Bolonha.  Pontes de paz, religiões e culturas em diálogo

Bolonha. Pontes de paz, religiões e culturas em diálogo

Roma (NEV), 11 de outubro de 2018 – Haverá também o moderador da Mesa Valdense, pároco Eugênio BernardiniE Paulo Nasocoordenadora do Mediterranean Hope (MH) – programa para refugiados e migrantes da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), na 32ª etapa do “espírito de Assis”, inaugurado em 1986 por João Paulo II e levado adiante pela Comunidade de Sant’ Egidio, que este ano completa cinqüenta anos de atividade.

A conferência consistirá numa Assembleia Plenária de abertura no Centro de Congressos da Feira na tarde de domingo, dia 14 de outubro, e numa série de painéis temáticos que decorrerão no centro da cidade na manhã dos dias 15 e 16. A Cerimônia Final acontecerá na Piazza Maggiore na tarde de terça-feira, 16 de outubro.

Muitos temas serão abordados nos vinte e cinco painéis esperados, todos caracterizados por uma criteriosa seleção de personalidades em diálogo, tanto religiosas como seculares: a Europa e a sua crise, a solidariedade entre gerações, o diálogo inter-religioso, o ambiente, o desarmamento, o papel da crentes diante das guerras, da violência generalizada na América Latina.

Eugenio Bernardini intervirá numa mesa redonda subordinada ao tema “Desarmar conflitos”, enquanto Paolo Naso participará no painel “Migrações e o futuro: corredores humanitários”.

Entre as personalidades importantes presentes Ahmad Muhammad Al-TayyebGrande Imã de Al-Azhar; Berenice Kingpastor batista e filha de Martin Luther King.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

“Igreja, peça desculpas a nós”.  A Carta das Mulheres Cristãs

“Igreja, peça desculpas a nós”. A Carta das Mulheres Cristãs

Versão em inglês, carta aberta: A Igreja nos pede desculpas. A paz mundial não pode existir sem hierarquias eclesiásticas pedindo desculpas às mulheres Français, lettre ouverte: Église donne-nous tes desculpas. La paix dans le monde ne peut se passe des desculpas aux femmes de la parte de la hiérarchie ecclésiastique Roma (NEV), 8 de julho de 2020 - Continua a chegar a carta aberta intitulada "A Igreja, desculpe-nos", que denuncia a estrutura patriarcal e androcêntrica das instituições religiosas e da sociedade. "Se a Igreja Católica teme um cisma dentro de si - devido às esquálidas manobras arquitetadas pelo conservadorismo - deve também questionar a possibilidade de um cisma por parte das mulheres" lê-se no preâmbulo da carta, que tem como subtítulo: "Paz na mundo não pode prescindir de desculpas às mulheres das hierarquias eclesiásticas". Nascida de uma "sede de justiça", a carta denuncia as ações e frases abusivas que foram reservadas às mulheres ao longo dos séculos, "um 'patrimônio' sem limites que designa um passado que pesa e não passa; cuja memória não deve ser apagada ou ignorada virando a página. Acreditamos que só a partir da assunção responsável destas afirmações é que os representantes do poder clerical masculino podem tomar consciência desta triste 'arqueologia' que os moldou”. A carta vem de mulheres crentes e destaca que “as relações entre mulheres e homens dentro da Igreja estão doentes há muito tempo, porque estão impregnadas de estereótipos rígidos sobre as mulheres: visões degradantes, que distorcem sua imagem negando sua integridade. A partir dessas premissas, a desvalorização do feminino é uma consequência lógica”. As mulheres pedem consciência e conversão, em nome de um "discipulado de iguais" bíblico. Entre as pessoas que aderiram ao documento estão freiras, religiosas, leigas, mulheres de movimentos ecumênicos, homens e até algumas protestantes, entre elas o pastor valdense Daniela DiCarloo pastor batista Gabriela Lio, Renate Zwick da Rede de Mulheres Luteranas e Claudia Angeletti, para a Associação Rosa Parks – centro cultural protestante. Entre os primeiros signatários, Paula Cavallari do Observatório Inter-religioso sobre a violência contra a mulher (OIVD), mulheres das Comunidades Cristãs de Base italianas e da Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE), e Anne Soupa, biblista, presidente do Comitê de la Jupe em Paris, que recentemente apresentou sua candidatura ao cargo de arcebispo de Lyon, recebendo o apoio de muitas mulheres católicas e protestantes em vários países europeus. Entre as assinaturas ilustres, também Antonieta Poderosa E Giancarla Codrignani. As mulheres pedem distância das "declarações insultuosas dos Padres da Igreja, Apologistas Cristãos ou Santos", relatando alguns exemplos. “Algumas violações graves cometidas pelo clero masculino (às vezes com a cumplicidade de mulheres consagradas) contra o sexo feminino” são listadas na carta. Entre elas, a exclusão do reconhecimento à imagem de Deus, as relações de dominação e submissão, a exploração do trabalho das mulheres consagradas como trabalho escravo sem reconhecimento econômico e social, espiritual, de consciência e abuso sexual, a demonização da feminilidade corporal e a construção da imagem da "mulher sedutora", para legitimar a visão segundo a qual as mulheres são responsáveis ​​pelas atitudes assediadoras/abusivas dos homens, pelo controle da sexualidade e do corpo feminino, pela indiferença em relação ao consumo de pornografia e de prostituição. A carta também se refere à falha na reforma da liturgia e da linguagem pastoral e catequética, que atualmente não reconhece a subjetividade das mulheres; às traduções questionáveis, se não totalmente errôneas, dos Textos Sagrados, "imbuídas de preconceito patriarcal"; à visão desequilibrada da relação homem/mulher "através da exclusão das mulheres não só dos ministérios, mas também de todos os órgãos de decisão dentro da Igreja". A carta conclui com um apelo, para que o reconhecimento de tais insultos “não seja uma simples declaração de princípio, mas seja acompanhado de atos concretos” para a geração, todos juntos, de uma nova visão cultural, que ponha fim à dramática fenômeno da violência contra a mulher e dos feminicídios. Fenômeno estritamente condicionado pelos fenômenos descritos acima. Para se inscrever e ler a carta aberta na íntegra, clique AQUI ...

