Sínodo Luterano.  Continuidade, mudança, futuro.  E misericórdia

Sínodo Luterano. Continuidade, mudança, futuro. E misericórdia

Wolfgang Prader, foto de arquivo – CELI

Roma (NEV/CELI), 24 de março de 2021 – A 2ª Sessão do XXIII Sínodo da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) será realizada de 29 de abril a 1º de maio.

O título desta sessão, que decorrerá online, é: “Continuidade, mudança, futuro – A Misericórdia como responsabilidade da Igreja”.

Continuidade, mudança, futuro

“Sede, tornai-vos misericordiosos, como vosso Pai é misericordioso”.

Misericórdia é a palavra do ano de 2021 e a misericórdia está no centro da 2ª sessão do XXIII Sínodo da Igreja Evangélica Luterana na Itália. Os trabalhos do Sínodo decorrerão sob o tema “Continuidade, mudança, futuro. Misericórdia como responsabilidade da Igreja”.

“Ainda há muita incerteza sobre o futuro nesta difícil situação ligada à pandemia.”, diz o reitor do CELI, Heiner Bludau, explicando a escolha do tema. “Isso também se aplica à nossa igreja. A reflexão sobre esta situação será uma parte importante da agenda do nosso Sínodo. Devemos nos perguntar que contribuição podemos dar, neste momento, para a sociedade como um todo. A igreja, porém, reitera o reitor, não deve ser considerada apenas uma instituição social. “É a comunidade daqueles que acreditam no Deus trino”.

O Sínodo on-line

O presidente do Sínodo, Wolfgang Prader e seu vice Ingrid Pfrommer, juntamente com o Consistório do CELI, para proteger a segurança de todos os participantes, decidiram realizar o Sínodo online em vez de presencial. Portanto, faltará um dos aspectos importantes de um Sínodo. Em outras palavras, a possibilidade de encontro, de troca recíproca. No entanto, o Sínodo estará acessível online e de casa pela primeira vez. Não apenas a todos os membros do CELI, espalhados em 15 comunidades em toda a Itália, desde o Passo do Brenner até a Sicília, mas também a todos os interessados ​​que se inscreverem (para registrar-se em www.chiesaluterana.it).

“A pandemia está determinando os preparativos para o Sínodo deste ano”, sublinha Prader. Todas as possibilidades técnicas devem ser exploradas, as plataformas disponíveis devem ser examinadas e testadas para poder garantir aos sinodais um andamento regular dos trabalhos, em conformidade com o Estatuto. Espero que possamos discutir os temas mais importantes e urgentes de forma intensa, mesmo que online, para que possamos tomar boas decisões e olhar para o futuro.”

O convidado de honra, Martin Junge

O convidado de honra da segunda sessão do XXIII Sínodo, na sexta-feira, 30 de abril, será o secretário geral da Federação Luterana Mundial, pároco Martin Junge. A Igreja Evangélica Luterana na Itália espera importantes impulsos de seu relatório. Assim como pelos seis grupos de trabalho que serão realizados no segundo dia do Sínodo, também na sexta-feira, 30 de abril. São eles os temas: gênero; digitalização; jovem; ambiente; as consequências da pandemia e a diaconia.

Há apenas seis meses, de 9 a 11 de outubro de 2020, aconteceu em Roma a 1ª Sessão do XXIII Sínodo (embora com vários meses de atraso devido à Covid). Esta sessão elegeu o novo Presidium Sinodal com Wolfgang Prader como presidente e Ingrid Pfrommer como vice-presidente.

Leia o press release completo no site do CELI.


A Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) reúne 15 comunidades distribuídas por toda a península. “Uma comunidade na diáspora que conta com alguns milhares de membros e não possui grandes bens móveis e imóveis – escrevem os luteranos -. No entanto, ser pequeno não significa ser irrelevante. Pelo contrário, a Igreja Evangélica Luterana na Itália é muito ativa em muitos campos sociais, solidários e culturais com vários projetos e programas que vão muito além do território de cada comunidade”. Desde a ajuda imediata a migrantes e pessoas carenciadas, à sensibilização para questões como a igualdade de oportunidades, a protecção do ambiente, o combate à discriminação, “é uma Igreja que faz ouvir a sua voz na sociedade, que não se detém e intervém também questões atuais de natureza política, ética e religiosa”. Numerosos contribuintes italianos alocam seu Otto por mil para o CELI a cada ano. O CELI é membro da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI).


www.chiesaluterana.it – [email protected] Gerente de comunicação CELI/Kommunikations-Beauftragte ELKI: Nicole Dominique Steiner


admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Direitos legais desde a concepção.  Alterar o artigo 1º do Código Civil?

