A voz dos jovens abre a Assembleia da Conferência das Igrejas da Europa

A voz dos jovens abre a Assembleia da Conferência das Igrejas da Europa

Novi Sad (NEV), 1 de junho de 2018 – Uma ponte que liga duas margens, duas margens, é o símbolo que caracterizou ontem à noite em Novi Sad (Sérvia) o culto de abertura da XV Assembleia Geral da Conferência das Igrejas Europeias (KEK) .

Uma ponte que lembra o logotipo da Assembleia e representa a vocação do CEC a ser um lugar de encontro e diálogo entre as Igrejas europeias, sob a bandeira do chamado de Cristo: “Sereis minhas testemunhas” (Atos dos Apóstolos 1: 8).

O culto, que decorreu numa das praças do centro, foi pontuado pelos cânticos do coro da igreja ortodoxa de Novi Sad e contou com a voz de três jovens de diferentes países europeus e de diferentes tradições cristãs – entre as quais o metodista italiano Júlia Félix Delmonte – que testemunharam sua experiência pessoal em torno dos temas hospitalidade, mudança climática e inclusão, temas que serão retomados pela Assembleia.

A partir da esquerda, Beate Fagerli, Atenágoras da Bélgica, Joris Verscammer

Em seu primeiro dia de trabalho, a Assembleia elegeu seu moderador na pessoa do pastor luterano norueguês Beato Fagerlie os dois vice-moderadores, o metropolita Atenágoras da Bélgica e o arcebispo Joris Verscammer da Velha Igreja Católica Holandesa, que será responsável por presidir os trabalhos.

Os participantes foram recebidos por patriarca Irenej da Igreja Ortodoxa Sérvia, pelo Metropolita Irenej de Backracuja diocese tem sede em Novi Sad, e do presidente da província autônoma de Vojvodina, Igor Mirovic.

A Assembléia também deu as boas-vindas à Federação Batista Européia (EBF) e à Igreja Episcopal Escocesa como novos membros do CEC.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Reparar os danos irreparáveis

Reparar os danos irreparáveis

Imagem gerada com GPT-3, o modelo de geração de linguagem em grande escala da OpenAI - openai.com (ER/NEV) Roma (NEV), 8 de março de 2023 - “De uma perspectiva restaurativa, todo conflito deve ser enfrentado no campo do pequeno grupo, do grupo institucional, interinstitucional e, finalmente, da comunidade”. Este é um dos nós da “reparação”, entendida como a possibilidade de mudança e transformação pessoal e coletiva, como cuidar, como superar traumas e injustiças sociais. Estas palavras são emprestadas do discurso de Ana Ponentediretor do centro diaconal "La Noce" de Palermo, recentemente palestrante no contexto das jornadas de estudo sobre a reparação organizadas em Nápoles, na Pontifícia Faculdade Teológica do Sul da Itália, pelo Pe. E.Jula, professor de ética e mediação de conflitos. A palestra teve como tema "O campo emocional e a relação transferencial e contratransferencial na mediação: um diálogo possível?". citações de Poente Madeleine e Willy Barangerpsicanalistas franco-argentinos, Melanie Klein Psicanalista britânico naturalizado austríaco, e Jacqueline Morineau, criador da mediação humanística. Uma verdadeira jornada multidisciplinar na resolução de conflitos, mas não só. "Ao passar de uma abordagem terapêutica e de atendimento individual para uma mais social - defende Ponente -, torna-se possível desenvolver um modelo de cidade para lidar com situações de privação social, pobreza, abandono escolar precoce, conflitos, traumas". Todos os atores envolvidos representam a "comunidade reparadora", que "ajuda o outro a recuperar partes de si perdidas, danificadas por traumas e injustiças". Outro elemento fundamental do processo de reparação diz respeito à "capacidade de se preocupar com as consequências, ou melhor, com os efeitos das próprias emoções na relação com os outros". E também a “capacidade de tolerar ambivalências, ódio e amor, bem como acreditar no poder restaurador e reconstrutivo dos laços sociais e afetivos”. A experiência de reparação tem um enorme potencial, explica Ponente, "pois liberta o indivíduo da sensação de dano irreparável, dando esperança às gerações seguintes, acreditando firmemente na possibilidade de enfrentar as marcas deixadas no mundo interno por experiências de relacionamentos rompidos, e com a convicção e a confiança de que permanece sempre o desejo de estabelecer relações nas quais se possa tornar depositário da confiança e estima dos outros. No entanto, vivemos numa época de profundas mutações, mudanças económicas e sociais; uma comunidade que quer se conotar como restauradora e relacional deve, portanto, assumir o desafio de enfrentar a crise dos laços sociais e promover a mudança. Não podemos ignorar que neste momento histórico muitos homens, mulheres e crianças continuam morrendo. Diante do ocorrido em Cutro [l’11 marzo, peraltro, la Federazione delle chiese evangeliche in Italia (FCEI) aderisce e partecipa alla manifestazione nazionale “Fermare la strage” ndr], não podemos deixar de refletir sobre a responsabilidade histórica de nos encontrarmos novamente diante de um enorme trauma social que pode ser irreparável. De fato, vivemos um momento histórico onde o evento traumático e catastrófico tem um valor dramático, pois é determinado pelo ataque do homem ao ser humano. O homem ataca a necessidade fundamental que o identifica como tal, a necessidade de relações, ou melhor, o desejo de relações como primeira satisfação da necessidade de segurança e de apego aos outros e à vida. No trauma perpetrado por humanos, o que é humano também define o inumano. A matriz humana de experiências devastadoras como guerras, genocídios, torturas políticas, abusos físicos e mentais, extermínios, produz consequências no indivíduo, nos grupos, na sociedade e na comunidade. A violência fica impressa na mente e no corpo da pessoa e seus efeitos afetam não só a geração afetada, mas também as seguintes”. O significado profundo e psíquico que as pessoas atribuem ao trauma, conclui Anna Ponente, “é um dos elementos que podem determinar a gravidade do impacto do trauma no indivíduo e no grupo, juntamente com o apoio que a pessoa receberá da comunidade. Devemos lutar contra este processo de desumanização e ao mesmo tempo implementar todos os métodos de reparação e apoio, do indivíduo e da comunidade”. Para ler um trecho da fala de Anna Ponente, clique aqui: O campo emocional e a relação transferência-contratransferência na mediação – de Anna Ponente. ...

