Sínodo Luterano.  A caminho do futuro

Sínodo Luterano. A caminho do futuro

Roma (NEV/CELI CS10), 30 de abril de 2021 – O primeiro sínodo digital da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) foi aberto ontem. O Sínodo decorre na 2ª Sessão até amanhã. O XXIII Sínodo Luterano tem como título “Continuidade, mudança, futuro. Misericórdia como responsabilidade da Igreja”. Entre os temas: a misericórdia como chave para o futuro; o coronavírus acelerando a transformação digital. E ainda jovens, gênero, clima e serviço.

O Sínodo foi aberto com os Relatórios do Presidente do Sínodo Wolfgang Prader e o reitor Heiner Bludau às 75 pessoas conectadas, delegados e convidados, incluindo 56 sinodais.

À espera do convidado de honra, Martin JungeSecretário Geral da Federação Luterana Mundial (FLM) que falará às 15h.

“A pandemia e as consequentes restrições sociais tiveram um forte impacto não só na vida de cada indivíduo, mas também na vida da Igreja. E, portanto, também sobre a preparação e condução do Sínodo 2021”, lê-se no comunicado de imprensa do CELI.

O clima é “de otimismo, combinado com uma grande vontade de seguir em frente e começar de novo”, afirmam os luteranos. Como também surgiram dos relatórios do presidente sinodal, Wolfgang Prader e do reitor, Heiner Bludau.


Abertura do Sínodo Luterano

Os trabalhos começaram com o culto do Sínodo, quinta-feira, 29 de abril, às 18h00, e depois com o relatório do presidente sinodal, Wolfgang Prader, no cargo desde outubro passado. O relatório começou com um agradecimento especial ao reitor que passou os últimos meses construindo o primeiro sínodo digital da história luterana na Itália.

“O distanciamento social causado pela pandemia – disse Prader – acelerou a transformação digital”. O relatório sobre as atividades da presidência sinodal, escrevem os luteranos, é fortemente influenciado pelo Covid-19. As atividades dos grupos e comissões nunca pararam. “O resultado deste intenso trabalho preparatório – continuou o presidente Prader – ocupará o sínodo nos próximos dias e esperamos resultados frutíferos. Que nestes tempos difíceis, esta seja a esperança, que os nossos corações não fiquem nublados ou mesmo fechados pela inveja, ressentimento ou tristeza, mas abertos às nossas ações”.

Discurso de Dean Bludau

o reitor Heiner Bludau, no relatório de hoje da 2ª sessão, convidou os membros do sínodo a prestar uma atenção particular aos efeitos que o recurso à modalidade online tem sobre eles. “Ao olharmos para o futuro e discutirmos a digitalização da igreja, é importante estar ciente de todos os aspectos, positivos e negativos, do digital.” Bludau, cujo último ano como reitor começa com o Sínodo 2021, dedicou especial atenção à explicação do conceito de misericórdia, que junto com “futuro” é a palavra-chave do Sínodo 2021.

“Viver da misericórdia de Deus não significa dar esmola, mas voltar-se para o outro agarrando-o na sua plenitude”. Sobre a mudança tantas vezes invocada, especialmente nestes tempos de pandemia, convidou os membros do sínodo a refletir a fundo sobre qual caminho de renovação deve comprometer a Igreja. O sínodo será então convocado para aprovar um documento programático sobre justiça de gênero. Ainda a propósito deste tema, Dean Bludau referiu-se ao princípio da misericórdia. Também aqui será tarefa da Igreja trabalhar nesta direção para uma sociedade mais equitativa e mais aberta. As iniciativas a serem tomadas para os jovens, outro tema que aponta para o amanhã, não devem visar o recrutamento de novos membros para a igreja, uma ideia totalmente enganosa na sociedade atual, caracterizada pela mobilidade, mas devem ser concebidas como um acompanhamento de sua jornada à idade adulta.

Olhando para o futuro, o reitor Heiner Bludau quis então afirmar fortemente a identidade do CELI como igreja luterana na Itália.

Concluindo, o reitor disse: “Eu pessoalmente olho para o futuro com confiança, confiando naquele que é o verdadeiro mestre de nossa igreja, o Deus trino. O versículo de hoje, Isaías 9:6, de fato diz ‘Grande será o seu poder e a paz não terá fim’”.

Saudações da Spreafico

Pela manhã, o presidente da Comissão Episcopal para o Ecumenismo e o Diálogo da Conferência Episcopal Italiana (CEI), mons. Ambrogio Spreafico e o bispo Leon Novak da Igreja Evangélica da Confissão de Augsburgo, na Eslovênia.

