Justiça e igualdade de gênero: expressões de fé

Justiça e igualdade de gênero: expressões de fé

Frame retirado do vídeo de apresentação do documento sobre justiça de gênero da Federação Luterana Mundial (FLM)

Roma (NEV), 6 de maio de 2021 – A igualdade de gênero é uma expressão de fé. Isso emerge da declaração programática sobre justiça de gênero aprovada pelo Sínodo da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI).

A moção foi aprovada por ampla maioria durante a 2ª sessão do XXIII Sínodo, realizada de 29 de abril a 1º de maio passado, cujo tema foi “Continuidade, mudança, futuro. Misericórdia como responsabilidade da Igreja”.

História

Em 2013, a Federação Luterana Mundial (FLM) se posicionou oficialmente com o documento programático “Política de Justiça de Gênero”. Em 2015, a Rede CELI de Mulheres o apresentou ao Sínodo, como um “documento de interesse geral”. Então, em 2018, o Sínodo forma uma Comissão especial para redigir uma declaração. O primeiro rascunho, inspirado no documento Luterano Mundial, tem 20 páginas. A Comissão está, portanto, trabalhando em uma versão resumida de 2 páginas. O documento foi discutido e comentado em comunidades e conselhos de igreja. As sugestões levaram a uma nova reelaboração, para depois chegar à aprovação com modificações durante este XXIII Sínodo.

“Demorou mais um ano, mas agora temos um documento apoiado por todos com amplo consenso – disse o vice-reitor, pároco Kirsten Thiele – . A discussão foi viva, concreta e profunda. Acho esse passo fundamental, no que diz respeito à aprovação de documentos essenciais. Desculpa ter demorado, mas dessa vez valeu a pena. E isso me lembra de quando, há muitos anos, aprovamos a resolução para a bênção de casais não casados. Foi o mesmo processo, discutimos, até com entusiasmo, na nossa igreja, porque nem todos estavam de acordo, mas discutindo nas comunidades, no final, chegamos à unanimidade”. Esses processos participativos de tomada de decisão, explica Thiele, permitem chegar a uma votação que vai além do conceito de minorias e maiorias: “Discutimos uns aos outros porque o argumento é sentido e chegamos a algo realmente compartilhado”.

Os 56 Sínodos focaram em palavras individuais. A discussão foi longa, “mas discutir mais é útil – prossegue o vice-reitor -. Dizemos o que pensamos, mas também é verdade que a linguagem molda nosso pensamento. Por isso, a comissão prestou atenção ao uso correto e inclusivo da linguagem, que é a base do pensamento; então, você tem que agir de acordo”.

o movimento

Photo Clay Banks – Unsplash

Na introdução do documento lemos: “A justiça de género constitui um compromisso constante do CELI por uma sociedade inclusiva que garanta a igualdade de oportunidades para todas as pessoas, contribuindo assim para que todos * possam viver no pleno respeito da dignidade pessoal independentemente da sua condição (pele cor, gênero, condição social, fé religiosa)”. Um pouco mais adiante, a moção fala da necessidade de incluir todos os grupos marginalizados: “Embora os direitos das minorias já estejam consagrados há algum tempo, os preconceitos e a discriminação das pessoas LGBTQIA+ infelizmente ainda estão fortemente enraizados na opinião de muitos. […] Também nós, enquanto CELI, não podemos ficar indiferentes a esta situação e devemos ser promotores de uma mudança”.

A justiça de gênero, portanto, assume a forma de pensar, falar e agir de forma diferente. A moção se desenvolve em 8 pontos nos quais o CELI se compromete: uma comunidade aberta a todos. Pelo reconhecimento do valor da pesquisa teológica que destaca o papel da mulher na Bíblia e promove seu conhecimento. Uma linguagem culturalmente sensível e inclusiva. A defesa dos direitos humanos em todos os lugares. A promoção, em todos os âmbitos da vida comunitária e eclesiástica, de uma consciência cada vez maior e do acolhimento pleno de cada pessoa. Contrastar todas as formas de violência verbal, física, sexual e psicológica. A promoção do diálogo e da comunicação não violenta, com total respeito pela outra pessoa, mesmo quando ela não concorda. Por uma participação plena e presença equilibrada de homens e mulheres nos diversos setores das igrejas luteranas no mundo.

