Multilinguismo no culto e nas liturgias, para “sentir-se em casa”

Multilinguismo no culto e nas liturgias, para “sentir-se em casa”

Foto de arquivo, Palermo 2019. Laboratório Intercultural de Formação e Acolhimento (LINFA) promovido pela Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI) como parte do programa Ser a Igreja Juntos (ECI)

Roma (NEV), 18 de novembro de 2022 – Em chiesavaldese.org a pastora Anne Zell assina um relatório sobre a Consulta sobre multilinguismo nas religiões e liturgias, promovida pela Comunhão das Igrejas Protestantes na Europa (CCPE) em Cluj-Napoca na Romênia, de 8 a 11 de novembro passado.

Entre outras coisas, falou-se da inclusão, da luta pelos direitos e pela justiça, da reconciliação e da convivência entre os diferentes, das minorias. Participaram mais de trinta representantes de diferentes Igrejas protestantes europeias.

Zell escreve: <Oliver Engelhardtpessoa de contato do CCPE para relações entre igrejas e relatórios de Melhores Práticas de algumas igrejas, inclusive as do processo “Ser Igreja Juntos” de nossas igrejas federadas (sobre o qual o recente Assizes da Federação de Igrejas Evangélicas da Itália – FCEI manifestou moção própria), ou seja, os participantes trabalharam vários aspectos do mesmo tema do multilinguismo: línguas litúrgicas (incluindo teatro, pantomima, dança, línguas que não precisam de tradução,…), canções interculturais, casuais e rituais; este trabalho culminou na preparação e celebração de um culto plurilingue e produziu algumas teses:

– o multilinguismo nas liturgias culturais não é uma questão de estética ou apenas de acolhimento: é uma questão de justiça e de reconhecimento de direitos, e poder ouvir a mensagem na própria língua também faz parte do “sentir-se em casa”, plenamente concidadãos;

– sentir-se em casa, mesmo espiritualmente, exige, por um lado, a preservação da própria língua e identidade (uma opção forte para as minorias na Transilvânia e em outros lugares) e, por outro, a vontade de se “expor” a diferentes idiomas;

– em tudo isso, a participação prevalece sobre a perfeição, aliás, a consciência da própria parcialidade é realmente necessária.

Babel e Pentecostes continuam sendo os dois pólos entre os quais nossas igrejas tentam enfrentar o desafio da coexistência de diferentes povos e do multilinguismo: ‘Monokultur ist gottlos’Significa o que a singularidade é sem Deus – disse Kunz novamente. De facto, ter reafirmado o empenho e o desafio do processo Ser Igreja Juntos, apesar das dificuldades e cansaços, nos Assizes da FCEI, tem um valor profético e esperançoso num panorama político e social que caminha em sentido contrário>>.

leia em chiesavaldese.org

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Vozes jovens na Secretaria de Atividades Ecumênicas.  Fé é concretude

Vozes jovens na Secretaria de Atividades Ecumênicas. Fé é concretude

foto Laura Caffagnini Roma (NEV), 28 de julho de 2022 – São as vozes dos jovens católicos, protestantes e judeus que ressoam nos trabalhos da 58ª Sessão de Formação da Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE). Em andamento em Assis, tem como título “Em tempos sombrios, ousar esperar. As Palavras de Fé na Sucessão das Gerações – Uma Busca Ecumênica”. Terça-feira de manhã sediou a mesa redonda sobre "Fé: um tesouro para os jovens?". Participou: David Morsellide Roma, estudante de doutorado em matemática, membro fundador e primeiro vice-presidente da amizade judaico-cristã para jovens. Emanuele DeBettinibolsista de ciências históricas em Turim, atuante na Federação Italiana da Juventude Evangélica (FGEI). Emmanuel Gittoformado em ciências internacionais e diplomáticas, vice-presidente da juventude da Ação Católica, em diálogo com Donatella Saroglia da comissão executiva da SAE. Nadia Bouzekrivice-presidente da União das Comunidades Islâmicas na Itália (UCOII), ausente por motivo de força maior, compartilhou os preparativos do evento. Retomamos a seguir o resumo da fala de Emanuele De Bettini conforme noticiado pela SAE. Na parte inferior, o link para o comunicado de imprensa completo. De Bettini (na foto, segundo à esquerda) vive a fé como um fato concreto e como uma descoberta inesgotável. Ele expressou a necessidade de concretude dos jovens, mesmo dentro de suas próprias comunidades, que muitas vezes não estão em seu ritmo. Segundo o membro do FGEI, a rarefação da presença juvenil nas igrejas está ligada à própria modalidade frontal da transmissão da fé. “A fé me veio de uma série de experiências concretas de vida: o encontro com os irmãos e as irmãs e a oração”. Um valor da nossa associação, prosseguiu, é um percurso formativo entre pares, entre quem organiza os programas e quem participa; o limite é que o FGEI seja percebido como parte separada de nossas igrejas e não como parte integrante. Os jovens discutem entre os jovens. A virada deve vir de uma mudança de paradigma, de um encontro com outras gerações. Os jovens compartilham as crises do presente com os adultos, seus problemas não são radicalmente diferentes. Você pode falar como iguais. Momentos vitais também são relacionamentos fora do próprio círculo. “As relações com os outros são também relações com Deus.Participar de um coro judaico em Turim foi para mim uma oportunidade de entrar em contato com um mundo de novos significados religiosos ligados à fé. Cantar nesse sentido para mim significava redescobrir um tesouro”. Durante a mesa redonda, escreve a SAE, “emergiram consonâncias e traços comuns em torno da realidade da fé. A importância da oração e do cuidado da vida espiritual, a formação e o impulso que a vida associativa oferece ao desenvolvimento do caminho pessoal, a necessidade de discussão e partilha entre gerações, o acolhimento do outro e do outro como espaço que nos faz conhecer novas perspectivas, a vitalidade do diálogo inter-religioso". Por fim, falou-se de reciprocidade, de compreensão das próprias tradições e de diálogo, mesmo com o ateísmo. Para saber mais, acesse o site da SAE. Para ler o comunicado de imprensa completo sobre a mesa redonda sobre juventude e fé, clique AQUI. A 58ª Sessão de Formação do Secretariado de Atividades Ecumênicas conta com a presença em Assis, nestes dias, de vários representantes do mundo protestante. ...

