Que tipo de pecado.  O mito de Eva

Que tipo de pecado. O mito de Eva

Roma (NEV), 10 de maio de 2021 – A Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE) de Milão propõe, em colaboração com o Centro Cultural Protestante, um seminário sobre um tema “ecumenicamente urgente”. É um ciclo de quatro encontros “para ir às raízes dos estereótipos de gênero nas três religiões abraâmicas. Judaísmo. Cristandade. Islamismo”. Assim lemos na apresentação da iniciativa. As datas são: 12, 17 e 27 de maio; 10 de junho.

Esta iniciativa intitula-se: “Que tipo de pecado. O mito de Eva nas religiões abraâmicas. Das feridas às perspectivas de gênero”.

Partindo, por exemplo, de “outras” leituras de Bereshit/Gênesis 2 e 3, a intenção é “desconstruir o arquétipo da mulher subordinada ao homem e responsável pela perda da cidadania celeste, com todo o imaginário religioso que daí resultou. Uma interrogação do Corão e da tradição islâmica, sobre os vestígios do mito do Génesis e da marca androcêntrica”.

As organizadoras, portanto, escrevem: “Reconhecer as feridas de gênero nos textos fundadores de nossas fés e nas interpretações que permaneceram inequívocas por séculos, talvez não as cure. Mas tornam-se frestas para vislumbrar novas perspectivas, uma diversidade reconciliada que faz jus ao desenho original de um ser humano criado à imagem e semelhança apenas como masculino e feminino juntos. É uma pena esquecer isso.”

O primeiro convidado do itinerário é Elena Lea Bartolini De Angeli, professor de judaísmo e hermenêutica judaica. Então, Christine Simonelli, presidente da Coordenação dos Teólogos Italianos (CTI). Ele vai intervir mais tarde Daniela DiCarlo, teólogo e pastor titular da igreja valdense em Milão. No fim, Rosanna Maryam SirignanoPhD em Estudos Islâmicos.

As quatro reuniões foram apresentadas pelos presidentes de quatro associações envolvidas na promoção da justiça de gênero. Inicialmente Paula Cavallari, presidente do Observatório Inter-religioso sobre a violência contra as mulheres (OIVD). Então Lúcia Vantini, vice-presidente do CTI. Seguirá Gabriela Lio, presidente da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI). Para a última reunião em vez Paula Lazzarinipresidente Mulheres pela Igreja.

Os quatro encontros serão realizados no Zoom.

Para obter informações e obter o link, envie um pedido de participação para SAE Milano: [email protected]

A transmissão ao vivo e as gravações também estarão disponíveis no canal SAE Milano no YouTube.

Baixe o cartaz aqui: Que tipo de pecado.


Plano

Quarta-feira, 12 de maio de 2021, 18h.
Elena Lea Bartolini De Angeli, professora de judaísmo e hermenêutica judaica: “Será chamada de mulher.”
Apresentado por: Paola Cavallari, presidente do OIVD.

Segunda-feira, 17 de maio de 2021, 18h.
Cristina Simonelli, presidente do CTI: Exilados filhos de Eva.
Apresentado por: Lucia Vantini, vice-presidente do CTI.

Quinta-feira, 27 de maio de 2021, 18h.
Daniela Di Carlo, teóloga e pastora titular da igreja valdense em Milão: Uma mulher livre para escolher.
Apresentado por: Gabriela Lio, presidente da FDEI.

Quinta-feira, 10 de junho de 2021, 18h.
Rosanna Maryam Sirignano, PhD em Estudos Islâmicos: Eva no Sublime Alcorão.
Apresentado por: Paola Lazzarini, presidente da Women for the Church.


O ciclo de encontros dá continuidade idealmente ao tema do ano passado, que teve como tema principal “Mulheres nas igrejas e comunidades de fé”.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Sínodo Luterano.  Inclusivo e digital no futuro

