“Dor e consternação” do Conselho Mundial de Igrejas em Hagia Sophia

“Dor e consternação” do Conselho Mundial de Igrejas em Hagia Sophia

Ioan Saucasecretário-geral interino do CMI, enviou a carta ao presidente turco em 11 de julho, observando que desde 1934 “Hagia Sophia tem sido um local de abertura, encontro e inspiração para pessoas de todas as nações e religiões”.

Ele acrescentou que o prédio é uma “expressão poderosa” do compromisso da Turquia com o secularismo e a inclusão e seu desejo de deixar para trás os conflitos do passado.

Hagia Sophia foi construída pela primeira vez há 1.500 anos como uma catedral cristã ortodoxa e foi convertida em mesquita após a conquista otomana em 1453. Em 1934, no entanto, tornou-se um museu e agora é um Patrimônio Mundial da Unesco.

Sauca escreveu: “Sou obrigado a transmitir a dor e a consternação do Conselho Mundial de Igrejas – e suas 350 igrejas-membro em mais de 110 países, representando mais de meio bilhão de cristãos em todo o mundo – na etapa que você acabou de dar”.

“Ao decidir reconverter a Hagia Sophia em uma mesquita, você inverteu esse sinal positivo da abertura da Turquia e o transformou em um sinal de exclusão e divisão.”

Sauca disse que, infelizmente, a decisão na Turquia foi tomada sem aviso ou discussão com a UNESCO sobre o impacto da decisão sobre o valor universal da Hagia Sophia, reconhecida pela Convenção do Patrimônio Mundial.

“Ao longo dos anos, o Conselho Mundial de Igrejas tem feito grandes esforços para apoiar o envolvimento ativo de suas igrejas-membro no diálogo inter-religioso, a fim de construir pontes de respeito mútuo… entre diferentes comunidades religiosas.

Além disso, em tempos difíceis, o CMI junto com suas igrejas membros tem intervindo na defesa e apoio de outras comunidades religiosas, incluindo comunidades muçulmanas, pelo respeito de seus direitos e integridade”, disse Sauca.

Transformar um “lugar emblemático” como a Hagia Sophia de museu em mesquita “criará inevitavelmente incerteza, suspeita e desconfiança, minando todos os nossos esforços para reunir pessoas de diferentes religiões à mesa do diálogo e da cooperação”.

O CMI também teme que a decisão “encoraje as ambições de outros grupos em outros lugares que buscam derrubar o status quo existente e promover divisões renovadas entre as comunidades religiosas”.

Leia em Riforma.it

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Mude o mundo mude a terra

Mude o mundo mude a terra

Roma (NEV), 3 de maio de 2021 - "Tudo pode mudar": assim começa o vídeo da nova campanha publicitária Otto per mille da Igreja Valdense - União das Igrejas Metodista e Valdense. Pela primeira vez, o comercial deste ano é um vídeo animado, com a voz de Lella Costa. O autor e diretor de arte do projeto é o cartunista Takua Ben Mohamed, que desenvolveu um storyboard com “as mulheres protagonistas”, partindo de uma ideia da agência Web&com Sérgio Veludo. “Uma campanha exclusivamente feminina, que fala de esperança e mudança, começando pelo respeito pelos direitos de todos e pela proteção do meio ambiente. Acreditamos que a mudança pode acontecer com a contribuição de todas as pessoas que acreditam em um mundo mais justo: tudo pode mudar, mas somente se a responsabilidade for compartilhada”, diz o texto que acompanha o vídeo no YouTube. #mudaromundomudaraterra​ #ottopermillevaldese [embed]https://www.youtube.com/watch?v=u-0ain0BrXA[/embed] “Otto per Mille Valdese – explica o site Otto per mille Valdese (OPM) – acredita que o respeito aos direitos e a proteção do meio ambiente são duas prioridades para a criação de um mundo mais justo.Por isso, as Igrejas valdenses e metodistas destinam os 8×1.000 fundos a projetos sociais, econômicos e culturais, na Itália e no exterior, para que ninguém fique para trás e todos possam aspirar a uma vida livre e plena”. Para todas as informações sobre como alocar esta parte do imposto de renda para a igreja valdense: ottopermillevaldese.org. ...