Spreafico abriu seus cumprimentos com uma mensagem de carinho e amizade à presidência e ao Reitor Bludau. Falando em sofrimento, ele nos convidou a nos reunir para responder às perguntas dos homens e mulheres que carregam o peso da crise. Citando o Estatuto do CELI, Spreafico disse ter ficado favoravelmente impressionado com a ideia da centralidade da comunidade como “irmãos e irmãs do mesmo mestre”. Em seguida, sublinhou “a sinodalidade como manifestação de estarmos juntos em um caminho que nos une ao Senhor e uns aos outros”. Finalmente, mencionou os 20 anos da Carta Ecumênica. E os compromissos que dela derivam ainda hoje. Por caminhos comuns que nunca pararam. Com as comemorações dos 500 anos da Reforma. Com orações ecumênicas e outros encontros, que representam “sinais que dão esperança para um caminho comum com os cristãos de outras igrejas”. São passagens que tornam “a pergunta de Deus cada vez mais forte, mesmo que às vezes escondida. É nossa tarefa apreendê-lo, rumo ao Evangelho do Senhor. Os pobres nos ajudarão a entender com suas perguntas e gritos de socorro dos migrantes, refugiados, idosos em lares de idosos que estão sozinhos há muito tempo. Devemos ser sinal de amor e unidade, num tempo em que nacionalismos, muros e divisões parecem ser as únicas respostas ao medo e ao sofrimento. O Evangelho – conclui Spreafico – nos empurra para fora das cercas. Caminhar rumo à unidade e desfrutar da alegria daquilo que já nos une, com humildade e com a convicção da riqueza das diferenças, que podemos oferecer de presente ao mundo, especialmente hoje”.

Saudações de Novak

O bispo Novak trouxe as saudações dos irmãos da igreja da confissão augusta na Eslovênia que vivem em uma situação extrema de diáspora. “Graças ao Senhor pelos tantos projetos na diaconia. Nos cultos, no Aniversário da Reforma e além.” disse Novak, enfatizando a importância das visitas, amizades e colaboração. “Podemos trabalhar juntos. Aquele que busca o caminho será capaz de percorrê-lo.” concluiu, desejando a bênção de Deus sobre os trabalhos do sínodo.


para mais informações

clique aqui: e aqui

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

“Vamos nos juntar à voz daqueles que lutam nas ruas do mundo”

“Vamos nos juntar à voz daqueles que lutam nas ruas do mundo”

Najla Kassab prega do púlpito de Lutero em Wittenberg Roma (NEV), 31 de outubro de 2019 - O presidente da Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas (WCRC) Najla Kassab, o primeiro pároco eleito para o cargo e ex-representante do Sínodo Evangélico Nacional da Síria e Líbano, emitiu uma mensagem para o Dia da Reforma, que é comemorado em 31 de outubro em todo o mundo. Reproduzimo-lo na íntegra a seguir. Das ruas de Beirute, em meio a uma crise política, eu os saúdo hoje enquanto lembramos e celebramos o Dia da Reforma. Uma das lições mais fortes que a Reforma nos ensinou é a responsabilidade: que cada pessoa e líderes são responsáveis ​​perante a comunidade. Não há autoridade acima da responsabilidade. Por meio da prestação de contas, reformamos juntos e garantimos que nosso ministério e líderes trabalhem pelo Reino de Deus, pela justiça para todos. Se levamos a sério o desafio da Reforma permanente, de manter viva a Reforma, devemos aumentar a responsabilidade. Hoje muitas ruas ao redor do mundo estão em greve, em Beirute, Hong Kong, Iraque, Chile ou em outros lugares. As pessoas decidiram não se calar mais e os jovens arriscaram-se a ir às ruas pedir aos seus líderes que assumam a responsabilidade por uma vida digna para todos, levantando o seu grito contra a corrupção. Sim, os líderes devem ser responsabilizados e o que é injusto deve ser enfatizado. Apesar de cada país ter suas próprias causas de injustiça, o fator comum é que os jovens têm a coragem de falar e até de pagar um preço. É hora de pensarmos juntos como a mudança pode acontecer, seja ela gradual ou radical. O silêncio está entre as principais causas de injustiça, assim como a mentalidade de que não devo suportar problemas que não me digam respeito diretamente. Hoje, novamente, nossa Confissão de Acra nos lembra que questões de justiça econômica e ecológica não são apenas questões sociais, políticas e morais, mas são parte integrante da fé. Ser fiel à aliança de Deus exige que cada cristão e igreja se posicione contra as atuais injustiças econômicas e ambientais "vendo através dos olhos de pessoas desamparadas e sofredoras". As Igrejas e a sociedade são chamadas a ouvir o grito das pessoas que sofrem e a ferida da própria criação, superconsumida e desvalorizada pela atual economia global. Hoje o desafio é continuar denunciando a injustiça econômica, falar e usar nossa imaginação juntos para um futuro melhor. Hoje me refiro ao Testemunho de Wittenberg, com o qual nos comprometemos há dois anos com nossos irmãos e irmãs luteranos, dizendo juntos: Juntos, desejamos uma imaginação renovada do que significa ser igreja em comunhão – para o nosso mundo, em nosso tempo. Precisamos de novas imaginações para viver juntos, de forma a abraçar nossa unidade não apenas como um dom, mas também como um chamado. Precisamos de uma nova imaginação para sonhar com um mundo diferente, um mundo onde prevaleçam a justiça, a paz e a reconciliação. Precisamos de uma nova imaginação para praticar uma espiritualidade de resistência e uma visão profética, uma espiritualidade a serviço da vida, uma espiritualidade moldada pela missão de Deus. Neste dia unimos nossas vozes a todos aqueles que lutam nas ruas do mundo. Somos chamados a lembrar, com a força de “ficar aqui” pelos nossos valores, tendo fé, que independente de quantos somos, podemos fazer a diferença. Martinho Lutero ele nos encorajou a dizer “Aqui estou, não posso fazer outra coisa” mesmo quando isso significava pagar um preço. Hoje acrescentamos às palavras de Lutero: "Aqui falo". Acreditamos que podemos fazer a diferença e nos comprometemos com uma reforma que continua (sempre reformanda, ou seja, sempre reformada). em Cristo, Najla KassabPresidente da Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas (WCRC) ...