Ler artigo
batistas europeus.  A reunião anual na Escócia chegou ao fim

batistas europeus. A reunião anual na Escócia chegou ao fim

Roma (NEV/Riforma.it), 2 de outubro de 2019 – O semanário Riforma publica um relatório detalhado, assinado pelo pároco batista Cristina Arquidiácona, na Assembleia Anual da Federação Baptista Europeia (EBF), que decorreu em Glasgow (Escócia) de 24 a 28 de setembro, e que contou com a presença de cerca de 170 representantes das diversas uniões da região da Europa, Médio Oriente e Ásia Central. Também esteve presente na Assembleia o presidente da União Cristã Evangélica Batista na Itália (UCEBI), John Archdeacon, que cumprimentou a EBF. Em seu discurso, Arcidiacono destacou a necessidade de uma lei sobre liberdade religiosa na Itália; falou sobre o projeto apoiado financeiramente pela UCEBI esperança médica, um projeto da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) que oferece assistência médica às pessoas mais vulneráveis ​​que não podem enfrentar a jornada pelos corredores humanitários dos campos de refugiados do Líbano; pediu o estreitamento das relações com os institutos de formação teológica a nível europeu. Entre os temas debatidos na Assembleia, justiça social e justiça climática, liberdade e consciência religiosa, teologia da hospitalidade, relação entre igrejas, fé e nacionalismos, numa era de "polarização e fragmentação", como disse o secretário-geral da EBF Tony Peck no discurso de abertura. A Assembléia foi organizada pela União das Igrejas Batistas da Escócia, que este ano comemora seu 150º aniversário. Leia a reportagem completa no Riforma.it ...

Ler artigo
Faculdade Valdense.  Spini sobre fé e política, o problema do absenteísmo

Faculdade Valdense. Spini sobre fé e política, o problema do absenteísmo

Valdo Spini, discurso inaugural do Ano Acadêmico da Faculdade Valdense de Teologia - 8 de outubro de 2022 Roma (NEV), 10 de outubro de 2022 – A inauguração do ano acadêmico 2022-2023 da Faculdade Valdense de Teologia foi realizada em Roma no dia 8 de outubro. Neste ano também celebramos o centenário de sua mudança para Roma (1922). Começando hoje, a semana introdutória. a prolusão Valdo Spini fez o discurso inaugural sobre o tema: "Fé e política, o compromisso do cristão evangélico". Spini relembrou as figuras dos pastores evangélicos John Harvardque deu nome à famosa universidade americana. Dietrich Bonhoeffer, teólogo luterano enforcado pelos nazistas. E Martin Luther Kingganhador do Prêmio Nobel da Paz, morto por sua luta não violenta pelos direitos civis. “Num contexto secular e pluralista - disse Spini -, diante do drama das guerras em curso, das ameaças do uso da energia nuclear, das desigualdades crescentes, dos direitos civis negados a populações inteiras e em particular às mulheres, as mudanças climáticas e suas consequências sobre o meio ambiente, o compromisso político do cristão não é uma opção, mas uma necessidade”. Spini também falou da Itália: “As eleições políticas gerais realizadas em 25 de setembro registraram uma taxa de absenteísmo de aproximadamente 36%, mais de um italiano em três. É um facto que sublinhamos com grande alarme. É um sintoma de um fosso perigoso entre as forças políticas e os cidadãos que provoca um fosso igualmente e talvez mais perigoso entre as instituições e os cidadãos. Não é enfrentado e superado com palavras, mas com ações. Com as necessárias reformas, na cultura, prática e regulamentação, substituindo a atual lei eleitoral por uma lei clara, transparente e compreensível, que restabeleça uma relação direta entre os eleitos e os eleitores. E isso requer o compromisso de todos”. A semana introdutória dedicada à teologia intercultural O ano acadêmico da Faculdade Valdense começa hoje com a habitual semana de abertura dos cursos, dedicados à teologia intercultural. A Faculdade escreve: “Há vários anos, as igrejas metodista, batista e valdense tornaram-se cada vez mais internacionais. Irmãs e irmãos dos quatro cantos do mundo trouxeram sangue novo. E, com ela, diferentes espiritualidades que enriquecem a nossa abordagem teológica tradicional, ao mesmo tempo que a convidam a desenvolver uma nova reflexão sobre nós mesmos e sobre a nossa pregação. Como podemos desenvolver um discurso teológico no contexto multicultural revigorado pela globalização?”. Partindo desta questão, a Faculdade pretende colocar em jogo toda a experiência acumulada nas duas edições do Mestrado sobre "Teologia e diaconia numa perspectiva intercultural". Para mais informações, leia o artigo do aluno Ilaria Simone em Riforma.it: ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.