Liberdade, esperança, mística, resistência.  Mulheres Evangélicas no Congresso

Liberdade, esperança, mística, resistência. Mulheres Evangélicas no Congresso

Imagem de Shamsia Hassani, artista afegã. Retirado do arquivo FDEI 16 dias contra a violência 2022

Roma (NEV), 10 de março de 2023 – Hoje é o último dia para se inscrever no XIII Congresso da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI), que será realizado em Florença de 24 a 26 de março próximo. Precedido pelo Congresso de Federação Evangélica Feminina Valdense e Metodista (FFEVM), a nomeação também prevê a renovação da Comissão e da Presidência, cargo ocupado atualmente pela pastora batista Gabriela Lio.

As mulheres valdenses e metodistas (que também votarão no novo Conselho) se reunirão a partir de quinta-feira, 23 de março, enquanto o congresso da FDEI será aberto com um evento público na sexta-feira, 24 de março, às 17h, na igreja valdense de v. Micheli 26: mesa redonda intitulada “Sou vítima de feminicídio: quando o silêncio é cúmplice do crime”. moderado por Cláudio Coppini da Rádio RVS, contará com a presença Paula Alberti, abençoado albanês, Elena Bargagli, Deborah Giombarresi, Annalisa Gordigliani. Os trabalhos efetivos do congresso da FDEI começarão no sábado, 25 de março, às 8h30, com adoração.

Sábado, 25 de março, às 18h, no grande salão do Gould Institute, na via de’ Serragli, 49, outra mesa redonda em memória do teólogo Dorothee Solle, no vigésimo aniversário de seu desaparecimento. Título desta consulta, “Mística e Resistência: o pacifismo de Dorothee Sölle como uma opção de vida resistente”. Com Alice Bianchi, Fabrício Bosina, Letizia Tomassone. Moderado Elena Ribetrepórter da agência de notícias Nev.

Domingo, 26 de março, a eleição do novo Comitê Nacional, os atos finais e o culto final, agendados para 12.

Os versos que acompanharão os dois congressos são, respectivamente, “Onde está o Espírito de Deus, aí há liberdade” (II Coríntios 3,17) para a FDEI. E “A experiência produz esperança” (Romanos 5, 4) para a FFEVM.

A presidente cessante Gabriela Lio, entrevistada por Gianna Urizio no FDEI/Reform News, declarou: “Acreditamos que alguns temas e compromissos devem continuar e se fortalecer, como o da violência de gênero e meio ambiente. Além disso, certamente é importante trabalhar para fortalecer a rede nacional e construir uma relação mais forte entre mulheres nativas e mulheres migrantes. Não devemos perder nada do que construímos ao longo de muitos anos de testemunho, pelo contrário, devemos continuar nossa formação teológica, o programa de rádio ‘Donne in Rete’ na Radio Voce della Speranza, nossos boletins de notícias, o livrinho ’16 dias contra a violência ‘ também em diferentes idiomas para aumentar a conscientização não apenas em nossas igrejas, sobre a violência de gênero. Por fim, acredito que a FDEI deve reconstruir as relações com as mulheres protestantes na Europa e no mundo e começar a refletir sobre a justiça de gênero para garantir a plena igualdade de todas as pessoas LGBT+, trabalhando sobretudo no nível teológico e cultural, promovendo o respeito e o diálogo entre diferentes tradições teológicas. Só assim pode ocorrer uma mudança cultural, desfazendo estereótipos e preconceitos e talvez até medos”.

Mais informações: [email protected][email protected]
Existem “bolsas de residência” para cobrir todos ou parte dos custos.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Trabalhar.  Uma “bússola ética” para a sustentabilidade, também no âmbito digital

