Covid19 e prática religiosa.  Viminale consulta outras confissões que não a católica

Covid19 e prática religiosa. Viminale consulta outras confissões que não a católica

Foto: Annie Spratt, de unsplash.com

Roma (NEV), 6 de maio de 2020 – Um procedimento inédito, ditado pela emergência Covid 19, que levou o Ministério do Interior a organizar ontem uma conferência online com representantes das várias áreas confessionais, para definir um protocolo de conduta que permita ao diversas comunidades de fé retomem pelo menos algumas atividades, cumprindo as normas de prevenção indicadas pela Presidência do Conselho. Participaram do encontro representantes da União das comunidades judaica, bahá’í e sikh, das igrejas ortodoxa e anglicana, de associações islâmicas, dos mórmons. Pelas igrejas evangélicas, esteve presente o Presidente da FCEI, pároco Luca M. Negro; os pastores Caetano Montante representando as Assembléias de Deus na Itália (ADI); Michele Passerettipara a Consulta Evangélica; David Romanopara a União Cristã Adventista.

A reunião foi convocada e presidida pelo prefeito Michael DiBariDiretor do Departamento de Liberdades Cívicas e Imigração que, trazendo as saudações do Ministro do Interior Luciana Lamorgeseconvidou todos os participantes a reportar quaisquer questões críticas detetadas na prática dos religiosos das várias comunidades e a comprometerem-se para que sejam cumpridas as normas de segurança e prevenção do contágio são adotadas e aplicadas escrupulosamente e no interesse da comunidade também nos locais de culto.

“As igrejas da FCEI – disse o Presidente Negro – apreciam a iniciativa do Ministério que reconhece a importância do pluralismo religioso e inicia um diálogo com vários representantes confessionais. Eles também confirmam sua atitude de responsabilidade: reconhecemos a gravidade da situação – sublinhou – e apoiamos as medidas tomadas pelo governo e pelas regiões para conter a propagação do vírus. Ao mesmo tempo – continuou Negro – apontamos a necessidade de os pastores poderem exercer a sua actividade deslocando-se pelo território, ultrapassando mesmo as fronteiras regionais e que, à medida que a normalidade se aproxima, será possível aos fiéis chegarem a lugares de culto mesmo quando estão longe de suas residências”.

Profs. Pierluigi Consorti da Universidade de Pisa e Paulo Naso della Sapienza – Universidade de Roma, apreciando “o método adotado – como afirma este último – e reconhecendo a sentido de responsabilidade com que as diversas confissões reorganizaram as atividades pastorais e litúrgicas, em nome de um princípio superior e universal como a segurança coletiva. Quanto às questões ainda em aberto – prosseguiu – deverão ser enfrentadas adotando o método da analogia pela qual a liberdade de circulação e organização adotada para outras figuras profissionais e outras formações sociais deve ser reconhecida também para ministros de religião e comunidades religiosas “.

Para a FCEI foi, portanto, “uma reunião indubitavelmente positiva”, como concluiu também o prefeito Di Bari, anunciando a apresentação de um protocolo que valorizará as observações surgidas durante o encontro ou que, dentro em breve, as diversas confissões enviarão ao Ministério do Interior.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

A chamada de 2021 para o concurso Otto per mille Valdensian abre em 4 de janeiro

A chamada de 2021 para o concurso Otto per mille Valdensian abre em 4 de janeiro

Roma (NEV), 3 de janeiro de 2021 – Amanhã, segunda-feira, 4 de janeiro, abre oficialmente o concurso Otto per Mille Valdese 2021 para a apresentação de projetos. Aqui, na seção "enviar um projeto" no site da OPM, o resumo de todas as informações úteis para participar. A chamada para apresentação de projetos estará aberta por três semanas, até a próxima segunda-feira, 25 de janeiro de 2021. Todas as entidades solicitantes, associações, ONGs terão que se cadastrar para enviar um pedido de contribuição. As diretrizes Otto per Mille da União das igrejas metodistas e valdenses e as instruções para usar a plataforma apropriada podem ser baixadas nesta página. As candidaturas podem ser apresentadas em italiano e em inglês. Aqui o detalhe de como foram gastos os fundos de 2019, enquanto aqui uma análise mais aprofundada em conjunto com o gestor do OPM, Manuela Viñay. ...

