Igrejas conciliares ecumênicas.  Ioan Sauca secretário-geral interino

Igrejas conciliares ecumênicas. Ioan Sauca secretário-geral interino

Ioan Sauca. Foto Albin Hillert – CEC

Roma (NEV), 3 de março de 2020 – Padre Ioan Sauca foi nomeado secretário-geral interino do Conselho Mundial de Igrejas (CMI) a partir de 1º de abril. Sauca, atualmente vice-secretário geral do programa de educação ecumênica do CMI e do Instituto Ecumênico Bossey, ocupará o cargo até o próximo Comitê Executivo.

A liderança do Comitê Central do CMI decidiu adiar para junho a reunião marcada para 18 e 24 de março, bem como a do Comitê Executivo que deveria tê-la precedido, à luz das preocupações e da atual disseminação internacional do Coronavírus (COVID19). .

O moderador do CMI, Agnes Abuom, pediu apoio e orações à comunidade global, dirigindo palavras de confiança a Sauca. O atual Secretário Geral, pároco Olav Fykse Tveit, deixará o CEC em 31 de março e em 26 de abril em Trondheim assumirá o cargo de novo presidente do Conselho da Igreja da Noruega, órgão executivo da principal igreja episcopal do país escandinavo, que prevê a responsabilidade de a catedral de Nidaros e o bispado da diocese. Tveit apresentará seu relatório final ao Comitê Central em agosto.

Sauca, que vem da Igreja Ortodoxa na Romênia, é professor de missiologia e teologia ecumênica em Bossey desde 1998 e diretor desde 2001. Desde 2014 é vice-secretário geral do CEC. Sauca juntou-se ao CMI pela primeira vez em 1994 como Secretário Executivo para Estudos Ortodoxos e Relações Missionárias. Ele primeiro ensinou missão e ecumenismo na faculdade de teologia em Sibiu, Romênia, e serviu seu patriarcado como chefe do recém-criado Departamento de Imprensa e Comunicações, responsável pelas relações externas e ecumênicas da igreja e pela instrução religiosa nas escolas públicas. Sauca estudou nas Faculdades Teológicas de Sibiu e Bucareste, Romênia, e recebeu seu doutorado em Teologia pela Universidade de Birmingham, Reino Unido. Ele também estudou na Escola de Pós-Graduação do Bossey Ecumenical Institute.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

A onda pentecostal e o precipício católico

A onda pentecostal e o precipício católico

Roma (NEV), 25 de julho de 2018 – O ensaio do cientista político Paolo Naso intitula-se “A onda pentecostal e o precipício católico”, publicado na edição de julho da revista geopolítica “Limes”, dedicada a “Francisco e o estado do igreja”. O artigo de Naso está incluído na segunda seção do volume, dedicada aos "desafiadores" da Igreja Católica. E certamente o movimento pentecostal pode ser considerado feroz concorrenteem constante e consistente crescimento na África, mas sobretudo na América Latina, o continente do papa "veio do fim do mundo". Naso mostra como o "penhasco católico" se relacionou com a "onda pentecostal": primeiro com hostilidade aberta (recíproca), mitigada na época do pontificado de Bento XVI "em homenagem à convergência comum em questões éticas: não ao aborto, ao homossexualidade e famílias gays”. Em vez disso, Bergoglio introduziu "uma estratégia de diálogo" baseada nas relações de fraternidade. Segundo alguns, seria uma “teologia da amizade” que “gera consenso a um preço baixíssimo”. Segundo outros, seria "mais uma rendição de um papa muito orientado para o ecumenismo". Naso se inclina para uma terceira análise que vê o diálogo empreendido pelo Papa Francisco como “fruto de uma experiência e reflexão sobre as perspectivas do cristianismo que, projetando-se para o Sul global, acaba interceptando o pentecostalismo em todos os seus quantitativos e qualitativos”. O ensaio recorda as relações do então bispo de Buenos Aires com o mundo pentecostal argentino; o encontro na Itália, em Caserta, com o pároco Giovanni Traettino da Igreja da reconciliação; o pedido de perdão aos católicos que, baseando-se na circular Bufarrini Guidi de 1935 - aquela que definia o culto pentecostal como "prejudicial à integridade física e mental da raça" - perseguiam os pentecostais em nosso país. Em conclusão, de acordo com Naso, “a estratégia de Francisco não é acidental ou instrumentalmente dialógica. Vindo dos 'fins do mundo', onde o pentecostalismo cresce mais rapidamente, o papa argentino sabe bem que seu crescimento também soa como uma crítica às formas tradicionais do catolicismo e a busca de uma espiritualidade à qual as Igrejas estabelecidas parecem incapazes de dar uma resposta". No que diz respeito ao movimento pentecostal, cabe destacar que o último número da International Review of Mission, revista do Conselho Mundial de Igrejas (CEC), é dedicado à "Teologia Pentecostal da missão" com artigos, em inglês , amplamente assinada por expoentes do mundo pentecostal internacional. ...

