A voz dos jovens abre a Assembleia da Conferência das Igrejas da Europa

A voz dos jovens abre a Assembleia da Conferência das Igrejas da Europa

Novi Sad (NEV), 1 de junho de 2018 – Uma ponte que liga duas margens, duas margens, é o símbolo que caracterizou ontem à noite em Novi Sad (Sérvia) o culto de abertura da XV Assembleia Geral da Conferência das Igrejas Europeias (KEK) .

Uma ponte que lembra o logotipo da Assembleia e representa a vocação do CEC a ser um lugar de encontro e diálogo entre as Igrejas europeias, sob a bandeira do chamado de Cristo: “Sereis minhas testemunhas” (Atos dos Apóstolos 1: 8).

O culto, que decorreu numa das praças do centro, foi pontuado pelos cânticos do coro da igreja ortodoxa de Novi Sad e contou com a voz de três jovens de diferentes países europeus e de diferentes tradições cristãs – entre as quais o metodista italiano Júlia Félix Delmonte – que testemunharam sua experiência pessoal em torno dos temas hospitalidade, mudança climática e inclusão, temas que serão retomados pela Assembleia.

A partir da esquerda, Beate Fagerli, Atenágoras da Bélgica, Joris Verscammer

Em seu primeiro dia de trabalho, a Assembleia elegeu seu moderador na pessoa do pastor luterano norueguês Beato Fagerlie os dois vice-moderadores, o metropolita Atenágoras da Bélgica e o arcebispo Joris Verscammer da Velha Igreja Católica Holandesa, que será responsável por presidir os trabalhos.

Os participantes foram recebidos por patriarca Irenej da Igreja Ortodoxa Sérvia, pelo Metropolita Irenej de Backracuja diocese tem sede em Novi Sad, e do presidente da província autônoma de Vojvodina, Igor Mirovic.

A Assembléia também deu as boas-vindas à Federação Batista Européia (EBF) e à Igreja Episcopal Escocesa como novos membros do CEC.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Conselho Mundial de Igrejas.  Reunião do Comitê Central na Suíça

Conselho Mundial de Igrejas. Reunião do Comitê Central na Suíça

O Comitê de Referência de Política, um dos grupos de trabalho permanentes do Comitê Central do Conselho Mundial de Igrejas (CEC) - junho de 2023 - foto Albin Hillert (CEC) Roma (NEV), 26 de junho de 2023 – A reunião do Comitê Central do Conselho Mundial de Igrejas (CMI) está em andamento em Genebra, Suíça. Esta é a primeira reunião “completa” desde a 11ª Assembleia realizada no ano passado em Karlsruhe. “Cada reunião do Comitê Central é uma oportunidade única para fortalecer o testemunho do CMI como comunhão viva” diz o site do CMI – oikoumene.org Da Itália vem o pastor valdense Michael Charbonnierque nos contou sobre o início das obras: Reunião do Comitê Central do Conselho Mundial de Igrejas (CEC) em Genebra - junho de 2023 - de preto para as quintas-feiras de preto, a campanha por um mundo livre de estupro e violência - foto Albin Hillert (CEC) “É uma reunião especial e particularmente complexa, até porque todo o trabalho do Comitê Central do Conselho Mundial de Igrejas deve ser organizado para os próximos oito anos. Precisamos rever as prioridades expressas pela Assembléia de Karlsruhe, precisamos decidir e aprovar as estratégias. Assim, é necessário construir um plano estratégico para implementar os vários programas do Conselho, é necessário nomear e organizar os vários grupos de trabalho do Comitê Central. Grupos que irão então exercer os vários sectores, com base nas diferentes funções. É um trabalho complexo também porque você tem que fazer com muitas pessoas novas. De fato, 75% dos membros do Comitê Central eleitos em setembro do ano passado em Karlsruhe estão em sua primeira experiência. Isso obviamente gera a necessidade de dar tempo para explicar, para trazer as pessoas para as questões maiores, e tudo isso deve ser feito sem esquecer o hoje. Sem esquecer todas as questões que já estão sobre a mesa e que já fazem parte do trabalho diário do Conselho. Um tema acima de tudo: a questão da guerra na Ucrânia, tanto do ponto de vista "político" quanto do ponto de vista das relações entre as várias igrejas envolvidas no conflito. Sem esquecer todos os outros conflitos em curso, por exemplo, o de Mianmar. E com atenção ao que ainda não está no trabalho do Concílio, mas que se apresenta no horizonte da vida das igrejas do CMI. Um exemplo entre muitos é a questão do desenvolvimento descontrolado da inteligência artificial e como isso afeta a vida das pessoas e comunidades de fé. Diante de tudo isso, sete dias para uma reunião parece muito tempo, mas provavelmente será apenas o suficiente”, disse Michel Charbonnier. Além dos 150 membros e 8 presidentes eleitos em Karlsruhe, o Comitê Central reúne diversos conselheiros de parceiros ecumênicos e outras igrejas. A agenda inclui o desenvolvimento da direção estratégica, questões programáticas e financeiras, comunicação. Entre os temas indicados à Comissão pela Assembleia: peregrinação da justiça, reconciliação e unidade, missão da Igreja. ...