Ler artigo
Agora da religião, Tar acolhe apelo

Agora da religião, Tar acolhe apelo

Roma (NEV), 31 de julho de 2023 – Um aluno da quarta série que não quer mais frequentar as aulas de religião. O nº da escola que frequenta, em Florença, motivado pelo calendário da apresentação do pedido de inscrição no ensino alternativo. E o posterior recurso ao Tribunal Administrativo Regional da Toscana pela família da criança. Tar que dá provimento ao recurso, conforme explica a edição florentina do jornal neste artigo A Repúblicae teria ainda condenado o diretor da escola a pagar três mil euros em despesas. Mas qual é o significado dessa decisão? Nós perguntamos Ilaria Valenzi, advogado, assessor jurídico da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, que modera a seção de estudos da Comissão de Estudos, Diálogo e Integração (COSDI) da mesma Federação. “A decisão do TAR da Toscana afirma um princípio cada vez mais forte, confirmando o que já foi expresso em ocasiões anteriores, sempre em relação ao direito de escolha dos alunos e das famílias: a liberdade religiosa e a liberdade de consciência não podem ser submetidas a compactação, nem mesmo por motivos organizacionais. Embora as escolas necessitem de saber atempadamente a escolha dos alunos em recorrer ou não ao ensino facultativo da religião católica (IRC) e, por isso, seja estabelecido um prazo de ano para ano para fazer essa escolha, esta não pode limitar o direito de mudar de ideia. Da mesma forma, o direito de não recorrer ao IRC pode ser exercido ainda que nos anos lectivos anteriores o aluno tenha optado pela frequência da aula de religião confessional. Uma escolha feita no início do ciclo escolar – explica Valenzi – não pode, de fato, condicionar o exercício de um direito constitucionalmente garantido, que pode ser acionado a qualquer momento com proteção integral. Isso se aplica a todas as etapas do curso de estudo e também após o início do ano letivo. Da mesma forma, a opção pela frequência da “hora alternativa” pode ser solicitada mesmo que o aluno não elegível tenha manifestado previamente uma opção diferente (estudo individual ou saída da escola): quando a opção correta é exercida, a escola é obrigada a ativar o ensino. Em suma, a decisão do Tar confirma que os prazos para o exercício do direito constitucional de liberdade de consciência e religião não podem ser peremptórios: ou seja, não podem ter efeito limitante sobre o direito de escolha, que sempre prevalece”. Entretanto, o ano letivo recomeçará em setembro e o tema provavelmente voltará. Que perspectivas para o futuro, no que diz respeito ao debate sobre a hora da religião? “A porcentagem de alunos e alunas que, principalmente no ensino médio, não fazem uso do ensino da religião católica é um número cada vez mais significativo – afirma Valenzi -. Isso significa, por um lado, que se abre um espaço para um pedido de proteção e a necessidade de vigiar cada vez mais para que o direito à liberdade de consciência e religião não seja violado; por outro, que aumenta o apelo ao pluralismo de ideias, convidando todas as entidades seculares a participarem com propostas de caminhos de inclusão, cidadania ativa e educação para a democracia. Neste sentido, a FCEI quer envolver-se tanto no que diz respeito aos instrumentos de defesa dos direitos dos alunos e das famílias, como com propostas de trabalho e reflexões que tenham em conta as mudanças religiosas e culturais que caracterizam o nosso tecido social. O novo pluralismo religioso é uma realidade que, sobretudo nas escolas, não pode ser ignorada, constituindo também um instrumento essencial para a integração recíproca e para o conhecimento profundo do outro. Isso só pode acontecer respeitando o princípio da laicidade, atentando para a sensibilidade de cada um, sem imposições confessionais”. Para saber mais: ...