Ler artigo
Vamos recomeçar com você.  Para libertar homens e mulheres da violência

Vamos recomeçar com você. Para libertar homens e mulheres da violência

Foto Sammie Vasquez - Unsplash Roma (NEV), 13 de maio de 2022 – “Vamos começar de novo com você” é um projeto da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI). É uma série de encontros de reflexão e formação contra a violência. “Nos últimos anos – escreveu o presidente da FDEI, pároco Gabriela Liona carta de apresentação do projeto, antes da pandemia - inúmeras iniciativas foram desenvolvidas com o objetivo de envolver homens, meninos e meninas na luta contra a violência de gênero, tanto nacional quanto internacionalmente, mas na Itália o envolvimento do gênero masculino contra a violência contra mulheres ainda está dando pequenos passos”. Hoje em Gravina começa uma nova etapa dessa jornada. “Vamos recomeçar contigo” é um projeto articulado enraizado nos vários territórios, onde especialistas e operadores da área são chamados a confrontar apontamentos. A programação também inclui apresentações teatrais, encontros e depoimentos. O conceito subjacente é que uma nova aliança entre os gêneros é necessária. Para esta aliança, é necessário que cada pessoa se sinta diretamente interpelada: por um lado, é necessário ajudar as mulheres a estarem presentes e ativas nestas questões. Por outro lado, todo homem deve ser sensibilizado. A violência masculina contra a mulher também é um problema masculino. Não só de quem pratica a violência, mas também de quem a tolera, de quem a esconde, de quem a ignora ou, de alguma forma, a aprova tacitamente. Gabriela Lio, presidente da FDEI fala “A violência contra a mulher é transversal – declara a pastora Gabriela Lio -. Em todos os lugares encontramos peculiaridades, mas a violência perpassa todas as classes sociais, religiões, origens. Existem, no entanto, algumas características específicas. A situação das mulheres, de certa forma, varia de região para região”. Em Nápoles, por exemplo, Lio se refere a jovens que entendem a relação de “noivado” de forma disfuncional. “Os centros antiviolência nos contaram sobre meninas que expressam descontentamento se seus namorados não batem nelas ou as tratam mal. Alguns viriam a desejar ser mantidos dentro de casa. Segundo algumas dessas meninas, a ideia é que se o menino não se comportar assim, 'então ele não me ama'”. Os centros anti-violência trabalham na prevenção, mesmo com raparigas de 12, 13 anos, para que este tipo de “modelo”, que se baseia na aprovação de comportamentos que podem conduzir a delitos, não se torne um destino obrigatório. Nem para meninos nem para meninas. O risco é prender ambos os sexos em uma espiral de violência e dependência tóxica. Uma figura que não apareceu em nenhum outro lugar, explica o presidente Lio, é a dos feminicídios entrelaçados com os atos da Camorra. Exemplo disso é a morte inocente do adolescente de 14 anos Annalisa durante, que ocorreu em Forcella em 27 de março de 2004 durante um confronto armado entre membros de clãs rivais. A FDEI envolveu a associação que leva o seu nome. “Visitamos o local onde Annalisa Durante foi assassinada. Poderíamos ter ido a muitos outros lugares, porque os casos são tristemente numerosos”, diz o pároco. O Hospital Evangélico de Gênova, que está na vanguarda em muitos pontos de vista, foi envolvido na etapa relacionada. Os hospitais apresentam-se como locais privilegiados de educação, também no futuro. “É importante saber o que pode acontecer, para preparar a equipe do pronto-socorro. Precisamos envolver as associações associadas nos territórios. E criar caminhos para os atores da violência. Só assim podemos intervir, escutar, restabelecer um caminho de consciência. Às vezes o