Ler artigo
O Líbano sai às ruas.  A nova edição da Confronti

O Líbano sai às ruas. A nova edição da Confronti

Foto de Michele Lipori @Confronti Roma (NEV), 9 de janeiro de 2020 – “Os impérios caem. As nações entram em colapso. Os limites podem ser apagados e movidos. Antigos laços de lealdade podem se dissolver ou mudar. A casa é a identidade que não se esvai”. Com esta citação do jornalista libanês que morreu na Síria Anthony Shadid encerra o extenso relatório sobre corredores humanitários contido na última edição da Compararescrito por Marzia Coronati E Michael Liporique acompanhou a última viagem dos beneficiários do projeto humanitário FCEI, de Beirute a Fiumicino. Não só isso, porque além das histórias de famílias sírias que chegaram com segurança e legalidade à Itália, a investigação oferece um digressão sobre os protestos no país dos cedros, contados dia a dia. Ou seja, como "as vidas dos refugiados sírios que vivem em um limbo do qual é muito difícil se emancipar se entrelaçam, em um contexto, como o do Líbano hoje, feito de tensões manifestas e latentes", escrevem os autores de o relatório. A reportagem sobre os corredores humanitários "denominados" Mediterranean Hope, o programa de migrantes e refugiados da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália, inclui também uma galeria de fotos com muitas imagens do campo de refugiados de Tel Abbas, no norte do Líbano e dos vários momentos da vida cotidiana das pessoas que saem com os corredores humanitários, até seu desembarque na Itália. Além do artigo de Michele Lipori, da redação de Confronti, e de Marzia Coronati, jornalista de RadioTre Rai, o último número da revista mensal editada por Cláudio Paravati propõe várias entrevistas, inclusive a do ex-ministro – renunciou em 30 de dezembro – na Educação Lorenzo Fioramonti e outro ao ativista afegão Malalai Joyaum artigo do correspondente da Rai na África subsaariana Enzo Nuccimuitas colunas e o cartoon de Takoua Ben Mohamed. Aqui está o link para subscrever o Confronti, que também está à venda em várias livrarias e bancas de jornais de toda a Itália. ...

Ler artigo
Otto per mille Waldensian, projetos aprovados publicados

Otto per mille Waldensian, projetos aprovados publicados

No que respeita aos países estrangeiros, a maioria dos projetos aprovados concentra-se em África, Médio Oriente, América Latina: vão desde o Quirguistão ao Mali, passando por projetos que serão implementados na Faixa de Gaza. Duas realidades em particular estão sendo ajudadas no Afeganistão, e há pelo menos três anos o Otto per mille Waldensian apoia projetos que visam sobretudo a emancipação das mulheres. Agora, uma vez publicada a lista, as associações e entidades que receberam os aportes poderão iniciar os projetos até o final do mês. Como já havia explicado ao NEV Manuela Vinay, chefe do Otto per mille da Igreja Valdense – União das Igrejas Metodistas e Valdenses (OPM), por ocasião do Sínodo, o Otto per mille registrou um número recorde de membros este ano, em termos de pedidos: “Quase 5 mil – 4992 – pedidos de financiamento, enquanto em 2019 foram cerca de 4100. Estamos a falar de mais 1400 pedidos, face aos últimos três concursos. Estamos, por isso, muito motivados - acrescenta -, e queremos dizer não só a quem participou no concurso, mas a todos, a toda a sociedade civil, que estamos prontos e determinados a ajudar, a fazer a nossa parte”. Como sempre anunciado durante o Sínodo, também estão sendo captados recursos do fundo de emergência para apoiar projetos extraordinários de ajuda às populações do Haiti e do Afeganistão. “Como nos anos anteriores – declarou Alessandra Trottamoderador do Tavola Valdese, em nota publicada em chiesavaldese.org – pautamo-nos na avaliação dos projetos por alguns critérios básicos: atenção máxima a projetos que atendam às necessidades dos sujeitos mais vulneráveis ​​da forma mais emancipadora possível; a abertura para apoiar diferentes níveis de intervenção, que nunca devem ser colocados em competição, desde o de socorro e ajuda imediata, até ao de projetos de mais longo prazo que visam afetar as causas das desigualdades e promover transformações sociais e culturais positivas; e o equilíbrio entre o apoio a organizações consolidadas e com grande capacidade operacional mesmo em cenários complexos e também a pequenas associações que demonstram conhecimento e raízes reais nos contextos territoriais em que operam e uma atenção profunda a relações de cuidado próximas. Estamos agora empenhados em dar substância ao compromisso – ao qual o Sínodo nos encorajou fortemente – de destinar uma parte significativa do fundo especial residual criado para a emergência do Coronavírus às questões trabalhistas, com atenção particular à condição das mulheres e dos jovens ” . ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.