reunião: ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.