França, separatismo, Clavairoly: “Reafirmar o papel dos cultos: a fraternidade”

França, separatismo, Clavairoly: “Reafirmar o papel dos cultos: a fraternidade”

Foto de Alexandre Lallemand, unsplash.com

Roma (NEV), 22 de março de 2021 – A lei contra o fundamentalismo islâmico desejada pelo presidente Emmanuel Macron, na França chamado contra o “separatismo” religioso, preocupa e questiona todas as confissões religiosas. Nós conversamos sobre isso com François Clavairoly, presidente da Federação Protestante da França (FPF), a partir do polêmico projeto de lei que o Senado francês vai apreciar a partir do próximo dia 30 de março. O presidente dos protestantes, como havíamos explicado neste artigo, juntamente com Eric de Moulins-Beaufortpresidente da Conferência Episcopal Francesa, e ao Metropolita (Ortodoxo) Emmanuel Adamakisassinaram recentemente uma carta em que criticam alguns aspectos da nova legislação “pelo respeito dos princípios da República”. Para os representantes cristãos, o texto corre o risco de penalizar todas as igrejas, associações e comunidades religiosas.

Em primeiro lugar, você pode explicar a lógica desse projeto de lei? Sobre o que é isso?

“Por vários anos, a inteligência tem relatado associações de obediência muçulmana onde os ensinamentos dados estão em contradição com os princípios republicanos. Por exemplo, há espaços onde o ensino de árabe para jovens de fé muçulmana questiona a democracia, a república e os princípios da educação nacional. Ou outros grupos onde a igualdade de gênero é explicitamente rejeitada. Por fim, há a desescolarização: ensinos que nem são regulamentados por lei que são ministrados clandestinamente, em casa, sem regulamentação. As crianças, menores, que sejam retiradas das escolas, incluindo as primárias, e recebam uma educação substitutiva da república.
Aqui estão três exemplos concretos e documentados de ameaças diretas ao respeito pela república. São jovens, uma geração que será criada num clima de ódio à república, de ódio à democracia e à Europa – é um problema que não diz respeito apenas à França, claro. Portanto, é absolutamente necessário lutar contra esse “separatismo”. Mesmo como protestantes, somos muito apegados à liberdade, à República e à lei e, portanto, muito vigilantes contra essas práticas fundamentalistas. Não questionemos, portanto, o princípio geral da lei, porque os perigos são reais. Mas nos perguntamos sobre o estado de espírito em que esta lei está sendo discutida e sobre um certo número de disposições diretamente relacionadas à vida dos cultos na França”.

François Clavairoly (da página fb da Federação Protestante Francesa)

À recente carta conjunta sobre Le Figaro O ministro do Interior, Gérald Darmanin, respondeu, dizendo que a lei “não ameaça a liberdade de religião de forma alguma”. O que você acha? Você tem alcançado resultados com essa postura?

“Se ele tivesse dito mais alguma coisa seria muito grave, como dizer… No entanto, o ministro não respondeu às perguntas que lhe fizemos. Vemos uma série de novos constrangimentos para a vida da associação cultual, dita “1905” (do ano em que foi instituída a separação entre Igreja e Estado, com o texto fundador da laicidade, ed.): a entrada em a autonomia interna dos cultos pela administração, um controle geral dos recursos vindos do exterior e sanções estendidas aos dirigentes das associações. Esses pontos nos questionam porque as associações religiosas são formadas principalmente por protestantes e judeus, portanto cidadãos, franceses ou estrangeiros não importa, que não são “separatistas” de forma alguma. Perguntei, portanto, ao presidente do Senado e ao presidente da Assembleia Nacional a razão deste testamento, considerando que as associações muçulmanas não fazem parte da 1905, classificam-se de acordo com a 1901, a “clássica” lei associativa. Disseram-me: “porque estamos à frente do tempo, os muçulmanos logo retornarão a 1905”. Este projeto de lei tem, portanto, dois objetivos, o primeiro é lutar contra o fundamentalismo e estamos de pleno acordo. Mas o segundo objetivo é fazer com que os muçulmanos saiam da clássica lei de associação e caminhem para 1905. Portanto, queremos tornar o estatuto de 1905 atraente, interessante. em si. Não é por acaso, por exemplo, que a grande mesquita de Paris, a mais importante de todo o país, segundo declarou o seu reitor, já disse que não cairá sob o 1905”.

