COP27.  Papel fundamental das mulheres, dos jovens e do G77 para o clima

COP27. Papel fundamental das mulheres, dos jovens e do G77 para o clima

Imagem de arquivo, evento #FridayForFuture 2019 –

Roma (NEV), 21 de novembro de 2022 – A 27ª Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (COP27) foi concluída. Realizada em Sharm el-Sheikh, no Egito, a conferência parece ter dado alguns passos à frente e muitos passos para o lado. Em suma, não difere muito das sessões anteriores em Paris e Glasgow.

“A COP 27, observando o comportamento e os discursos dos grandes do mundo, não traz nada de novo”, declarou Maria Elena Lacquaniti. Lacquaniti é coordenador da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI).

“Comportamentos que se repetem, como o da China que consegue sempre fugir aos compromissos formais. Compromissos irrisórios, como o assumido pela América pela voz de seu presidente (depois dos anos anteriores de obscurantismo). $ 150.000.000 para os esforços de adaptação da África não parece ser um grande salto de generosidade em comparação com o quanto a América dá em armas e ajuda a uma única nação como a Ucrânia. Além disso, como denuncia o jovem ativista ugandense Vanessa Nakatenão pode ser muito eficaz uma conferência onde há proibição de manifestação e a liberdade de expressão crítica é amordaçada”, continuou Lacquaniti.

Dar espaço aos países em desenvolvimento do “G77”

Alguns sinais, no entanto, chegaram. “Apesar destas iniciativas pouco promissoras, o positivo é que o fundo de perdas e danos foi constituído e está a cargo de uma comissão de transição que, até ao final de 2023, vai comunicar quem terá de pagar e a quem – voltou a referir. o coordenador do GLAM –. O que é um pouco questionável é que o Egito vai liderar esse comitê, que ainda não respeitou os acordos feitos pessoalmente na COP de Paris e que tem um dos campos de gás mais importantes. Mais positivo ainda é que cada vez mais espaço (e Deus me livre se for o contrário) está sendo dado aos representantes do G77, países em desenvolvimento e vulneráveis, liderados pelo ministro paquistanês Sherry Rehman que conseguiu obter, com o apoio da UE, a compensação histórica”.

A voz dos vulneráveis ​​que tira a máscara dos grandes poluidores

O papel feminino é fundamental, segundo Lacquaniti: “Mais uma mulher foi aplaudida de pé. O primeiro-ministro de Barbados Mia Mottley, que mostrou, contas em mãos, que um imposto de 10% sobre os lucros de grandes empresas de combustíveis fósseis contribuiria com US$ 37 bilhões para o financiamento climático, apenas nos primeiros nove meses de 2022”. E concluiu: “Tenho vontade de dizer que a voz dos vulneráveis ​​está cada vez mais forte e a máscara está caindo da cara dos grandes poluidores, atacados por baixo, por políticos e ativistas que lutam com seu próprio povo para dar uma voz para todos os países frágeis devido à pobreza e à vulnerabilidade climática. São, sem dúvida, vencedores. Agora cabe-nos trabalhar para que o que conseguimos seja bem sucedido, estando vigilantes e trabalhando (parece um leitmotivmas não é) com todas as forças à nossa disposição, individual e coletivamente”.

Compromisso juvenil: pelas igrejas, pelo clima

Muitas organizações religiosas participaram dos trabalhos, com iniciativas paralelas e como observadores. Da Itália foi registrado Irene Abbraembaixador do clima do Conselho Metodista Europeu, bem como representante da campanha global Climate YES liderada por jovens cristãos entre 18 e 30 anos.

Em uma extensa reportagem sobre Riforma.it, Irene Abra escreve: “Além dos jovens do constituição das Nações Unidas é importante sublinhar a presença de vários activistas de Clima SIM. […] anglicanos verdesFederação Luterana Mundial, Christian Aid, Tearfund, All Africa Conference of Churches e ActAlliancefizeram um grande trabalho no Egito, assim como nas diferentes confissões religiosas”.

A COP27, explica o jovem ativista, “concluída após inúmeras interrupções e adiamentos do plenário”. Um empurra e puxa representativo das dificuldades que esta nomeação enfrenta há anos.