Ler artigo
Pluralismo religioso, fundamentalismos, democracias – Nev

Pluralismo religioso, fundamentalismos, democracias – Nev

Milada Vigerova, antiespalhamento Roma (NEV), 3 de fevereiro de 2023 – A conferência está agendada para sexta-feira, 17 de fevereiro, das 9h30 às 16h30 no Salão da Igreja Valdense na via Marianna Dionigi, 59 em Roma e sábado, 18 de fevereiro, das 9h30 às 12h30 na Biblioteca Jurídica Central da Palácio da Justiça (entrada pela Piazza Cavour), também em Roma. Promovido pela Fundação Lelio e Lisli Basso, o Confronti Review and Study Centre, a Central Legal Library, a revista Questione Giustizia e a Federação das Igrejas Evangélicas da Itália. “Perguntamo-nos se é verdade que a nossa legislação ainda não está alinhada com a europeia (e com as nossas próprias disposições constitucionais), no que diz respeito aos direitos e liberdades que devem ser reconhecidos às religiões, e às convicções morais e filosóficas”, explicam os organizadores da iniciativa. Entre os palestrantes: Giuliano Amato, Kristina Stoeckl, Alberto Melloni, Daniele Garrone, Roberto ZaccariaE Valdo Spini. Participarão da mesa política com os parlamentares para tratar do tema da lei de liberdade religiosa: Elena BonettiAção-IV, Maria Domingas CastelloneMovimento 5 estrelas, Alexandre CattaneoVai Italia, Cecília D'EliaPartido Democrático, José De CristofaroEsquerda italiana, Ricardo Mageu, +Europa, Lúcio MalanIrmãos da Itália. O programa completo abaixo: Na sexta-feira, 17 de fevereiro, no Salão da Igreja Valdense, as saudações iniciais são confiadas a necessidades de jacintoPresidente de Seção, Corte de Cassação ea Daniele GarronePresidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (Fcei). O contexto internacional verá as intervenções de Frank Hippolytuspresidente da Fundação Lelio e Lisli Basso, Paulo Naso FCEI, Centro de Estudos Comparados, Universidade Sapienza, e Kristina StoecklUniversidade de Innsbruck. O segundo painel, 'Fé e religião: uma dialética crescente', será confiado a Fausto Tortoravice-presidente da Fundação Lelio e Lisli Basso, Giancarlo GaetaProfessor de História do Cristianismo Antigo, Universidade de Florença, Simone Gaboriaupresidente honorário do Tribunal de Apelações de Paris, James Marramaoprofessor emérito de filosofia da Uni Roma 3, coordenador do comitê científico da Fundação Lelio e Lisli Basso.Após o almoço continuaremos com o terceiro painel, 'A União Europeia e o caso italiano', confiado a Giovanni I. GiannoliConselho de Curadores da Fundação Lelio e Lisli Basso, Ilaria ValenziCentro de Estudos Comparados e Fundação Bruno Kessler, Pamela HarrisUniversidade John Cabot e Maurizio AmbrosiniUniversidade de Milão. O dia será encerrado com o painel 'A laicidade procurada no cotidiano', organizado por Cláudio Paravatidiretor do Centro de Comparações de Revisão e Estudo, Tobias ZeviConselheiro para Políticas de Patrimônio e Habitação de Roma e Carla Fermariellovereador da cidade de Roma. Seguem-se as intervenções dos representantes das confissões religiosas. Convidou os representantes das Igrejas membros da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália, Alexandre BenedettiBahá'í, Fabrício D'AgostinoIgreja da Cientologia, Noemi Di SegniUnião das Comunidades Judaicas Italianas, Maria Ângela FalaMesa Inter-religiosa de Roma, Daniela GenanFederação Italiana para o Judaísmo Progressista, Hamsananda GiriUnião Hindu Italiana, Yassine LaframUnião das Comunidades Islâmicas na Itália, carmim napolitanoFederação das Igrejas Pentecostais, Adele Orioli, União dos Ateus e Agnósticos Racionalistas, Yahya PallaviciniComunidade Religiosa Islâmica Italiana, Joshua PapagnaObra das Igrejas Cristãs dos Irmãos, Ricardo PlatiSoka Gakkai Instituto Budista Italiano, Abdellah RedouaneCentro Cultural Islâmico da Itália, David RomanoIgreja Adventista do Sétimo Dia, Philip SciannaUnião Budista Italiana, Remo SicardiA Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, Siluan ȘpanBispo da Diocese Ortodoxa Romena da Itália, representante da Comunidade Sikh. Os trabalhos prosseguem no sábado, 18 de fevereiro, na Biblioteca Jurídica Central do Palácio da Justiça, com a apresentação de Frank Hippolytus, Presidente da Fundação Lelio e Lisli Basso. Continuamos com o primeiro painel A lei que não existe? editado por Julian Amatopresidente emérito do Tribunal Constitucional, Alexandre FerrariUniversidade de Insubria, Júlia Pasquali CerioliUniversidade de Milão, Albert Melloneu, secretário do FSCIRE, Valdo Spinipresidente da Fundação Irmãos Rosselli e Roberto Zaccaria, constitucionalista, presidente do Conselho Italiano para os Refugiados. Moderado Ilaria ValenziCentro de Estudos e Revista Confronti e Fundação Bruno Kessler. Será obrigatório ser credenciado para acesso ao Palácio da Justiça, um esse link. Seguir-se-á o painel 'A lei a votar', onde intervirão, Elena BonettiAção-IV, Maria Domingas CastelloneMovimento 5 estrelas, Alexandre CattaneoVai Italia, Cecília D'EliaPartido Democrático, José De CristofaroEsquerda italiana, Ricardo Mageu, +Europa, Lúcio Malan, Irmãos da Itália. Moderado Cláudio Paravatidiretor Comparações revista e centro de estudos. AQUI o flyer do evento Para participar na conferência de 18 de fevereiro no Palácio da Justiça, é necessário inscrever-se neste link: Para mais informações: FACTSHEET 17 de fevereiro para os valdenses ...

