Começa o Sínodo Luterano: continuidade, mudança, futuro

Começa o Sínodo Luterano: continuidade, mudança, futuro

Foto do CELI – imagem de arquivo do Sínodo 2020

Roma (NEV/CS09), 28 de abril de 2021 – A 2ª sessão do XXIII Sínodo da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) começa na quinta-feira, 29 de abril. Os 56 sínodos, conectados por todas as comunidades da Itália, estão prontos para a sessão digital. Título desta sessão: “Continuidade, mudança, futuro – A Misericórdia como responsabilidade da Igreja”. Dois dias e meio de insights, reflexões e decisões, que incluem também 6 “salas virtuais” temáticas. No centro do Sínodo, discussões sobre: ​​meio ambiente, jovens, atividade diaconal, justiça de gênero, processamento do coronavírus, igreja digital. Os trabalhos sinodais começam na sexta-feira, 30 de abril, a partir das 9h. Começam com o Relatório do Decano da Igreja Evangélica Luterana na Itália, Heiner Bludau.

Bludau é decano há sete anos e, com este Sínodo, inicia seu último mandato. Sobre seus anos na Itália, ele diz que foram “mais emocionantes do que qualquer coisa que já experimentei em minha vida profissional”.

O programa (resumo)

O Sínodo começa oficialmente na quinta-feira, 29 de abril, às 17h30, com as inscrições. Às 18h, o culto de abertura.

O Secretário Geral Luterano Mundial Martin Junge e o Papa Francisco na Comemoração Conjunta da Reforma em Malmö. 2017 – Foto: Igreja da Suécia

Grandes expectativas para o Convidado de Honra, que será o pároco Martin Junge, Secretário Geral da Federação Luterana Mundial (WLF). Seu discurso estará disponível em streaming na sexta-feira, 30 de abril, a partir das 15h (em alemão com tradução simultânea para o italiano).

O bispo também é esperado Leon Novak da igreja evangélica da confissão de Augsburg na Eslovênia com o presidente da Comissão Episcopal para o ecumenismo e o diálogo da Conferência Episcopal Italiana (CEI) Mons. Ambrogio Spreafico (sexta-feira, 30, às 10h35). o bispo Michael Chalupka da Igreja Luterana na Áustria (sexta-feira, 30, às 12h50). Por fim, o pároco Luca Maria Negropresidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), sábado, 1º de maio, às 14h30.

convidados italianos

Entre os convidados italianos, aliás, também o diácono Alessandra Trotta, moderador do Tavola Valdese. a pastora Mirella Manocchiopresidente da Obra das Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (OPCEMI). John Archdeacon, presidente da União Cristã Evangélica Batista da Itália (UCEBI). a pastora Gabriela Liopresidente da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI).


Para saber mais:

Fotos retiradas do site do CELI

Nos destacamos pela nossa liberdade. Entrevista com Cordelia Vitiello, representante legal do CELI e conselheiro da FLM, além de presidente do Hospital Evangélico Betânia de Nápoles. Envolvido em vários projetos diaconais em Nápoles e arredores. Filho de mãe alemã e pai napolitano, Vitiello representa “a alma bicultural do CELI”.

A Igreja é visível sobretudo através da diaconia. Entrevista com Christine Fettig, leigo consistorial de Trieste. “Christine Fettig é segurança. Em sua comunidade, em Trieste, sabem que podem contar com ela para tudo”. Um de seus temas é a justiça de gênero.

É importante começar as coisas. Entrevista com Kirsten Thielevice-reitor CELI. “A decisão sobre uma posição oficial do CELI em relação à justiça de gênero está muito próxima do meu coração. O documento não precisa conter todos os aspectos do assunto. Nem tudo tem que estar ali, não temos que ficar atolado querendo exagerar. É importante votar um documento que seja a posição oficial do CELI como ponto de partida para todos os trabalhos futuros”…

Novo formato – novas rotas?. Entrevista com Ingrid Pfrommer, vice-presidente do Sínodo do CELI, sobre os desafios de um sínodo online. “Uma experiência completamente nova”. Pela primeira vez, ela é responsável por todo o planejamento do Sínodo junto com o presidente Wolfgang Prader.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Peregrinação Ecumênica.  Amanhã o Papa no Concílio Ecumênico em Genebra