Ler artigo
Inteligência artificial: oportunidade ou risco?

Inteligência artificial: oportunidade ou risco?

Detalhe do Chroma V de Yunchul Kim. Bienal de Veneza 2022, Pavilhão da República da Coreia, Gyre - Curador: Youngchul Lee - Comissário: Arts Council Korea (Foto ER/nev) Roma (NEV), 12 de junho de 2023 - ano de 2054. Zero homicídios em Washington, graças ao sistema Precrime, baseado nas premonições de três indivíduos com poderes extra-sensoriais. A polícia intervém com antecedência e prende os potenciais "perpetradores". É a trama de Minority Report, filme com Tom Cruise dirigido por Steven Spielberg Baseado na história de ficção científica de mesmo nome de Philip K. Dick. Ano 2023. Itália. O Ministério do Interior gostaria de equipar as delegacias de polícia em toda a Itália com "Giove", um novo sistema de polícia preditiva (uma questão parlamentar sobre o assunto foi apresentada ao Senado em 7 de junho). Trata-se de um software baseado em um algoritmo de inteligência artificial que, por meio de bancos de dados policiais, tenta calcular a probabilidade de um crime. A Inteligência Artificial desperta interesse, atração e medo. Nós conversamos sobre isso com Gianluca Fiuscorecentemente eleito para o Comitê Executivo Europeu da Associação Mundial para a Comunicação Cristã (WACC), e com Stefano Frache, engenheiro e tradutor, entre os curadores das diretrizes do projeto "Bem-estar das sociedades e locais de trabalho digitalizados" promovido pela rede "Ação da Igreja pelo Trabalho e pela Vida". Fiusco e Frache nos dão um panorama da complexidade e do fascínio da inteligência artificial (e humana), que faz parte do nosso cotidiano. São questões que nos desafiam como cidadãos e como instituições, inclusive religiosas. “Hoje assistimos a uma polarização entre os que confiam na tecnologia e os que desconfiam dela. Mas essa abordagem não faz nada além de alimentar um dualismo funcional ao sistema binário: 1-0. Algoritmos tendem a agrupar pessoas semelhantes mantendo grupos distintos e distantes uns dos outros em bolhas virtuais. Assim a contaminação não se desenvolve, as ideias ficam confinadas à esfera onde foram concebidas e o pensamento não amadurece, não evolui. Vozes críticas são expostas aos fãs, odiadas e silenciadas. Acontece até nos parlamentos e até nas igrejas – diz Fiusco -. No entanto, como seres humanos somos muito mais complexos e articulados do que a métrica binária. Trazer nossas vidas de volta para mapas e algoritmos corre o risco de produzir efeitos imprevisíveis não apenas em nossa estrutura mental e neural, mas também em nossas sociedades. A reescrita dos 'códigos' humanos, da convivência social, da vida democrática são questões tão importantes quanto as mudanças climáticas”, diz Gianluca Fiusco, que lembra também o empenho do WACC na elaboração de conteúdos sobre algoritmos, discriminação, polarização e exclusão digital . “Algoritmos desenvolvidos segundo critérios subjetivos refletem os efeitos do colonialismo, do racismo e dos desequilíbrios sistêmicos de poder e agravam as desigualdades e discriminações existentes” diz o Manifesto pela justiça digital elaborado pelo Simpósio “Comunicação para a justiça social na era digital” organizado pelo WACC e o Conselho Mundial de Igrejas (CEC) em 2021. Audre Lorde ele escreveu “As ferramentas do mestre nunca irão desmantelar a casa do mestre. Eles podem nos permitir vencê-lo temporariamente em seu próprio jogo, mas nunca nos permitirão fazer uma mudança real." A partir dessa advertência, diz Fiusco, “o WACC teve a oportunidade de refletir o quanto os instrumentos de opressão não podem ser aplicados de forma eficaz para combater a própria opressão”. Opressor que muitas vezes coincide com “homem, branco, rico”. Fiusco também lembra como as igrejas, durante a pandemia, "muitas vezes se reuniam virtualmente em plataformas financiadas por lobbies de alta tecnologia, que