a liberdade é concreta se diz respeito a todas as mulheres

a liberdade é concreta se diz respeito a todas as mulheres

Foto Sammie Vasquez – Unsplash

Roma (NEV), 21 de março de 2023 – Poucos dias antes do XIII Congresso da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI), que está prestes a começar em Florença, entrevistamos o presidente cessante, pastor batista Gabriela Lio.

O Congresso da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália será realizado em Florença de 24 a 26 de março: ainda é possível participar? Como?

Sim certamente. Você ainda pode participar presencialmente. O que não podemos garantir é o lugar na pousada Gould. A conexão online do Congresso não está prevista, porém estamos tentando registrar as duas Mesas Redondas. Para informações clique aqui.

Gabriela Lio. Foto de Laura Caffagnini

Uma avaliação destes 4 anos de trabalho e presidência: dos dossiês às campanhas, da formação às reflexões sobre a prostituição e a luta contra a violência, dos encontros sobre as mulheres nas religiões e na igreja às numerosas colaborações em toda a Itália com as realidades locais. Na sua opinião, quais foram os momentos mais marcantes?

Os momentos mais significativos decorrem do compromisso assumido pela FDEI com a inclusão, no seu Estatuto, de um artigo que a obriga a trabalhar “continuamente na questão da violência de género”. A primeira foi aderir à campanha global “Quinta-feira Negra” promovida pelo Conselho Mundial de Igrejas (CEC) em apoio ao movimento global que se opõe a todas as formas de violência e injustiça, oferecendo às igrejas cartazes e broches para promover o campo localmente. Isto porque nos interessa que os irmãos e irmãs das nossas igrejas a que pertencem possam encontrar na FDEI apoio e estímulo para uma reflexão comum não só sobre a questão da violência de género, mas também sobre o papel da mulher no igreja e na sociedade. É por isso que continuamos a publicar as nossas Newsletters da FDEI, não só como elo entre as mulheres federadas, mas também como informação sobre o nosso empenho e sobre as iniciativas da FDEI e dos vários movimentos que a integram. O mesmo vale para o Dossiê dos 16 dias pela eliminação da violência contra a mulher, concebido como um acervo de material útil para reflexão, oração e debate sobre essas questões nas igrejas.

São muitos momentos significativos, porque cada encontro enriquece, seja online ou presencial, porque nos confrontamos, mas também com mulheres cristãs, mulheres de outras religiões e com associações de mulheres engajadas em várias frentes.

Claro, a pandemia nos fez parar, tivemos que nos adaptar, mas não desanimamos. Mas pensamos que poderíamos estar próximos um do outro em um momento tão difícil e também conseguimos trazer momentos de reflexão e debate sobre o futuro.

O projeto “Recomeçar com você”, para dar outro exemplo, nos ajudou a voltar às igrejas, nos deu a oportunidade de nos abraçarmos e de recomeçarmos na tentativa de ativar mulheres e cada vez mais homens para a compreensão dos fundamentos da desigualdade de gênero. Foi um projeto importante, onde o networking entre nós e com a área local permitiu o envolvimento de muitas pessoas.

No domingo, você passará o bastão para um novo presidente. Que mensagem você sente que quer compartilhar para o presente e o futuro do FDEI?

A mensagem que o Comitê Nacional cessante da FDEI quer compartilhar está contida no texto bíblico escolhido para o nosso Congresso: “Onde está o Espírito de Deus, aí há liberdade”. E também o subtítulo, que juntamente com Dorothee Sölle afirma: “Onde está o Espírito cresce a libertação, cresce o desejo combativo de libertação e a experiência de uma maior concretude da liberdade”. Continue a ser todas as testemunhas de ruah/pneuma, em meio às dificuldades da vida. Deixe o “espírito”/ruah [il termine in ebraico è femminile, ndr] definem nossa vida, determinam que nossas relações mútuas sejam respiração, brisa suave, vento, coragem. Libertação crescente até que a liberdade seja alcançada pelos outros e por nós mesmos; até que estejamos livres das armas, livres da violência; da discriminação, do racismo, de um trabalho alienante. Devemos crescer “na experiência de uma maior concretude da liberdade” porque o mundo deseja a liberdade/libertação em sentido profundo e não pode ser alimentado apenas com palavras de liberdade. Lá spirita/ruah motiva a nossa luta pelos direitos e encoraja o nosso esforço para responder ao chamado ao serviço, promove a vida e cria comunidades de solidariedade, numa rede de relações com outras irmãs, amigas, companheiras de intenção.

