Migrantes, eu era estrangeiro: são necessários canais de entrada acessíveis

Migrantes, eu era estrangeiro: são necessários canais de entrada acessíveis

Roma (NEV), 7 de março de 2023 – A campanha Eu era estrangeiro, à qual também adere a Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), intervém sobre a tragédia de Cutro.

“Nos últimos dias houve apelos, com diferentes tons, à necessidade de gerir os fluxos migratórios e garantir a possibilidade de chegar a Itália de forma segura – lê-se numa nota hoje divulgada -. Como campanha fui estrangeiro, hoje sentimos a necessidade de esclarecer, na grande confusão de títulos, declarações, análises apressadas a que assistimos, sublinhando alguns pontos firmes da nossa visão quanto ao tema da entrada para trabalho que é o área com a qual lidamos.
O primeiro ponto fixo é a obrigação – nacional, europeia, internacional – de garantir às pessoas que fogem canais seguros e dedicados que lhes permitam ser acolhidas e encontrar proteção. Por outro lado, no que diz respeito aos fluxos de trabalho, desde 2017, pedimos uma alteração profunda ao atual sistema de entrada, mais de vinte anos após a sua introdução, uma vez que não funciona, é de difícil acesso para homens e mulheres trabalhadoras, não consegue satisfazer as exigências do mundo produtivo – como sublinham as associações patronais de muitos sectores – e continua a criar e alimentar irregularidades e trabalho não declarado. Este é o segundo ponto fixo: hoje só pode entrar na Itália quem já tem contrato e exclusivamente dentro das cotas e setores de trabalho definidos pelo decreto de fluxo, não com base nas necessidades concretas das empresas. Na prática, o empregador deve enviar o trabalhador do exterior já com o compromisso de contratá-lo, mesmo que – presumivelmente – nunca o tenha visto. Além disso, não há como contratar e legalizar uma pessoa já presente na Itália, mas sem documentos, com quem talvez você já tenha uma relação de trabalho informal (como costuma acontecer no cuidado e no trabalho doméstico). Outro ponto fixo de nossa análise: o verdadeiro método de recrutamento e estabilização na Itália foi e continua sendo o recurso às anistias periódicas, como vimos a partir de 2002. Uma negação de facto das escolhas políticas feitas até agora e uma admissão de impotência”.
Face a tudo isto, “pensamos que não são suficientes os ajustamentos mínimos feitos recentemente ao decreto de fluxos que, embora confirmem o aumento de quotas já previsto no ano passado, não põem em causa o mecanismo excessivamente rígido. Já a campanha Eu era um estranho propõe uma abordagem pragmática, que parte do que acontece na realidade. Identificamos duas intervenções de reforma: a introdução de canais de entrada mais flexíveis (como a introdução da figura do patrocinador ou de uma autorização de procura de emprego) que sejam verdadeiramente acessíveis aos trabalhadores de países terceiros e que, ao mesmo tempo, respondam a as necessidades do nosso mundo produtivo. Outra intervenção fundamental: a possibilidade de regularizar as pessoas já presentes na Itália se tiverem disponibilidade de trabalho, com um mecanismo de regularização individual, sem necessidade de nova anistia. Acreditamos que estes são os únicos caminhos a seguir para tentar limitar o uso de viagens com risco de vida e devolver a dignidade a quem, mesmo sem autorização de residência, contribui para o progresso social e económico do país. Oferecemos ao governo e a todo o parlamento essas ferramentas, resultado de anos de trabalho conjunto de inúmeras organizações e de discussões com os territórios e o mundo produtivo. Além das restrições às licenças: o objetivo comum só pode ser, finalmente, aquela reforma evocada por todos, mas nunca perseguida até o fim”.


A campanha Eu era estrangeiro é promovida por: Radicais Italianos, Fundação Casa da Caridade “Angelo Abriani”, ARCI, ASGI, Centro Astalli, CNCA, A Buon diritto, CILD, Fcei – Federação das Igrejas Evangélicas na Itália, Oxfam Italia, ActionAid Italia, ACLI , Legambiente Onlus, ASCS – Agência Scalabriniana de Cooperação para o Desenvolvimento, AOI, com o apoio de numerosos prefeitos e dezenas de organizações.

Para informações e contactos: [email protected]

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Protestantes italianos se juntam à oração global anti-covid

