Sete semanas para mudar seu estilo de vida.  Quaresma começa

Sete semanas para mudar seu estilo de vida. Quaresma começa

A iniciativa é proposta por uma aliança ecumênica nacional que inclui 25 organizações. Igrejas regionais protestantes e igrejas livres, (arqui)dioceses, associações diocesanas e grandes agências humanitárias como Misereor e Brot für die Welt. (Aqui a lista completa).

Pelo bispo da Nordkirche e comissário da Igreja Evangélica na Alemanha (EKD) pela responsabilidade pela criação Kristina Kühnbaum-SchmidtNossa ação, como nossa imobilidade, será decisiva para nossas condições de vida”.

Estamos no meio de uma crise climática global provocada pelo homem – pressionou Kühnabaum-Schimdt – que põe em perigo a vida em nosso planeta“.

Portanto, é necessário que as pessoas se perguntem o queorienta nossos pensamentos, decisões e ações e qual pode ser nossa contribuição para mitigar as consequências das mudanças climáticas“, concluiu o bispo.

A ação quaresmal, como tem sido designada a iniciativa, pretende desenvolver sete temas para cada uma das sete semanas que antecedem a Páscoa, desde o passado dia 22 de fevereiro até ao próximo dia 9 de abril. Com algumas propostas de ações diárias das pessoas.

Os temas serão estes: aumento da energia, necessidade (das coisas), consumo do solo, mobilidade diferente, melhor iluminação, biodiversidade, felicidade (esses diferentes temas foram traduzidos para o italiano agrupados em um pdf editado por Gianluca Fiusco, resp. comunicação
CELI,
disponível para download aqui).

Uma ação quaresmal, dissemos, inserida no âmbito da tradição cristã, que “comemora o sofrimento no tempo que antecede a Páscoa e pratica conscientemente a renúncia para se libertar para novos pensamentos e comportamentos diversos”.

Com uma consciência básica: que a mudança climática causa sofrimento porque põe em risco a vida de pessoas, animais e plantas. É por isso que a proteção do clima requer sacrifícios. No entanto, sacrifícios que nos permitem “tornar a nossa vida mais respeitosa com o clima, sozinhos ou em comunidade”.

Uma espécie de “rápido” climático, como é rebatizado pelos organizadores. Potencializar a partilha de experiências e ideias com os outros: amigos, grupos eclesiásticos, vizinhos, comunidades.

E uma hashtag para fazer isso #climatefasting (lit. jejum climático).

Leia no site da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI).


Nesta semana, vamos valorizar a energia. Para consumo consciente, leia o pdf em “Sete semanas para mudar seu estilo de vida”, o que posso fazer?

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Somos todos pecadores.  Levi e o arrependimento que cura

Somos todos pecadores. Levi e o arrependimento que cura

Unsplash foto, Billy Plasco Roma (NEV), 19 de maio de 2021 - O segundo episódio de "Bíblia e seus arredores" narra o episódio do encontro de Jesus com Levi e seus companheiros "publicanos", ou seja, cobradores de impostos. Para ouvir os outros podcasts do NEV, aqui o perfil do speaker com todos os episódios. "Bíblia e seus arredores" é a nova coluna de podcast de histórias bíblicas e mais com curadoria do Serviço de Educação e Educação (SIE) da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália (FCEI) em colaboração com Nev-FCEI Press Agency e o periódico para a infância "O amigo das crianças". Aqui o primeiro episódio. ...