usam uma tecnologia semelhante, senão a mesma, ao reconhecimento facial ou aos sistemas de mira de armas... a falta de pastores foi resolvida ligando uma webcam”. Não se pode e não se deve ter medo do desenvolvimento tecnológico, argumenta Fiusco, “mas as igrejas, talvez mais do que outras organizações, têm o dever de se perguntar se esse é o modelo de comunidade que querem fomentar. Se, isto é, a fé hoje, parafraseando a Epístola aos Romanos, nasce mais do que da escuta, da conexão. Algumas realidades eclesiásticas (adventistas, luteranos, pentecostais) lançaram há muito tempo um processo de reflexão e experimentação avançada sobre animação digital para comunidades. Trata-se, portanto, de ter vontade e convicção para conceber e experimentar um modelo de mudança em que as Igrejas se sintam questionadas: capazes de investir tempo, teologia, recursos, visão, questionamentos. Na consciência de já estar atrasado”. Stefano Frache ecoa: “A IA pode parecer programada para fazer coisas perturbadoras, mas podemos analisar suas implicações de várias perspectivas. Há um funcionamento interno, difícil de explicar, e um efeito externo. Os cenários que retratam a IA como monstruosamente autônoma não levam em conta o fato de que há muitas pessoas por trás dos agregados de dados e informações. O processamento pode ser aprimorado, no sentido da generalização, mas esses sistemas não sintetizam o pensamento, não extraem significado. Esta é uma forma de habilidade que não requer o desenvolvimento de um algoritmo, falar sobre IA dessa forma é enganoso. Vejo um risco maior em relação à privacidade e gerenciamento e manipulação de informações. O ostracismo tecnológico não é uma resposta, é irreal. Não podemos colocar um estilingue e uma ogiva de míssil no mesmo nível…”. Frache continua: “Com as eleições americanas de 2016, testemunhamos o primeiro caso bipartidário de interferência nos processos de formação da opinião pública. Se as opiniões podem ser influenciadas com IA, é claro que precisamos de ferramentas para nos defender, até porque no futuro o embate será entre sistemas cada vez mais evoluídos. Ainda falando de filmes, normalmente pensamos em jogos de guerra… mas coisas assim acontecem todos os dias, em graus variados, com ferramentas diferentes. A dissuasão é construída, interromper o desenvolvimento é prejudicial e perigoso…” Há, novamente, o tema ético, que inevitavelmente se confunde com o dos negócios: “Totalitarismos e visões imperialistas não são apetites apaziguados. Por onde circulam negócios e dinheiro, fique de olho. O medo não ajuda nisso, porque se estamos com medo não conseguimos entender como podemos nos defender. Também se aplica a golpes. Cada vez mais vítimas, não só (mais) entre os idosos. Não é ser travesso, é ser esperto para não ser enganado. E para isso é preciso inovação, pesquisa e conscientização”, continua Stefano Frache. E conclui: “É preciso construir e entender a confiabilidade da informação. Temos medo da IA, mas não temos medo dessa tecnologia que carregamos no bolso todos os dias e da qual ninguém fala. Lembremos que a mudança também é influenciada por escolhas de comportamento e de compra. Precisamos voltar na estratificação da tecnologia, que dos sistemas operacionais, às plataformas, chega depois aos consumidores, passando pelos pilotos explorados, só para dar um exemplo. No entanto, as multinacionais são influenciadas por 3% dos consumidores, não 50%… veja o caso da Chiquita. Pouco menos de 3% de abandono foi suficiente para mudar as condições de exploração dos agricultores. Quando uma massa pequena, mas coerente, muda de comportamento, a mudança já foi acionada. Pensar que você é irrelevante porque está em desvantagem numérica pode ser uma desculpa perigosa para sair, em vez disso, você precisa manter uma forte motivação e não desistir”. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.