Ler artigo
24 de agosto de 1572: o massacre dos huguenotes

24 de agosto de 1572: o massacre dos huguenotes

Foto: Dea / Scala, Florença - tirada de Torre Pellice (NEV), 24 de agosto de 2023 – Em 24 de agosto de 1572 “Paris acordou – supondo que qualquer um dos seus habitantes pudesse ter dormido – num banho de sangue. De facto, durante a noite começou uma terrível carnificina que continuaria durante os três dias seguintes e que em pouco tempo se espalharia por outras cidades do reino de França”. José Javier Ruiz Ibáñez escreve na National Georaphic Storica. A rainha-mãe, a católica Caterina de' Medici, foi responsabilizada pelo massacre, também conhecido como "massacre de San Bartolomeo". Perguntamos ao pastor Rio Emanuelque entre outras coisas possui doutorado em história da igreja em Zurique, para comentar este dramático momento histórico. O contexto do massacre é o de dois lados opostos, o católico da família Guise e o calvinista em torno de Antonio di Borbone-Vendôme e do almirante Gaspard de Coligny. Catarina concorda em casar sua filha Margarida de Valois com o jovem protestante Henrique de Bourbon, rei de Navarra, na esperança de dar estabilidade à Coroa. Nos dias de festa, Coligny é ferido numa tentativa de assassinato. Na mesma noite os portões da cidade são fechados e o massacre começa. Coligny é morto, seu cadáver jogado pela janela, decapitado e arrastado pela rua. O Papa Gregório XIII, após o massacre, canta uma Te Deum ação de graças a São Luís dos Franceses. “Um dos elementos mais evidentes é representado pela traição da hospitalidade – disse Fiume -. A festa de casamento que se torna um massacre. Segue-se um banho de sangue, com os habitantes da cidade procurando os huguenotes para matá-los. Como na Conspiração Pazzi, ou em outros momentos históricos, por um dia a cidade está pingando sangue, mas no dia anterior e no dia seguinte tudo continua igual. É o que Sandro Pertini descreve como “indigno” do ser humano. O massacre de San Bartolomeo é uma expressão da bestialidade e do fracasso da diplomacia. Medo, sentimentos monárquicos e antimonárquicos se entrelaçam e afundam qualquer tentativa de conciliação – veja-se os Colóquios de Poissy, com a rainha regente que compara o general jesuíta Giacomo Laynez, sucessor de Santo Inácio, e Teodoro de Beza. Este episódio de hoje diz-nos que, antes de mais, não devemos esquecer. Se aconteceu, pode acontecer, temos visto episódios de massacres populares, ainda na ex-Iugoslávia. Certa fúria da multidão não se supera, sejamos cautelosos. O massacre dos huguenotes é uma página pouco conhecida, mas os massacres ainda estão aí, estão noutros lugares, mas acontecem. Poderíamos dizer que não foi apenas um conflito de religião, mas também um confronto entre diferentes formas e concepções de poder, numa época em que a reforma calvinista não era a verdadeira novidade, ou seja, o absolutismo, mas queria em certo sentido preservar de privilégios locais num sentido mais “federalista”, com a França de parlamentos locais. É uma textura cultural internacional que o calvinismo, tendo provocado imediatamente um deslocamento das elites devido à perseguição, criou muito cedo. Pode-se ver nele um projeto já europeu, que é percebido como uma ameaça, porque traz uma outra forma de ver as coisas. Do outro lado estava uma dinastia enfraquecida, que resistia à decadência. Um Valois casando-se com um Bourbon torna-se o momento crítico, após o qual, enquanto a paz é feita, a guerra é feita. Numa visão da realidade reconciliada teria então existido um rei protestante... mas a história diz-nos, em vez disso, vemos isso na iconografia de pessoas despedaçadas e atiradas ao Sena, no início dos pogroms locais, que se repete em Lyon e outros lugares, com a caça aos huguenotes. Portanto, ainda hoje precisamos estar vigilantes, porque a história nos ensina como é fácil passar da paz à guerra, da celebração ao derramamento de sangue”. ...

