“Misericórdia no centro de cada ação”

“Misericórdia no centro de cada ação”

Roma (NEV/CELI), 28 de abril de 2021 – Às vésperas do Sínodo Luterano, o decano da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) Heiner Bludau nos convida a “Seguir o chamado de Jesus, mesmo que o caminho não seja seguro”.

Heiner Bludau é reitor da Igreja Evangélica Luterana na Itália há sete anos. A 2ª Sessão do XXIII Sínodo marca o início de seu último ano como decano e também de sua estada na Itália. O título do Sínodo, “Continuidade, mudança e futuro – a Misericórdia como responsabilidade da Igreja”, tem para ele um profundo significado teológico: a misericórdia como expressão de toda ação cristã, a partir da percepção – e consequente aceitação – da outro.

Faltam poucos dias para o Sínodo, o primeiro Sínodo online da história do CELI. Como ele se sente?

Devo admitir que, a longo prazo, estar sempre no escritório, à secretária, com a maior parte dos contactos limitados ao ecrã ou ao telefone – e agora também com o Sínodo nesta modalidade – é desgastante. Além disso, este é meu penúltimo sínodo. Na verdade, devo aposentar-me já em fevereiro de 2022, mas espero, também de forma voluntária, poder manter-me no cargo até ao verão de 2022.

A 2ª Sessão do XXIII Sínodo tem um título ambicioso: “Continuidade, mudança, futuro: a misericórdia como responsabilidade da Igreja”. Um título que aponta diretamente para a sociedade, mas que ao mesmo tempo tem um forte significado teológico.

Depois de 15 meses de pandemia, acho muito importante fazer um balanço. Onde estamos? Onde estamos indo? Talvez também: Quem somos nós (nos tornamos)? Nesta situação extrema da vida humana, a relação consigo e com os outros mudou, por vezes até profundamente. Muitas pessoas estão sob forte estresse. Muitos se encontram em uma situação de vida muito diferente. Você tem que estar ciente disso e saber como percebê-lo.

E é aqui que entra a misericórdia?

Exatamente. A misericórdia é muito mais do que apenas apoio diaconal e financeiro aos necessitados. Misericórdia significa perceber o próximo como um todo. Esteja aberto para perceber todas as outras pessoas como tal! Como igreja, somos uma instituição aberta à sociedade, mas firmemente enraizada em seu próprio centro. E este centro é fundamental como base de todos os impulsos que damos. Tem um forte impacto em todas as áreas, incluindo, claro, aquelas que vamos explorar durante o Sínodo nos grupos de trabalho: justiça de gênero, meio ambiente, diaconia, gestão da pandemia, juventude e digitalização. A misericórdia é um critério importante em todos os lugares.

A fortiori diz respeito à questão da justiça de gênero e ao documento do CELI que o Sínodo é chamado a discutir e adotar…

Isto é verdade. Com a questão de gênero é importante, ainda mais do que em outros campos, prestar atenção à vida conjunta da igreja, bem como à sociedade. A igualdade de todas as pessoas é para nós uma questão de fé. Eu percebo o outro como ele é! Estou muito feliz que antes do Sínodo este tema tenha sido levado às nossas comunidades e que todos tenham tido a oportunidade de contribuir com o documento.

E a misericórdia em relação ao meio ambiente?

Aqui a perspectiva muda novamente. Aqueles que veem Deus como Criador têm uma abordagem diferente daqueles que consideram a evolução como resultado do acaso. Nossas contribuições nascem em nosso centro que mencionei anteriormente, de um senso de responsabilidade pelo outro e pela criação. Isso também é misericórdia.

Você acha que, apesar do formato online do Sínodo, um verdadeiro debate pode se desenvolver e, acima de tudo, pode levar a resultados válidos?

A comparação com o outro é a base de nossas ações. Aqui vejo dois efeitos decorrentes da pandemia. Por um lado, uma grande dificuldade em manter vivo o diálogo, o confronto direto entre as pessoas. Por outro lado, também há aspectos positivos. Por exemplo, nós pastores do CELI e também os presidentes das comunidades nos aproximamos de certa forma por meio de frequentes reuniões online, estamos mais em contato uns com os outros do que antes. Isso certamente é uma consequência positiva, e vamos continuar nesse caminho. Por outro lado, temo que o formato digital exclua muito o elemento pessoal. Ainda somos uma igreja, não uma empresa. Um sínodo é sempre uma ocasião para um debate muito aberto, para uma discussão acalorada e comprometida, até mesmo para expressar críticas… Espero muito que tudo isso seja possível.