Direitos legais desde a concepção. Alterar o artigo 1º do Código Civil?

Um quadro do vídeo da rede MYA que fotografou o tecido em diferentes estágios da gravidez. Aqui, espero em seis semanas Roma (NEV), 21 de outubro de 2022 – Com a lei nº 165 "Alteração do artigo 1º do Código Civil sobre o reconhecimento da capacidade jurídica do filho concebido" a iniciativa política da recém-formada XIX Legislatura é inaugurada em meio a polêmica. Pedimos ao advogado um comentário do ponto de vista jurídico. Ilaria Valenziconsultor jurídico da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). Valenzi disse: “A recém-empossada legislatura abriu com a apresentação de um projeto de lei que causa muita discussão. Trata-se da modificação do artigo 1º do código civil, ou seja, do dispositivo que identifica o momento em que o sujeito adquire capacidade jurídica. Ou seja, adquire a capacidade de ser titular de direitos e deveres. Atualmente esta disposição prevê que o nascimento é o momento em que se adquire a capacidade jurídica e prevê que todos os direitos que a lei reconhece ao concebido sejam subordinados ao evento do nascimento. Por exemplo, o nascituro pode herdar ou receber indenização pelos danos sofridos, mas todos esses direitos estão condicionados à sua própria vinda ao mundo. A modificação proposta vai no sentido diametralmente oposto e propõe antecipar a aquisição da capacidade jurídica para o momento da concepção. A questão certamente não é nova e diz respeito à questão mais ampla de determinar quando a vida humana começa. Nesse sentido, essa proposta de modificação teria um efeito irreprimível porque acabaria equiparando os direitos dos concebidos com os direitos dos já nascidos e entre estes, em particular, com os da mãe. O resultado poderia, portanto, ser que um ato de livre escolha da mulher, como por exemplo o de levar ou não uma gravidez, poderia integrar uma conduta ilícita em relação a um verdadeiro e próprio sujeito de direito, isto é, um verdadeiro e próprio sujeito, um pessoa que tem direito à sua plena integridade física. A batalha pelos direitos do feto voltou a ser central com o ressurgimento do debate em torno da aplicação do direito à interrupção voluntária da gravidez e com a difusão na Itália, como no resto do mundo, de movimentos que propõem um novo paradigma de direitos humanos. Nesse sentido, devemos nos preocupar com a forma como os conflitos que caracterizam o embate entre civilizações passaram do nível das ideias para o nível dos direitos. A recente decisão da Suprema Corte dos Estados Unidos sobre o aborto é um exemplo disso, mas também o é o projeto de lei que estamos comentando hoje. Fazer dos direitos um campo de batalha nunca é uma vitória e marca um possível retrocesso dos processos democráticos dos Estados. Neste sentido, todos somos chamados e chamados a fazer com que a proteção dos direitos e liberdades fundamentais da pessoa continue a ser assegurada”. Para saber mais: Polêmica no início do mandato, no ranews. No Reino Unido, uma emenda para criar "zonas tampão" (zonas tampão) em torno de clínicas de aborto em todo o país. A emenda torna ilegal interferir "na decisão de qualquer pessoa de acessar, fornecer ou facilitar a prestação de serviços de aborto naquela área" e é punível com até dois anos de prisão. Organizações pró-vida protestaram. Leia em christiantoday. Como é uma gravidez antes de 10 semanas – imagens fornecidas pela rede MYA de médicos e ativistas. A rede nasceu no início da pandemia, quando alguns estados americanos tentaram considerar o aborto uma assistência médica "não essencial". As fotos mostram como o tecido realmente se parece em diferentes pontos nas primeiras nove semanas de gravidez. Leia sobre o guardião. [embed]https://www.youtube.com/watch?v=ibBjFkLiaGU[/embed] ...

