Começa o Sínodo Luterano: continuidade, mudança, futuro

Começa o Sínodo Luterano: continuidade, mudança, futuro

Foto do CELI – imagem de arquivo do Sínodo 2020

Roma (NEV/CS09), 28 de abril de 2021 – A 2ª sessão do XXIII Sínodo da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) começa na quinta-feira, 29 de abril. Os 56 sínodos, conectados por todas as comunidades da Itália, estão prontos para a sessão digital. Título desta sessão: “Continuidade, mudança, futuro – A Misericórdia como responsabilidade da Igreja”. Dois dias e meio de insights, reflexões e decisões, que incluem também 6 “salas virtuais” temáticas. No centro do Sínodo, discussões sobre: ​​meio ambiente, jovens, atividade diaconal, justiça de gênero, processamento do coronavírus, igreja digital. Os trabalhos sinodais começam na sexta-feira, 30 de abril, a partir das 9h. Começam com o Relatório do Decano da Igreja Evangélica Luterana na Itália, Heiner Bludau.

Bludau é decano há sete anos e, com este Sínodo, inicia seu último mandato. Sobre seus anos na Itália, ele diz que foram “mais emocionantes do que qualquer coisa que já experimentei em minha vida profissional”.

O programa (resumo)

O Sínodo começa oficialmente na quinta-feira, 29 de abril, às 17h30, com as inscrições. Às 18h, o culto de abertura.

O Secretário Geral Luterano Mundial Martin Junge e o Papa Francisco na Comemoração Conjunta da Reforma em Malmö. 2017 – Foto: Igreja da Suécia

Grandes expectativas para o Convidado de Honra, que será o pároco Martin Junge, Secretário Geral da Federação Luterana Mundial (WLF). Seu discurso estará disponível em streaming na sexta-feira, 30 de abril, a partir das 15h (em alemão com tradução simultânea para o italiano).

O bispo também é esperado Leon Novak da igreja evangélica da confissão de Augsburg na Eslovênia com o presidente da Comissão Episcopal para o ecumenismo e o diálogo da Conferência Episcopal Italiana (CEI) Mons. Ambrogio Spreafico (sexta-feira, 30, às 10h35). o bispo Michael Chalupka da Igreja Luterana na Áustria (sexta-feira, 30, às 12h50). Por fim, o pároco Luca Maria Negropresidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), sábado, 1º de maio, às 14h30.

convidados italianos

Entre os convidados italianos, aliás, também o diácono Alessandra Trotta, moderador do Tavola Valdese. a pastora Mirella Manocchiopresidente da Obra das Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (OPCEMI). John Archdeacon, presidente da União Cristã Evangélica Batista da Itália (UCEBI). a pastora Gabriela Liopresidente da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI).


Para saber mais:

Fotos retiradas do site do CELI

Nos destacamos pela nossa liberdade. Entrevista com Cordelia Vitiello, representante legal do CELI e conselheiro da FLM, além de presidente do Hospital Evangélico Betânia de Nápoles. Envolvido em vários projetos diaconais em Nápoles e arredores. Filho de mãe alemã e pai napolitano, Vitiello representa “a alma bicultural do CELI”.

A Igreja é visível sobretudo através da diaconia. Entrevista com Christine Fettig, leigo consistorial de Trieste. “Christine Fettig é segurança. Em sua comunidade, em Trieste, sabem que podem contar com ela para tudo”. Um de seus temas é a justiça de gênero.

É importante começar as coisas. Entrevista com Kirsten Thielevice-reitor CELI. “A decisão sobre uma posição oficial do CELI em relação à justiça de gênero está muito próxima do meu coração. O documento não precisa conter todos os aspectos do assunto. Nem tudo tem que estar ali, não temos que ficar atolado querendo exagerar. É importante votar um documento que seja a posição oficial do CELI como ponto de partida para todos os trabalhos futuros”…

Novo formato – novas rotas?. Entrevista com Ingrid Pfrommer, vice-presidente do Sínodo do CELI, sobre os desafios de um sínodo online. “Uma experiência completamente nova”. Pela primeira vez, ela é responsável por todo o planejamento do Sínodo junto com o presidente Wolfgang Prader.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