Com o secretário geral da Federação Luterana Mundial (FLM) Martin Junge, o CELI tem um convidado de honra muito especial…

Este convite e seu entusiasmo em aceitá-lo são fruto de uma colaboração mundial nascida com as comemorações dos 500 anos da excomunhão de Lutero. Achei muito positivo que a FLM tenha nos contatado explicitamente como igreja nacional italiana a respeito das celebrações planejadas com o Vaticano. A próxima reunião do Conselho FLM também deveria ter sido realizada em Roma, mas devido à Covid no final optaram por uma solução online. Aqui também a misericórdia entra em jogo novamente no sentido da percepção recíproca. Imagino que a fala de Junge será muito útil para nossa reflexão sobre continuidade, mudança e futuro.

Seu último ano começa com o Sínodo. Não só como decano, mas também como pároco da sua comunidade de Turim e da sua permanência na Itália. Já está começando a olhar para trás?

Sim, fui reitor por sete anos e no verão fará onze anos que moro na Itália e que cheguei à pequena Comunidade de Turim, que na época acabava de nascer. Devo dizer que esses onze anos foram mais emocionantes do que qualquer coisa que já vivi em minha vida profissional. Gosto muito de morar na Itália e sou muito apegada ao CELI. A Igreja sempre foi muito importante para mim, mas nunca me senti tão envolvida emocionalmente como com esta pequena Igreja na Diáspora. As coisas são possíveis aqui que funcionam de maneira diferente em outros lugares. A colaboração é mais próxima, o compromisso pessoal mais forte. Antes de chegar ao CELI eu jamais poderia me imaginar em um cargo de responsabilidade dentro da igreja. Mas, claro, cabe aos outros julgar. Eu tentei enfrentar esse desafio com todas as minhas forças. Estou em paz comigo mesmo. Fui acompanhado pela mesma imagem bíblica que me inspirou quando fui eleito reitor, uma imagem pela qual vivo: Jesus caminha sobre as águas e Pedro diz-lhe: Senhor, chama-me e eu seguir-te-ei… por um caminho que às vezes nem mesmo perceptível, que até parecerá inacessível, mas que emerge passo a passo olhando para Jesus.

Leia a entrevista de Nicole Steiner com Heiner Bludau no site do CELI

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Viagens e Fronteiras – Nevada

Viagens e Fronteiras – Nevada

Roma (NEV), 8 de dezembro de 2022 – Viagens e fronteiras serão discutidas no próximo episódio de "Protestantismo", a transmissão da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália transmitida pela Rai Tre no domingo, 11 de dezembro. “Milhões de pessoas em todo o mundo se mudam para escapar de guerras, mudanças climáticas, pobreza ou simplesmente para buscar um futuro melhor. Mas o direito de viajar é o mesmo para todos neste planeta? Ou as fronteiras muitas vezes se tornam paredes intransponíveis para os nascidos em algumas áreas do mundo? E as fronteiras dividem apenas nações diferentes ou também existem fronteiras dentro de um mesmo país?”, lê-se na apresentação do episódio. O maestro da transmissão será como sempre Cláudio Paravati. No estúdio a contribuição do escritor Djarah Kan e de Paulo Naso. Os autores dos serviços são Bárbara batalhacom entrevista de dois jovens afegãos e relato do mais recente corredor humanitário para a população afegã, do Paquistão, e Sara Maniseracom uma reportagem sobre o festival de cinema de Rosarno, um dos projetos realizados graças ao albergue solidário "Dambe so" da Mediterranean Hope, o programa de migrantes e refugiados da FCEI, e uma ficha informativa sobre o direito de viajar e o "peso específico" dos diferentes passaportes. O episódio será transmitido no domingo, 11 de dezembro, às 7h, as reprises serão transmitidas na noite de terça-feira, 13 de dezembro, às 13h10, na noite de quarta-feira, 14 de dezembro, às 13h10, finalmente na noite de segunda-feira, 19 de dezembro, às 13h45, novamente no Rai 3. ...