Quais foram os pontos críticos do seu mandato e que soluções conseguiu implementar?

A maior criticidade durante o mandato foi durante o período de confinamento, devido à pandemia de Covid 19. Com o Comitê Nacional nos reunimos várias vezes online, juntamente com as lideranças e presidentes dos grupos denominacionais de mulheres, para refletir sobre a delicada situação. Compartilhamos nossas preocupações – poderia dizer com lágrimas – e nossas reflexões com os executivos de nossas igrejas, com alguns ministros italianos, com os líderes locais dos movimentos, conscientes de quanto a pandemia agravou as desigualdades para as mulheres em nível social atingindo suas vidas mais fortemente. E decidimos juntos nos comprometer com uma necessária mudança de paradigma.

Também passamos por momentos difíceis quando tivemos que implementar as diferentes moções do Congresso. Por exemplo, cabe ao Comitê “colaborar para a criação de cursos de capacitação em igrejas evangélicas”. E não sabíamos quanto tempo duraria o confinamento. No entanto, organizamos o primeiro curso bíblico teológico a distância: “Violência e poder – as mulheres e a Bíblia” atingindo muitas pessoas de diferentes denominações evangélicas e católicas, nativas e migrantes. Pessoas que se inscreveram da Itália, Europa e América Latina. Além das nossas expectativas!

Quais foram os momentos mais felizes e gratificantes?

Acredito que para mim, mas também posso dizer para o Comitê Nacional da FDEI, os momentos mais felizes são aqueles em que todos estamos envolvidos e juntos organizamos encontros significativos para a vida e o testemunho da Federação.

Ciclone Pam II: 13 de março de 2015. Pintura de Juliette Pita. Uma mãe que ora protege seu filho. As ondas quebram atrás deles, mas uma palmeira se curva e os protege também. A saia da mulher é inspirada nas roupas tradicionais de Erromango. No horizonte, pequenas cruzes representam as vítimas causadas pelo ciclone Pam em 2015.

Levaremos em nossos corações o encontro organizado online junto com o Observatório Inter-religioso sobre a violência contra a mulher (OIVD) com Edith Bruck – Lembrete para “Deseducar para odiar”; o encontro com o Comitê do Dia Mundial de Oração (GMP), com a Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE), com as Comunidades de Base, com mulheres ortodoxas e religiosas católicas, por ocasião da Celebração Ecumênica do GMP preparada por mulheres de Vanuatu. Esta experiência abriu-nos a possibilidade de começarmos a organizar juntos diferentes celebrações ecumênicas no Pentecostes, Natal e Páscoa.

Assim como foram apreciados os convites que recebemos para participar de eventos já organizados ou para serem organizados em conjunto. Penso na nossa participação nas iniciativas do Centro Inter-religioso pela Paz (CIPAX), daquelas organizadas pela Coordenação Teológica Italiana (CTI). E a possibilidade de conceder bolsas para 30 mulheres participarem de seu curso online. Depois, os vários convites para conferências organizadas pelo Centro de Estudos sobre Liberdade de Religião, Crença e Consciência (LIREC). Nossa participação na conferência “Casais e religiões: unidos na vida, diferentes na fé” organizado pelo grupo Mulheres de Fé em Diálogo – Religiões pela Paz Itália, em colaboração com a Comissão de Igualdade de Oportunidades do Município de Roma. E novamente os encontros online organizados junto com a OIVD sobre o tema da prostituição, que então surge para nós em uma reflexão a ser compartilhada com as igrejas por ocasião do dia 25 de novembro.

Foi com muita felicidade que fomos contactados em 2021 pela RvS, que nos ofereceu um espaço na rádio para um dos nossos programas Donne FDEI – Donne in rete. Sentimos a mesma alegria quando o Centro Cultural Protestante de Torre Pellice convidou a FDEI para organizar conjuntamente quatro encontros sobre “Histórias Femininas”, em diálogo com Bruna Peyrot E David Rosso.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Também Mediterrâneo Esperança em Karlsruhe