Qual é o problema da transparência dos recursos vindos do exterior?

“Não somos absolutamente contra a transparência dos fundos, pelo contrário. Já declaramos todos os valores que recebemos do exterior, a informação que rastreia o dinheiro é visível e ao alcance de todos, qualquer um pode verificar. Os próprios bancos podem alertar (com o sistema “tracfin”) se houver movimentações anormais de dinheiro, enfim, o sistema de controle já existe. Portanto, essas verificações adicionais são inúteis. Sabemos da existência de fluxos do Catar, Kuwait, Turquia, para alguns grupos de 1901, e nos perguntamos qual é a sua natureza e destino, mas não é justo que para rastrear esses fundos sejamos obrigados a pagar um auditor ad hoc por seis anos. Uma despesa considerável, além disso, para nós, dinheiro que não poderemos usar para a vida da igreja senão para remunerar o auditor por esta contabilidade extraordinária. São muitas as pequenas coisas que se acumulam e que podem impedir o exercício sereno e proveitoso do culto”.

O projeto, já aprovado na Câmara, será analisado pelo Senado a partir de 30 de março. Quais são suas expectativas?

“Houve algumas mudanças desde a carta. Conseguimos duas coisas e meia das quatro questões que levantamos. Primeiro, a capacidade de administrar investimentos imobiliários, ou seja, propriedades pertencentes a uma igreja. Até agora, pela lei de 1905, as igrejas não tinham o direito de alugar seus espaços, por exemplo. Essa possibilidade foi introduzida no projeto de lei atual, estamos pedindo desde 2014, acho que vamos conseguir e, portanto, estamos satisfeitos nesse aspecto preciso. O segundo resultado é – ou pelo menos esperamos – a renovação tácita da declaração da associação cultural, enquanto antes ela tinha que ser renovada a cada 5 anos pela prefeitura. A adaptação às novas disposições do projeto de lei deve ser feita em um ano: mas é impossível para nós, precisamos de pelo menos dois anos para entrar em ordem, a partir da entrada em vigor. Espero que eles possam nos dar mais tempo.
Abro um parêntese importante. Essas dificuldades estão muito relacionadas ao fato de que os deputados e senadores não conhecem a vida das igrejas, têm um modelo católico em mente, mas não conhecem nem um pouco o sistema protestante. É por desconhecimento ou desinteresse pela nossa forma de funcionar que propõem apenas um ano para fazer mudanças tão importantes.
Por fim, há outro elemento de debate, que é o aumento da redução do imposto de 66% para 75%. Não fizemos essa afirmação diretamente – foi um pedido dos judeus -, mas há poucos dias eu disse ao representante do primeiro-ministro que poderia ser uma boa fórmula especialmente para os muçulmanos incentivá-los a praticar doações, à tradição, a essa hábito que já temos, de fazer oferendas”.

Então, o que esse debate francês sobre o separatismo religioso ensina? Na sua opinião, qual pode ser a “lição” para a Itália e para os outros países?

“Primeira lição: o que os sociólogos nos ensinam ocorre entre parlamentares, o fato religioso torna-se periférico, fenômeno cada vez menos conhecido ou reconhecido por quem legisla. A religião é percebida cada vez mais negativamente, o extremismo está crescendo e isso só reforça a desconfiança dos parlamentares em relação aos cultos.
O mesmo pode acontecer na Itália: um país católico, mas, como nós na França, atravessado por esses fenômenos de secularização e distanciamento cultural entre os valores cristãos e os de uma sociedade pós-moderna que praticamente não precisa mais de religiões para construir o futuro e o lei.

