Bolonha.  Pontes de paz, religiões e culturas em diálogo

Bolonha. Pontes de paz, religiões e culturas em diálogo

Roma (NEV), 11 de outubro de 2018 – Haverá também o moderador da Mesa Valdense, pároco Eugênio BernardiniE Paulo Nasocoordenadora do Mediterranean Hope (MH) – programa para refugiados e migrantes da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), na 32ª etapa do “espírito de Assis”, inaugurado em 1986 por João Paulo II e levado adiante pela Comunidade de Sant’ Egidio, que este ano completa cinqüenta anos de atividade.

A conferência consistirá numa Assembleia Plenária de abertura no Centro de Congressos da Feira na tarde de domingo, dia 14 de outubro, e numa série de painéis temáticos que decorrerão no centro da cidade na manhã dos dias 15 e 16. A Cerimônia Final acontecerá na Piazza Maggiore na tarde de terça-feira, 16 de outubro.

Muitos temas serão abordados nos vinte e cinco painéis esperados, todos caracterizados por uma criteriosa seleção de personalidades em diálogo, tanto religiosas como seculares: a Europa e a sua crise, a solidariedade entre gerações, o diálogo inter-religioso, o ambiente, o desarmamento, o papel da crentes diante das guerras, da violência generalizada na América Latina.

Eugenio Bernardini intervirá numa mesa redonda subordinada ao tema “Desarmar conflitos”, enquanto Paolo Naso participará no painel “Migrações e o futuro: corredores humanitários”.

Entre as personalidades importantes presentes Ahmad Muhammad Al-TayyebGrande Imã de Al-Azhar; Berenice Kingpastor batista e filha de Martin Luther King.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

“Paz sem fronteiras”, os protestantes na reunião de Sant’Egidio em Madrid

“Paz sem fronteiras”, os protestantes na reunião de Sant’Egidio em Madrid

Roma (NEV), 17 de setembro de 2019 - Paz sem fronteiras é o título do encontro internacional anual pela paz promovido pela Comunidade de Sant'Egidio. Muitos expoentes evangélicos e várias igrejas protestantes de todo o mundo também participaram do encontro sobre o diálogo inter-religioso, nascido de uma ideia de Wojtyla em 1986, que está acontecendo em Madri nestes dias, de 15 a 17 de setembro. Em particular, ontem, 16 de setembro, um dos 27 painéis da cúpula participou de uma mesa redonda sobre o tema da migração, Paulo Nasocoordenador do Mediterranean Hope, programa de refugiados e migrantes da Federação de Igrejas Evangélicas da Itália, e pastor valdense Eugênio Bernardiniex-moderador da Mesa Valdense. “Acreditamos em um amor que nos impulsiona a servir os outros – explicou Bernardini -, um amor inclusivo que não deixa ninguém sozinho e abandonado e por isso nos impulsiona a um compromisso com fronteiras cada vez mais avançadas, como as dos refugiados e migrantes, para os "marginais" e aqueles que o sistema tende a expulsar. E gostaríamos que tudo isso fosse feito invertendo a ideia atual: não “primeiro nós e nosso clã”, mas primeiro os últimos”. Iniciando seu discurso com uma citação do pastor batista Martin Luther Kingde um sermão de 1957, em plena crise racial – “É meia-noite na ordem moral” E “Você perdeu o senso de certo e errado” – O professor Paolo Naso denunciou “A avalanche de falsidades e hipocrisias que tem caracterizado o debate sobre a imigração nos últimos anos. Um inimigo foi construído, assim como um muro de medo e preconceito foi construído, diante de um fenômeno que pode ter soluções sustentáveis ​​e viáveis. Isso é demonstrado pela experiência dos corredores humanitários, que os evangélicos iniciaram com Sant'Egidio em 2016. Mas agora temos um novo desafio pela frente: transformar uma boa prática em uma política estrutural. É por isso que pedimos um corredor humanitário europeu da Líbia para 50.000 refugiados”. O evento em Madri terminará esta noite, terça-feira, 17 de setembro, quando, após a oração de cada religião de acordo com sua própria tradição, os líderes religiosos eles se reunirão na Plaza de la Almudena para lançar um apelo pela paz. ...