A Semana Metodista e Valdense #semsínodo está se encerrando

A Semana Metodista e Valdense #semsínodo está se encerrando

Um dos momentos da Semana #semsínodo das igrejas metodistas e valdenses no Templo da Torre Pellice (Turim). agosto de 2020 Torre Pellice (To) (SSSMV/09), 29 de agosto de 2020 – A resenha “Gerações e Regeneração. Cuidar de pessoas, memórias e territórios”, que está a decorrer nos vales valdenses nos dias habitualmente dedicados ao Sínodo das Igrejas Metodistas e Valdenses, este ano adiado devido à covid-19. Saudações e discurso de encerramento do moderador da Mesa Valdense, diácono Alessandra Trottasão esperados no final do encontro das 16h00 na Casa Valdense, durante o qual serão apresentados os projetos Otto per mille das igrejas valdense e metodista para a emergência da covid-19. O montante total de Otto por mil fundos para a Igreja Evangélica Valdense – União das Igrejas Metodista e Valdense é, para 2020, de 42.839.013 euros. Estamos falando do ano fiscal de 2016, no qual 547.519 pessoas se inscreveram na associação Otto por mil valdenses. Os fundos serão alocados como todos os anos para programas educacionais, intervenções sociais e de saúde e projetos de cooperação na Itália e no exterior. Foram recebidos 4500 pedidos para 2020. Graças ao Otto per mille Waldensian, 8 milhões de euros já foram alocados em abril para a emergência do coronavírus. Nem um euro do Otto por mil às igrejas valdenses e metodistas vai para fins de culto, e boa parte dos fundos recebidos é investido em projetos geridos por associações não evangélicas e em grande parte atribuíveis a outros componentes do Terceiro Setor. A reunião de domingo, dia 30 de agosto, conta com a participação do diretor geral da ASL To3, médico Flávio Borasopelo diretor do distrito de Pinerolo ASL To3, médico Paula Fasanodo diretor da Diaconia Valdese Valli (DVV) Manuela Rivoirado membro da Comissão Sinodal para a Diaconia – Diaconia Valdense (CSD), diácono Máximo Longodo pastor da igreja valdense de Pinerolo Gênero Gianni e o diretor da Cáritas diocesana de Pinerolo Rocco Nastasi. NB As reuniões da semana #senzasinodo são realizadas ao ar livre, sob uma estrutura tensionada montada com total segurança e de acordo com as regras de distanciamento físico, no jardim da Casa Valdese na Torre Pellice. As reuniões públicas também estão disponíveis em streaming na página do Facebook da Igreja Valdense e no site www.chiesavaldese.org. Aqui está o programa completo e atualizado dos compromissos da Semana Metodista e Valdense Todos os insights desta semana estão disponíveis nesta página. FACTSHEET Igrejas metodistas e valdenses na Itália Parceiros de mídia: www.rbe.it – www.riforma.it A agência de notícias evangélica NEV-news estará presente como Assessoria de Imprensa a partir de segunda-feira 24 de agosto na “Casa Valdese” em Torre Pellice – www.nev.it – Twitter: @nev_it – FB: @AgenziaNEV – [email protected] (NEVCS/33) ...