“A decisão final da COP27 não é das mais satisfatórias e às vezes parece muito generalista e nada ambiciosa”, diz Irene Abra. De fato, apesar da criação do Provisão para perdas e danos (Perda e Danos), “importante ponto de inflexão” ao colocar na agenda política mundial, pela primeira vez, a questão da assistência financeira a favor dos países em desenvolvimento “para salvar e reconstruir as infraestruturas físicas e sociais devastadas por fenômenos meteorológicos extremos”, há ainda muito a fazer. Depois, há a questão do “financiamento climático”, um dos objetivos que faltam nesta COP. E o “buraco na água” dos compromissos nacionais, atualizado por 33 países em 200. Faltam 167 nações. Assim como faltam os compromissos de redução de combustíveis fósseis e os de mitigação.

Leia a reportagem de Irene Abra no Riforma.it

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

“Este Mediterrâneo é de todos nós”

“Este Mediterrâneo é de todos nós”

Roma (NEV), 31 de julho de 2023 – Em 29 de julho de 2013, dez anos atrás, Paul Dall'Oglio estava sendo apreendido em Raqqa. Nos últimos dias, lemos vários testemunhos sobre o padre fundador da comunidade monástica de Deir Mar Musa, na Síria. Também nos lembramos dele por meio de suas próprias palavras, alguns meses antes de sua morte. Em 25 de outubro de 2012, Dall'Oglio esteve em Roma, como convidado do Centro Inter-religioso para a Paz (CIPAX), como parte do workshop "Democracia participativa e->é paz / Guerra e paz na Síria". . Padre Dall'Oglio concluiu assim seu discurso, que reproduzimos na íntegra no final da página em uma transcrição não revisada pelo orador. . Para saber mais: "A radicalidade de sua escolha diz com a voz de um canto litúrgico que o diálogo e o encontro entre as fés não podem mais ser apenas objeto de reflexão de conferência e disciplina acadêmica, mas devem ter cheiro de vida" escreve Tonio Dell'Olio em Mosaico di pace . – A coragem de Paulo (mosaicodipace.it) Avvenire fala do "testamento" de Dall'Oglio, o desejo de ser irmão de todos Mattarella: mantenha viva a memória do Padre Dall'Oglio, testemunha de paz e esperança - Vatican News Décimo aniversário do sequestro do Padre Paolo Dall'Oglio, declaração do Presidente Meloni | www.governo.it No site da CIPAX Discurso do Padre Paolo dall'Oglio (transcrição não revisada pelo orador): Encontro com o Padre Paolo dall'olio (cipax-roma.it) na Atividade 2012-2013 DEMOCRACIA PARTICIPATIVA E->É PAZ Guerra e paz na Síria Encontro de 25 de outubro de 2012 com Paolo DALL'OGLIO, Carolina POPOLANI, Francesca PACI, Adnane MOKRANI, Gian Mario GILLIO. Fonte: cipax-roma.it ...

Ler artigo
O pré-sínodo da Federação das Mulheres Evangélicas

O pré-sínodo da Federação das Mulheres Evangélicas

Roma (NEV), 5 de agosto de 2021 – O Sínodo das Igrejas Metodista e Valdense está de volta e os compromissos habituais que animam também os dias que antecedem o evento. A FDEI (Federação das Mulheres Evangélicas na Itália) organiza em especial o Pré Sínodo FDEI - FFEVM (Federação das Mulheres Evangélicas Valdenses e Metodistas) no dia 21 de agosto de 2021 às 17h na plataforma zoom da Reforma. A mesa redonda, explicam os promotores, “será um momento de reflexão e confronto com um olhar para o futuro”. O tema escolhido pela FDEI e pela FFEVM para o pré-sínodo é: “Mulher e trabalho, dignidade e desenvolvimento sustentável. Como proceder, que caminho seguir, num contexto em que o trabalho se transforma e se vislumbra um lento esvaziamento de direitos? Quais podem ser as novas formas de proteção e quais são os desafios que enfrentamos?”. Eles participarão do debate Shqiponja Dostichefe do departamento de imigração da CGIL Roma e Lazio, Simona Menghinidiretor de comunicação da Oracle Italia, Antonella Visintin, coordenador da GLAM, Comissão de Globalização e Meio Ambiente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália. Moderado Doriana Giudiciespecialista em direitos da mulher no mundo do trabalho e na sociedade. ...