A segunda observação diz respeito às igrejas e religiões, como chegamos aqui? É preciso fazer uma autocrítica: é preciso reafirmar que as religiões são recursos de inteligência, compreensão e interpretação do mundo, de ação solidária, que lidam com os excluídos, os últimos, os migrantes. Cabe a nós reafirmar que as religiões e a fé cristã em particular contêm elementos positivos, são uma riqueza. Finalmente, terceiro e último “ensinamento”: devemos, com o Islã e não contra o Islã, reinventar uma sociedade na qual falemos uns com os outros, na qual a fé e a lei, “fides et ratio”, possam dialogar.
Não podemos imaginar uma sociedade onde os cultos são primeiro humilhados e depois apagados. Isso pode criar ressentimento – vemos isso com o Islã, mas também com o catolicismo. Como a fé e a razão devem dialogar sem se humilhar? Judaísmo, Cristianismo e Islamismo juntos podemos contribuir para o futuro de uma sociedade ocidental sem perder nossa alma. Mas o que significa “culto”? Devemos nos lembrar disso: é a cultura de um espaço no qual o outro, o diferente, encontra seu lugar. Para os protestantes, o culto permite que todos se reúnam ao redor da mesa sagrada, todos equidistantes de Cristo.
Uma sociedade que erradica o culto suprime esse gesto simbólico de aceitação incondicional do outro que é diferente de nós. Nesse ponto, restaria apenas o político, que se torna o valor que satura o espaço social. Muitos, Nazismo, Comunismo e outros, tentaram fazê-lo, para erradicar o culto, esquecendo-se que a fraternidade tem uma dimensão da qual não podemos fugir. Eis o papel das religiões: recordar a fraternidade como elemento essencial”.

Por falar em hospitalidade e solidariedade, a Federação Protestante Francesa compartilha com a FCEI o compromisso dos corredores humanitários. Em que estágio está o projeto?

“Somos muito gratos às igrejas valdenses, seguimos o seu modelo em todos os aspectos, construído pela Fcei com a Mesa Valdense e Santo Egídio. Na França terminamos a primeira fase, o primeiro protocolo e agora esperamos iniciar o segundo projeto, que será ainda mais ecumênico, e envolverá a Federação dos Protestantes, a Federação de Ajuda Protestante (Fédération de l’Entraide Protestante, A FEP, reúne 360 ​​associações e fundações envolvidas nos setores da saúde, social e assistencial, nota do editor), o Ministério do Interior e os católicos como apoio à hospitalidade”.

Ultima questão. Como avalia o papel da Europa na crise do Covid19?

“Todos os países sofreram este período como algo terrível, extraordinário, novo, todos fomos duramente atingidos pela pandemia, mesmo os estados que dizem ter gerido bem ou melhor esta emergência. A pandemia testou a todos nós. A Europa, apesar das críticas, conseguiu muito rápido, de forma extraordinária, adquirir a vacina. Não estou a entrar numa reflexão que opõe uns aos outros, houve e há uma vontade europeia comum de tornar as vacinas acessíveis a todos, espero que as escolhas feitas – em França por exemplo começámos a vacinar grupos mais vulneráveis ​​- sejam sempre ser ético e coerente”.

As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Construindo na rocha.  O culto das mulheres de Vanuatu

Construindo na rocha. O culto das mulheres de Vanuatu

Foto tirada de worlddayofprayer.net Roma (NEV/CELI), 2 de março de 2021 – Faltam poucos dias para o Dia Mundial de Oração (PMM). A Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) também explora os temas e o contexto desta importante nomeação. O GMP hoje envolve um movimento ecumênico cristão cada vez mais amplo para as mulheres. O tema deste ano é "Edificar sobre a rocha", do versículo do Evangelho de Mateus no capítulo 7. "Raramente esta resolução foi tão sentida como no início deste 2021 - escreve Nicole Steiner no site do CELI -, exatamente um ano após a eclosão da pandemia de coronavírus na Itália, quando ainda não vemos o fim da emergência". É “mais uma ocasião para convidar à oração compartilhada e à solidariedade – continua Steiner -. Quando o tradicional cântico de encerramento 'O dia que deste, Senhor, acabou' for entoado, ao final desta celebração que abrange mais de 150 países, muitas almas sentirão um raio de esperança penetrar”. As mulheres de Vanuatu, um arquipélago do Pacífico na orla oriental do Mar de Coral, prepararam textos e canções para esta oração compartilhada que "dá a volta ao mundo". E que também oferece ajuda concreta para projetos solidários, com uma arrecadação dedicada. O Comitê Italiano para o Dia Mundial de Oração foi fundado em 1999. Ana Rosa Lier da Comunidade Evangélica Luterana de Bolzano, bem como da Rede de Mulheres CELI, sempre foi uma de suas forças motrizes. Vanuatu – foto de arquivo GMP Leia o artigo completo do CELI AQUI. Para informações sobre o evento italiano clique AQUI. Baixe o Culto Online de Mulheres de Vanuatu com membros do Comitê Executivo de todas as regiões do mundo. [embed]https://www.youtube.com/watch?v=edQMgNFdRdo[/embed] ...

