“Trataram-nos bem” em Lampedusa

“Trataram-nos bem” em Lampedusa

A história que acabamos de ouvir, neste texto dos Atos, poderia ser quase uma descrição perfeita das viagens pelo Mediterrâneo que empreendem desesperadamente tantos irmãos e irmãs que fogem de guerras e perseguições. Vamos repassar isso.

Na história temos um grupo de homens que, precisamente nestas águas entre a Grécia e Malta, durante a travessia, são apanhados por uma terrível tempestade e durante dias – a história diz duas semanas – permanecem à mercê do mar e do mau clima.

A bordo deste barco temos três grupos diferentes de homens: os soldados, os marinheiros e os prisioneiros. Entre os prisioneiros está também o apóstolo Paulo, que deve comparecer perante o imperador em Roma. Durante a viagem, dada a situação desesperadora que vivem há dias, surgem inúmeros momentos de tensão e conflito. Para se salvar, os marinheiros tentam escapar em botes salva-vidas e, posteriormente, os soldados querem matar os presos para evitar que eles escapem também.

Em suma, parece haver pânico e confusão, mas Paolo consegue várias vezes restaurar a esperança e manter o grupo unido. A única maneira de nos salvar, diz ele, é nos salvar todos juntos. E então, finalmente, o continente, a salvação, o local de desembarque. Todos eles chegam em terra, sãos e salvos. E aqui está o versículo da nossa semana: “Eles nos trataram com bondade.”

Os náufragos são imediatamente recebidos com muita gentileza, inesperada como lemos em outras traduções. Essa bondade desloca os homens que um momento antes enfrentavam a fúria, a violência, o medo, a desconfiança. A bondade, portanto, traz imediatamente os náufragos de volta à sua condição de humanos. Este é o momento da verdadeira chegada. “O local de desembarque traz consigo a esperança, pois o “proda” é um local fácil de atracar, consente a chegada e acolhe[1]”. A palavra bondade, portanto, também poderia ser substituída pela palavra humanidade[2]: “Trataram-nos com humanidade”.

E esta humanidade redescoberta e salva é imediatamente reunida em torno de uma fogueira. Aqui as pessoas param, sentam-se e formam um círculo. Nesta circularidade (que já havia acontecido uma vez durante a travessia no momento de partir o pão juntos) as hierarquias são superadas, não há mais soldados, marinheiros, prisioneiros, mas pessoas que se salvaram juntas. Nesta circularidade superam-se os desequilíbrios de poder e os conflitos, olha-se nos olhos e descobre-se no Outro a própria condição humana.

Desta hospitalidade inesperada, que com a sua força apaga a violência da viagem, na circularidade do reconhecimento do Outro, nasce tanta vitalidade. De fato Paulo, nos versículos seguintes, fará várias curas aos enfermos da ilha de Malta. Aqui a circularidade continua: conforme recebo, dou. E nessa história, primeiro você tem que passar pela tempestade, pelo conflito, depois você tem que saber receber, saber ser acolhido e, só então, você pode dar, retribuir. Foi Deus quem nos amou primeiro.

O que esta história nos diz hoje? Vamos voltar ao início.

Essa jornada assustadora e desesperada parece muito semelhante àquelas que fazem parte de nossa história hoje. Em vez de soldados, marinheiros e prisioneiros, temos milícias, traficantes de pessoas, a chamada guarda costeira líbia e pessoas que fogem em busca de uma vida diferente, em busca de uma esperança, em busca de uma chance. A travessia torna-se um pesadelo, a salvação parece inalcançável – “Durante vários dias não se via o sol nem as estrelas, e a tempestade tornava-se cada vez mais forte. Toda a esperança de nos salvar já estava perdida”, diz o texto.

A tempestade da história, com toda a sua violência e fúria, hoje, porém, não é um estado da atmosfera, uma expressão da força da natureza. A tempestade hoje é feita por portas fechadas – ou portos – por leis que a negam em vez de defender a vida. A tempestade hoje é um sistema que permite que as pessoas morram no mar, nos desertos, nos campos de concentração da Líbia. A violência da tempestade de hoje é mais sutil, porque imobiliza as pessoas nas fronteiras, deixando-as em estado de abandono e privação, que as transforma em “mortos-vivos”[3]em seres humanos ainda vivos, mas desprovidos de seu caráter humano a quem é negada a capacidade de agir.

O acto de desembarcar, ou de ser acompanhado por uma embarcação de uma ONG, não basta para salvar os náufragos de hoje, não basta para resistir àquela tempestade. Quantas vezes também esta ilha é um lugar de chegada, uma terra de salvação. Mas se criamos a tempestade com nossas leis, com nossas escolhas políticas e econômicas, precisaremos de muito mais do que um píer para pisar.

Precisamos saber lidar com a “bondade”, precisamos devolver a humanidade a toda uma parte do mundo que, ao contrário, desumanizamos para justificar nossa violência e nossa ganância. Você precisa saber sentar em círculo, quebrar as diferenças de poder e olhar o Outro nos olhos. Precisamos nos reconhecer no Outro e no Outro.