Ler artigo
31 de outubro, Dia da Reforma

31 de outubro, Dia da Reforma

16 de junho de 2019, Genebra (Suíça). Comemoração dos 20 anos da JDDJ Roma (NEV), 28 de outubro de 2019 – 31 de outubro de 1517 Martinho Lutero ele afixou suas 95 teses no portal da igreja do Castelo de Wittenberg, evento que se convencionou considerar o início da Reforma Protestante. Em todo o mundo, no dia 31 de outubro, são realizadas iniciativas e serviços para celebrar o Dia da Reforma. As igrejas reformadas, também na Itália, organizam um culto para o "Domingo da Reforma" para a ocasião. Com base nas necessidades de cada comunidade, isso cai no domingo antes ou depois de 31 de outubro. As doações arrecadadas durante os cultos do “Domingo da Reforma” das igrejas valdenses, metodista e batista serão doadas à Sociedade Bíblica da Itália (SBI). A SBI é a filial italiana da Sociedade Bíblica Britânica e Estrangeira (SBBF), que nasceu em 1804 em Londres com o objetivo de divulgar a Bíblia e que em poucos anos se expandiu para envolver centenas de comerciantes, oficiais, funcionários administrativos, parlamentares e diplomatas de várias igrejas também na Alemanha, Rússia, Holanda, Suécia, Estados Unidos, França, Grécia… O convite para apoiar a SBI também foi estendido à Federação das Igrejas Pentecostais (FCP). Eric Noffke, professor de Novo Testamento na Faculdade Valdense de Teologia em Roma e presidente da SBI, falou no semanário Riforma sobre o tema da necessidade da leitura bíblica para a vida dos crentes e das igrejas, enfatizando como os grandes reformadores do século XVI "pôr-se em guarda contra a teologia das obras" e recordando como "não basta ser animado pelas melhores intenções, pelo contrário, às vezes pode ser contraproducente". Nesse sentido, a Bíblia representa uma “bússola” para agir “porque assim como a ação é ineficaz sem a orientação das Escrituras, não pode haver uma fé no amor de Deus que permaneça passiva e inerte diante dos desafios deste mundo”. A Federação Luterana Mundial (FLM), por sua vez, pediu o uso, para o Dia da Reforma, da liturgia ecumênica usada em Genebra para o 20º aniversário da Declaração Conjunta sobre a Doutrina da Justificação (JDDJ). O convite é dirigido a todas as igrejas que assinaram o JDDJ: Luterana, Católica, Metodista, Anglicana e Reformada. A liturgia inclui orações, hinos e leituras da Bíblia, extratos do JDDJ e outros documentos. O JDDJ é um acordo histórico, resultado de mais de três décadas de diálogo ecumênico entre a Federação Luterana Mundial (FLM) e a Igreja Católica Romana. Inicialmente assinado por luteranos e católicos em 1999, o JDDJ efetivamente resolveu um dos principais conflitos da Reforma e pôs fim às suas respectivas excomunhões. Nos anos seguintes, também reuniu membros do Conselho Metodista Mundial (WMC), da Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas (WCRC) e da Comunhão Anglicana. A liturgia ecumênica está disponível online em inglês, alemão, espanhol e francês. ...

Ler artigo
17 de fevereiro, Dia da Liberdade (em tempos de pandemia)

17 de fevereiro, Dia da Liberdade (em tempos de pandemia)

foto de Elisa Biason, o céu de Lampedusa Roma (NEV), 3 de fevereiro de 2021 – Como a liberdade pode ser recusada e celebrada em tempos de pandemia? Isso será discutido em um encontro promovido pela Federação das Igrejas Evangélicas da Itália por ocasião do dia 17 de fevereiro, Dia da Liberdade. Título do debate, marcado para 17 de fevereiro das 17 às 18h30 (no zoom), é justamente “Cidadania, liberdade e cuidado em tempos de Covid”. “A habitual iniciativa da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália para comemorar o dia 17 de fevereiro – explica Paulo Naso, – este ano gira em torno de três temas, sugeridos e ditados pela emergência covid, uma emergência que se está a tornar claramente uma verdadeira lente para ler não só a realidade destes dias mas também a dos próximos meses, talvez anos. As três palavras-chave são ciência, cuidado e liberdade. Ciência porque temos um problema não só de informação objetiva e precisa, mas também de compartilhamento e transparência dos processos de saúde que acompanham a administração de vacinas. Entendemos que também existem problemas de democracia, ligados ao acesso a tratamentos e vacinas: precisamos pensar em todas essas questões. O segundo foco é o do tratamento: a Covid também é um problema pastoral. Pensamos nas pessoas que morreram em absoluta solidão, acompanhadas por parentes que não puderam se despedir de seus entes queridos da maneira mais adequada. A terceira e última é a da liberdade: é claro que a prevenção e o combate à pandemia limitam as nossas potencialidades - pensemos em quem trabalha, em quem estuda, em quem precisa de se deslocar - mas também limita a possibilidade de celebrando livremente cultos e outros momentos religiosos. Não estamos falando apenas do mundo protestante, portanto, mas de todas as pessoas que têm uma fé e frequentam um lugar religioso, de espiritualidade”. Sobre estas questões, “juntamente com especialistas altamente qualificados, queremos refletir – conclui Naso -, com referência específica ao dia 17 de fevereiro, que começou como um dia de liberdade. Um dia que também nasceu como um momento em que se sonha com a libertação de normas e leis que minaram uma liberdade fundamental como a liberdade religiosa para os valdenses e judeus, até 1848. Hoje queremos ler este conceito de liberdade e libertação em um momento excepcional e particular que estamos vivendo por causa do Covid19”. Na reunião, após as saudações do presidente Luca Maria Negroeles vão intervir Alberto Mantovanidiretor científico do instituto clínico Humanitas, Elena Bein Richprofessor de filosofia, Daniele Garroneteólogo e membro do Conselho da FCEI, Abril Máximopastor batista, Francesco Piobbichi da Mediterranean Hope, o programa de migrantes e refugiados da Federação de Igrejas Evangélicas na Itália. A nomeação será moderada pelo advogado Ilaria Valenzi da Comissão de Estudos da FCEI. O webinar acontecerá ao vivo no zoom no endereço e na página do fb da revista Comparação e centro de estudos. 17 de fevereiro é o dia em que comemoramos o 173º aniversário da patente de cartas com a qual o rei da Sardenha, Carlo Alberto, concedeu direitos civis aos seus súditos protestantes, os valdenses.A decisão foi recebida com entusiasmo e saudada pelos valdenses ao redor de grandes fogueiras. A tradição das fogueiras da liberdade continua hoje e todos os anos, na noite entre 16 e 17 de fevereiro, muitas delas são acesas não apenas nos lugares históricos da presença valdense, como um sinal que se espalha de vale em vale para renovar o notícias , mas também em outros lugares da península onde existem igrejas protestantes. Desde então, para os valdenses e para todos os evangélicos, o dia 17 de fevereiro é um dia de festa.No mês seguinte daquele mesmo ano, em 29 de março de 1848, o rei também concedeu direitos civis aos judeus. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.