Ler artigo
#AbuDhabi.  500 líderes religiosos em diálogo

#AbuDhabi. 500 líderes religiosos em diálogo

Imagem retirada de www.humanfraternitymeeting.com Roma (NEV), 4 de fevereiro de 2019 – O conferência global da fraternidade humana, conferência inter-religiosa internacional em Abu-Dhabi, Emirados Árabes Unidos. Organizado pelo Conselho Muçulmano de Anciãos como parte do Ano Internacional da Moderação, contou com a presença de líderes religiosos de todo o mundo, incluindo o secretário-geral do Conselho Mundial de Igrejas (CMI). Olav Fykse Tveit. As religiões devem ser “o antídoto contra o ódio e especialmente contra o flagelo do racismo – declarou Tveit -. A má influência do racismo no mundo de hoje nos desafia, qualquer que seja nossa fé, a colocar em prática o ensinamento de amor que recebemos: amar todos os nossos irmãos e irmãs humanos e buscar para eles justiça e paz”. Tveit também mencionou os genocídios do século XX, alertando para o perigo de um regresso do ódio e sublinhou o valor da diversidade, que é importante "para a promoção da liberdade de religião e crença, para acções de solidariedade, a aplicar também entre diferentes comunidades religiosas. Precisamos de uma nova narrativa comunitária e de um novo 'pacto social'; também no Oriente Médio, berço de nossas três religiões abraâmicas. Sabemos que as convicções religiosas podem motivar fortes emoções, inclusive a agressão, o ódio, até a violência contra os outros – concluiu -. É, portanto, nossa responsabilidade refletir, difundir, como um espelho quando reflete a luz, o amor de Deus pela humanidade”. Imagem retirada de www.humanfraternitymeeting.com O encontro inter-religioso contou com a presença de autoridades cristãs ortodoxas, orientais e protestantes, entre elas Papa Francisco (primeiro papa a viajar para a península Arábica) e o Grande Imam de Al Azhar Al Tayyebo Ministro da Tolerância dos Emirados Árabes Unidos Sheikh Nahyan bin Mubarak Al Nahyano rabino-chefe da Polônia Michael Schudriche e delegações islâmicas da Ucrânia, Argélia, Líbano, Mauritânia, Tunísia, Azerbaijão, Cazaquistão, Malásia, Indonésia, Bósnia, Albânia, Kosovo, Croácia, Rússia, Índia e Paquistão. Da Itália, o representante muçulmano foi o presidente da Comunidade Religiosa Islâmica Italiana (COREIS), Imam Yahya Pallavicini. Definida como um evento histórico, que pela primeira vez reuniu tantas personalidades religiosas do mundo árabe, a conferência conta com dezenas de workshops e palestrantes de diversas religiões, 500 participantes e inúmeros temas abordados: princípios da fraternidade humana, noção de cidadania, luta contra o extremismo, promoção do diálogo, defesa dos direitos dos oprimidos e perseguidos, questões morais e religiosas, individualismo e materialismo, fanatismo religioso e étnico, paz global, responsabilidade das organizações internacionais, humanitárias, educativas, culturais e mediáticas na construção e difundir a fraternidade, papel dos jovens. Somos uma família humana em um só mundo. A “fraternidade humana” é uma realidade, mas também uma questão de fé. Temos que provar o que isso significa em termos práticos, lutando juntos contra todas as formas de racismo e exclusão como povos de fé. Abu Dabi hoje. — Olav Fykse Tveit (@OlavTveit) 3 de fevereiro de 2019 #WCC secretário geral Rev. Dr. @OlavTveit encontra-se com o Dr. Ahmad At-Tayyeb, Grande Imam de #AlAzharna Conferência Global sobre @HumanFraternity organizado por #MuslimCouncilofElders. pic.twitter.com/f1yzyrLRip — Conselho Mundial de Igrejas (CMI) (@Oikoumene) 4 de fevereiro de 2019 ...