Também Mediterrâneo Esperança em Karlsruhe

foto @Mohamed Amine Ben Haj Slama, unsplash Roma (NEV), 30 de agosto de 2022 – O workshop que o Mediterranean Hope (MH), o programa de migrantes e refugiados da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália, organizará durante a Assembleia Geral do Conselho Ecumênico é intitulado "O custo de uma laranja ". das igrejas. O evento será aberto em 31 de agosto em Karlsruhe, Alemanha. A iniciativa da marca MH está marcada em particular para a tarde de quinta-feira, dia 1 de setembro, das 15h30 às 16h45 No dia 4 de setembro, às 11h, os operadores do Mediterranean Hope, e em particular o coordenador marta bernardinio operador e mediador Ibrahim Diabate por Rosarno e a operadora Fiona Kendall participarão de um culto, seguido de almoço e apresentação das atividades do programa da FCEI na igreja do pároco Dorothee Mack. Aqui está o programa das oficinas que inclui também o encontro promovido pelos protestantes italianos: Por fim, de 1 a 7 de setembro, será montada a exposição "Ouça minha voz", já organizada em Roma nos últimos meses. O NEV seguirá a cúpula com um relatório ad hoc de Karlsruhe. Seguem os artigos da assessoria de imprensa da FCEI já publicados nos últimos dias: O que vai acontecer em Karlsruhe (24/08/2022) Em direção a Karlsruhe. Em nome da justiça climática (19/08/2022) Comitê Central do CMI, uma página de ecumenismo vivido (31/07/2022) ...

Ler artigo
“Construindo juntos o futuro luterano”

“Construindo juntos o futuro luterano”

Cordelia Vitiello, Jerusalém 2022. Ao fundo o Monte das Oliveiras Roma (NEV), 28 de junho de 2022 – O Conselho da Federação Luterana Mundial (WLF) concluiu recentemente em Genebra. Nós perguntamos Cordelia Vitiellomembro do Conselho e representante legal do Consistório da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI), para nos contar sobre essa experiência. “Reencontramo-nos pessoalmente depois de dois anos – disse Cordelia Vitiello -. Foi a primeira experiência do novo Secretário Geral, Rev. Anne Burghardt. o arcebispo Panti Filibus Musapresidente da FLM, abriu oficialmente a reunião na assinatura dos versículos de Colossenses 1:9-20”. A agenda é sempre muito densa e, em particular, houve um foco no planejamento da próxima Assembleia Geral a ser realizada em 2023 em Cracóvia sobre o tema da identidade luterana e das mulheres nos ministérios ordenados (“Lutheran Identity and women in ordenado minister”) . Além disso, informou Vitiello, foram discutidos os relatórios das diversas Comissões. "Meu mandato mudou - disse Vitiello -, sendo primeiro na comissão de Serviço Mundial (braço humanitário/operacional da Federação) e agora na de Advocacia e Voz Pública, onde cuidaremos de fortalecer o serviço e o trabalho da igrejas em seu território, à luz das reflexões realizadas nos últimos anos. Entre os temas mais debatidos, a guerra na Ucrânia. A Federação Luterana Mundial conclama o mundo inteiro a orar pelo fim de todos os conflitos. Tivemos também presente no Concílio um jovem luterano russo, que se absteve durante a discussão e cuja presença foi significativa”. Mais desafios luteranos O trabalho também continua em outras frentes, explicou Vitiello: “Faço parte de uma comissão do Hospital Augusta Victoria, em Jerusalém, onde fui recentemente para a primeira reunião pós-pandemia. Executamos uma variedade de programas internos. Especificamente, sou o referente do grupo para o sistema de qualidade no hospital. É uma comissão trienal, cuja tarefa já me foi confiada no ano passado pelo anterior Secretário-Geral Martin Junge, como também sou presidente da Fundação Evangélica Betânia e do Hospital Evangélico de Nápoles. Na verdade, nessas funções construí uma expertise específica na área”. Quanto à Itália e ao CELI, continuou Vitiello, "será interessante construir o futuro da igreja luterana junto com o novo reitor Carsten Gerdes. Os temas a serem abordados são centrais: a relação do consistório com as comunidades, a comunicação, a captação de recursos, o luterano Otto per mille. Em suma, trata-se de como melhorar nossa organização interna e nossa visibilidade externa. É importante para nós e para o nosso futuro”, concluiu Vitiello. A FLM comemora este ano 75 anos de fundação. O Conselho aprovou quatro declarações públicas sobre fome, pandemias, conflito Israel-Palestina e guerras. ...