Ler artigo
Pluralismo religioso na Itália

Pluralismo religioso na Itália

Roma (NEV), 5 de dezembro de 2022 – 4,2% das pessoas manifestam uma identidade religiosa diferente da católica na Itália. É o que afirma o relatório "Religiões na Itália", projeto organizado pelo CESNUR - Centro de Estudos das Novas Religiões, sob a direção de Massimo Introvigne E Pier Luigi Zoccatelli. “Muito mais incertas - e fonte de debates intermináveis ​​e politicamente condicionados - são as estatísticas sobre as minorias religiosas presentes na área se considerarmos também os imigrantes não cidadãos - presença que decuplicou nos últimos 25 anos - e não apenas os cidadãos italianos. A cifra pressuporia ainda a possibilidade de se ter dados fiáveis ​​sobre a imigração irregular – actualmente estimada entre 500.000 e 600.000 unidades – o que é notoriamente muito difícil”, lê-se no texto. A publicação parte dos dados do relatório anual editado pelo Centro de Estudos e Investigação IDOS em colaboração com o Centro de Estudos Confronti e o “S. Pio V", que atingiu sua trigésima segunda edição em 2022. No texto, entre outras contribuições, também um ensaio sobre o tema do pluralismo religioso, editado pelo professor Paulo Nasso. Em particular, de acordo com a estimativa do Dossiê Estatístico de Imigração 2022, também no decorrer de 2022, assim como em anos anteriores, a maioria (desde 2022 não mais absoluta) dos residentes estrangeiros na Itália - somando ortodoxos, católicos, protestantes e membros de outras comunidades - é cristã (2.583.000 pessoas, igual para 49,9%), seguido por uma minoria islâmica substancial, que representa um terço dos estrangeiros. O restante das filiações religiosas totaliza 15,9% dos estrangeiros residentes na Itália - entre os quais deve ser considerado separadamente um terço do subconjunto, que se enquadra na categoria de "ateus ou agnósticos" -, divididos em macroáreas distintas. Atualmente, as estimativas do relatório do IDOS não contabilizam a presença de imigrantes sikhs na Itália, que segundo outros relatórios de pesquisa totalizam cerca de 98 mil residentes em 2022, além dos que adquiriram a cidadania. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.