“Dor e consternação” do Conselho Mundial de Igrejas em Hagia Sophia

“Dor e consternação” do Conselho Mundial de Igrejas em Hagia Sophia

Ioan Saucasecretário-geral interino do CMI, enviou a carta ao presidente turco em 11 de julho, observando que desde 1934 “Hagia Sophia tem sido um local de abertura, encontro e inspiração para pessoas de todas as nações e religiões”.

Ele acrescentou que o prédio é uma “expressão poderosa” do compromisso da Turquia com o secularismo e a inclusão e seu desejo de deixar para trás os conflitos do passado.

Hagia Sophia foi construída pela primeira vez há 1.500 anos como uma catedral cristã ortodoxa e foi convertida em mesquita após a conquista otomana em 1453. Em 1934, no entanto, tornou-se um museu e agora é um Patrimônio Mundial da Unesco.

Sauca escreveu: “Sou obrigado a transmitir a dor e a consternação do Conselho Mundial de Igrejas – e suas 350 igrejas-membro em mais de 110 países, representando mais de meio bilhão de cristãos em todo o mundo – na etapa que você acabou de dar”.

“Ao decidir reconverter a Hagia Sophia em uma mesquita, você inverteu esse sinal positivo da abertura da Turquia e o transformou em um sinal de exclusão e divisão.”

Sauca disse que, infelizmente, a decisão na Turquia foi tomada sem aviso ou discussão com a UNESCO sobre o impacto da decisão sobre o valor universal da Hagia Sophia, reconhecida pela Convenção do Patrimônio Mundial.

“Ao longo dos anos, o Conselho Mundial de Igrejas tem feito grandes esforços para apoiar o envolvimento ativo de suas igrejas-membro no diálogo inter-religioso, a fim de construir pontes de respeito mútuo… entre diferentes comunidades religiosas.

Além disso, em tempos difíceis, o CMI junto com suas igrejas membros tem intervindo na defesa e apoio de outras comunidades religiosas, incluindo comunidades muçulmanas, pelo respeito de seus direitos e integridade”, disse Sauca.

Transformar um “lugar emblemático” como a Hagia Sophia de museu em mesquita “criará inevitavelmente incerteza, suspeita e desconfiança, minando todos os nossos esforços para reunir pessoas de diferentes religiões à mesa do diálogo e da cooperação”.

O CMI também teme que a decisão “encoraje as ambições de outros grupos em outros lugares que buscam derrubar o status quo existente e promover divisões renovadas entre as comunidades religiosas”.

Leia em Riforma.it

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Prêmio do Júri Inter-religioso de Nyon para “Pequena Palestina” de Abdallah Al-Khatib

Prêmio do Júri Inter-religioso de Nyon para “Pequena Palestina” de Abdallah Al-Khatib

Roma (NEV), 26 de abril de 2021 – Festival “Visions du Réel”, Nyon. O júri inter-religioso Interfilm/Signis atribui o seu prémio ao filme “Pequena Palestina” de Abdallah Al-Khatib. Visions du Réel é o festival anual de documentários que acontece desde 1969 em Nyon, na Suíça. Esta é a 52ª edição e decorreu de 15 a 25 de abril. O júri inter-religioso, nomeado pela INTERFILM (International Inter-Church Film Organisation) e SIGNIS, participa do Festival Visions du Réel desde 2005. O júri inclui um representante da INTERFILM e SIGNIS e um membro da fé judaica e muçulmana. O júri premia um longa-metragem da competição internacional e pode recomendar uma obra que reflita sobre questões existenciais, sociais ou espirituais, bem como sobre valores humanos. O prêmio, no valor de 5.000 francos suíços, é doado pelas igrejas suíças, tanto reformadas na Suíça francófona quanto católicas, pelo Departamento de Mídia Média-pro e pela Federação Suíça das Comunidades Judaicas (SIG). foto interfilme Os membros do júri inter-religioso de 2021 são Noemi GradwohlBerna (Suíça) Marie-Therese MäderZurique, Suíça), Jean-Paul Kaser (Presidente), Biel-Bienne (Suíça) e Majid MovasseghiZurique, Suíça). 13 filmes em competição discutidos e avaliados pelo júri, que atribuiu o prémio ao filme “Pequena Palestina”. PEQUENA PALESTINA / Journal d'un siège / Diário de um Cerco, dirigido por Abdallah Al-Khatib, Líbano/França/Catar 2020, 83' As pessoas no campo de refugiados de Yarmuk afirmam sua humanidade na guerra civil síria, apesar da fome e da falta de perspectivas, enquanto o mundo humanitário permanece à margem. Quando um pequeno coro de rua canta acompanhado por um piano e pelo som de bombas, sua música se junta ao coro triste de cercos semelhantes na história mundial. INTERFILM A INTERFILM foi fundada em 1955 por inúmeras associações de cinema protestantes na Europa e atualmente inclui membros protestantes, ortodoxos e anglicanos, além de judeus. Em colaboração com seu parceiro católico SIGNIS, organiza júris ecumênicos nos festivais de cinema mais importantes como Cannes, Montreal, Moscou, Leipzig, Berlim, Locarno (www.inter-film.org). ...