Ler artigo
O presidente da FCEI, Luca Maria Negro, fala sobre questões políticas italianas atuais

O presidente da FCEI, Luca Maria Negro, fala sobre questões políticas italianas atuais

Pastor Luca Maria Negro, presidente da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália Roma (NEV), 6 de junho de 2018 – Voltando da Assembleia da Conferência das Igrejas da Europa (KEK), que acaba de terminar em Novi Sad (Sérvia), o presidente da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), pároco Luca Maria Negrointervém sobre questões políticas italianas atuais. A Assembleia da Conferência das Igrejas Europeias (KEK), organismo internacional que reúne cerca de 115 igrejas de tradição protestante, anglicana, catolicismo antigo e ortodoxo, concluiu-se ontem em Novi Sad. Você participou da Assembleia como palestrante, conduzindo um estudo bíblico sobre o tema da acolhida aos estrangeiros. Você tem a impressão de que a preocupação das igrejas evangélicas italianas com a situação dos migrantes é compartilhada pelas igrejas européias? Certamente: entre os compromissos assumidos pela Assembleia no documento final sobre questões públicas está o de encorajar o desenvolvimento de rotas seguras e legais para os refugiados para a Europa, lembrando os governos de suas responsabilidades no resgate de migrantes à deriva no mar e convidando a não criminalizar atos de solidariedade para com os migrantes. No documento aprovado há uma referência explícita ao projeto piloto dos corredores humanitários promovidos pela FCEI, a Tavola Valdese e a comunidade de Sant'Egidio. Como avalia os primeiros passos do novo governo? Não vou comentar algumas medidas económicas e de segurança social anunciadas porque teremos de perceber a sua coerência e sustentabilidade financeira. A esperança é que eles atendam a uma necessidade generalizada de segurança social e apoio à renda que se faz sentir há anos: especialmente entre os jovens e no Sul, para quem os efeitos da modesta recuperação que ainda existe ainda são incertos e pouco efetivos. Pelo contrário, preocupa-me muito o capítulo da "imigração" que, a julgar pelas palavras e gestos dedicados ao tema, parece ser o centro da acção deste Governo que parece confiar ao Ministro do Interior um papel decisivo mesmo ao ditar a agenda internacional: a ideia improvisada de uma aliança com a Hungria, e não com os países historicamente mais próximos da Itália, desperta certa perplexidade. Embora concordando com a ideia de que os fluxos migratórios devem ser gerenciados e os bolsões de irregularidade e ilegalidade devem ser combatidos, estamos preocupados com expressões como "acabou a carona", referindo-se a pessoas que vivem em condições de sofrimento, marginalização e discriminação. Outro dia um imigrante foi morto perto de Rosarno e a notícia já sumiu das páginas dos jornais: esse é o carona? Ou dos trabalhadores imigrantes que ganham 15 ou 20 euros por dia no interior do sul? Ou a dos 48 que morreram no Egeu enquanto fugiam da violência e da tortura? Sim, estamos preocupados, mas também determinados a cumprir nosso dever de cristãos. E isso é? Deixe-me dizê-lo com uma palavra do Novo Testamento: filoxenìa, literalmente "amizade para o estrangeiro", um termo geralmente traduzido como "hospitalidade" (Carta aos Hebreus 13:2). Somos pela fraternidade e amizade para com o estrangeiro, o imigrante, o asilado. E o somos por aquilo que lemos na Bíblia e que, como