Ler artigo
Sínodo da Amazônia.  Redescubra a sacralidade do planeta

Sínodo da Amazônia. Redescubra a sacralidade do planeta

Foto de Sebastien Goldberg - Unsplash Roma (NEV), 15 de outubro de 2019 – mora no Canadá Emily Teresa Smithpastor anglicano de origem argentina, que viveu por muito tempo na Guatemala e no México, é co-presidente do SICSAL (Servicio Internacional Cristiano de Solidaridad con los pueblos de América Latina), grupo ecumênico com filiais em 28 países, dedicado à Oscar Arnulfo Romero, aberto ao diálogo e à participação em prol da justiça, da paz e da solidariedade. Smith segue uma comunidade em Vancouver, em uma das áreas mais frágeis da cidade. No ano passado, ela foi presa e cumpriu uma semana de prisão por participar de protestos ancestrais contra o oleoduto Trans Mountain, que destruiu uma grande parte do norte do Canadá. E do Canadá chegou a Roma para participar do Sínodo para a Amazônia (6 a 27 de outubro), que reúne bispos de toda a região amazônica e, sobretudo, lideranças indígenas de diversas comunidades. Emily Teresa Smith “Como SICSAL, viemos aqui a Roma para compartilhar este momento fundamental da Igreja universal. Trabalhamos ecumenicamente com as diversas redes latino-americanas, como a Rede Eclesial PanAmazônica (REPAM) e o Conselho Ecumênico de Igrejas (CEC), tentando ter uma visão e metodologia de trabalho mais inclusiva que pudermos. Estamos presentes para acompanhar as atividades fora do Sínodo oficial, momentos simbólicos mas de grande força que mostram a nova realidade que estamos tentando construir”, disse Smith à Agência NEV. Como um cristão evangélico vê este Sínodo e por que este Sínodo e a Amazônia são tão importantes em sua opinião? Podemos olhar para este encontro como um evento ligado a uma área específica, mas não é o caso. É um acontecimento muito importante porque nos fala de uma forma de encarar a nossa fé e de olhar o mundo. Estamos vivendo em uma época em que é necessário que os cristãos se levantem, falem e ajam sobre o meio ambiente. As comunidades indígenas têm uma visão da sacralidade da terra e da água que devemos recuperar. Até nossa fé tem muito a dizer sobre o valor da vida e nossa cosmovisão fala da terra como algo sagrado. Devemos, portanto, ser corajosos e libertar a igreja e o mundo de uma visão mercantilista que acredita que é possível enlatar tudo e vendê-lo. A criação não está à venda e essa é uma luta de todos. Agradecemos às comunidades indígenas que conseguiram manter a sacralidade da terra. O que você espera para este Sínodo? Chegou a hora de enfrentar o inimigo, o sistema que quer destruir a vida em nosso planeta. Já ficamos sem palavras. O meu desejo é que consigamos ter a coragem de assumir a tarefa que nos toca como cristãos, de seguir a Cristo e seguir os verdadeiros discípulos de Cristo que são os povos amazônicos e originários, os únicos que se lembram que a terra pertence a Deus e não do mundo e que como cristãos devemos tomar consciência disso e agir. As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo
Eleições, luteranos: “Não usem o medo na política”

Eleições, luteranos: “Não usem o medo na política”

Roma (NEV), 27 de setembro de 2022 – A Igreja Evangélica Luterana na Itália considera o resultado eleitoral “um sinal de uma sociedade que busca respostas para as muitas preocupações que a atravessam. A guerra, a crise energética, mas também a longa onda de repercussões sociais da pandemia evidenciaram sinais crescentes de desconfiança e medo entre homens e mulheres italianos. Por isso - lê um comunicado divulgado hoje - reafirmamos o quanto o medo é uma armadilha (Provérbios 29, 25), convidando a política a não usá-lo para aumentar seu consenso". O futuro governo, para os luteranos, “será chamado a trabalhar para superar o estado geral de medo que corre o risco de alimentar a desorientação social, novas formas de pobreza e discriminação, exacerbando formas perigosas de preconceito, violência e empobrecimento humano. A pandemia e as recentes crises evidenciaram como a precariedade de direitos como saúde, educação e trabalho preocupa transversalmente a sociedade italiana: não apenas como serviços devemos tratar, mas também com direitos que a Constituição protege. Os recursos do PNRR são, portanto, uma oportunidade de construir oportunidades para as pessoas e não para os potentados, o particular sem escrúpulos e os apetites perturbadores das máfias. A salvaguarda do ambiente, da criação como quadro global é hoje essencial para permitir um futuro às novas gerações que deve voltar a ser uma oportunidade e não mais um problema. O ambiente não é um travão ao desenvolvimento: a criação é antes uma oportunidade de aprendizagem para enfrentar o desafio de um desenvolvimento diferente do modelo consumista em que temos apostado até agora. É necessário, então e novamente, reconstruir um tecido social global, capaz de dialogar, mesmo próximo e, portanto, construtivo entre gerações e não entre interesses econômicos, com vistas a devolver às pessoas um bem-estar psicológico diferente, harmonioso, justo, pacífico e psicológico. sendo assim como social". O resultado eleitoral, portanto, para o CELI, “confirma uma tendência europeia que, no entanto, tem características particulares na Itália. A campanha eleitoral não deixou de ter sinais que nos preocuparam e só o diálogo, respeitando a diversidade política, pode contribuir para restabelecer um clima adequado a um país, a Itália, para o qual a Europa deve continuar a olhar com confiança. Quanto à guerra, é preciso reafirmar o direito à diplomacia para que as armas e a violência sejam silenciadas. A polarização do mundo em esferas de influência e antigas separações é a premissa para novos conflitos, hoje cada vez mais destrutivos não só pela qualidade das tecnologias de armamento, mas também porque atuam sobre planos econômicos que esmagam as sociedades dos últimos e raramente afetam as poder do forte". Como evangélicos na Itália, como luteranos, "firmemente ancorados na perspectiva europeia da qual nos sentimos parte também pela antiga tradição e origem - conclui o Consistório CELI* -, continuaremos, portanto, nosso compromisso na sociedade italiana sem preconceitos, mas com atenção e vigilância , fiéis à Palavra da qual somos testemunhas”. *O Consistório é o órgão colegiado responsável pela condução dos assuntos correntes e administração do CELI. Suas atribuições estão definidas no artigo 22 do Estatuto do CELI. É constituído pelo Decano (pastor) com as funções de Presidente, o Vicedecana (pastor) e três Conselheiros leigos, de entre os quais elege o Vice-Presidente e o Conselheiro para os Assuntos Económicos. Os membros permanecem no cargo por quatro anos e podem ser reeleitos. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.