Peregrinação Ecumênica. Amanhã o Papa no Concílio Ecumênico em Genebra

Entrada do Centro Ecumênico de Genebra, sede do Conselho Mundial de Igrejas Genebra (NEV), 20 de junho de 2018 – Na sede do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), em Genebra (Suíça), o contagem regressiva: faltam algumas horas para a chegada de Papa Franciscoesperado na manhã de quinta-feira para a "peregrinação ecumênica" por ocasião do 70º aniversário do corpo mundial de igrejas anglicanas, protestantes, ortodoxas e católicas antigas. A capela do centro ecumênico com (à direita) a cruz de Lund No centro de sua visita ao CMI intitulada "Caminhando, rezando e trabalhando juntos" estarão os três conceitos de unidade, paz e justiça. Em particular, a manhã do dia 21 de junho será dedicada à "unidade visível dos cristãos", com a "oração ecumênica" que acontecerá na capela do centro. A tarde, por outro lado, será inteiramente dedicada aos temas da justiça e da paz, com mensagens de Papa Franciscopelo secretário geral do CMI, pastor Olav Fykse Tveite o moderador do Comitê Central do CMI, Agnes Abuom. Um momento significativo será o encontro do Papa Francisco com uma delegação de representantes das igrejas das duas Coreias. O jardim do instituto Bossey onde os presentes serão trocados Também é aguardado o encontro do Papa Francisco com um grupo de estudantes do Instituto Ecumênico de Bossey, a 20 km de Genebra, onde a “liderança ecumênica” irá almoçar. Seguir-se-á, no jardim do centro acadêmico para jovens teólogos de todo o mundo, a troca de presentes entre a liderança do CMI e o diretor do Bossey Institute, e o Papa Francisco. Antes do retorno ao Centro Ecumênico, está marcada uma coletiva de imprensa às 14h (somente credenciados e autorizados). O pastor Tveit, o cardeal, intervirá Kurt Koch, presidente do Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos. Irá moderar Marianne Ejderstendiretor de comunicação do WCC. O longo dia em Genebra começará para o Papa Francisco já no aeroporto Genebra-Cointrin – onde será recebido pelo presidente da Confederação Suíça, Alain Berset – e terminará ao final da tarde com a Missa no Palexpo, a poucos passos do aeroporto. O Papa Francisco será o terceiro pontífice a ir à sede do órgão que reúne 350 igrejas anglicanas, evangélicas, ortodoxas e velocatólicas de todo o mundo, depois das visitas de Paulo VI em 1969 e de João Paulo II em 1984, mas seja o primeiro a ir lá para celebrar o diálogo e a colaboração entre as igrejas. O principal motivo de sua visita é o 70º aniversário do CMI. Entre os convidados estavam 150 delegados das igrejas do Comitê Central do CMI, que se reuniram nos últimos dias. Será possível acompanhar o evento em transmissão ao vivo aqui: mas também na página do Facebook do CEC (Conselho Mundial de Igrejas) e também no Youtube (www.youtube.com/WCCworld/live) Olav Fykse Tveit com um membro do comitê central do CMI em Genebra Para mais informações sobre o Conselho Mundial de Igrejas, sua liderança, organização e história, e sua relação com a Igreja Católica, veja aqui. EU'hashtags para a visita do Papa Francisco a Genebra em 21 de junho é #PapalVisit. O motivo é o 70º aniversário do CEC cuja hashtag é: #WCC70 Uma página em italiano sobre a visita do Papa Francisco está aqui. O perfil do Twitter do CEC é @oikoumene e a do secretário geral é @OlavTveit. ...

Ler artigo
Toda empresa é uma empresa compartilhada

Toda empresa é uma empresa compartilhada

Arcebispo Emérito Anders Wejryd Roma (NEV) 25 de outubro de 2018 – O arcebispo luterano emérito Anders Wejrydatual Presidente do Conselho Mundial de Igrejas (CMI) para a Europa, participou da conferência “Combating Intolerance and Discrimination, with a Focus on Discrimination Based on Religion or Belief: Towards a Comprehensive Response in the OSCE Region”, organizada pela Ministério das Relações Exteriores no âmbito da presidência rotativa italiana da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE). “Os conflitos entre grupos religiosos são fortalecidos em sociedades em crise. Quando as injustiças crescem, quando o sistema de justiça funciona mal, as instituições falham e fica cada vez mais difícil sustentar uma família ou até a si mesmo, o descontentamento cresce. Então você procura seus aliados e procura seus inimigos”, disse Wejryd sobre a violência e a discriminação com base na religião e nas crenças individuais. Falando da Europa e dos conflitos que vive, o arcebispo disse que ainda que estejamos acostumados a pensar neste contexto como "uma parte do mundo em que o respeito pela pessoa, o respeito pela lei, o cuidado dos cidadãos e a consciência histórica , incluindo o conhecimento de séculos de migrações muitas vezes dramáticas, estão presentes e importantes, muitos de nós também sabemos que esta é uma realidade ideal, mas não abrangente. Os direitos humanos e os direitos dos cidadãos estão gradualmente se transformando em um conflito visível para todos”. Por isso a referência de Wejryd recaiu sobre a relação entre religião e política e como essas áreas se entrelaçam com a vida individual: “As religiões e a política devem ser muito mais claras sobre a nossa interdependência, entre indivíduos, países, religiões e gerações. Todos nós precisamos ser mais capazes de formular e expressar nossos valores e sonhos mais profundos. Muito do que tínhamos como certo se foi. Um dos valores que precisa ser declarado com muito mais clareza é que toda sociedade é uma sociedade compartilhada. Uma sociedade só pode ser construída com respeito compartilhado, apesar de origens e histórias diferentes”, concluiu. ...