Sínodo Luterano. Inclusivo e digital no futuro

Roma (NEV/CELI CS12), 2 de maio de 2021 – 2ª Sessão do XXIII Sínodo da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) 29.04/01.05.2021 Continuidade, mudança, futuro. A misericórdia como responsabilidade da Igreja Declaração sobre Justiça de Gênero Igualdade de gênero como expressão de fé Criação de uma plataforma digital profissional Um desafio superado de forma excelente e com muita disciplina: um sínodo em formato online. Em vez do habitual encontro presencial, dois dias e meio de trabalho concentrado em frente a uma tela. O resultado mais importante da 2ª Sessão do XXIII Sínodo da Igreja Evangélica Luterana na Itália são duas decisões corajosas que guiarão a Igreja e suas comunidades em seu trabalho futuro. A aprovação de uma declaração programática sobre justiça de gênero e uma moção da Comissão Digital, aprovada por ampla maioria, sobre a criação de uma plataforma digital CELI. Outro destaque deste sínodo 2.0 foi a conferência com o convidado de honra, o secretário geral da Federação Luterana Mundial (WLF), Martin Junge. Muitos ferros na brasa no último dia do Sínodo, 1º de maio, com grande número de moções a serem aprovadas. O documento sobre justiça de gênero, aprovado após um debate muito intenso e acalorado, não é apenas a expressão de uma mentalidade aberta, mas quase uma declinação específica do título do sínodo, que colocou no centro de seus trabalhos o tema da misericórdia, ou seja, a a aceitação do outro sem preconceitos e o profundo respeito pelo seu ser. Foi claramente sublinhado que este tópico não apresenta nenhum perfil problemático dentro da igreja. A aceitação do outro (tanto em relação à orientação sexual quanto contra qualquer discriminação étnica) é um dado adquirido. A Igreja, por outro lado, tem como missão específica “sair do armário” e promover fortemente os temas do acolhimento e da integração na sociedade. O pré-requisito é uma atitude aberta e sem preconceitos, que deve ser expressa pelo menos adotando um modo de falar e agir inclusivo em todos os níveis, inclusive na pregação, culto e catequese, e nas comunicações públicas. A sede do Decanato da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) Destaque também para o projeto de três anos de um plataforma digital profissional. Especialmente após a experiência da pandemia e para superar um problema objetivo de acessibilidade "geográfica" ou por outros motivos, o CELI pretende viabilizar a pastoral e a assistência religiosa, bem como a informação sobre o luteranismo em sentido geral, através de podcasts, online estudos bíblicos, possibilidade de diálogo através de blogs, culto online e páginas interativas. E isso também para atender às necessidades e expectativas daqueles que se interessam por temas religiosos e pela igreja, mesmo que não desejem se comprometer em uma comunidade. Na sexta-feira, 30 de abril, os temas justiça de gênero, digitalização, pandemia, diaconia, juventude e meio ambiente foram discutidos em Grupos de trabalho. Nesses grupos menores, uma troca de ideias frutífera e animada foi possível, apesar do formato digital. Porém, há um elemento que une as conclusões de todos os grupos: todos os temas dependem muito da estrutura das respectivas comunidades. Vamos Saudações do convidado houve profundo apreço pelo CELI e suas atividades, bem como pela positiva cooperação. Entre outros, Luca Maria Negro, presidente da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI); o moderador do Tavola Valdese, Alessandra Trotta; o presidente da Ópera das Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (OPCEMI), Mirella Manocchio e o presidente da União das Igrejas Evangélicas Batistas da Itália (UCEBI), João Paulo Arquidiácono; o bispo Leon Novak (Eslovênia); mons. Ambrogio Spreaficopresidente da Comissão Episcopal da CEI para a cooperação entre as Igrejas; Martin Hubner, secretário-geral do Martin Luther Bund; os representantes da Igreja Evangélica Luterana Unida da Alemanha (VELKD) e da Igreja Evangélica da Alemanha (EKD), Norbert Denecke E Olaf Wassmuth; Klaus Rieth da Igreja de Württemberg; Enno Haakssecretário-geral da Gustav Adolf Werk; Mário Fishersecretário-geral da Comunhão das Igrejas Protestantes na Europa (ECCP); a presidente da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI), Gabriela Lio; o presidente do Sínodo da Igreja da Baviera, Annekathrin Preidel e o presidente da Claudiana, Eugênio Bernardini. Leia no site do CELI [email protected] Anexo: Posição de Justiça de Gênero tomada Veja todo o especial: Sínodo Luterano 2021 ...