Ler artigo
Migrantes e religiões, primeiro dia da conferência ecumênica

Migrantes e religiões, primeiro dia da conferência ecumênica

Roma (NEV), 19 de novembro - A fé dos migrantes, além dos estereótipos e das notícias falsas. Foi o que se discutiu ontem, segunda-feira, 18 de novembro, na sessão de abertura da conferência ecumênica promovida pelo Escritório Nacional para o Ecumenismo e o Diálogo Inter-religioso (UNEDI), dedicado este ano justamente ao tema do entrelaçamento das religiões e dos fenômenos migratórios. monsenhor Stefano Russosecretário-geral da Conferência Episcopal Italiana (CEI) motivou a decisão de dirigir um olhar ecumênico aos imigrantes, como "uma questão muito atual: é preciso sair da forma demagógica de abordar essas questões, ir ao coração das pessoas , de famílias , que fazem percursos de vida e que chegam a esta península no coração do Mediterrâneo e que, infelizmente, muitas vezes são representadas e vivem como “descartadas pela sociedade”. E o Mediterrâneo é de alguma forma o fio condutor do debate posterior, que abriu os trabalhos do congresso, apresentado por Monsenhor Ambrogio Spreaficopresidente da Comissão Episcopal para o Ecumenismo e o Diálogo Inter-religioso da CEI, que contou com a presença de Andrew Riccardifundador da comunidade de S.Egidio e Paulo Nasocoordenadora do Mediterranean Hope, o programa para migrantes e refugiados da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália. “As migrações nos mudam – começou Riccardi -, terras que antes eram homogêneas se descobrem misturadas. O impacto da mudança às vezes leva ao pânico, parece "o fim do mundo": é assim que é representado e evocado por alguns. O “medo da história” alastra-se e a reação é “fechar a porta”, uma reação instintiva mas verdadeiramente inadequada para uma sociedade que ambiciona ter futuro. Nossa sociedade é esquecida, confunde emoção com realidade. Olhando para a história, nem sempre a homogeneidade foi característica dos países europeus”. Assim, as migrações como motor e fator chave do mundo globalizado. Prof. A.Riccardi @santegidionews: “as escolhas de uma parte do povo contradizem não só os discursos do Papa, mas também uma visão cristã do outro. Precisamos dialogar com o medo das pessoas. A questão é: podemos fazer isso?” #migrantes E #religiõesconferência ecumênica @nev_it pic.twitter.com/7V6oeBEePE — Esperança do Mediterrâneo (@Medohope_FCEI) 18 de novembro de 2019 “O imigrante – continuou o fundador de Sant'Egidio – é uma figura do mundo distante e global que se instala à sua porta. Mas essa angústia, esse medo merecem proteção e defesa. Italianos, europeus, sentem que precisam de alguma forma reinventar suas identidades. A questão, porém, é que o drama italiano não são os migrantes, o drama não é a invasão', o drama italiano é a fuga de muitos jovens forçados a emigrar, a perda da atratividade da Itália e o medo dos outros, portanto, o resultado de um processo de introversão”. Que papel tem a Igreja, neste caso a Igreja Católica, neste quadro? “Ele tem o dever de proteger os perdidos. Antes do Papa Francisco, outros papas também lembraram o dever de hospitalidade, mas nossa cultura é emocional e sem memória. Portanto, é necessário dialogar com o medo do povo. A pergunta é: podemos fazer isso? Acho que devemos olhar para a escolha soberana de muitos cristãos, porque ainda não a analisamos. Muitas vezes nos vemos acima dos partidos, mas não é uma questão política, é uma questão pastoral: as escolhas de uma parte do povo contradizem não apenas os discursos do Papa, mas uma visão cristã do outro. Não é incoerência, é uma verdadeira crise cultural e por isso surge uma grande responsabilidade para a Igreja: comunicar a esperança. Em essência, os migrantes pressionam por uma renovação pastoral séria e abrangente e não por uma pastoral dos migrantes. Nós somos o problema, o problema são as pessoas comuns: é necessário uma igreja que sabe fazer germinar uma visão de futuro em sinal de esperança para esses italianos pessimistas e revoltados. Os migrantes nos chamam a uma solidariedade ecumênica para superar o medo”. E o ecumênico – “nascido da amizade e de um ecumenismo ecumênico contagiante” – é também um dos projetos humanitários mencionados pelo professor Riccardi e no centro do primeiro dia da conferência, o dos corredores humanitários, que ele vê na primeira fila para implementá-los, já há quase quatro anos, a Comunidade de Sant'Egidio, a Tavola Valdese e a Federação das Igrejas Evangélicas da Itália. Paulo Nasocoordenadora do Mediterranean Hope, programa de migrantes e refugiados da FCEI, conferencista e coautora, entre outros, do livro 'O deus dos migrantes', apresentou dez "teses" sobre o tema que está no centro do debate, dez imagens, dez chaves de leitura para colocar na "caixa de ferramentas" para ler a realidade. “A primeira destas “fotografias” – explicou Naso – é uma gruta que se ergue na ilha de Lampedusa, um antigo abrigo para barcos, onde se guarda um estojo com objectos religiosos encontrados nas embarcações”. Objectos que não é óbvio transportar, objectos evidentemente vitais para quem se vê obrigado a fazer o percurso marítimo, para quem os põe na mochila antes de entrar num barco e atravessar o Mediterrâneo. “A segunda é na zona de Castelvolturno, em San Giuliano, a presença anómala de igrejas evangélicas pentecostais com nomes mais excêntricos, uma rede generalizada de pequenas igrejas pentecostais, frequentadas essencialmente