Igrejas reformadas em todo o mundo.  Círculo de compartilhamento: Europa, racismos globais

Igrejas reformadas em todo o mundo. Círculo de compartilhamento: Europa, racismos globais

Banco de Imagens – CMCR

Roma (NEV), 24 de fevereiro de 2021 – A Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas (CMCR) lançou um “processo de discernimento”. É um ciclo de encontros online sobre o tema “COVID e além”.

A próxima “roda de partilha” realiza-se hoje, quarta-feira, dia 24 de fevereiro, a partir das 15h00 (CET).

“A ideia do círculo de partilha – escreve o CMCR – é manifestar-se sobre temas de particular urgência no contexto da pandemia da COVID-19 e das injustiças a que ela expõe. A intenção é gerar ideias sobre como a Comunhão, em todos os níveis, deve responder à crise”.

Racismo, autoritarismo e nacionalismo

Esta sessão centrar-se-á nas apresentações do CMCR-Europa e do processo RAN (racismo, autoritarismo e nacionalismo).

Representantes das igrejas reformadas europeias falarão partindo deste conceito: “Não tenha medo em tempos de pandemia”.

A pandemia tem um impacto econômico especialmente nos mais pobres. “As igrejas – prossegue o CMCR – são chamadas a reconsiderar o papel que podem desempenhar nas sociedades secularizadas, transmitindo uma mensagem profética sobre temas como o Estado de direito e a democracia, as normas sanitárias e a proteção dos pobres”.

Os palestrantes do processo RAN abordarão o aumento crescente e muitas vezes violento de ideologias racistas. Tais ideologias, argumenta a Comunhão, são frequentemente alimentadas por discursos nacionalistas. “As forças de direita, alimentadas por ideologias racistas e quase fascistas, têm-se afirmado tanto na vida política como na política em muitas partes do mundo”, denuncia o CMCR.

Na conversa, será dada voz às comunidades vítimas da racialização ao redor do mundo, explorando as conexões entre racismo, autoritarismo e nacionalismo. Entre os pilares, as teologias da vida nos movimentos populares, que oferecem “a possibilidade de resistência e transformação”.

O círculo de compartilhamento será transmitido ao vivo nas páginas do CMCR no Facebook, em inglês, francês, espanhol e postado no canal WCRC no YouTube.

Você pode participar com comentários e mensagens escrevendo para este endereço de e-mail: [email protected]


“O que Deus quer de nós? Discernir, confessar e testemunhar no tempo do COVID-19 e além.” É o processo de discernimento, com duração de um ano, tendo em vista o encontro presencial previsto para o final de 2021.

O caminho culminará com a confissão coletiva da Comunhão por ocasião da Assembleia Geral de 2024, intitulada “Um Deus de vida”.

Mais informações estão disponíveis em wcrc.ch/require.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Erica Sfredda é a nova presidente da Secretaria de Atividades Ecumênicas