cristãos, somos chamados a pôr em prática com nossos gestos e ações. Apoiadores da filoxenia, só podemos nos opor à xenofobia. Mais praticamente? Grupo de sírios chegando do Líbano pelos corredores humanitários em Roma Fiumicino em 28 de abril de 2017 Nós saudamos. Damos as boas-vindas com os corredores humanitários que criamos junto com o Conselho Valdense e a comunidade de Sant'Egidio e graças aos quais mais de 1.200 refugiados em condições vulneráveis ​​chegaram à Itália até hoje, legal e com segurança. Acolhemos em nossos centros e em nossos trabalhos diaconais, acolhemos colaborando com as ONGs que realizam buscas e salvamentos no Mediterrâneo. O cristão acolhe e não pode fazer diferente. Mas há limites e regras. Claro, e por isso acreditamos que a solução para o drama da migração global não está apenas em nossos ombros, mas pertence à política nacional e europeia. Como evangélicos não acreditamos que devamos substituir os políticos que têm a tarefa de encontrar soluções sustentáveis ​​compartilhadas pela maioria. Mas também sabemos que a nossa vocação não é bajulá-los nem obter os seus aplausos: pelo contrário, somos chamados a interrogá-los, a pressioná-los, a contradizê-los quando promovem políticas inaceitáveis ​​para a nossa consciência. Diálogo impossível, então, com este governo? Longe disso. Este governo tem consenso e maioria e esperamos que faça o melhor e no interesse geral. E diante de questões e problemas críticos estamos prontos para fazer nossa parte como expressão da sociedade civil. A questão das migrações mediterrâneas não pode ser resolvida com fórmulas imaginativas ou invocando fechamentos insustentáveis: é o tema do nosso século, o maior desafio que enfrentamos e todos devem fazer a sua parte, na Itália, na Europa e também nos países de emigração. Também tínhamos escrito ao anterior Primeiro-Ministro para nos colocarmos à disposição para intervenções humanitárias “em sua casa”, desde que respeitassem as regras e os direitos humanos. E dizemos o mesmo ao governo chefiado por Giuseppe Conte. Além da imigração, você tem outras questões que o preocupam? Dois temas de liberdade: liberdade religiosa e direitos civis. Quanto ao primeiro, preocupa-nos a tendência de reduzir o problema a uma questão de ordem pública, enquanto se trata de uma questão de civilização jurídica. Deste ponto de vista, a Itália registra altos e baixos: os altos e baixos da Constituição, dos Acordos já firmados com várias confissões religiosas; mas também os pontos baixos da permanência da lei da era fascista sobre os "cultos permitidos" e dos acordos que foram congelados ou nunca colocados em prática, em primeiro lugar aquele com o Islã que hoje na Itália reúne quase dois milhões de pessoas. A outra questão é a dos direitos civis. Nos últimos dias ouvimos palavras sérias e inaceitáveis ​​de um ministro sobre famílias gays e uniões homossexuais. Estamos certos de que foi uma "voz do sen escapou" porque, perante tantos problemas urgentes em cima da mesa, seria verdadeiramente irresponsável reabrir uma questão que, após um longo debate, encontrou uma solução equilibrada no nosso opinião. Voltemos ao CEC. O que você acha da Itália de hoje nas redes ecumênicas europeias? Há uma preocupação aí também. Mas também determinação. Um dos sinais mais bonitos destes anos é a harmonia com que as diferentes igrejas abordam questões como a imigração. E é também uma esperança para a Europa. ...