grito é muito alto e você não sabe o que dizer. Conhecer permite entender em que fase da espiral da violência as mulheres se encontram”, volta a propor Gabriela Lio. Um ponto importante, sublinhado por oradores de centros anti-violência, tanto em Nápoles como em Florença, é o seguinte: “Muitas pessoas foram positivamente afetadas pelo fato de as termos convidado a falar. Porque isso nunca acontece. Normalmente as Associações são convidadas a ouvir (na prefeitura, em cursos com a polícia). Escolhemos uma política de 'mulher para mulher'. Dialogar com quem trabalha no campo”. A violência de gênero, continua Lio, “é revelada. Existe na migração, existe quando se fala de refugiados, existe no setor de acolhimento, existe na fronteira… A violência se expressa no tráfico de pessoas, mas também no trabalho. E isso também é violência." Onde estão os homens? Há uma grande participação de homens principalmente no teatro. Esta também é uma forma de criar novos laços, novas relações. E novas visões. “Em Florença estávamos no jardim dedicado a Michelle Noli – finaliza Gabriela Lio -. Conhecemos a mãe e o pai de Michela, Massimo Noli E Paula Alberti, e compartilhamos um momento de poesia e oração. Foi um testemunho muito tocante. Assumimos um compromisso com esses pais e com todas as mulheres vítimas de violência. Pretendemos contribuir com sua campanha para reivindicar uma lei contra a sonegação de conhecimento. A intenção é estabelecer uma espécie de obrigação de denúncia como a que existe, por exemplo, nas escolas em casos de suspeita de maus-tratos e abuso de menores. Tem gente que sabia do risco, e não falou. Precisamos de uma lei anticonspiração". O 5º Troféu 'Corri per Michela' será realizado no domingo, 15 de maio, em sua memória e para aumentar a conscientização sobre a violência contra as mulheres. "Vamos começar com você" envolve muitas redes e muitas mulheres, inclusive Bárbara Caviglia E Lúcia Tubito presidente do Movimento de Mulheres Evangélicas Batistas (MFEB). Em Gravina. O projeto envolve as igrejas de Puglia e Basilicata. Está previsto um espectáculo, “O amor… não agüenta tudo”, com o patrocínio do Teatro Vida. Haverá um momento memorial para uma mulher batista, uma imigrante argentina, que morreu durante o confinamento de câncer. Devido ao covid, não foi possível dar-lhe uma despedida fúnebre. Também trabalharemos a importância da linguagem inclusiva, com uma mesa redonda em conjunto com as associações locais, inclusive no plural Masculino. Domingo, adoração. Vamos recomeçar com você “Trabalhar nas causas sociais e culturais da violência de gênero, para sermos portadores de mudança e, portanto, com possibilidade de sensibilizar para intervir, influenciar e transformar as situações de violência de gênero. Construir relações e práticas diferentes das do domínio no contexto em que nos encontramos. Para testemunhar a nossa fé”. Passos passados ​​e futuros O projeto já envolveu Nápoles, juntamente com mulheres e pastores adventistas e luteranos (1 a 3 de abril). Gênova, com o Hospital Evangélico Internacional (8 a 9 de abril) e com mulheres anglicanas. Florença com a colaboração de teólogos protestantes (5-6 de maio), no Instituto de Teologia da União Italiana das Igrejas Cristãs Adventistas do Sétimo Dia (UICCA). Aqui participaram os alunos de teologia, com a presença também dos professores. Em seguida, será a vez de Milão (27 a 28 de maio) e, finalmente, de Roma (junho) com a participação do Exército de Salvação (EdS). Para saber mais: O serviço de vídeo em HopeMedia. Os pastores e teólogos falam Elizabeth Green E Lídia Maggi, da Igreja Batista; Letizia Tomassone da Igreja Valdense; E Corinne Lanoirprofessor de Antigo Testamento na Faculdade de Teologia Protestante de Paris. ...