Erica Sfredda é a nova presidente da Secretaria de Atividades Ecumênicas

Erica Sfredda trabalha na Divisão de Finanças do Município de Torino e é membro ativo da Igreja Valdense, onde ocupa o cargo de pregadora local. Fizemos algumas perguntas a ela. É a primeira vez que a presidência da SAE é assumida por um protestante. O que esses dados representam na sua opinião? A associação sempre teve membros protestantes dentro do Comitê, pois a interdenominacionalidade, incluindo a gestão, sempre foi uma prioridade. O presidente é sobretudo a pessoa que representa publicamente a associação, dado que as decisões são sempre colegiadas e remetidas a toda a Comissão Executiva, que também ouve os dirigentes dos grupos locais. Ter escolhido um presidente protestante significa ter maturidade para acreditar plenamente que a associação é interconfessional e que, mesmo em um país de maioria católica, a interlocução pode estar totalmente a par dos mundos ortodoxo e católico romano. Quando nasceu seu interesse pelo diálogo ecumênico? E que lugar ocupa no seu caminho de fé? Meu pai era metodista e minha mãe valdense, então, em certo sentido, nasci em uma família que fez do ecumenismo um de seus pilares. Meus pais também experimentaram o ecumenismo com outras confissões cristãs com grande intensidade desde a época do Concílio Vaticano II, e por isso sempre respirei um ar de abertura, de escuta, de atenção uns para com os outros. Aos 16 anos vim pela primeira vez para a SAE, que na época realizava suas sessões no Passo della Mendola, e foi uma experiência que me marcou para sempre. Ano após ano, cresci na minha fé e na minha identidade como valdense, através do diálogo com muitos pastores (na época eu vivia na diáspora e, portanto, para mim as Sessões também foram uma oportunidade preciosa para conhecer minha igreja melhor), mas também com os religiosos das outras confissões e sobretudo com os jovens e as jovens que, como eu, procuravam a sua fé e o seu lugar num mundo em constante turbulência e mudança. Hoje, com uma identidade que se tornou clara e profunda, só posso afirmar que minha fé foi forjada e desenvolvida em meu caminho ecumênico, à luz daquelas passagens bíblicas que nos pedem com absoluta clareza para trabalharmos juntos na busca da um só Senhor, para não ser escândalo para o mundo, para sermos dignos da vocação que nos foi dirigida. Na 57ª formação ecumênica da SAE, realizada em julho passado, o número de jovens participantes foi crescente: um interesse renovado pelo diálogo ecumênico? Eu gostaria de poder responder que sim, mas estaria blefando. O número de jovens foi absolutamente o habitual, mas numa percentagem superior porque muitos dos idosos não participaram devido ao Covid. A sessão deste ano foi particularmente bonita e intensa e eles tiveram uma presença significativa. A esperança do novo Comitê Executivo é tornar os jovens mais protagonistas e, portanto, aumentar seu número e importância: eles não são o futuro do associativismo e do ecumenismo na Itália, mas são já hoje a Igreja; precisamos de sua voz fresca, crítica, animada e curiosa para continuar a crescer, jovens e velhos. É uma aposta no futuro, ao invés de uma realidade já hoje. Quais são os projetos futuros da SAE? A SAE quer continuar a ser sal e fermento na terra. Assim, procuraremos trabalhar com pessoas e comunidades tendo em mente o conceito de diferenciação: não somos todos iguais e o que atrai alguém pode não ser compreendido ou adequado para outra pessoa. A nossa tentativa será diferenciar as nossas propostas: a par da Summer Session, um momento fundamental de crescimento e formação para todos e todos aqueles que dela sintam necessidade, e da Spring Conference, em que a associação também se reflecte, queremos poder desenvolver algumas linhas específicas, por exemplo sobre a salvaguarda da criação ou a questão do género. Partindo da bagagem de experiências pessoais, laborais e comunitárias, qual será a sua contribuição específica para o trabalho do Sae? Sou uma mulher muito ocupada porque sou esposa e mãe, trabalho na Divisão de Finanças do Município de Turim e sou membro ativo da Igreja Valdense, onde ocupo o cargo de pregadora local: digamos que esta a presidência da SAE é uma aposta que alguns membros quiseram fazer focando em mim e “abordando minha vocação” como dizem em nossas igrejas. Sei que não estarei sozinho, tenho uma boa equipe ao meu lado, Simone Morandini, Donatella Saroglia, Lívia Gavarini E Frances Del Corso, e conto também com o trabalho de muitos e muitos parceiros que se disponibilizaram para dar continuidade a esta obra visionária iniciada há 60 anos por Maria Vingiani. A contribuição, portanto, não será apenas minha, mas de muitos e muitos: juntos tentaremos trabalhar à luz daquela única esperança que é o nosso único Senhor. Ser ecumênico não é algo mais, uma vitrine que alguns querem e da qual outros podem abrir mão. Ser ecumênico faz parte da própria essência do ser cristão: em primeiro lugar porque é o próprio Senhor que nos chama à unidade. Tudo isso a partir da minha individualidade de mulher européia e valdense, criada em uma comunidade multicultural que viveu o processo de "Ser igreja juntos", onde aprendi que a contaminação é uma graça, porque a diversidade e a diferença são uma riqueza inestimável, uma preciosidade dom que nos enriquece espiritualmente, mas também existencialmente. entrevista por Marta D'Auria Leia em Riforma.it ...

Ler artigo
Annalisa Camilli relembra Michela Murgia no Sínodo Valdense: “A coragem é contagiosa”

Annalisa Camilli relembra Michela Murgia no Sínodo Valdense: “A coragem é contagiosa”