por crentes imigrantes, num local de privação, pequenas igrejas como faróis no deserto… Estas duas primeiras imagens falam-nos da intensidade da religião em tantas pessoas que migram”. Uma intensidade também quantitativa: os números falam de um futuro cada vez mais “migrante” para as religiões. “Nos últimos 30 anos passamos de um antigo e consolidado pluralismo religioso - confirmou o expoente valdense - a um novo pluralismo: em 1931 o ISTAT pesquisou 157 mil não católicos na Itália, são 400 mil 30 anos depois e em 2019 eles vivem em nosso País 5 milhões de não católicos. Por isso, talvez fosse oportuno fazer uma certa revisão da linguagem: começando pelos termos 'maioria' e 'minoria', por exemplo”. O que é certo é que a maioria, sim, neste caso, dos migrantes - a segunda tese do raciocínio de Paolo Naso - "é cristã, mas não católica: entre os imigrantes há 2,7 milhões de cristãos, a maioria ortodoxos, quase um milhão de católicos, 300- 400 mil protestantes, budistas são 120 mil, sikhs 80 mil. Não há islamização”. E o futuro? O futuro não é eurocêntrico… “Nos próximos anos – acrescentou o professor – a porcentagem de cristãos diminuirá na Europa, aumentará na América Latina e nos Estados Unidos, explodirá na África, crescerá na Ásia. O 'centro de gravidade', por assim dizer, será a Nigéria: o típico cristão do século XXI será o negro! E em 2050 um cristão branco será um oxímoro ou uma hipótese remota, um pouco como um budista sueco”. O elemento da religião tem múltiplos valores, particularmente para as populações migrantes. Segundo Naso, os migrantes “nas igrejas, nas comunidades de fé, encontram um refúgio, ou seja, a dimensão social é sempre agregada ao culto, que é também um lugar para quem migra encontrar e ter respeito”. E como essas pessoas forçadas a deixar seu país de origem vivem sua fé? “Os migrantes trazem uma religiosidade viva, dinâmica e carismática que se encaixa em um quadro global pós-secular, que na Itália talvez tenhamos dificuldade de entender”. Novas gerações que devem sofrer em primeira mão as banalizações da mídia: “o termo 'fundamentalismo', por exemplo – explicou Naso – é um tique que nos chega da mídia, uma gigantesca fake news. Um cristão ou muçulmano tradicionalista não é um fundamentalista; outra coisa é o radicalismo”. Em suma, a complexidade parece ser aquela que muitas vezes escapa à representação do fenómeno migratório feita pelos meios de comunicação: “os migrantes perseguem formas de agregação muito diversas: assimilação para alguns, hospitalidade, integração (um percurso dinâmico), identidade nacional, fecho; todas essas opções não são equivalentes”. O que é certo é o fosso entre as religiões da Série A e da Série B: "as comunidades de fé dos imigrantes não têm acesso às proteções legislativas mais sólidas previstas pelo ordenamento jurídico italiano, para a grande maioria, eles realmente operam como associações: devemos perguntamo-nos se esta lacuna legislativa – que se refere sobretudo a uma lei de 1929 – ainda faz sentido. Que a liberdade religiosa não tenha a amplitude da dos italianos é certamente um problema”. Finalmente, também neste caso, o papel essencial das igrejas. “A penúltima imagem é a película dourada nas portas das igrejas, a manta térmica que tem sido colocada sobre muitos edifícios religiosos, sugerida por um artista, para simbolizar que as igrejas têm sido o principal reduto da onda xenófoba e racista que atravessa a Europa . Tenho orgulho disso no meu 'pequeno' espiritual, mas acho isso uma falha gravíssima, a maior, de uma cultura secular que não tem desempenhado essa função. A história dos corredores humanitários faz parte deste capítulo. E queremos reiterar que nunca aceitamos o raciocínio que criminaliza as ONGs: se um cristão não tenta simular um bom samaritano, que cristão ele é?”. Por fim - a décima "tese" do valdense Paolo Naso -, o tema do diálogo inter-religioso: "é hora de abrir uma temporada não só sobre como vivemos, mas também sobre a prática da justiça, por que não abrir um laboratório de diálogo inter-religioso justamente na justiça?". Faça a coisa certa, 'faça a coisa certa', para colocar tudo Spike Leeou como o grande líder afro-americano e pastor batista Martin Luther King, concluiu a coordenadora do MS, “A covardia pergunta: é seguro? A oportunidade pergunta: é conveniente? Vainglory pergunta: é popular? Mas a consciência pergunta: está certo?”. O mesmo apelo ecumênico para um compromisso comum em favor dos direitos dos refugiados veio da Grécia, por meio das palavras do bispo Gabriel de Nea Ionia e Filadélfia, da Igreja Ortodoxa da Grécia, que interveio com uma mensagem em vídeo dirigida à assembléia. Em seguida, como último orador do primeiro dia da conferência, Dom Viktor de Baryshev, da Igreja Ortodoxa Ucraniana (Patriarcado de Moscou). O encontro ecumênico continua hoje, terça-feira, 19 de novembro, com 14 oficinas temáticas durante a manhã, incluindo uma sobre como "Construir hospitalidade", realizada pela operadora MH marta bernardini e de Daniela Pompeia de S.Egídio, vários testemunhos e uma oração ecumênica à tarde. As conclusões, com o pároco Luca Maria Negropresidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, acontecerá amanhã, quarta-feira, 20 de novembro. [BB] #Migrantes e religiões. Russo (CEI): "não à leitura demagógica da realidade, abertura às diferenças" https://t.co/EGMTmYwje3@UCSCEI pic.twitter.com/pntS24bj5x — SIR (@agensir) 18 de novembro de 2019 ...