Ler artigo
Em memória de Lidia Pöet, primeira advogada na Itália

Em memória de Lidia Pöet, primeira advogada na Itália

Fotos do blog O centro Roma (NEV), 28 de julho de 2021 – A primeira mulher advogada na Itália foi uma valdense, Lidia Pöet. Hoje, em Turim, será nomeado um parque infantil em sua memória, dentro dos jardins "Nicola Grosa", localizados entre Corso Inglese e Corso Vittorio Emanuele II e via Falcone e via Cavalli. Prefeito estará presente na solenidade Chiara AppendinoVice-presidente adjunto da Câmara Municipal Enzo Lavoltao presidente do Distrito 3, Frances Troiseo presidente do Conselho da Ordem dos Advogados de Turim, Simona Grabi. “Lidia Poët foi a primeira mulher inscrita na ordem profissional dos advogados – lê-se no site da administração da capital piemontesa -. Tendo obtido o seu diploma com nota máxima em 17 de junho de 1881, com uma tese sobre o direito de voto das mulheres, tendo concluído o estágio e aprovado o exame de qualificação para a advocacia, Lidia Poët em 1883 obteve o registro na Ordem dos Advogados e Procuradores de Turim . Registro cancelado por sentença da Corte de Apelação de Turim, confirmada pela Corte de Cassação e, definitivamente, na Corte de Apelação. Por fim, o advogado Poët só conseguirá o registro na Ordem em 1920, aos 65 anos, após a aprovação no Parlamento da Lei Sacchi, que autorizava oficialmente as mulheres a ingressarem em cargos públicos”. Aqui é possível ouvir o episódio do ciclo "Vidas que não são tuas - Espíritos livres", elaborado pela revista e centro de estudos Confronti para a Rádio Rai Tre, editado pela Marzia Coronatique conta a história da valdense Lidia Pöet. “A primeira aluna a cruzar o limiar de uma universidade de direito italiana e contra a opinião dos que pensam bem sempre exerceu e colocou suas habilidades jurídicas à disposição dos mais fracos – lê-se na apresentação do podcast Confronti -. Durante sua vida agitada, Pöet cruzou caminhos César Lombroso, Victor Hugo, Paul Verlain, Guy del Maupassant, Gianni Agnelli…Cada uma delas ficou maravilhada com o seu profissionalismo e brilhantismo, numa época em que o fórum era frequentado exclusivamente por homens”. Lídia Poët, de família valdense, nasceu em Traverse, povoado de Perrero em Val Germanasca (TO), em 1855. Formou-se professora em 1878 e matriculou-se, contra a vontade do pai, na Faculdade de Direito da Universidade de Turim. Formou-se em 1881 com uma tese sobre a condição da mulher na sociedade, com especial atenção à questão do voto feminino. Ela é a primeira mulher na Itália a se formar em direito. Ele passa nos exames para se tornar procurador-geral e se inscreve para ser admitido na Ordem dos Advogados. A Ordem dos Advogados de Turim se divide, mas permite que Poët se registre. Decisão impugnada pelo procurador do Rei no Tribunal da Relação, que, invocando razões legais devido à falta de regras sobre o exercício da profissão pelo sexo feminino, bloqueia tudo. O recurso de Poët foi indeferido, mas ela exerceu a profissão, mais ou menos informalmente, em Pinerolo com o irmão advogado, dedicando-se sobretudo à defesa dos menores e nunca deixando de travar as batalhas pela emancipação feminina. Os anos passam, a Grande Guerra estoura, os homens deixam suas casas vazias e os deveres públicos descobertos. Para as mulheres, esta trágica circunstância torna-se uma oportunidade para afirmar a sua centralidade na sociedade e, em 1919, a lei que abre as carreiras profissionais às mulheres fotografa uma realidade já em curso. Em 1920, Lidia Poët, agora com sessenta e quatro anos, tornou-se a primeira advogada da Itália. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.