Foto de @Pietro Romeo/Reforma. A pastora e teóloga Daniela Di Carlo com a jornalista Annalisa Camilli, na noite pública do Sínodo Valdense e Metodista Torre Pellice (NEV), 22 de agosto de 2023 – O discurso do jornalista da Internazionale Annalisa Camilli pronunciado em 21 de agosto de 2023 durante a noite pública do Sínodo das Igrejas Metodista e Valdense, no templo de Torre Pellice. “A macabra sequência de feminicídios e violência contra as mulheres que ocorreu em Itália em pleno verão obriga-nos a colocar uma questão: porque é que, num momento em que as mulheres alcançaram níveis consolidados e sem precedentes de igualdade e participação no espaço público, multiplicam, em vez disso, os assassinatos, assédios e estupros? São setenta e cinco mulheres que em 2023 foram mortas pelos seus maridos, parceiros e ex-namorados. Três só nos últimos dias. Vera Schiopude 25 anos, uma moldava foi assassinada pelo companheiro em Ramacca, na província de Catânia: foi encontrada enforcada por uma corda numa casa semi-arruinada ao lado daquela onde morava. O acompanhante, junto com um amigo, tentou simular o suicídio da mulher e até chamou a ambulância quando não havia mais nada que pudessem fazer. Em 17 de agosto, ela foi morta pelo ex Anna Scala56 anos, esfaqueada pelo ex-marido ao sair de seu apartamento em Piano di Sorrento. Ele esperou por ela por uma hora, esfaqueou-a pelas costas e depois trancou-a no porta-malas do carro. Então ele confessou o assassinato. Ele já havia quebrado os dentes dela no passado e também bateu nela na frente de outras pessoas, acusando-a de traí-lo, e depois destruiu as rodas do carro dela. Anna Scala não se calou, mas tentou se defender e denunciou o ex, duas vezes no último mês, mas apesar disso nada foi feito para protegê-la. Então, há Celine Frei Matzohl, morta em Silandro, às vésperas de seu vigésimo primeiro aniversário, há uma semana. Seu ex-companheiro a esfaqueou até a morte quando ela voltou para casa para pegar suas coisas depois de deixá-lo. Celine Frei Matzohl também processou o ex por agressões e ameaças agravadas em junho passado. Mas mesmo assim não ajudou, nada foi feito para ajudá-la. Vera Schiopu, Anna Scala, Celine Frei Matzohl. São de idades diferentes, vivem em locais diferentes, pertencem a classes sociais diferentes, mas têm duas coisas em comum: não foram apoiados, mesmo que tenham pedido ajuda. Segundo: foram mortos por homens que chamaram e por quem foram chamados: “Amor”. Isso significa que a ideia de amor em nosso mundo ainda pode estar ligada à violência. Ex-escritora e feminista Leah Melandri No dele Amor e violência, o fator irritante da civilização (Bollati Boringhieri 2011) sublinhou: “Existem parentescos insuspeitos que muitos não reconhecem ou preferem ignorar. A mais antiga e duradoura é aquela que liga o amor ao ódio, a ternura à raiva, a vida à morte”. É destruído para preservar, é morto pelo que fomos educados a chamar de “amor”, mas que amor não é, porque proporciona formas de controle e opressão para as mulheres, que não podem dispor de si mesmas ou optar por mudar. “Em vez de nos limitarmos a depreciar a violência, a invocar penas mais duras para os agressores, mais protecção para as vítimas, talvez fosse mais sensato olhar onde não gostaríamos que ela aparecesse, naquelas áreas da vida pessoal que têm a ver com o mais íntimo, com tudo o que nos é mais familiar, mas não mais conhecido por isso. Matar, estuprar, subjugar são principalmente maridos, filhos, pais, amantes incapazes de tolerar muito ou pouco muros domésticos protetores, abraços incômodos ou abandonos que deixam expostas fragilidades masculinas insuspeitadas”, escreve sempre Melandri. A violência brutal é apenas a ponta do iceberg, sabemos disso. Tem as suas raízes numa cultura profundamente sexista, que ainda é dominante. Basta pensar no declarações do presidente do Senado Ignazio La Russaque há alguns meses defendendo o filho Leonardo acusado de estupro, acusou a vítima de 20 anos de ter consumido cocaína, acertando as acusações. Sempre tem aquele olhar que coloca a mulher sob escrutínio em busca de um pretexto para dizer: “Você pediu”. Os centros antiviolência em todo o mundo recolhem todos os dias histórias de mulheres que relataram terem sido violadas e não foram acreditadas, porque estavam maquiadas ou bem vestidas, porque não choraram ou por algum outro motivo não foram consideradas credíveis. A pandemia até agravou esse processo. “Vamos sair melhores?”, perguntávamos-nos nos primeiros dias da pandemia de covid-19 em Março de 2020, havia uma esperança generalizada e mal respondida de que a catástrofe fosse uma espécie de revolução, como se a natureza pudesse travar batalhas para nós e isso poderia destruir o equilíbrio de poder entre opressores e oprimidos, deixando espaço para modelos de vida mais justos. Mas é claro que não aconteceu assim. Com efeito, como muitas vezes aconteceu na história, a catástrofe foi uma porta pela qual o passado olhou e se reconciliou com o presente, fazendo cair as conquistas mais recentes e trazendo à luz modelos antigos ainda mais desiguais. De facto, naquele espaço suspenso de confinamento as fronteiras entre o público e o privado voltaram a saltar e muitas conquistas que pareciam estabelecidas na relação entre os sexos foram postas em causa. As mulheres foram forçadas a regressar às suas casas como numa espécie de máquina do tempo e chamadas a prestar cuidados, desaparecendo gradualmente como sujeitos do debate público. Voltar apenas como vítimas de abuso e violência. Ainda que durante algumas décadas as mulheres - individualmente e em conjunto - tenham questionado este sistema de dominação com palavras e mais eficazmente com gestos, afastando-se de relações, modelos familiares e de trabalho que já não correspondem aos seus desejos. Esta revolução ainda não está completa. Enquanto a lei do pai está em crise, a violência torna-se mais feroz. É provavelmente uma tentativa de restabelecer essa ordem, que está em declínio. Então o que fazer? Dois dos níveis em que deveríamos tentar actuar para intervir nesta onda de violência contra as mulheres e esta retaliação implicam ouvir e abandonar uma atitude meramente passiva. Há algum tempo, as feministas da Casa da Mulher de Ravenna me disseram que cada vez mais homens e meninos estão batendo à sua porta, porque gostariam de aprender a autoconsciência como uma técnica usada pelas mulheres há décadas. Para utilizá-lo na desconstrução dos modelos masculinos para os quais são educados e com os quais já não se sentem sintonizados, porque enquanto o velho mundo se põe, lutam para encontrar novos paradigmas que os inspirem. Esses meninos e homens deveriam receber mais atenção e mais espaço. Depois, há uma prática coletiva de coragem que deveríamos começar a praticar novamente: se todos nós, juntos, estivéssemos mais dispostos a reagir aos abusos que afetam os outros, os acontecimentos mais extremos não ocorreriam. Muitas vezes penso no assassinato de Alika Ogorchukwuo vendedor ambulante nigeriano morto em Civitanova Marche no verão de 2022, ao longo da estrada principal da cidade litorânea, diante do olhar atônito dos transeuntes, que não intervieram, mas no máximo filmaram para denunciar o agressor. Parece que a pandemia também teve um efeito sobre isto: é mais natural denunciarmos, do que intervir, observarmos do que tentarmos impedir. Provavelmente também pelo medo de se enredar e perder alguma coisa. Deveríamos tentar ser mais corajosos, mais receptivos, mais confiantes. O escritor Michelle Murgia ele disse uma vez: “Nomes e sobrenomes devem ser mencionados e, quando ocorrem casos de sexismo, é preciso ter a coragem de se levantar e dizer que o que estou presenciando não só não me representa como me ofende. Aconteceu comigo quando ganhei o prêmio Campiello (era 2010 e o livro estava Accabadora) e por acaso presenciei uma cena vergonhosamente machista em que Bruno Vespa pedia à direção da noite que rolou no Rai Uno para emoldurar o decote de Silvia Avallone que estava recebendo o prêmio por Campiello Giovani, com a estreia de Aço. Foi quando divulguei a entrevista logo após dizer que tinha achado aquilo escandaloso e achei que era um gesto de poder e abuso. Ninguém se levantou para me defender. Na verdade, muitos disseram que Michela Murgia está com ciúmes porque o seu decote não foi emoldurado. E essa é uma das coisas que pode acontecer quando você se expõe. Ao mesmo tempo posso dizer que aquele gesto de liberdade, mesmo que naquele momento não tenha recebido a solidariedade que talvez eu esperasse, revelou-se absolutamente fundamental na minha história porque a partir desse momento nunca mais me calei sobre essas perguntas e cada vez que abria a boca encontrava a voz de outra mulher juntando-se à minha, talvez porque ela tivesse encontrado coragem. Porque é assim, a coragem é contagiante”. AQUI o vídeo completo do evento, editado pela RBE Radio Beckwith: AQUI o relatório da reunião de Gian Mário Gilliode Riforma.it: ...