Ler artigo
A primeira reunião do novo Conselho da FCEI

A primeira reunião do novo Conselho da FCEI

Roma (NEV), 14 de novembro de 2021 – Ontem, sábado, 13 de novembro, reuniu-se pela primeira vez o novo Conselho da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, eleito pela XX Assembleia da FCEI em 30 de outubro passado. Durante a sessão foi atribuído a Sara ComparattiBattista, o cargo de vice-presidente da Federação. Anteriormente, esta posição era ocupada por Christiane GroebenLuterana. O encontro aconteceu presencialmente, em Roma, na sede da via Firenze, com a participação de todos os membros. Na verdade, o Conselho é formado não só pelo presidente Daniele Garronede Richard Kofi Ampofo(Metodista), Maria Antonieta Caggiano(luterana), Pedro Ciaccio (Metodista), Free Ciuffreda (valdense), Sara Comparetti (batista), Luca Longo (Exército da Salvação). ...

Ler artigo
Imigração, eu era estrangeiro: práticas sem saída e escritórios com falta de pessoal

Imigração, eu era estrangeiro: práticas sem saída e escritórios com falta de pessoal

Roma (NEV), 17 de maio de 2023 - Três anos após a aprovação da regularização extraordinária de 2020, as organizações que promovem a campanha Eu era estrangeiro, que também inclui a Federação de Igrejas Evangélicas da Itália, publicam uma nova atualização sobre o estado das práticas ainda nos gabinetes do Ministério do Interior. “Milhares de trabalhadoras e trabalhadoras ainda esperando para obter seus documentos e sair da precariedade – lê-se uma nota de Eu era estrangeiro -: uma derrota para todo o país que luta. A 13 de maio de 2020, em plena emergência pandémica, foi aprovada com o decreto de “relançamento” a regularização extraordinária dos trabalhadores indocumentados e em situação irregular nos setores doméstico e agrícola. Mais de 200.000 solicitações enviadas por famílias e empregadores. Hoje, três anos depois daquele decreto, o procedimento de emersão ainda não terminou: ainda existem dezenas de milhares de papéis não cumpridos nas prefeituras e quartéis da polícia e, portanto, trabalhadores que ainda aguardam para poder obter uma autorização de residência”.A campanha acompanhou a implementação da medida de emergência de maio de 2020 através de pedidos de acesso a documentos e diversos dossiers de aprofundamento. Passados ​​três anos, escrevem os promotores, “nos vemos mais uma vez obrigados a denunciar os graves atrasos das repartições, sobretudo nas grandes cidades. Situação, afinal, inevitável, uma vez que os mesmos gabinetes – cronicamente insuficientes – estão também envolvidos na instrução de requerimentos relativos ao procedimento de entrada do decreto de fluxo e em outros procedimentos relativos a estrangeiros no nosso país”.Hoje, portanto, a campanha publica uma atualização ad hoc da situação a partir dos dados a nível nacional, obtidos pelo Ministério do Interior a 10 de maio, relativos às autorizações de residência emitidas fisicamente pela sede da polícia: “Existem 65.166 em 207.000 pedidos apresentados, apenas 31,5% do total. Outros dados de âmbito nacional de que dispomos referem-se a pedidos indeferidos que a 10 de maio são 30.535, 14,75% do total dos recebidos”.Em Milão, até o dia 19 de abril, das 26.225 candidaturas apresentadas, pouco mais da metade foi concluída. Em Roma, de acordo com os dados fornecidos pela mesma prefeitura, das 17.371 solicitações apresentadas, até 6 de abril de 2023, 52% das solicitações recebidas foram concluídas. “Mas se compararmos esses dados com a situação em 31 de dezembro de 2022, o resultado é dramaticamente sensacional: em quatro meses os escritórios da prefeitura de Roma completaram 88 práticas, um número alarmante que denota um verdadeiro impasse em detrimento de as milhares de pessoas que ainda aguardam a definição do procedimento. A mesma prefeitura, na carta de resposta ao nosso pedido de acesso aos documentos, esclarece os motivos dessa inatividade: desde dezembro de 2022 o escritório está privado de 14 unidades de efetivo, ou