Ler artigo
O desaparecimento de Giovanni Mottura

O desaparecimento de Giovanni Mottura

O de Panzieri e seu grupo - entre eles muitos evangélicos - era um socialismo "libertário"; certamente atento ao papel da classe trabalhadora, mas não estritamente operário; “pragmática”, no sentido de vincular teoria e compromisso, método e experimentação. O cadernos vermelhos eles constituíram uma referência importante para uma geração de evangélicos que, em alguns casos, assumiriam papéis importantes na vida da Igreja Valdense. Eles também foram uma escola que posteriormente levou Giovanni a se medir contra os tumultuados fenômenos sociais da década de 1960, começando com a imigração para Turim e as lutas dos trabalhadores e dos estudantes. Fê-lo a partir de dentro, com participação militante e compromisso. Em anos que correram muito rápido, a perspectiva de mudança social e política foi muito concreta e, em um país que se polarizava, até as igrejas evangélicas foram atravessadas por debates e tensões. Foram os anos de estudo da imigração em Turim onde chegaram as "Nápoles", da colaboração com juventude evangélica e outras revistas como Investigação, uma revista que combinava compromisso político e análise social; trocas intelectuais com Vittorio Rieser e Enrico Pugliese, Maria Imaculada Macioti mas também Mario Miegge, Giorgio Bouchard e outros expoentes do protestantismo italiano. Com a atenção cautelosa, mas benevolente dos anciãos, uma nova geração de intelectuais leigos, teólogos e pastores assumiu o tema da mudança social e até mesmo da "revolução" como uma questão teológica. Revista juventude evangélicadirigido por Giorgio Bouchard primeiro e Marco Rostan mais tarde, tornou-se o centro de uma linha teológica e política para a qual Mottura também deu uma importante contribuição. A sua foi, por exemplo, uma formulação destinada a perdurar no tempo e a desencadear uma enxurrada de reações contrárias e escandalizadas: “Nós nos confessamos cristãos, nos declaramos marxistas”. Para alguns, essa fórmula reduzia a fé a uma ideologia política temporária, pregando um fundamentalismo de "esquerda" pouco compartilhado na base das igrejas. Na realidade, essa frase - à qual Giovanni frequentemente voltava em várias entrevistas, mesmo décadas depois - significava outra coisa. Em outras palavras, ele pretendia afirmar e reiterar a alteridade entre o nível teológico da confissão de fé e o nível histórico e político da declaração política; não invocou a síntese, mas, ao contrário, enfatizou uma distinção tipicamente barthiana entre o nível absoluto da revelação cristã e o nível relativo e contingente da opção política e ideológica. Os vestígios dessa época permanecem num volume de Gabriel De Ceccocom prefácio de Giovanni, publicado pela Claudiana em 2011, e uma longa entrevista em vídeo produzido pela Sérgio Veludo intitulado “Aqueles que fizeram isso”. Nos anos seguintes, sua carreira acadêmica, enriquecida por estudos e viagens aos Estados Unidos, trouxe Giovanni de Portici para a escola de sociologia agrícola em Manlio Rossi Doria, onde produziu importantes estudos sobre a agricultura meridional. Na Universidade de Modena e Reggio, onde concluiu a sua carreira académica, Giovanni foi dos primeiros a lidar com os imigrantes e, em particular, com as parcelas do mercado de trabalho que abrangem: funcionais à produção mas rejeitadas a nível social. Não poucas vezes Giovanni colocou suas habilidades à disposição das igrejas evangélicas: isso aconteceu nos anos de intervenção da Federação das igrejas evangélicas na Itália (FCEI) após o terremoto de Irpinia, quando uma frutífera reflexão sobre o Sul e o novo desafios que colocou; mais recentemente em várias conferências da FCEI sobre imigração, a última na Calábria - em Rosarno - em outubro de 2019. Na ocasião, as igrejas evangélicas lançaram um projeto de trabalho original para combater a contratação ilegal, apoiar a economia ecológica e legal, restaurar as condições sociais e habitacionais dignidade aos migrantes engajados na cadeia agrícola. João estava lá. Leia em Riforma.it ...

Ler artigo
Igrejas reformadas em todo o mundo.  A palavra às Igrejas do Oriente Médio e de Gaza

Igrejas reformadas em todo o mundo. A palavra às Igrejas do Oriente Médio e de Gaza

Roma (NEV), 27 de abril de 2021 – O "processo de discernimento" da Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas (CMCR) continua. É um ciclo de encontros online sobre o tema "COVID e além". O próximo compromisso é quarta-feira, 28 de abril, às 15h, uma oportunidade para compartilhar ideias e reflexões sobre áreas de particular urgência. No contexto da pandemia de covid-19, as igrejas são chamadas a responder à injustiça e à crise. Este encontro conta com a participação das igrejas do Oriente Médio com uma apresentação intitulada "Fé em meio às calamidades". Esta região é caracterizada por instabilidade, incerteza e problemas constantes. As igrejas reformadas no Egito, Líbano, Irã, Iraque e Síria são uma parte inseparável de suas sociedades. Eles estão experimentando diferentes tipos de calamidades. "No entanto - lê-se na apresentação do evento -, em meio a essas calamidades, essas igrejas estão experimentando a presença de Deus. E estão ouvindo seu chamado para levar fé e esperança às suas sociedades". A segunda apresentação enfoca especificamente o povo palestino, com quem o CMCR tem se engajado em prol da justiça e da esperança. A intervenção tem por base o documento “Cry for Hope: A Call to Decisive Action” da coligação Kairós Palestina, que a CMCR convida a assinar. Entre os temas: os últimos despejos forçados de famílias palestinas, a situação difícil da população de Gaza e as aspirações dos jovens. Uma reflexão teológica também deve ser feita sobre a situação palestina no contexto do colonialismo, ocupação e império. O círculo de compartilhamento será transmitido ao vivo nas páginas do CMCR no Facebook, em inglês, francês, espanhol e postado no canal WCRC no YouTube. Você pode participar com comentários e mensagens escrevendo para este endereço de e-mail: [email protected] O que Deus quer de nós? “O que Deus quer de nós? Discernir, confessar e testemunhar no tempo do COVID-19 e além." É o processo de discernimento, com duração de um ano, tendo em vista o encontro presencial previsto para o final de 2021. O caminho culminará com a confissão coletiva da Comunhão por ocasião da Assembleia Geral de 2024, intitulada “Um Deus de vida”. Mais informações estão disponíveis em wcrc.ch/require. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.