Ler artigo
RBE-TV chega.  Um canal digital terrestre junta-se à Rádio Beckwith

RBE-TV chega. Um canal digital terrestre junta-se à Rádio Beckwith

Roma (NEV), 14 de setembro de 2022 – Uma TV além do rádio. Este é o slogan da Rádio Beckwith Evangelica (RBE) para o lançamento da nova emissora de TV. “A partir de 19 de setembro de 2022, terá início a nova programação da RBE-TV, a televisão da RBE. Este é mais um passo na busca por linguagens que combinem rádio, televisão e web com o objetivo de contar o território piemontês e suas interconexões com o mundo, por meio de palavras e imagens”, escreve a equipe editorial. “A TV representa uma culminação do trabalho feito nos últimos anos no campo do vídeo – continua a nota –, mas também um novo desafio para continuar a construir uma perspectiva no cenário da mídia que inclua a narrativa consciente do mundo das igrejas protestantes na Itália ". A RBE-TV transmite no canal digital terrestre 87 no Piemonte, nas províncias de Turim, Cuneo e Asti, com uma programação parcialmente coincidente com a do rádio e parcialmente autônoma, oferecendo formatos culturais e informativos específicos. RBE, uma longa história A Rádio Beckwith nasceu em 1984. Vinculada desde o início à Igreja Evangélica Valdense – União das Igrejas Metodista e Valdense, seu trabalho sempre contou com atenção à área local, atividades culturais, juvenis e assistenciais. O emissor leva o nome do English General Charles John Beckwithveterano da batalha de Waterloo. Benfeitor, ajudou na cultura e educação nos vales valdenses na primeira metade do século XIX. Seu nome está associado, entre outras coisas, ao "Escolas de Beckwith”. Construídas às centenas, em várias aldeias dos vales, essas escolas garantiram a alfabetização de toda a população valdense em poucos anos, criando um exclusivo no panorama italiano da época. No site da RBE lemos novamente: “A RBE nasceu na onda da difusão das rádios livres a partir de 1976, como compromisso e passatempo de um grupo de meninos. Nos primeiros anos, a transmissão era limitada à vila de Torre Pellice, onde a rádio estava sediada, e nos anos seguintes expandiu-se para todo o Vale de Pellice e a área de Cuneo. O tempo de difusão passa ao longo dos anos de algumas horas iniciais para os atuais 24/7, graças ao investimento gradual e contínuo em pessoal e novas tecnologias, como o streaming, ativo desde 2004, ou o digital terrestre desde 2010”. A Radio Beckwith Evangelica é propriedade da associação cultural sem fins lucrativos “Francesco Lo Bue”. Para saber como e onde ouvir a RBE, clique AQUI. Abaixo, o spot de lançamento da RBE-TV: [embed]https://www.youtube.com/watch?v=BNiH-lLYLMk[/embed] ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.