Ler artigo
Sínodo Luterano 2022, “a paz não se faz com armas, se faz com amor”

Sínodo Luterano 2022, “a paz não se faz com armas, se faz com amor”

Roma (NEV), 29 de abril de 2022 – Do grego antigo sínodoscomposto de sinou seja, juntos, em alemão miteinander E odos, o caminho, o caminho. E no meio deste caminho juntos, o dos Sínodos, encontramos Wolfgang Praderpresidente do Sínodo da Igreja Luterana na Itália, atualmente em curso em Roma, que ainda ontem, após o culto de abertura, mencionou a etimologia deste termo, dirigindo-se à assembléia reunida em Villa Aurélia. Qual é o caminho a percorrer juntos hoje? “Significa encontrar soluções e respostas para as questões que mais nos preocupam atualmente: o meio ambiente, a Diaconia, os jovens. E é juntos sobre essas questões – são tantas – que devemos nos questionar e buscar respostas, como luteranos, todos juntos, mas também como protestantes, sempre juntos”. Como vão os trabalhos do Sínodo? “Muito bem, estamos muito felizes e satisfeitos. Todos os convidados e palestrantes que vieram nos ver destacaram como é lindo e importante finalmente nos encontrarmos pessoalmente. E o tema escolhido este ano “Liberdade e responsabilidade” foi amplamente divulgado”. Qual é o desafio mais importante para a igreja luterana na Itália? “Como muitas igrejas, sentimos durante a pandemia a diminuição do comparecimento, da participação física e presencial das pessoas na igreja. E faltam-nos também os jovens: temos de saber trazê-los de volta à igreja, trazer de volta as famílias, as pessoas para irem à igreja”. Ontem, no seu discurso, disse muito claramente que "a Europa precisa de paz". Qual é a mensagem deste Sínodo sobre a guerra na Ucrânia? “Do fundo do meu coração, acredito que precisamos de paz, em todos os lugares. A paz não é alcançada aumentando as armas ou fornecendo armas ainda mais fortes. A paz não se faz com armas, se faz com amor." As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo
Afeganistão.  As histórias do povo