Ler artigo
Contra os “gritos loucos e selvagens” do anti-semitismo

Contra os “gritos loucos e selvagens” do anti-semitismo

A partir da esquerda, Daniele Garrone, Noemi Di Segni, Paolo Ricca, Luca Maria Negro Roma (NEV), 24 de fevereiro de 2020 - Em 17 de fevereiro de 1898, por ocasião do quinquagésimo aniversário da patente da Carta com a qual Carlo Alberto concedeu direitos civis aos seus súditos valdenses - e um mês depois também aos judeus -, o pároco Ernesto Giampiccolilembrou os "corações generosos" daqueles que apoiaram os valdenses em sua batalha pela liberdade: Massimo e Roberto D'Azeglio assim como muitos bispos e padres católicos liberais do Piemonte. Uma solidariedade que levou o pároco a dizer: “Estejamos também nós prontos para apoiar aqueles que são injustamente oprimidos e vilipendiados”. Com estas últimas palavras, o pensamento de Giampiccoli dirigiu-se às comunidades judaicas. Um mês antes, em 13 de janeiro de 1898, o julgamento havia reaberto na França Dreyfus graças ao famoso “J'accuse" De Émile Zola. Se os "gritos loucos e selvagens" do anti-semitismo também tivessem surgido na Itália, os valdenses teriam ficado ao lado dos judeus. Este episódio foi contado pelo Prof. Daniele Garrone, professor de Antigo Testamento na Faculdade Valdense de Teologia, entre os palestrantes e organizadores de "Contra o anti-semitismo e a deriva do ódio". O encontro, promovido no âmbito da Semana da Liberdade 2020 promovida pela Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), foi realizado no domingo, 23 de fevereiro, em Roma, no grande salão da faculdade valdense lotado com cerca de 150 pessoas. “Evangélicos não têm santos. No entanto, em algumas aldeias e cidades nos vales valdenses do Piemonte, o festival de 17 de fevereiro é equiparado ao patronal. Portanto, se os protestantes italianos têm padroeira, esta é a Santa Liberdade”, começou o pároco Luca Maria Negropresidente da FCEI. Negro quis sublinhar uma coincidência de datas. Em 1848, os judeus receberam direitos civis em 29 de março. Alguns séculos antes, em 1558, mas sempre em 29 de março, o pastor valdense foi queimado na Piazza Castello em Turim Godfrey Varaglia. Hoje Varaglia é lembrado por uma placa de latão, colocada no lugar de seu martírio. À sua maneira, é como uma das pedras de tropeço que nas ruas de numerosas cidades italianas recordam os nomes e as histórias de muitos judeus deportados para campos de concentração. O teólogo valdense Paulo rico em vez disso, ele definiu o anti-semitismo como "uma doença endêmica, típica e crônica do cristianismo". Se é verdade que o anti-semitismo foi teorizado por Wilhelm Marr somente em 1879, porém estes encontraram no bimilênio o terreno para crescer e as categorias com as quais se expressar. “Para se recuperar desta doença, é necessário um remédio radical: a conversão. Não a conversão dos judeus, mas a conversão dos cristãos”. Ricca também acrescentou que a rejeição dos judeus é também a rejeição do Deus de Israel, "o Deus de Abraão, Isaac e Jacob, aquele Deus que te conhece tão bem que te chama pelo nome", um Deus que ama e pede para amar, mas só encontra a indisponibilidade de quem quer ser amado sem amar em troca. No centro, Noemi di Segni Ele respondeu aos três expoentes evangélicos Noemi Di Segni, presidente da União das Comunidades Judaicas Italianas (UCEI). “O anti-semitismo – disse Di Segni – é uma espinha dorsal ao longo da qual se estratificaram séculos e séculos de história”. A tarefa de hoje é entender por que "depois do fim da Segunda Guerra Mundial, depois de Auschwitz, ela ressurge de forma tão virulenta".Di Segni indicou três linhas de ação que poderiam ser seguidas. A primeira é a da aliança das experiências de valor das religiões, da valorização e partilha do diálogo e do sentido de comunidade. A segunda é a linha de coerência que exige, por exemplo, desafiar o negacionismo em todas as suas formas, denunciar palavras de ódio não como exercício de liberdade de expressão, mas como agressão e escárnio: "São palavras que geram esquecimento". Da mesma forma, acrescentou Di Segni, a linha de coerência impõe não aceitar a ideia de que os próprios judeus são a causa de seu próprio mal, nem permitir que a linguagem de shoah é usado contra os judeus e contra o Estado de Israel, definindo-o como nazista. A terceira linha é a ação. Também amplamente identificado pelos outros falantes, o cultural e educacional. No âmbito cristão, isso pode significar que as numerosas declarações contra o anti-semitismo assinadas por representantes de igrejas e instituições religiosas se tornem patrimônio comum de simples crentes. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.