Um documento corajoso

Heiner Bludau e Kirsten Thiele, respectivamente Reitor e Vice-reitor do CELI

O documento foi descrito como “corajoso”. Thiele afirma: “Não achei particularmente corajoso, porque para nós da igreja luterana, tanto na Itália como na Alemanha, deveria ser uma abordagem normal. Mas no contexto social não é assim. É um documento que se refere ao trabalho que realizamos junto às demais igrejas evangélicas da região, que promove a visão da mulher na Bíblia. Estou falando do trabalho de reelaboração da figura feminina. Existem muitas mulheres, mesmo nas histórias bíblicas, que são um pouco submissas. Às vezes é preciso ler nas entrelinhas, ver bem as palavras e ler o que não está escrito, o que não está dito. Mas as mulheres estão lá. E dizê-lo, sim, é corajoso e novo”.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Oito para cada mil valdenses, cada vez mais pedidos de jovens e cultura

Oito para cada mil valdenses, cada vez mais pedidos de jovens e cultura

foto Abigail Low, unsplash Roma (NEV), 29 de janeiro de 2021 – Cada vez mais pedidos de fundos do Otto per mille Valdese, confirmando uma tendência de crescimento constante nos últimos três anos. Com um aumento significativo de candidaturas para atividades culturais, que passam de 443 para 626, e para a promoção do bem-estar e crescimento de crianças e jovens: foram 747, em 2020 foram 661, em 2019 este setor envolveu 531 projetos . No total, foram apresentadas 4914 candidaturas, das quais 961 no estrangeiro e 3953 em Itália (haviam sido 3573 em 2020). “Os números de 2021 nos dizem que o terceiro setor está preocupado com os efeitos da pandemia, com razão”, afirma. Manuela Vinaychefe do escritório Otto per mille das igrejas valdense e metodista. No que diz respeito à Itália, os projetos de combate à pobreza também crescem há dois anos: são 420 em 2021, enquanto em 2020 eram 339. Ainda com referência aos últimos dois anos, os projetos de combate à violência de gênero e os para idosos. Mais de 700, como também aconteceu em 2020, candidaturas a intervenções relativas a pessoas com deficiência (que são o segundo maior setor, em número de pedidos apresentados, a seguir aos jovens). Por outro lado, os pedidos de acolhimento e inclusão de migrantes têm apresentado uma evolução negativa nos últimos dois anos: 344 em 2019, 294 no ano passado e 276 hoje. O mesmo vale para os projetos – 124 este ano, 147 no ano passado – em presídios. Por fim, as iniciativas para o meio ambiente estão estáveis: de 107 no ano passado para 133 em 2021 (mas em 2019 haviam sido “apenas” 58). No estrangeiro, porém, a educação (173 candidaturas) e as intervenções de saúde e proteção da saúde (155) são as duas áreas de maior interesse. “A pandemia tem um efeito direto nos pedidos de financiamento que recebemos – diz Vinay -. Com o pedido de desembolso de fundos encerrado em 2021, o número de solicitações aumenta, como dissemos, chegando a quase 5.000, cerca de 4.000 dos quais para projetos a serem realizados na Itália e quase mil no exterior. Em nossa opinião, o aumento de projetos voltados para crianças e adolescentes, de combate à pobreza, de saúde e de promoção de atividades culturais reflete os efeitos sociais da pandemia. Nesta tendência – continua Vinay – encontramos uma atitude de confiança cada vez maior no sistema de gestão de recursos Otto per mille adotado pelas igrejas valdenses e metodistas. Sistema que, como se sabe, exclui a possibilidade de financiamento das atividades religiosas e a elas ligadas, mas destina a totalidade do seu valor a programas sociais, culturais e de cooperação. Os fundos disponíveis em 2021 - conclui o responsável do gabinete Otto per mille - ascendem a cerca de 40 milhões de euros que queremos 'devolver' à sociedade civil, àquele tecido de entidades, comunidades religiosas e seculares, associações que, neste saúde de emergência e assistência social, realizam um trabalho precioso de cuidado e apoio, que chega também às pessoas mais solitárias, marginalizadas e invisíveis". Agora todos os pedidos ao Otto per mille das Igrejas Valdense e Metodista passarão pelo escrutínio da fase preliminar: ou seja, será verificada a regularidade formal dos pedidos, respeitando as diretrizes da convocação de 2021, que foram publicado no site ottopermillevaldese.org. Apenas as candidaturas devidamente submetidas serão avaliadas pelos seus méritos por uma comissão de voluntários que em breve iniciará os seus trabalhos. Os projetos aprovados pelo Tavola Valdese serão apresentados ao Sínodo no próximo mês de agosto, e depois a lista definitiva dos pedidos aceitos será publicada no portal 8×1000 até setembro. As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo
O protestantismo é belicista?

