Morreu Maria Vingiani, mestra de ecumenismo

Morreu Maria Vingiani, mestra de ecumenismo

Photo Agensir

Roma (NEV), 17 de janeiro de 2020 – Morreu ontem à noite em Mestre Maria Vingianifundador da Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE), justamente às vésperas da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos (SPUC).

O teólogo valdense Paulo rico lembre-se assim.

“Maria Vingiani é sem dúvida a principal arquiteta do ecumenismo na Itália. Não há ninguém, nem homem nem mulher, que tenha contribuído tanto quanto ela para o nascimento do ecumenismo. Foi ela quem o concebeu, exatamente como quem concebe um filho, deseja-o, dá à luz, cria-o com amor, paciência e também com uma carga de amor única, excepcional, particular, como a de Maria Vingiani.

Você tem sido um professor de ecumenismo, não só para a Igreja Católica, pelo que a Igreja Católica conseguiu assumir do ideal ecumênico. Mas, uma característica que me parece muito singular, mais única do que rara, é que foste mestre de ecumenismo não só, como disse, na Igreja Católica, mas também na Igreja Evangélica.

Se devo dizer quem mais contribuiu para minha formação ecumênica, devo mencionar, por um lado, a experiência fundamental e inesquecível do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), em cuja comissão tive o privilégio de trabalhar por cerca de quinze anos , mas então ela. Considero Maria Vingiani minha mestra de ecumenismo. É ela quem me ajudou a vencer minhas resistências, porque todos inevitavelmente carregamos resistências conosco. Por isso tenho para com ele, também pessoalmente, uma grande e inesquecível gratidão”.

o pastor batista Luca Maria Negro, presidente da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), acrescenta: “Somos gratos ao Senhor pela longa vida e compromisso ecumênico de Maria Vingiani. Maria nos ensinou muitas coisas: entre elas, que o ecumenismo exige um grande respeito pela identidade de todos os interlocutores e, para respeitar-se, é preciso conhecer-se de maneira não superficial; que está enraizado no diálogo entre as igrejas e o judaísmo, que é a nossa raiz; que o ecumenismo não pode ser explorado por nenhuma estrutura eclesiástica. Para isso ele queria fundar um movimento de ‘leigos’ no qual nenhuma igreja pudesse colocar seu ‘chapéu’. Ainda hoje, numa Itália que ainda luta para se abrir ao diálogo ecuménico, a SAE, sobretudo com as suas formações ecuménicas (já na sua 56. países onde o diálogo ecumênico está muito mais avançado do que na Itália”.

Maria Vingiani (1921-2020), veneziano, de família meridional, cresceu em Veneza na pluralidade de Igrejas cristãs: ortodoxa grega, valdense, metodista, luterana, anglicana atuante no perímetro do centro histórico da cidade lagunar. A divisão entre católicos e protestantes foi o tema de sua tese de graduação, discutida na Universidade de Pádua em 1947.

No pós-guerra envolveu-se na política, tornando-se assessora das Belas-Artes; foi nesses anos que seu compromisso com o ecumenismo encontrou apoio e força no encontro com o então patriarca Roncalli, futuro Papa João XXIII.

Com o Concílio Vaticano II, Vingiani mudou-se para Roma e dedicou-se a tempo inteiro à sua ‘paixão’ pelo ecumenismo, fundando a SAE no início de 1963. Maria Vingiani presidiu a SAE até 1996.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Uma história valdense de Salvo Cuccia.  Em outubro na Netflix, prévia