Por trás da violência de deixar morrer nossos irmãos e irmãs, está latente a ideia de que eles são um pouco menos humanos do que nós, um pouco menos pessoas, portanto tendo um pouco menos de direito de escolher para onde ir e que vida querem.

Mas como cristãos temos outro olhar, certo? Deus não foi feito homem por meio de Jesus Cristo? Não foi Deus quem primeiro quebrou essa hierarquia, essa distância? E Jesus, em sua corporeidade, não representa toda a humanidade, com igual dignidade e liberdade? O próprio Jesus nos ensina a ir ao encontro do Outro para nos reconhecermos. Fá-lo através de figuras marginalizadas, fá-lo através das mulheres, dos pobres, dos doentes. Jesus cruza continuamente as linhas entre puro/impuro, sagrado/profano, escravo/mestre, pobre/rico, vida/morte[4].

A história de Atos nos mostra o quanto estamos, todos juntos, literalmente no mesmo barco, tanto na tempestade quanto no local de desembarque. Todos na história temem por suas vidas, e quando você acredita que tudo está perdido, quando pensa que não há mais esperança, quando parece que não vê o horizonte, a única forma de superar essa crise é se juntar aos seus companheiros de viagem. E em Cristo somos todos viajantes juntos! Paulo nos diz que para nos salvarmos devemos permanecer juntos, como iguais, fortalecendo-nos e nos redescobrindo na humanidade do Outro.

Na introdução do SPUC deste ano lemos: “Esta história interpela-nos como cristãos que enfrentamos juntos a crise migratória: somos coniventes com forças indiferentes ou acolhemos com a humanidade, tornando-nos assim testemunhas do amor de Deus por cada pessoa? […] Nos caminhos tempestuosos e nos encontros fortuitos da vida, a vontade de Deus para a Igreja e para toda a humanidade atinge o seu cumprimento; como Paulo proclamará em Roma, a salvação de Deus é para todos (Atos 28:28).

E, portanto, irmãos e irmãs, ou somos livres e livres juntos (estamos seguros e seguros juntos) ou somos escravos e escravas juntos[5].

Amém.

[1] Vanessa Ambrosecchio (2020), tp24.it.

[2] Luca M. Negro (2020), nev.it.

[3] Mbembe A. (2003), necropolíticaem “Culturas Públicas”.

[4] Verde E. (2007), O Deus sem limitesClaudiana, Turim.

[5] Solnit R. (2017), Os homens me explicam as coisas. Reflexões sobre a opressão masculinaPonte delle Grazie, Milão.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Em 9 de outubro, o primeiro episódio da Rádio GLAM.  Do ego ao eco

Em 9 de outubro, o primeiro episódio da Rádio GLAM. Do ego ao eco

Roma (NEV), 5 de outubro de 2022 – Tudo está pronto para o primeiro episódio da Rádio GLAM. Encontro no zoom, domingo, 9 de outubro, às 18h. O tema deste primeiro encontro é: como passar do ego ao eco… “Estávamos sozinhos e formulamos algo juntos. Assim nasce uma ecocomunidade", diz o coordenador da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), Maria Elena Lacquaniti. A Radio GLAM coleta vozes em torno do meio ambiente e da globalização. Neste primeiro episódio haverá uma conexão com a igreja batista na via dei Bastioni em Civitavecchia, promovida como uma "eco-comunidade autônoma". Além disso, falaremos sobre os compromissos de novembro. Uma ecocomunidade autônoma é aquela que, de baixo para cima, decide levar a sério os pedidos coletivos. E reúne escolhas individuais e coletivas a serviço da comunidade e do meio ambiente. Assim, portanto, a igreja de Civitavecchia e seus membros optam por usar energia fotovoltaica. Promover o uso de lâmpadas de baixo consumo. Eles dizem não ao plástico. E, novamente, eles separam, reciclam e reutilizam. Eles decidem abrir uma conta corrente "ética" excluindo bancos armados. Eles fazem viagens sustentáveis. Eles cultivam jardins e estudam como criar jardins compartilhados sustentáveis. Para participar da Radio GLAM envie um e-mail para o seguinte endereço de e-mail comissã[email protected] ou entre em contato com os representantes da comunidade ecológica. A igreja anfitriã da Rádio GLAM Está localizado em Civitavecchia na via dei Bastioni 18. Pastor: Italo Benedetti. Está presente na área há 120 anos e conta com 50 associados. É uma comunidade ecológica desde 2017. Entre as práticas virtuosas contamos: instalação de painéis fotovoltaicos, adoção de iluminação economizadora de energia, abolição total do plástico, sensibilização na escolha do banco, celebração do Tempo da Criação, organização de conferências sobre questões ambientais, convênios com escolas para a elaboração de "corredores ecológicos e ecumênicos para insetos polinizadores". Foto Alex Blajan – Unsplash Mais algumas informações: Quem ouve Rádio GLAM? Todos aqueles que têm interesse em fazer parte desta comunidade, que questiona e une numa eco-comunidade ou que olha com curiosidade para conhecer, para propor, para participar até com um contributo criativo, música, leitura, partilha de materiais. Por que o nome Radio GLAM? Porque usa a linguagem direta e imediata do rádio, uma linguagem simples na qual jovens e adultos podem se reconhecer e se expressar. Quando Rádio GLAM? Todos os meses, um encontro de uma hora durante o qual haverá testemunhos e/ou informações de eco comunidades, mas também de crentes individuais, ativistas, apoiadores da sociedade civil interessados ​​em questões relacionadas à espiritualidade e proteção da criação que o GlAM apóia. Notícias, projetos e programas nacionais e internacionais… Como assinar a Rádio GLAM? Envie um e-mail para o seguinte endereço de e-mail [email protected] ou entre em contato com os representantes da comunidade ecológica. Até breve nessas frequências! ...