Ler artigo
Testamento Vital – Nevada

Testamento Vital – Nevada

Roma (NEV), 24 de novembro de 2010 – A possibilidade de deixar a própria vontade em termos de tratamentos de saúde a serem submetidos no caso de não poder expressá-la diretamente ao pessoal de saúde é uma consequência lógica da prática do consentimento informado. Esta prática, se conduzida de forma honesta e correta, estabelece uma nova relação entre o médico e o paciente ao relacionar dois sujeitos dotados de autonomia de decisão e vinculados por uma relação de colaboração e respeito. O chamado “testamento vital” é o meio pelo qual a prática do consentimento informado pode ser estendida na eventualidade da incapacidade do paciente de se expressar. É a forma como se imagina a autonomia decisória do paciente, daquele que pode nos enviar sua decisão para além de sua capacidade de expressá-la. Isso deve ser saudado como uma grande oportunidade. No entanto, na Itália não existe uma lei que regule o assunto, pelo contrário, este assunto foi fortemente ideologizado a ponto de reduzir uma questão complexa a lados opostos. Quem é a favor do testamento vital seria contra a vida, portador de uma cultura da morte, adepto de práticas de eutanásia, na verdade tanto o fim dos tratamentos como a sua continuação podem ser expressos nas diretivas antecipadas, dependendo das decisões dos as pessoas individuais. Na Itália, muitos cidadãos recorreram a municípios, igrejas e associações que organizaram a coleta antecipada de testamentos. Em Milão, Nápoles, Trieste, Turim e outros lugares, as igrejas valdenses e metodistas estabeleceram pontos de encontro, abertos a todos. A motivação para esta escolha por parte das igrejas cristãs significa, antes de tudo, avaliar positivamente a autonomia de decisão de um sujeito humano que, por ter tido a capacidade de escolher no auge de sua vida, pode tê-la em vista de sua morte. Em segundo lugar, esta abordagem é portadora de uma concepção de Estado que é chamada a regular as escolhas dos cidadãos do ponto de vista da convivência civil e não a impor escolhas privadas com base em princípios morais inequívocos. Infelizmente, na semana passada, foi emitida a circular dos Ministérios da Saúde, Previdência e Interior dirigida aos municípios italianos, segundo a qual, não havendo lei que atribua competência aos municípios na matéria, declara os registros nos quais a vontade dos cidadãos. A competência nesta matéria é do legislador nacional que, no entanto, ainda não legislou. A iniciativa das autarquias foi apresentada como escárnio dos cidadãos porque aqueles testamentos não têm valor legal. A tentativa de conter, senão intimidar, essas iniciativas da sociedade civil e a opinião expressa pelos cidadãos parece evidente. Pensar que no caso Englaro, justamente a ausência de testamento escrito constituía mais um obstáculo para o fim dos tratamentos. Estes acontecimentos são, em última análise, a prova de que o Estado não pretende dar valor à decisão, e às escolhas éticas dos cidadãos que são necessariamente plurais e continua a perseguir a ideia de um Estado ético que acredita poder também coagir escolhas tão privadas e pessoal, passando por cima dos corpos e das suas histórias reais, e das relações humanas em que se desenrolam as escolhas individuais: família, amigos, mas também médicos e profissionais de saúde. ...

Ler artigo
hospitalidade eucarística

hospitalidade eucarística

Foto Debby Hudson - Unsplash Roma (NEV), 6 de fevereiro de 2019 – Há um espaço de debate sobre o tema da hospitalidade eucarística onde os interessados ​​em praticar a aceitação mútua da “Santa Ceia protestante” e da “Eucaristia católica” nas igrejas podem aprofundar experiências e práticas ecumênicas. Trata-se do folheto intitulado “Hospitalidade Eucarística” editado por alguns membros do grupo ecumênico “Partir o Pão”, que inclui crentes individuais protestantes e católicos. O grupo, nascido no campo ecumênico em 2011 em Turim, envolve também igrejas, mosteiros e paróquias e em 2017 produziu um interessante questionário sobre o tema. “O termo 'hóspede' indica tanto aquele que oferece hospitalidade como aquele que a recebe, pois ambos os sujeitos, embora com papéis diferentes, estão unidos por um valor superior: a hospitalidade – lê-se no subtítulo da folha -. Assim, a 'hospitalidade eucarística' é uma forma de dizer que somos todos hóspedes do único Senhor que nos acolhe e acolhe com todas as nossas diferenças. A Ceia pertence ao Senhor, não às Igrejas”. Na última edição do livrinho, uma carta solicita um debate sobre a consciência com que um crente aborda os elementos da Santa Ceia. Entre as respostas, a de Margarida Ricciuti, que recorda as ocasiões de intercâmbio e encontro, em que se pratica a hospitalidade e a partilha da Ceia do Senhor, momentos em que «Leigos e religiosos, apesar das proibições da Igreja Católica, decidiram romper as fileiras e seguir em frente, movidos pela sua própria necessidade espiritual, mas também exortando à retomada de um processo unitário que está estagnado há algum tempo - escreve Ricciuti -; aliás, o Concílio Vaticano II sancionou, também para os católicos, o primado da própria consciência... A distinção, a meu ver, reside na propensão a aceitar as coisas como são, ou a querer contribuir para a sua melhoria, e isso depende apenas em parte pelos regulamentos das nossas igrejas e pelos cargos que eventualmente venhamos a ocupar, mas sobretudo depende das escolhas pessoais de cada um de nós”. Para comunicações e informações sobre a “Hospitalidade Eucarística” e o Jantar da “Partida do Pão”: grupo Turim Margherita Ricciuti, Igreja Valdense. E-mail: [email protected] Grupo Avellino/Salerno Pietro Urciuoli, Igreja Católica. E-mail: [email protected] ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.