Uma história valdense de Salvo Cuccia. Em outubro na Netflix, prévia

Roma (NEV), 21 de março de 2022 - "Uma história valdense" por Exceto Cuccia estará disponível na Netflix a partir de outubro, por 5 anos, em pelo menos 18 idiomas. Com seus 221 milhões de assinantes, a Netflix é a maior plataforma de streaming do mundo. O documentário de Cuccia conta a história de Gustavo Alabiso, um fotógrafo que mora em Karlsruhe, na Alemanha, que decide depois de muitos anos rastrear seus colegas de escola no Monte das Oliveiras. Foi no Monte das Oliveiras que, na década de 1960, Tullio Vinay (pastor valdense, teólogo e senador da República) fundou junto com o arquiteto Leonard Ricci o Serviço Cristão de Riesi. Estamos no interior da Sicília, na província de Caltanissetta. Para combater a máfia, a pobreza e o analfabetismo, são necessárias escolas, saúde, economia e internacionalidade. Nascem a fábrica de cortadores de aço “Meccanica Riesi” e uma cooperativa de bordados. Nascia a escola frequentada por Gustavo Alabiso. O documentário é uma viagem entre passado e presente, onde imagens e histórias se entrelaçam a partir de Riesi. O projeto também conta com a colaboração da Valdensian Cultural Center Foundation e do pastor metodista Pedro Ciacciocomo consultor histórico-teológico. Pedimos ao diretor Salvo Cuccia que nos contasse sobre seu trabalho. “Uma História Valdense” chega à Netflix. É uma bela conquista. Estou muito feliz com este resultado. Apresentaremos o documentário em prévia no dia 24 de março no cinema Rouge e Noir de Palermo, cidade onde se encontra, entre outras coisas, o local de produção, o centro regional de inventário, catalogação e documentação (CRID) Como surgiu esta ideia? Essa história nasceu com Gustavo Alabiso. Do projeto de fotografar seus ex-companheiros nasceu um livro, depois o filme, que reconstrói a jornada de Gustavo entre Riesi, na Sicília, Gênova, Torre Pellice e Prali, no Piemonte, até a Bélgica. A aldeia Monte degli ulivi. Foto Emanuele Piccardo cortesia Christian service O documentário conecta o trabalho valdense e Riesi, a partir do período histórico do trabalho nas minas (aqueles da Trabia Tallarita contados por Vittorio De Seta em "Surfarara" de 1955). Depois, a máfia, a emigração e os olhares das crianças que se tornam adultos. Saídas e retornos. O que você pode nos dizer mais? Eu já tinha trabalhado nesse tipo de reconhecimento antes, vamos lá Vitório de Seta precisamente, com “Détour De Seta”, um projeto que apelou Martin Scorsese e foi amplamente divulgado. As minas descritas por De Seta na década de 1950 estão ligadas à história. Não só para a história do serviço cristão, mas também para o "contexto", como você diria Leonard Sciascia. Falamos da máfia, da emigração, do trabalho. Partindo de um lugar na profunda província do sul da Sicília, chegamos além do Estreito e além da fronteira, seguindo outras escolhas e perspectivas de vida. Deste ponto de vista, podemos dizer que "falamos glocal". Já no trailer é possível apreciar a sobreposição de imagens, épocas e narrativas, numa atmosfera que conecta espaço, tempo e pessoas. Como você fez? Trabalhamos em vários níveis narrativos. Por exemplo, o diretor do Serviço Cristão Gianluca Fiusco colocou à nossa disposição duas bobinas de filme dos anos 1960, onde encontramos imagens Video8 tanto da construção da escola quanto vídeos de Riesi daqueles anos. A filmagem foi feita por um valdense suíço, Pierre Vollichardque se localizava na Sicília na época. São materiais extraordinários e belos que nos permitiram reconstruir um pedaço da história. Há também vídeos em que aparecem algumas dessas crianças, agora homens, ex-colegas de escola de Gustavo, cujas histórias de crianças se confundem com a história geral do grande intelectual e pastor Tullio Vinay. Você pode nos falar sobre as oliveiras? O projeto idealizado para o Serviço Cristão pelo arquiteto Ricci (que, aliás, era avô de Elena Sofia Ricci) é futurista. Eles não cortam nem uma oliveira, mas constroem ao redor das árvores. Eles deixam o território intacto. Esse era o pensamento moderno e voltado para o futuro de Vinay e Ricci. Além disso, fiquei surpreso que tal estrutura, no coração da Sicília, onde não havia água todos os dias, mesmo na aldeia, pudesse sempre ter água. Eles eram muito organizados. Em seguida, há o tema dos valdenses como testemunhas do compromisso civil, a partir de sua posição como minoria religiosa e cultural. Os pais de Gustavo eram colaboradores de Vinay. Isso também aparece no documentário. A ligação profunda entre a abertura à história e a dinâmica pessoal. Quando criança, Gustavo pensava que este mundo era o único mundo. Já adulto, porém, ele descobre que os valdenses são uma minoria. E essa comparação é um dos principais temas do documentário. aqui o trailer [embed]https://www.youtube.com/watch?v=4yzqQZB6SBk[/embed] UMA HISTÓRIA VALDENSE. Um documentário de Salvo Cuccia (75', 2020) Túlio Vinay Tullio Vinay foi teólogo, pastor valdense e senador da República. Antifascista convicto, ajudou a salvar uma família judia da deportação, escondendo-a num apartamento em Florença. Em março de 1974, o pastor Vinay testemunhou em Paris sobre os métodos de tortura usados ​​em prisioneiros políticos no Vietnã, onde ele havia ido como observador internacional em nome de uma organização ecumênica. Acesse o CARD. ...