Ler artigo
igreja luterana.  Tudo pronto para o #saledellaterratour

igreja luterana. Tudo pronto para o #saledellaterratour

Roma (NEV/CELI), 5 de abril de 2023 – Uma van está vagando pela Itália. Parafraseando um incipit muito famoso, poderíamos assim começar a história do caminho que parte do Evangelho de Mateus. Você é o sal da terra Mateus 5, 13 É um passeio que pára, este ano, em seis comunidades luteranas de norte a sul para descobrir aqueles cristais de sal que, fundindo-se nas realidades onde nos encontramos, de alguma forma devolvem sabor aos territórios e à vida das pessoas. Territórios, línguas, lugares e, sobretudo, o compromisso de traduzir o Evangelho na vida cotidiana. A música, o apoio à fragilidade dos últimos, dos sem-abrigo como na recuperação de pessoas que tiveram de lidar com as prisões da sua pátria, a cultura e a arte, sinais desta prática. […] O #saledellaterratour é uma viagem para descobrir o sabor e a luz que a palavra de Deus pode devolver à vida dos lugares. Regenerador, simples, imediato. De Génova para Milãode Ispra Varese para Nápolespassando através torre anunciada E Florença. Etapas de uma jornada de pesquisa e descoberta. E que você pode acompanhar nas redes sociais da Igreja Luterana: Facebook, IG e… em breve também em YouTube. Leia tudo no site da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI). ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.