Afeganistão. As histórias do povo

Roma (NEV), 29 de novembro de 2022 – A vida após 15 de agosto de 2021 tornou-se um "pesadelo". Mohammad repete isso várias vezes enquanto fala sobre como o Afeganistão mudou com o retorno do Talibã. Ele os chama de "monstros". Ele tem dois livros na mesa de cabeceira do quarto onde mora com sua família, um é um livro de medicina, seu trabalho em Cabul, o outro é "Italiano para leigos", para aprender o básico do italiano, tendo em vista a partida . Não há livros, mas folhas para desenhar na casa da segunda família que encontramos: são dois filhos pequenos, um casal, uma irmã adulta. Outros parentes moram nas proximidades. São um grande núcleo, vêm da província de Bamiyan, no centro do Afeganistão, onde em 2001 as estátuas de dois Budas foram destruídas pelos talibãs. Eles nos oferecem um chá de açafrão. Pergunto-lhe como é que os pais se conheceram: “somos primos”, eles respondem, coram e sorriem, “ela passava por baixo da minha janela e reparei nela”. Será o único momento em que a história deles não será tensa, difícil, dura. Eles são da etnia hazara, assim como outro grande núcleo que encontramos em um apartamento a alguns quilômetros de distância, em Islamabad. Marido, esposa e filha de poucos meses, avô e avó, ambos muito pequenos, e mais quatro filhos, pouco mais que adolescentes. É ciclista mas também fotógrafo (com 12.000 seguidores no instagram): vendeu a bicicleta, quer saber quando poderá voltar a correr. Não era possível praticar esportes sob o Talibã. E não era possível ou seguro para ele continuar morando no Afeganistão, porque ele treinou as meninas. A mãe sempre esteve envolvida na política, a nível local e regional. Toda a família tem uma história de engajamento e ativismo. Em uma mala, ao se preparar para o voo para a Itália, trouxeram toda uma louça. Foto de Niccolo Parigini O Sr. Sediqi, nascido em 1956 e com vários problemas de saúde, viajou de carroça para cruzar a fronteira. Ele foi jardineiro anos atrás e reencontra a família que já está na Itália. Tem sido acompanhado nos últimos meses – superando obstáculos de todo o tipo e várias vicissitudes – por um rapaz de apenas 17 anos, que essencialmente se encarregou dele. “Viramos uma família”, disse, olhando para o smartphone, como qualquer adolescente. Ele abraçou sua mãe, que havia conseguido partir em julho passado com o primeiro vôo dos corredores humanitários, em Fiumicino, alguns dias depois de nosso encontro, ela trouxe para ele uma poinsétia. Ele vem de Bamiyan - que era "famosa pelos direitos humanos, pela participação das pessoas na vida pública, um dos centros mais democráticos e avançados do país" - HS, jornalista, fotojornalista, ativista de direitos humanos, também trabalhou como intérprete e fixadores. Ele conta de muitos colegas que ficaram lá e não conseguiram se comunicar. “Depois de 2001 eu tinha esperança de que nosso país pudesse ser um lugar de liberdade e eu estava fazendo todo o possível, como ativista, para que isso acontecesse, mas com a chegada do Talibã perdemos tudo, tudo o que conquistamos em termos de direitos. ", explica. As mulheres não podem “participar da vida pública, ir à escola, não podem fazer nada”, as minorias “são alvos, constantemente em perigo”. Quem protesta é. Ele fala de "tortura pública", julgamentos sumários, negação de todos os direitos. “O Afeganistão será um problema para o mundo inteiro se as coisas continuarem assim: precisamos acabar com essa ditadura, apoiar verdadeiramente os valores dos direitos, e não com slogans”, conclui. Foto de Niccolo Parigini Nisar, que ensinava inglês para meninas em Cabul, também fala de mulheres e por isso teve que fugir. Mora com a mãe, ela gostaria de se colocar à disposição dos outros, trabalhou em salão de beleza quando era mais nova, diz saber costurar e cozinhar, principalmente o Bor pilau, prato feito com arroz e carne. “Tive que me esconder, mudei de casa e de endereço constantemente, até conseguir chegar ao Paquistão”, explica o filho. Porque "ninguém sabe o que realmente está acontecendo naquele país, agora", acrescenta Hakim Bawar, um jovem que partirá com seu irmão para Roma, que trabalhou durante anos com organizações locais e internacionais, ONGs, pelos direitos humanos. “Acredite ou não, às vezes penso que teria sido melhor morrer no Afeganistão, com meu povo, do que fugir. Existem milhões de pessoas que não têm escolha, têm que ficar lá. Mulheres. Que hoje elas não têm chance, senão de sofrer, senão de serem submetidas à violência”. E ele aponta o dedo para os governos ocidentais. “As pessoas se sentiram traídas. Mulheres, milhões de mulheres, foram entregues nas mãos do Talibã, é um inferno para elas. O Oeste? Vieram há vinte anos e prometeram-nos democracia, prosperidade e, em vez disso, trouxeram-nos o Talibã”. O que deveriam, poderiam, os países europeus, o Ocidente, de fato, fazer? "É tarde demais. Não confiamos mais neles." O projeto dos corredores humanitários do Afeganistão é realizado por: Federação de Igrejas Evangélicas (FCEI), Tavola Valdese, Arci, Caritas, Sant'Egidio, OIM. Os corredores humanitários das igrejas evangélicas são financiados pelo Otto per mille das igrejas metodistas e valdenses; o acolhimento dos beneficiários é administrado e executado pela Diaconia Valdense e pela FCEI. Para maiores informações: do Programa de Migrantes e Refugiados da Federação das Igrejas Protestantes na Itália, Mediterrâneo Esperança) e Nota do editor, os nomes das pessoas entrevistadas foram alterados, aparecem apenas como siglas ou não estão completos com nome e sobrenome por motivos relacionados à sua segurança e à vulnerabilidade de suas situações, de suas famílias e daqueles que permaneceram no Afeganistão. As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.