Protestantes italianos se juntam à oração global anti-covid

Roma (NEV), 13 de maio de 2020 - A Federação das Igrejas Evangélicas na Itália (FCEI) adere ao dia global de oração anti-covid na quinta-feira, 14 de maio. A iniciativa conjunta do Comitê Superior para a Fraternidade Humana, que também inclui o Conselho Mundial de Igrejas (CEC), é dirigida a todos os líderes religiosos e povos ao redor do mundo. Ao meio-dia, milhões de pessoas se reunirão em oração, mesmo que muitas iniciativas sejam planejadas ao longo do dia. “A adesão da Federação se deve principalmente à ideia básica que animou a convocação desta oração” explica o pároco valdense à agência NEV Pawel Gajewskicoordenadora da seção "Diálogo" da Comissão de Estudos de Diálogo e Integração (COSDI) da FCEI. A Federação convida todas as suas igrejas membros e todos os fiéis a se reunirem em oração no dia 14 de maio “só pensando na situação inédita que estamos vivendo – continua o pastor -. É um gesto de solidariedade com todas as pessoas que sofreram perdas, que estão doentes ou que sofrem com a pandemia. Será uma oração de intercessão por todas essas pessoas e um compromisso de ajudá-las, de criar meios adequados para responder às suas necessidades espirituais e materiais”. Numerosas igrejas locais, crentes individuais, corpos religiosos e ecumênicos também se juntaram à oração global anti-covid, incluindo o grupo de Diálogo Islâmico Judaico-Cristão (DECI) de Florença e a União Hindu Italiana. Estão previstas reuniões virtuais em plataformas web e orações simultâneas em casas e lares individuais. “Como FCEI decidimos propor uma oração retirada do dossiê da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos (SPUC) 2020, especialmente no 4º dia da semana – conclui Gajewski -. Colocamos à disposição de quem quiser, e pedimos que seja divulgado, compartilhado em grupos, via web ou de outras formas por se tratar de uma oração fortemente ecumênica”. Oração global de 14 de maio de 2020 Senhor, Deus de amor, de plenitude e de vida,nós nos voltamos para você em oração e trazemos o sofrimento de nosso mundo e da humanidade da qual fazemos parte. Em oração lamentamos as muitas vidas perdidas e trazemos a vocês as muitas vidas frágeis dos mais expostos ao vírus. Na oração, pedimos-te que estejas perto de quem se expõe todos os dias para o bem de todos nos hospitais e locais de trabalho. Na oração trazemos incertezas para o nosso futuro e o do próximo. E vamos orar: que o amor e não o medo se torne viral. Porque se há medo no mundo, não precisa haver ódio também; se houver isolamento, não deve haver solidão; se houver preocupação, não precisa haver mesquinhez também. Ajude-nos a encontrar novas formas criativas de nos mantermos unidos em espírito e solidariedade. Hoje alcançamos aqueles que rezam conosco, seja qual for o seu credo, onde quer que vivam no mundo, seja qual for a língua que falem: suas palavras são preciosas, sua humanidade é a mesma que a nossa. Juntos, ajudem-nos a construir um mundo melhor, mais pacífico e solidário. Dá-nos a alegria da tua presença, segundo a tua promessa: estarei contigo todos os dias da tua vida. Em nome de Jesus Amém. ...

Ler artigo
Construindo pontes.  Cristãos e Muçulmanos no Conselho Mundial de Igrejas

Construindo pontes. Cristãos e Muçulmanos no Conselho Mundial de Igrejas

Roma (NEV), 12 de junho de 2019 - O 18º seminário "Building Bridges" foi aberto ontem no Instituto Ecumênico Bossey em Genebra, Suíça, reunindo cerca de 30 estudiosos cristãos e muçulmanos internacionais até 15 de junho. O objetivo do seminário, intitulado "Liberdade: perspectivas muçulmanas e cristãs", é fortalecer o diálogo sobre o tema da liberdade - na relação entre a humanidade e Deus, entre as diferentes religiões e políticas, nas crenças pessoais e na esfera pública e entre indivíduos – explorando o papel histórico das comunidades de fé na abordagem desta questão. Building Bridges nasceu de um longo processo de diálogo teológico de alto nível entre ilustres estudiosos muçulmanos e cristãos. Lançado em 2002 pelo Arcebispo de Canterbury, é atualmente organizado pela Georgetown University em Washington DC, que convida estudiosos continuamente, mas também abrindo a cada ano alguns novos convidados, para ampliar gradualmente a comunidade. O Conselho Mundial de Igrejas (CMI) sediou a sessão de abertura do seminário. Entre os palestrantes, Tuba Işıkda Universidade de Paderborn, Rosalee Velloso Ewelldo Redcliffe College e Azza KaramNações Unidas, Vrije Universiteit Amsterdam. Para mais informações, contate: [email protected] O evento será transmitido ao vivo em: ...

Ler artigo
Otto per mille Waldensian, concurso 2023, 2893 projetos apresentados

Otto per mille Waldensian, concurso 2023, 2893 projetos apresentados

A Casa Valdense de Torre Pellice, sede do Sínodo da união das igrejas Metodista e Valdense. Foto retirada do site www.chiesavaldese.org Roma (NEV), 16 de fevereiro de 2023 – 2.893 pedidos de financiamento do terceiro setor para o Otto per mille Waldensian. Este é o número de projetos envolvendo a Itália que pediram às igrejas valdenses uma contribuição econômica. As áreas de maior interesse são deficiência, crianças e jovens e cultura. O último concurso do OPM encerrou no dia 27 de janeiro. Nos próximos meses, o órgão responsável seguirá com a fase de investigação preliminar, ou seja, a verificação da admissibilidade formal quanto aos requisitos do edital.A segunda fase será a avaliação de mérito e é realizada por uma comissão responsável. Os critérios para esta etapa são: coerência entre os objetivos e finalidades da solicitação; integridade e precisão na descrição; correspondência entre os problemas descritos e os objetivos do projeto; correlação entre atividades e objetivos; relação entre o custo estimado e a atividade; coerência entre o pedido e os fins estatutários da instituição. Esse processo leva seis meses, de fevereiro a julho. Finalmente, em agosto, o Sínodo vota e discute a lista de projetos aprovados e em setembro haverá a publicação no site de todas as atividades que receberão a contribuição Otto por mil. artigo anteriorPluralismo religioso, fundamentalismos, democraciasPróximo artigoMaddalena Colombo: "Nenhuma religião autoriza ou legitima a violência contra a mulher" Agência de Imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.