Ler artigo
A luta contra as alterações climáticas é um imperativo

A luta contra as alterações climáticas é um imperativo

Foto de John O'Nolan no Unsplash Roma (NEV), 13 de janeiro de 2023 – Para a Igreja Evangélica Reformada da Suíça (EERS), a proteção do clima é uma questão fundamental. Recentemente, o Conselho EERS se posicionou sobre a "iniciativa do glaciar" e sobre a contraproposta que analisou do ponto de vista do protestante reformado: Deus é o criador e guardião do mundo e de toda a vida. Nessa perspectiva, o ser humano não é o centro nem o fim da criação, mas faz parte dela, como uma criatura entre outras. Segundo uma declaração do Concílio, “considerar o mundo como Criação significa tê-lo recebido não simplesmente como o mundo que nos rodeia (Umwelt), mas também como o mundo em que vivemos (Mitwelt). A natureza da criatura é caracterizada pela igualdade de todos os seres vivos”. Referindo-se às idéias do reformador Ulrich Zwinglio, o Conselho da EERS quer assim sublinhar que “na Criação, todos os seres devem considerar-se beneficiários daquilo que é dado, para que ninguém possa ter quaisquer privilégios de acesso. Nesta visão, todos os bens constituem um dom que retribui igualmente a todas as criaturas”. No seu documento sobre estas questões, o Conselho EERS explica ainda que a sustentabilidade está indissociavelmente ligada à justiça, lembrando que o EERS está comprometido com a proteção do clima há décadas. Aqui está o texto completo da declaração. artigo anteriorTrabalhar. Uma “bússola ética” para a sustentabilidade, também no âmbito digitalPróximo artigoDia de Martin Luther King Justiça racial, antimilitarismo, reconciliação Agência de Imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.