Ler artigo
O Concílio das Igrejas Cristãs estabelecido em Florença

O Concílio das Igrejas Cristãs estabelecido em Florença

Florence, foto de Jeff Ackley, unsplash Roma (NEV), 18 de janeiro de 2021 – Ontem, domingo, 17 de janeiro, foi realizada uma reunião no Batistério de Florença entre dez igrejas cristãs da cidade para formar o Conselho das Igrejas Cristãs de Florença (CCCF). “A escolha do Batistério – explicam os promotores da iniciativa ecumênica –, além da importância que este local tem na cidade, está ligada ao vínculo comum em torno da obra de Jesus, que se realiza no batismo dos crentes”. Concretamente, participaram do encontro representantes das seguintes Igrejas: Apostólica Italiana, Batista, Católica, Episcopal, da Inglaterra, Luterana, Ortodoxa Grega, Ortodoxa Romena, Reformada Suíça e Valdense. “Este evento – lê-se numa nota dos promotores – insere-se numa experiência ecuménica que já se vive há muito tempo no estrangeiro e foi inaugurada em Itália pelas Igrejas de Veneza em 1993. Desde então até hoje em Itália os Conselhos de Igrejas foram estabelecidas em Milão, Modena, Verona, Perugia, Reggio Calabria e Pádua, e Conselhos de Igrejas regionais na Campânia, Úmbria e Marcas. Os Conselhos de Igrejas, tanto municipais como regionais, têm como objectivos fundamentais o aprofundamento das relações entre os representantes das várias igrejas cristãs aderentes; a organização conjunta de atividades ecumênicas, como encontros de oração, atividades de formação e estudo mútuo; planejamento e implementação conjunta de atividades pastorais específicas; testemunhar à cidade a importância do acolhimento e da escuta, também através dos meios de comunicação de massa. O Concílio de Florença é o resultado de um longo caminho de relações entre as Igrejas fundadoras, durante o qual as Igrejas aprofundaram o conhecimento mútuo, adaptaram as línguas, aperfeiçoaram o método de trabalho e, sobretudo, desenvolveram uma fraternidade sincera e eficaz em referência comum a Jesus Cristo, nosso Salvador. Fruto deste clima é também a redacção conjunta do Estatuto do Concílio, que foi depois aprovado por cada Igreja segundo o seu próprio ordenamento jurídico. A atividade do Concílio das Igrejas Cristãs de Florença - concluem os promotores - será desenvolvida tanto para a intensificação das relações ecumênicas entre as Igrejas florentinas, com a intenção de oferecer um espaço comum a quem o constituiu, como também a quem o fará deseja ingressar no futuro, como membros ou observadores; e em colaboração para realizar iniciativas pastorais comuns sobre aspectos da vida da cidade. Em espírito de amizade, estará aberta ao diálogo inter-religioso com as comunidades não cristãs, em particular com as judaicas e islâmicas”. A Ata Constitutiva e o Estatuto foram assinados em especial pelos seguintes representantes, ontem presentes na cerimónia: Past. Samuel Trebbi (Igreja Apostólica Italiana), Past. Carmine Bianchi (Igreja Batista), Card.José Betori (Igreja Católica), Diac. Giampaolo Pancetti (Igreja da Inglaterra), Rev. Ricardo Easterling (Igreja Episcopal), Passado. Annette Hermann Winter (Igreja Luterana)Arquim. Nikolaos Papadopoulos (Igreja Ortodoxa Grega) Padre Ionut Coman (Igreja Ortodoxa Romena), Passado. Raffaele Volpe (Igreja Reformada Suíça), Passado. Letizia Tomassone (Igreja Valdense). artigo anteriorO Comitê Inter-religioso de Turim torna-se um dos órgãos consultivos da cidadePróximo artigo22 de janeiro. O Tratado para a Proibição de Armas Nucleares está em vigor. É a Itália? Agência de Imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália ...

Ler artigo
Reflexões sob a égide do Exército de Salvação

Reflexões sob a égide do Exército de Salvação

Roma (NEV), 9 de agosto de 2022 – “Deus é… Em que palavra você pensou imediatamente? Nossa visão de Deus influencia a maneira como olhamos para nós mesmos, para os outros e para o mundo ao nosso redor”. É assim que o Exército de Salvação (EdS) apresenta uma série de episódios intitulada “Reflexões sob o guarda-chuva”.Lançada com reel nas redes sociais da EdS, a série convida você a assistir e ouvir. "Neste verão, mergulhe na palavra de Deus", diz a promoção.De acordo com o Exército de Salvação, "é incrivelmente importante construir nosso alicerce sobre quem é Deus, com base nas verdades de Sua Palavra, e não no estado temporário de nossos sentimentos".Vários compromissos durante as semanas de verão, para aprender sobre as palavras e atributos de Deus: "Não importa quais tenham sido suas experiências com Deus, os cristãos ou a igreja, saiba disso: o Deus do universo criou você, Ele o ama e está procurando ativamente por você” escreve a EdS.Para acompanhar as reflexões sob o guarda-chuva, pesquise nas redes sociais EdS. As palavras exploradas até agora são: a trindade. A asseidade. Imutabilidade. O infinito. Santidade. O Exército de Salvação (EdS) A EdS é membro da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) e nasceu na Inglaterra em 1865 por William Booth, um ex-pastor metodista, para atender às necessidades espirituais e materiais das massas do nascente proletariado industrial que lotava as grandes cidades da Inglaterra, exploradas naquela época além da imaginação. A sua organização, essencialmente episcopal, estrutura-se em torno da metáfora militar, de onde deriva o seu nome, "Exército de Salvação", em inglês The Salvation Army, onde os membros são denominados "soldados" e os pastores "oficiais" com várias patentes (principalmente tenente, capitão e major). Na Itália, a EdS iniciou seus trabalhos em 1887, quando o capitão James B. Vint abriu o primeiro corpo em Roma. Em 1892, o próprio William Booth veio para a Itália e a obra rapidamente se espalhou para o norte, e depois para o sul, na Campânia, Puglia, Lucania, chegando finalmente à Sicília no primeiro pós-guerra. O reconhecimento como instituição moral pelo Presidente da República ocorreu em 1965. Em 2009 obtiveram o reconhecimento como associação de culto com o nome "Exército de Salvezza na Itália". Hoje está presente em cerca de 40 localidades e conta com cerca de 2.000 fiéis. Para visitar o site clique AQUI ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.