Trabalhar. Uma “bússola ética” para a sustentabilidade, também no âmbito digital

9 de janeiro, Mannheim (Alemanha). “Rumo a uma digitalização sustentável”. Encontro do caminho para o bem-estar nas sociedades e locais de trabalho digitalizados promovido pela rede “Church Action on Labor and Life” - Ação das igrejas pelo trabalho e pela vida (CALL). Roma (NEV), 12 de janeiro de 2023 – O seminário intitulado "Rumo a uma digitalização sustentável" foi realizado em 9 de janeiro em Mannheim, Alemanha. A reunião representa um passo fundamental na jornada de bem-estar em sociedades e locais de trabalho digitalizados promovidos pela web “Ação da Igreja sobre Trabalho e Vida” – Ação das igrejas pelo trabalho e pela vida (CALL). Da Itália participou do encontro Antonella Visintin, da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). O seminário, segundo de dois, conclui o projeto Erasmus+ promovido pelo CALL e é apoiado pela Conferência das Igrejas Europeias (KEK) e cofinanciado pela União Europeia. A rede CALL, constituída em 2010 no seio do mesmo KEK, propõe desde 2017 uma reflexão sobre os efeitos da digitalização na sociedade e nos locais de trabalho. “Este tema é muito dinâmico do ponto de vista tecnológico, mas também como um desafio para a sociedade” lê-se no relatório final do seminário. Trabalho, ética, economia. Uma trama para o bem-estar social “A vida na Europa continua a ser marcada por crises financeiras, económicas, sociais e de emprego. Estas realidades dizem respeito a muitas pessoas e famílias na Europa, incluindo as pessoas que compõem as Igrejas membros da CEC – escreve a rede CALL -. A CEC monitora as políticas europeias voltadas para a superação dessas crises”. O ponto de vista é o da fé: “Vamos refletir sobre como nossa experiência e nossas tradições teológicas podem contribuir para uma política europeia socialmente inclusiva e sustentável. O KEK abordou a questão do trabalho e suas implicações econômicas e sociais desde o ponto de vista da teologia cristã, apoiando também o trabalho de nossa rede” continua o relatório. Para os anos de 2022 e 2023, a rede CALL recebeu financiamento para um projeto ERASMUS+ da educação de adultos sobre a ética da digitalização sustentável em uma abordagem global. Essa abordagem considera aspectos sociais, ecológicos e econômicos. O projeto é liderado pela Igreja Luterana da Finlândia e Alemanha. Abriu com uma conferência em Estrasburgo (França) e envolveu vários atores, incluindo representantes do Parlamento Europeu. Rumo à digitalização sustentável Nos últimos anos, o CALL já havia promovido uma série de webinars, os “CALL Talks”, sobre aspectos técnicos e teórico-éticos; da transição digital do trabalho e da vida; ao teletrabalho; até a sustentabilidade em TI. Em 2020, o CALL também emitiu uma declaração sobre a incerteza e o agravamento da desigualdade durante a pandemia do COVID-19. O documento denuncia a brecha social digital caracterizada pela aceleração das capacidades digitais, por um lado, e a exclusão de muitas pessoas, por outro. As duas oficinas, uma em Helsinki e a segunda em Mannheim, definiram o processo de criação de “uma bússola ética para a digitalização sustentável em três níveis: ecologia, economia e relações sociais. O processo organizou-se num diálogo dirigido a políticos, autoridades, empresas, sindicatos e decisores de diferentes níveis, bem como organizações eclesiásticas”, escreve novamente a rede CALL. Que termina com o relato de algumas boas práticas de empresas e iniciativas locais das igrejas (por exemplo a campanha para um sustento digital na Alemanha) e outros projetos, apresentados e discutidos numa perspetiva ética. As diretrizes éticas "Rumo à digitalização sustentável" sairão posteriormente do seminário de Mannheim. Para saber mais sobre a rede CALL, clique abaixo: ...