Ler artigo
24 de fevereiro.  “A paz é a vitória que precisamos”

24 de fevereiro. “A paz é a vitória que precisamos”

Roma (NEV), 22 de fevereiro de 2023 – 24 de fevereiro marca o primeiro aniversário do início da invasão russa da Ucrânia. A Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes na Itália (FCEI) e o Interfaith Center for Peace (CIPAX) continuam a jornada inter-religiosa no âmbito das iniciativas da Europa pela paz. Com o lema “Esta guerra tem de acabar!”, as duas siglas pretendem lembrar “que a guerra, todas as guerras têm de acabar, que queremos paz, justiça e desarmamento, incluindo o desarmamento nuclear”. Com esta premissa, convoca-se, portanto, um novo momento de espiritualidade compartilhada. O encontro é em Roma, sexta-feira, 24 de fevereiro, das 18h às 19h30, na Igreja Cristã Evangélica Batista na via del Teatro Valle 27. “Convidamos a aderir crentes de todas as fés e não crentes, associações e movimentos que compartilham o apelo da Europa pela paz. Cada um trará sua própria contribuição de pensamentos, valores, sentimentos e propostas – escreva GLAM e CIPAX -. Gostaríamos que nosso caminho inter-religioso fosse fortalecido em torno de um grupo promotor que pudesse contribuir para a abordagem inter-religiosa, que se mostrou tão crucial também nesta guerra, e fortalecer as atividades da Europa pela paz e da Rede Italiana de Paz e Desarmamento ( RIPD). O Momento de espiritualidade compartilhada também servirá para essa comparação”. Para inscrições no Momento de espiritualidade compartilhada: comissã[email protected] ; [email protected] Para todas as outras iniciativas da Europa pela paz: Abaixo, o apelo da Europa pela paz/RIPD 24 de fevereiro de 2022 - 24 de fevereiro de 2023 VAMOS PARAR A GUERRA NA UCRÂNIA Um ano de guerra é demais! Iniciativas em toda a Itália e em toda a Europa A invasão russa da Ucrânia começou em 24 de fevereiro de 2022. Uma violação da Carta da ONU e do direito internacional que exige justiça imediata."Europe for Peace" convida você a promover mobilizações em cidades italianas e europeias um ano após a invasão da Ucrânia para pedir um cessar-fogo, diálogo e negociações de paz para construir uma Europa segura e pacífica para todos. Mostre solidariedade ao povo ucraniano e às vítimas de todas as guerras, violência, repressão e discriminação no mundo. A paz é a vitória que precisamos! ...

Ler artigo
Por que a Igreja precisa do feminismo interseccional

Por que a Igreja precisa do feminismo interseccional

Roma (NEV), 9 de dezembro de 2021 – A Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas (CMCR-WCRC) organiza, para terça-feira, 14 de dezembro, o webinar: “Por que a igreja precisa do feminismo interseccional“. Este é o relançamento das políticas de justiça de gênero da Comunhão Mundial. O horário é das 15h às 16h30 (horário da Europa Central). eles participam Isabel Apawo Phiri, Peggy Kabonde, Aruna Gnanadason, Hanna Reichel e Eva Rebecca Parker. Moderado Karen Georgia Thompson*. “A intenção do webinar é destacar a disparidade de gênero em nossas igrejas. E aprender com o que o feminismo pode nos oferecer para nos tornarmos uma comunidade justa de iguais”, disse ela. Philip Vinod PavãoCMCR Justiça e Testemunho Executivo. Para se inscrever no webinar clique aqui A Política de Justiça de Gênero do CMCR foi iniciada pelo Conselho Geral de 2017 e adotada pelo Conselho Executivo no início deste ano. Isso combina com a visão da Comunhão de viver seu chamado por justiça. Também convida as igrejas a participar da missão transformadora de Deus, e entre seus objetivos mais específicos está, por exemplo, abordar as desigualdades e injustiças de gênero na Comunhão e nas igrejas-membro. “A justiça de gênero inclui relacionamentos justos e igualitários, respeito e responsabilidade na reciprocidade, respeito pela criação e o direito de todas as pessoas de experimentar a vida ao máximo. Justiça de gênero aborda gênero e injustiça econômica, violência baseada em gênero e toda uma gama de questões sociais que estão enraizadas em relações de poder desiguais. É um elemento fundamental para a Igreja e para a sociedade”, lê-se na introdução do documento sobre a política de gênero da Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas. O Comitê Executivo do CMCR, entre outras coisas, reuniu-se recentemente, lançando a Década do clima. A Comunhão também está organizando o Conselho Geral, a ser realizado em 2025, e iniciou um processo de reorganização tanto para os Conselhos Regionais adicionais quanto para a busca de um novo Secretário Executivo (prazo para nomeações: 15 de janeiro de 2022). *Phiri é secretário-geral adjunto do Conselho Mundial de Igrejas (WCC). Kabonde é o ex-secretário geral da Igreja Unida da Zâmbia. Gnanadason é ex-coordenadora do Programa de Mulheres do WCC e da equipe de Justiça, Paz e Criação. Reichel ensina no Seminário Teológico de Princeton. Parker é professor na Durham University. Thompson é Ministro Geral Associado para Ministérios da Igreja e Co-Diretor de Ministérios Globais da Igreja Unida de Cristo. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.