Ler artigo
Igrejas Protestantes da Europa Latina.  Que evolução?

Igrejas Protestantes da Europa Latina. Que evolução?

Foto tirada de Roma (NEV), 17 de outubro de 2022 – A Assembleia das Igrejas Protestantes do Sul da Europa (CEPPLE) será realizada nos dias 19, 20 e 21 de outubro na Sicília. Durante os três dias, também uma conferência de abertura intitulada: "Igrejas protestantes latinas, que evolução?". Entre os palestrantes, também o pároco Daniele Garronepresidente da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), bem como professor de Antigo Testamento na Faculdade Valdense de Teologia. Os membros italianos do CEPPLE são a União das Igrejas Metodistas e Valdenses e a União Cristã Evangélica Batista da Itália (UCEBI). O Delegado Titular para a Itália é sabina baral. Por sua vez, o CEPPLE faz parte da Comunhão das Igrejas Protestantes na Europa (CCPE). O CCPE representa cerca de 50 milhões de protestantes e reúne igrejas luteranas, metodistas e reformadas. Nasceu em torno do Acordo de Leuenberg assinado em 1973. É um documento que recompôs as divergências doutrinárias que dividiam protestantes luteranos e reformados, sobretudo em torno do entendimento da Ceia do Senhor: um exemplo exitoso de ecumenismo de “unidade na diversidade”. As igrejas da comunhão, enquanto permanecem independentes, reconhecem os ministérios, sacramentos e membros da igreja uns dos outros. Abaixo, o release de informações retirado do site chiesavaldese.org A CEPPLE (Conferência das Igrejas Protestantes dos Países Latinos da Europa) está organizando um seminário teológico nos dias 19 e 20 de outubro em Riesi, Sicília, sobre o tema "Igrejas Protestantes Latinas, que evolução?" palestrantes: Daniele Garrone (Professor de Antigo Testamento na a Faculdade Valdense de Teologia); Pastor Alfredo Abad, presidente do CEPPLE, e Sabina Baral, membro do comitê executivo do CEPPLE, seguido da Assembleia Geral. A Assembleia (quinta-feira, 20) constituirá uma etapa importante na vida do CEPPLE, pois permitirá avaliar as tarefas e colaborações que as Igrejas protestantes dos países latinos compartilham entre si. A Assembleia também providenciará a eleição de um novo presidente e do Comitê para um mandato de quatro anos. No dia 21 de outubro os delegados poderão visitar os centros de acolhimento de Scicli (RG) e Adelfia (RG) e ver o programa esperança mediterrânea sobre a imigração, iniciada pela Federação das Igrejas Protestantes na Itália. Com base em seu compromisso comum no CEPPLE, as Igrejas membros fortalecem a presença protestante nos países latinos da Europa. Nascido em 1950, o CEPPLE é composto por 19 Igrejas ou Federações Protestantes na Bélgica, França, Itália, Portugal, Espanha e Suíça. A sua atividade desenvolve-se em quatro áreas: intercâmbios no campo catequético; formação teológica; o papel das Igrejas diante da migração; reflexão e partilha de recursos sobre a presença das Igrejas no média e na web. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.