Ler artigo
Corredores humanitários do Afeganistão, 217 refugiados chegaram a Roma hoje

Corredores humanitários do Afeganistão, 217 refugiados chegaram a Roma hoje

Desenho de Francesco Piobbichi, equipe, programa Mediterranean Hope, Federação de Igrejas Protestantes na Itália (FCEI) Roma (NEV), 27 de julho de 2022 – 217 refugiados afegãos que estavam refugiados no Paquistão desde agosto passado chegaram hoje, quarta-feira, 27 de julho, em um voo de Islamabad. Sua entrada na Itália foi possível graças ao memorando de entendimento com o Estado italiano, assinado em 4 de novembro de 2021 pela Comunidade de Sant'Egidio, a Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, a Tavola Valdese, Arci, Caritas Italiana, OIM, INMP e ACNUR. Juntamente com outras chegadas do Irão - no passado dia 25 de Julho e amanhã, quinta-feira 28 de Julho - serão mais de 300 refugiados afegãos que serão acolhidos no nosso país graças aos corredores humanitários, um projecto totalmente apoiado pelas associações proponentes e possível graças ao generosidade e ao compromisso livre e voluntário de muitos cidadãos italianos, que ofereceram suas casas para acolher, mas também congregações religiosas, ONGs e diversos sujeitos da sociedade civil. Entre eles, a Solidaire, que em colaboração com a Open Arms, contribuiu para a organização do voo desde o Paquistão. Esta tarde, em Fiumicino, por ocasião da recepção dos refugiados, foi realizada uma coletiva de imprensa com a participação de: Marina Serena, Vice-Ministro dos Negócios Estrangeiros e Cooperação Internacional; marco impagliazzopresidente da Comunidade de Sant'Egidio; Daniele Garronepresidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália; Alessandra Trottamoderador da Mesa Valdense; Filipe MiragliaGerente Nacional de Imigração da Arci; Valentina Brinis, Braços abertos; Sylvan Adams, CEO Israel - Premier Tech. AQUI os vídeos e fotos do evento. AQUI o vídeo da conferência de imprensa: "Como governo italiano, assumimos o compromisso de não abandonar o povo afegão", disse ele Marina Serena, Vice-Ministro dos Negócios Estrangeiros e Cooperação Internacional. “A situação humanitária é muito grave, especialmente para mulheres e meninas, que não puderam voltar à escola. Não podemos permitir que as crianças afegãs percam seu futuro. O governo italiano continuará, com seus parceiros e agências internacionais, levando ajuda humanitária ao Afeganistão e aos países vizinhos. Temos o dever de acolher aqueles que virão à Itália graças aos corredores humanitários, que são fruto do trabalho da sociedade civil italiana, que pôs em movimento e que, graças à colaboração dos Ministérios do Interior e das Relações Exteriores Assuntos, conseguiram esta primeira chegada". Daniele Garronepresidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália e Alessandra Trottamoderador da Mesa Valdense, declara: “Até os evangélicos acolhem com alegria os beneficiários deste corredor humanitário para os refugiados afegãos. Não tínhamos esquecido deles. A chegada de hoje resulta do empenho conjunto de associações e instituições que têm trabalhado em conjunto para desenvolver e alargar a boa prática dos corredores humanitários inaugurados em 2016, e desde então também propostos às instituições europeias como política estruturante de gestão de refugiados. A dimensão ecumênica, que vê juntos evangélicos e católicos, é particularmente significativa para nós. Hoje damos as boas-vindas aos refugiados afegãos, assim como no passado recebemos os da Síria e da Líbia. Nestes dias estamos também empenhados em ações de apoio aos que fugiram da Ucrânia, convictos de que não se pode fazer distinção entre europeus e não europeus e que todos os refugiados que fogem da guerra e da perseguição merecem um destino seguro, sem distinguir a sua origem ou o seu identidade religiosa. Pelo contrário, esperamos que o acolhimento dispensado à população que foge da Ucrânia marque uma mudança de rumo, político e cultural, em relação aos refugiados de todas as outras nacionalidades e de todas as origens. Também esperamos poder abrir um corredor da Bósnia para refugiados literalmente presos ao longo da rota dos Bálcãs. Operando também em Lampedusa e vendo em primeira mão os efeitos até trágicos da migração irregular, reafirmamos a urgência de um plano europeu para a abertura de