Ler artigo
#CECWACC2019.  Notícias falsas, teologia falsa

#CECWACC2019. Notícias falsas, teologia falsa

Anders Gadegaard Helsinque (NEV), 10 de abril de 2019 – A conferência organizada pela Associação Mundial para a Comunicação Cristã (WACC) – Região Europa e pela Conferência das Igrejas Europeias (KEK) foi aberta hoje em Helsinque, Finlândia). 50 delegados de várias igrejas e organismos ecumênicos europeus estão discutindo o tema: “O que nos deixa com tanta raiva? Discurso de ódio, notícias falsas e direitos de informação”. O trabalho começou com um culto na igreja alemã em Helsinque, cuja pregação foi supervisionada pelo pároco Juha Rajamaki sobre o texto de Marcos 14:53-61, o julgamento contra Jesus, Rajamäki destacou como Jesus ofereceu muitas respostas às barreiras do ódio e da raiva: silêncio, mas também palavras fortes; a luz da esperança que ilumina a sepultura escura; e finalmente, a partir de si mesmo, no sentido de fazer aos outros o que gostaríamos que nos fizessem. O pastor luterano dinamarquês Anders Gadegaardpresidente do grupo de comunicação do KEK, em vez disso, deu o primeiro relatório sobre "Falsa teologia, falsas notícias". “O poder sempre tentou manipular a informação para seus interesses. Informação gratuita e crítica representa uma garantia”, começou Gadegaard. “Passamos da pós-verdade para as fake news em pouco tempo e agora estamos caminhando para uma cultura da mentira, que tende a aceitar e legitimar o fato de que existem mentiras. Para nós cristãos - continuou - distinguir a realidade ou a mentira na informação passa pela revelação de Jesus, sobre a qual medimos qualquer outro fato. Para nós o Filho do homem, Deus que se faz homem, é a encarnação da verdade, assim como Jesus na cruz, e este é o critério a partir do qual partimos para codificar as mensagens. A partir daqui começamos a entender o que é verdadeiro e o que é falso: o quanto o que ouvimos difere de Jesus”. “Isso – continuou o luterano dinamarquês – nos permite ser críticos de todo poder humano, dos partidos, das personalidades, dos poderes financeiros, instituições e organizações, e também nos permite ser autocríticos. Ser crítico, no sentido de ser construtivo, solidário com a sociedade e para a sociedade, e ser autocrítico, consciente da imperfeição de cada sociedade”. Ao abordar o tema dos valores e modelos cristãos, Gadegaard falou em “desobediência civil”. “Embora eu preferisse falar da coragem civil – disse -, que é a inspiração que herdamos do evangelho. Todo cristão é chamado a ser corajoso pelo bem da maioria”. Sobre o tema da “falsa teologia”, inserida num contexto secular e ambíguo, Gadegaard afirmou: “Visto que vivemos num mundo imperfeito, todo fundamentalismo é uma falsidade, é um abuso, porque renuncia à crítica, na qual se baseia em vez disso, o movimento de reforma do século XVI. A Reforma, nesse sentido, continua ininterrupta. Devemos continuar a renovar-nos sempre, tanto na crítica teológica como no jornalismo. A ideia de que atos terroristas podem ser cometidos em nome de "deus" é uma falsa teologia; assim como a chamada 'teologia da prosperidade' é falsa teologia, quando equipara o sucesso na sociedade com a bênção divina”. “Mesmo aqueles que acreditam que o mundo espiritual e natural são dois reinos diferentes e devem ser separados um do outro, propõem uma falsa teologia, em contradição com as duas naturezas de Cristo, verdadeiro homem e verdadeiro Deus, em suas naturezas completamente unidas e interligadas. , misturado, e não dividido, como Lutero já explicou. Se misturarmos política e religião, teremos uma teocracia. Se os separarmos totalmente, perdemos os critérios de uma ética social”. Outra falsa teologia identificada por Gadegaard é a "nacionalista, segundo a qual todos afirmam viver onde nasceram como se fosse um direito dado por Deus. Vimos isso no nazismo, onde o conceito evangélico de Deus que escolhe foi distorcido. Deus escolhe quem acredita, mas como se reconhece quem é crente? Qualquer um pode acreditar, onde quer que tenha nascido. Esse tipo de interpretação é o oposto do ensino cristão que é transnacional porque transcende a ideia de fronteiras. Não há nada de errado em ter orgulho da própria identidade pessoal, da qual precisamos – concluiu Gadegaard –, mas isso se renova e enriquece continuamente no encontro com os outros. Reunir diferentes identidades é um enriquecimento do ponto de vista cristão. Jesus incluiu os estrangeiros por sua fé. E qualquer tipo de discurso de ódio está em contradição com a atitude cristã”. Os trabalhos continuarão amanhã em Estocolmo com as eleições para o novo comitê diretivo e serão concluídos em Helsinque na sexta-feira, 12 de abril. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.