Ler artigo
Imigração entre trabalho e direitos: uma reforma necessária

Imigração entre trabalho e direitos: uma reforma necessária

Roma (NEV), 7 de julho de 2022 – “Planear e gerir os fluxos migratórios para o trabalho de forma a garantir protecção e dignidade a quem chega a Itália e responder às necessidades do mercado de trabalho, superando o sistema ineficaz e tortuoso introduzido pela lei "Bossi-Fini" há vinte anos": ser discutido na quinta-feira 14 de julho em Roma, às 15h, na Sala Zuccari do Palazzo Giustiniani, no Senado, por ocasião da conferência "Imigração entre trabalho e direitos: uma reforma necessária", organizada pela campanha Eu era estrangeiro. Uma comparação qualificada sobre os limites do sistema atual, considerado “insuficiente para satisfazer a procura de mão-de-obra e sobre as potenciais oportunidades apresentadas por uma gestão racional e de longo prazo dos fluxos”, na qual intervirão, com dados e histórias: Chiara Tronchin, pesquisador da Fundação Leone Moressa; Hardeep Kaur, o sindicalista Flai Cgil Latina Frosinone; Cláudio Cappelliniresponsável pelas políticas comunitárias do CNA; Cris Richmond, CEO da MyGrants; Leonardo Becchettiprofessor titular de Economia Política na Universidade de Roma Tor Vergata; Tatiana Esposito, Director-Geral da DG Políticas de Imigração e Integração do Ministério do Trabalho, e Luciana Lamorgese, Ministra do Interior. Para a campanha vão intervir, entre outros, Emma Bonino E Louis Manconi. A moderar o debate esteve o jornalista de A impressão Francesca Schianchi. A conferência é organizada pela campanha “Fui estrangeiro”, nascida em 2017 com o objetivo de reformar o sistema que regula a imigração e o trabalho no nosso país através da introdução de novos canais de entrada dedicados e inclusão ativa na sociedade da população estrangeira já presentes no país, abordando a questão da gestão da imigração numa perspetiva que, nos últimos anos, tem sido negligenciada em prol de uma maior atenção aos desembarques e receção. Tornando-se também um projeto de lei de iniciativa popular intitulado "Novas regras para a promoção de autorizações de residência regulares e a inclusão social e laboral de cidadãos estrangeiros não pertencentes à UE", "Ero Straniero" foi arquivado com mais de 90.000 assinaturas na Câmara dos Deputados em 27 de outubro de 2017 e está estacionado desde março de 2020 na Comissão de Assuntos Constitucionais. AQUI e abaixo o programa da conferência 14 de julho de 2022: Imigração entre trabalho e direitos: uma reforma necessária A comparação sobre regularização e canais de entrada para obra vinte anos depois de Bossi-Fini Quinta-feira, 14 de julho de 2022, 15h00 Sala Zuccari, palácio Giustiniani – Via della Dogana Vecchia, 29 – Roma 14h30: Hall de entrada 15h00: Saudações de: Emma BoninoSenador, E Louis Manconipresidente da Com razão, para a campanha eu era um estrangeiro Relatório introdutório por: Julia CapitaniOxfam Itália, e Júlia GoriFederação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), pela campanha eu era um estrangeiro Discursos de: Chiara Tronchin, pesquisador da Fundação Moressa Hardeep Kaur, sindicalista Flai Cgil Latina Frosinone Cláudio Cappellinigerente de política comunitária da CNA Cris Richmond, CEO da MyGrants Leonardo Becchettiprofessor de Economia Política, Universidade de Roma Tor Vergata Tatiana Esposito, Diretora Geral da DG Políticas de Imigração e Integração do Ministério do Trabalho e Políticas Sociais Luciana LamorgeseMinistro do Interior Moderado: Francesca Schianchi, A impressão As atas serão transmitidas ao vivo pela web-TV do Senado e pelo canal do YouTube. Informações e métodos de acreditação O encontro é quinta-feira, 14 de julho, às 15h00 (entrada na sala a partir das 14h30) no Palazzo Giustiniani, via della Dogana Vecchia, 29, Senado. Obrigatório paletó e gravata. Para se inscrever escreva para [email protected]. Os pedidos de credenciamento para jornalistas, cinegrafistas e fotógrafos devem conter: dados pessoais (nome, local e data de nascimento); número de telefone; os dados do cartão da Ordem dos Jornalistas, ou os dados do documento de identidade para outros operadores de informação; cabeçalho de referência. Contatos: [email protected] A campanha "Fui estrangeiro" é promovida pela Radicais italianos, Fundação da Casa de Caridade "Angelo Abriani", ActionAid, ARCI, ASGI, Centro Astalli, CNCA, A Buon diritto, Oxfam, Federação das Igrejas Evangélicas Italianas (Fcei), CILD, ACLI e apoiado por Legambiente, Scalabriniani, AOI , CGIL e dezenas de outras organizações. ...

Ler artigo
Sem fins lucrativos, o Otto per mill Valdensian tender

Sem fins lucrativos, o Otto per mill Valdensian tender

Roma (NEV), 16 de janeiro de 2023 – Ainda faltam dez dias para participar da licitação de 2023 da Otto per mill Valdensian and Methodist. De 5 a 27 de janeiro de 2023, todas as associações que desejam apresentar um pedido de financiamento para suas iniciativas de solidariedade na Itália e no exterior têm, portanto, a oportunidade de preparar um projeto e documentação em conformidade com as diretrizes elaboradas pelo Tavola Valdese. Um documento de perguntas e respostas às perguntas mais frequentes também está disponível no site www.ottopermillevaldese.org, para esclarecer as dúvidas mais comuns. “Nunca como neste momento – comentou Manuela Vinay, chefe do Gabinete Otto per Mille de Tavola Valdese – sabemos da importância do apoio que podemos oferecer ao nosso e aos outros países. Por esta razão decidimos não alterar a abordagem aberta que sempre caracterizou a nossa Chamada, tentando simplificar alguns aspectos para facilitar a participação”. A União das Igrejas Metodistas e Valdenses contribui, como outras confissões religiosas, para a distribuição dos fundos Otto per Mille IRPEF e optou por destinar todas as contribuições que lhe são devidas exclusivamente para apoiar intervenções sociais, assistenciais, humanitárias e culturais, na Itália e fora do país. Em 2022, foram selecionados mais de 1500 projetos, para os quais se destinaram um total de cerca de 45 milhões de euros, num total de quase 5000 candidaturas recebidas. “Para nós crentes – disse Vinay – é impossível não pensar que direitos, paz, fraternidade, alívio, acolhida podem se tornar palavras incômodas. Eles são a base da nossa razão de existir e como igrejas estaremos sempre próximos dos necessitados e daqueles que dedicam suas vidas ao bem do próximo. Neste contexto complexo, em que as soluções aparecem distantes e as boas intenções infelizmente não tão próximas, queremos, como todos os anos, acender uma luz e oferecer o nosso apoio a muitas realidades que experimentam todos os dias o mais alto sentido da vida no seu local área . Ou seja, aquela que só tem sentido se vivida na relação com o outro, dedicando-se a compartilhar os valores nos quais nos reconhecemos”. Os 8×1000 podem ser atribuídos por todos os contribuintes a uma das entidades religiosas com as quais o Estado italiano tenha assinado um acordo, ou ao próprio Estado. O 8×1000 funciona mesmo como um voto, porque é dividido entre o Estado e as entidades religiosas, na proporção das escolhas feitas. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.