vias legais e seguras tanto para os migrantes como para os requerentes de asilo, para que aqueles que fogem ou migram nunca corram mais riscos sua vida. Agradecemos às igrejas da Federação, às igrejas irmãs no exterior, às entidades e associações que contribuem para este resultado, bem como aos contribuintes que optam por destinar o Otto per mille à Igreja Valdense – União das Igrejas Metodista e Valdense: seu gesto é também um contributo essencial para a concretização deste projeto de hospitalidade. Do nosso jeitinho, estamos sempre prontos e dispostos a fazer a nossa parte”. Quanto à cota de pessoas acolhidas pelas igrejas protestantes, o Serviço de Inclusão da Diaconia Valdense acolherá, para esta primeira chegada, 15 pessoas, incluindo 3 famílias, na Sicília, Campânia, Lombardia e Piemonte. As pessoas serão acomodadas em apartamentos e inseridas em projetos de acolhimento generalizado para iniciar um processo de integração e resgate de sua autonomia. “Não esquecemos o sofrimento dos afegãos! Hoje se cumpre uma promessa para 300 refugiados afegãos: a de não abandoná-los após a volta ao poder dos talibãs em agosto passado", declarou em coletiva de imprensa marco impagliazzo, presidente da Comunidade de Sant'Egidio. “Estamos felizes em recebê-los e iniciar para todos eles o já testado processo de integração dos corredores humanitários. Estas pessoas serão acolhidas, em várias cidades, pelas nossas comunidades, mas também por cidadãos e congregações religiosas que quiseram abrir as portas das suas casas. Enquanto milhões de pessoas que fogem de guerras, fome e mudanças climáticas em busca de um futuro correm o risco de desaparecer dos holofotes ou se tornar objeto de exploração política, a Itália mostra sua face humana e acolhedora, graças a corredores humanitários e uma sinergia virtuosa entre sociedade civil e instituições ". Filipe Miragliagerente de imigração da Arci Nazionale, disse:"A Arci está muito feliz por participar pela primeira vez nos corredores humanitários: se essas pessoas que chegaram hoje de avião, acolhidas por nós e pela Itália com generosidade, tivessem partido sozinhas em busca de proteção e tivessem chegado às fronteiras da UE , recorrendo aos traficantes como 99% das pessoas que fogem são obrigadas a fazer, nós os chamaríamos desdenhosamente de "ilegais" e eles correriam o risco de acabar nos campos de concentração líbios que apoiamos, ou rejeitados em nossas fronteiras terrestres, como acontece todos os dias violando todos os leis e convenções internacionais. É por isso que queremos apoiar e investir, também para demonstrar que existem alternativas, em todas as formas de acesso legal e seguro como os corredores humanitários. Agradecemos à rede nacional dos Arci Refuge Circles, que oferecerá hospitalidade material e apoio aos beneficiários deste corredor humanitário, e ao Instituto Budista Italiano Soka Gakkai que decidiu dar prioridade com os fundos 8×1000 para intervenções de acolhimento e inclusão para as pessoas que fogem do regime afegão". Para Enrique Pineyro, da ONG Solidaire: “A viagem tem um valor muito alto para nós porque estamos acompanhando pessoas que querem fugir do local onde moram porque ali correm perigo. Entre casamentos forçados, a impossibilidade de estudar, a impossibilidade de sair de casa sozinha, as mulheres no Afeganistão vivem numa condição desumana. Ser capaz de ajudá-los a viver uma vida normal é muito gratificante.” Acampamentos do Oscar, fundador da Open Arms, disse: “Eu nunca poderia imaginar, muito menos em 2015, quando começamos a resgatar pessoas que fugiam da guerra na Síria pelo Mar Egeu, que hoje eu estaria no aeroporto de Islamabad, ajudando na criação de uma organização humanitária corredor que trará mulheres e meninas afegãs para a segurança, neste caso na Itália. Isso foi possível graças à colaboração de muitas organizações e graças ao avião disponibilizado pela ONG Solidaire. Para nós que estamos habituados ao salvamento marítimo em condições difíceis, é um orgulho poder evacuar estas pessoas por vias seguras e legais. Continuaremos no mar, mas também é importante tentar evitar sofrimentos desnecessários facilitando de todas as formas esses corredores humanitários. A Open Arms and Solidaire continuará a fazê-lo sempre que possível.” ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.