seja, quase metade da força de trabalho que até então ele estava a lidar com os pedidos de emergência: por isso, perante uma carga de trabalho tão enorme e um número tão pequeno de pessoal, é inevitável que avancemos a um ritmo muito lento e inaceitável para a administração pública”.Conforme já descrito no dossiê anterior editado pela campanha em dezembro passado, “esses pesados ​​atrasos na definição do processo de regularização deram origem a inúmeros recursos administrativos e uma série de sentenças. Em particular, duas ações coletivas estão em andamento em Roma e Milão promovidas por trabalhadores emergentes contra os graves e persistentes atrasos das respectivas prefeituras, apoiadas por algumas associações. No que diz respeito à ação coletiva contra a prefeitura de Milão, movida por cerca de 100 trabalhadores, em 28 de abril, o Tribunal Administrativo Regional da Lombardia, reconhecendo a grave situação em curso, ordenou à prefeitura de Milão que apresentasse um relatório detalhando como os recursos econômicos e humanos disponível para os escritórios e explicar quais medidas foram tomadas para lidar com os atrasos. Uma intervenção significativa que vem confirmar a ilegitimidade do estado em que se encontram estes gabinetes e a gravidade desta carência para com os trabalhadores que aguardam há demasiado tempo os seus documentos. A consciência da gravidade desta situação e o aumento do contencioso relativo a processos ainda pendentes conduziu finalmente, nos últimos dias, a uma intervenção esperada e solicitada por diversas vezes nos últimos anos pela campanha Eu era estrangeiro, mais recentemente com uma carta ao ministro Piantedosi em março passado: o Departamento de liberdades civis e imigração do Ministério do Interior emitiu uma circular que prevê que as práticas relacionadas à regularização de 2020 ainda pendentes sejam sujeitas a simplificação processual e possam avançar para a etapa final do procedimento previsto para o surgimento. Esta intervenção permitirá, sem dúvida, abreviar o processo de dezenas de milhares de casos ainda pendentes. Além disso, a circular é um reconhecimento claro, ainda que tardio, de uma condição de dificuldade que agora se tornou gangrenosa para os gabinetes da administração do interior”.À luz do que emerge do dossiê, “temos uma pergunta para o Ministro do Interior: não é uma clara situação de emergência? O que pode ser mais urgente do que colocar os gabinetes em condições de proceder em tempo razoável à apreciação dos vários pedidos e à emissão da autorização de residência essencial para tirar muitas pessoas da invisibilidade e permitir uma real inclusão na sociedade ? Se, como afirmado, o objetivo do governo é incentivar a imigração regular, por que não começar a cuidar das pessoas que vivem e trabalham em nosso país, permitindo que sejam tratadas em total conformidade com a lei?”.A campanha apela assim ao ministro, ao Governo e à Assembleia da República a “trabalharem para que se proceda com celeridade ao recrutamento de novos quadros estáveis ​​e em número adequado às reais necessidades dos gabinetes. Outra mudança necessária para que a máquina administrativa funcione bem e evite atrasos ilegítimos é – como prevê nossas propostas de reforma – a adoção de políticas migratórias de longo prazo que permitam planejar as entradas sem recorrer aos famigerados click days e estabelecer a emergência em de forma individual, acessível a qualquer momento, sem recurso a amnistias periódicas, como se tem feito nos últimos vinte anos. Daqui passa uma gestão eficaz do fenómeno migratório: de uma administração que funciona sem ser submetida a pressões por processos extraordinários, que sabe planificar as suas atividades e é capaz de cumprir prazos e responder às exigências da cidadania, sem discriminação, contribuindo para a inclusão de trabalhadores e trabalhadoras que optaram por se instalar em nosso país e fazer parte de nossa sociedade". Para saber mais: ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.