O protestantismo é belicista?

Foto de Ben White - Unsplash Roma (NEV), 14 de outubro de 2022 – Entre os inimigos da paz na Ucrânia está também o bloco anglo-americano, e não é de se estranhar “porque os anglo-saxões são de origem protestante: para eles, calçar botas (de soldados) no terreno é bastante normal, porque a ordem deve ser mantida e a política e a guerra na visão protestante são apenas sistemas mundanos, caracterizados por regras autônomas de engajamento e não sobrecarregados por laços morais de derivação evangélica”. Lemos em um artigo na "Província" assinado por don Ângelo Rivadiretor do Semanário da Diocese de Como. Lamentamos porque os argumentos apresentados, além de superficiais e estereotipados – não falta a citação aproximada de Weber sobre a ligação entre capitalismo e protestantismo – demonstram como o caminho ecumênico ainda carece de conhecimento mútuo, compreensão e revisão de clichês que dificultam o caminho que várias igrejas tentam fazer juntas. Em nota particular, o autor do artigo corrigiu seu ponto e admitiu ter ido longe demais em análises e referências que merecem muito mais estudo. Tomamos nota disso e, portanto, podemos considerar o incidente encerrado. No entanto, alguns comentários são necessários. O protestantismo tem responsabilidades históricas bem conhecidas e somos nós protestantes que reconhecemos isso, a partir de Lutero, também alimentou a semente violenta do antijudaísmo; que a escravidão foi aceita e até abençoada por muito tempo pelas comunidades protestantes que queriam construir um "mundo novo" e se colocar como modelo de civilização diante do mundo, "como uma cidade sobre uma colina", citando o Evangelho de Mateus; e, novamente, poderíamos dizer do segregacionismo, ou da blasfema justificação teológica do apartheid. Em suma, não é difícil extrair argumentos do arquivo da história para alimentar um antiprotestantismo que, aliás em um país como a Itália, há muito é alimentado e sustentado com armas, repressão e discriminação. Mas quem fere pela controvérsia, perece pela controvérsia e, colocando-se ao mesmo nível e relembrando as cruzadas e a caça aos "hereges" (valdenses e outros), Torquemada e a Inquisição, o Syllabus e as generosas bênçãos às tropas coloniais italianas na África, a partida pode ser equilibrada. Mas que sentido isso faria? Qual é o valor espiritual dessa risível disputa fora do tempo e fora do lugar sobre as sombras negras que também se projetam sobre as tradições religiosas? A cultura protestante não produz apenas anfíbios militares, como afirma uma vulgata superficial, mas também críticas ao poder estabelecido (as alas radicais da Reforma e os movimentos "puritanos" contra as igrejas "estabelecidas" e isto é, estatais); cultura de direitos humanosEleanor Roosevelt e toda a tradição liberal-democrática anglo-saxônica); martírio pela liberdadeDietrich Bonhoeffer); prática não violenta (Martin Luther King); modelos de reconciliação (as igrejas reformadas da África do Sul); uma visão ecumênica orientada para a paz (o Conselho Mundial de Igrejas). E para a frente. O ecumenismo de hoje e de amanhã, para crescer, precisa de estudo, de método, de rigor. Para isso, precisamos nos livrar de pré-julgamentos e repertórios fáceis de polêmicas. A credibilidade do anúncio cristão no mundo de hoje depende disso. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.