Ler artigo
A visita ao Vaticano pelos luteranos mundiais.  Do conflito à comunhão

A visita ao Vaticano pelos luteranos mundiais. Do conflito à comunhão

Durante a audiência papal, o presidente da FLM presenteou o pontífice com um cálice e uma patena, prato utilizado para cobrir o cálice, confeccionado para a ocasião pelos irmãos da Comunidade Ecumênica de Taizé. O esmalte dos vasos eucarísticos foi feito com areia retirada do campo de refugiados Za'atari, na Jordânia, onde a Federação Luterana Mundial trabalha desde 2012 para apoiar refugiados sírios, deslocados internos e comunidades de acolhimento. Este presente, disse o presidente Musa ao papa, "representa nossa vocação para sermos um". Em seu discurso, Francisco agradeceu aos líderes luteranos pelos dons que, segundo ele, “evocam nossa participação na paixão do Senhor – e continuou –: Continuemos, portanto, com paixão nosso caminho do conflito à comunhão”. O líder da Federação Luterana liderou uma delegação de representantes de todas as regiões da comunhão global de igrejas: pela Igreja Luterana na Itália, o reitor, pároco Heiner Bludau E Cordelia Vitiello que é membro do conselho da FLM. A viagem segue um marco importante nas relações ecumênicas em 2016, quando o Papa Francisco se juntou aos líderes luteranos nas cidades suecas de Lund e Malmö para uma comemoração conjunta da Reforma. Em suas palavras ao papa, o arcebispo Musa afirmou que o caminho é "irreversível" e agora exorta católicos e luteranos a aguardar a comemoração da Confissão de Augsburgo na "esperança de nos reconectar com sua intenção ecumênica original". A Confissão de Augsburgo é a principal confissão de fé para as igrejas luteranas em todo o mundo. Inicialmente, foi apresentado como uma confissão ecumênica à Dieta de Augsburg em 25 de junho de 1530, em uma tentativa de restaurar a unidade religiosa e política dentro da igreja. Em seu discurso, o Papa Francisco também observou que a Confissão originalmente "representava uma tentativa de evitar a ameaça de uma divisão no cristianismo ocidental", afirmando que esperava que a "reflexão compartilhada" no período que antecederá 2030 "possa beneficiar nosso ecumênico jornada". Refletindo sobre esse caminho, afirmou: “O ecumenismo não é um exercício de diplomacia eclesial, mas um caminho de graça. Não depende de negociações e acordos humanos, mas da graça de Deus, que purifica memórias e corações, supera atitudes de inflexibilidade e nos orienta para uma comunhão renovada: não para acordos redutores ou formas de sincretismo irênico, mas para uma unidade reconciliada nas diferenças". No discurso ao Papa Francisco, o líder da FLM recordou que 2021 marca também uma das “difíceis memórias” do passado: os 500 anos da excomunhão de Martinho Lutero pelo Papa Leão X. Enfatizando que não é possível contar uma história diferente, mas contá-la de forma diferente, Musa disse que a participação do papa na oração comum em Lund foi "um símbolo poderoso do que Deus realizou no caminho da reconciliação e o reconhecimento mútuo 'como irmãs e irmãos'”. Um grupo de teólogos católicos e luteranos está estudando o contexto histórico e teológico da excomunhão em preparação para a assembleia luterana em Cracóvia, Polônia, em 2023. O arcebispo agradeceu ao Papa Francisco por sua forte liderança durante a pandemia do COVID-19, "lembrando-nos de nosso profundo vínculo como família humana". Ele também destacou o fortalecimento da cooperação que o World Service (Serviço Mundial, braço ecumênico da Federação Luterana Mundial) e a rede católica de agências de ajuda e desenvolvimento estão engajados durante esta visita. O presidente da FLM também apresentou ao papa uma tradução italiana da Declaração Conjunta sobre a Doutrina da Justificação (JDDJ), assinada por católicos e luteranos em Augsburg, na Alemanha, em 1999. O presidente Musa qualificou o documento como uma “pedra angular” que agora “ reúne católicos, luteranos, metodistas, anglicanos e [chiese] reformados na proclamação conjunta e na oração”. "Através da oração (Taizé), do serviço (Za'atari) e do diálogo - concluiu Musa -, o Espírito Santo pode continuar a guiar-nos para que um dia nos possamos reunir à mesa onde Deus, pelo dom de Cristo, nos fez já um". Neste link você pode ler o discurso que o arcebispo Panti Filibus Musa fez na ocasião. Aqui, em vez disso, o discurso do Papa Francisco. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.