Ler artigo
Parentes substitutos.  Quando cuidadoras e empregadas domésticas se tornam mães, esposas ou filhos

Parentes substitutos. Quando cuidadoras e empregadas domésticas se tornam mães, esposas ou filhos

Imagem gerada com GPT-3, o modelo de geração de linguagem em grande escala da OpenAI - openai.com (ER/NEV) Roma (NEV), 16 de março de 2023 – 2 milhões de ajudantes e cuidadores domésticos, especialmente mulheres, mas não só. Cerca de metade dos quais são invisíveis e pagos fora dos livros. Apenas os trabalhadores do setor de serviços e mecânicos são numericamente mais numerosos, com 4,1 e 2,3 milhões de pessoas, respectivamente. Os que trabalham no setor doméstico superam os professores e os que trabalham nos transportes (ver Il Sole 24 Ore neste artigo). Estamos falando de mulheres e homens que cozinham; lavam e passam roupas; limpam cozinhas, salas e banheiros; que cuidam dos filhos dos outros; que acompanham os idosos na jornada, longa ou curta, da velhice. O trabalho doméstico é, na maioria dos casos, realizado por mulheres, tanto no que diz respeito a quem é pago para fazer este trabalho como nas famílias (em todos os países europeus há uma percentagem mais elevada de mulheres do que de homens que se ocupam dos cuidados com os filhos, tarefas domésticas e cozinha, dados ISTAT). No entanto, pesa sobre os cuidadores e trabalhadores domésticos uma “substituição” de papéis, que implica também um envolvimento relacional, emocional, existencial. Bem como, em alguns casos, a falta de reconhecimento social e econômico. Essas pessoas vivem conosco, em nossa sociedade, em nossas casas, frequentam nossas igrejas. Pedimos ao ministro de evangelização da Igreja Batista de Roma Trastevere, pároco Ivano De Gasperisum testemunho. “A ajuda doméstica é um tema sempre presente que preocupa os ricos, mas não só. Este tema também questiona as comunidades religiosas e os círculos de fé. Devemos sempre ter clareza sobre os limites entre experimentar um privilégio, um apoio e o que poderíamos definir como exploração real”, diz o pastor. “É o pão de cada dia para nós – continua De Gasperis – acompanhar essas irmãs, essas famílias, esses irmãos. Freqüentemente, famílias inteiras estão envolvidas neste trabalho, às vezes esposas e maridos são separados porque trabalham em famílias diferentes. Eles vivem em situações difíceis. Recentemente, conversei com uma mulher que queria parar. Porque quase se tornam mães dos filhos que cuidam. Há mães que se desinteressam completamente dos filhos naturais. Mães e pais que delegam, que confiam quase totalmente a educação dos filhos a babás; empregadas domésticas que quase se tornam esposas de maridos com quem talvez não haja mais um bom relacionamento. Onde talvez existam casais divorciados. Em alguns casos, esses colaboradores se veem tendo que fazer a mediação entre um e outro". Imagem gerada com GPT-3, o modelo de geração de linguagem em grande escala da OpenAI – openai.com (ER/NEV) …”sacrificar-se como membros da família” A estas “nossas irmãs”, a estes “nossos irmãos”, é pedido que “vivam para os outros, portanto, que se sacrifiquem como se fossem membros da família. Eles se dirigem aos empregadores como 'minha avó'. Eles vivem juntos, às vezes desenvolvendo patologias”, continua o pastor. Algumas dessas pessoas têm contato limitado com o mundo exterior, “justamente pelo trabalho delicado que realizam. Alguns empregadores até os fazem prometer não ver ninguém, trancam os cuidadores e os idosos durante anos” (pense no período da pandemia). Essas pessoas “tornam-se mães, esposas, filhas. Às vezes, eles são mal pagos ou, se pagos honestamente, certamente não são pagos por esse tipo de 'performance'. Fala-se inclusive de um novo perfil psicopatológico, a 'síndrome italiana'. Uma forma de depressão. Pensemos, por exemplo, em quantos são obrigados a chorar à distância. Ou, de volta ao seu país de origem, encontram-se em casa com maridos que já eram um casal estável com outra mulher e com filhos que as odeiam porque se sentiram abandonadas quando suas mães vieram trabalhar na Itália”. Workshop sobre casa, família e trabalho doméstico No próximo dia 23 de março (às 10h na Sala Salvadori da Câmara dos Deputados, em Roma) a segunda papel do Relatório 2023 Família (Net) Trabalho, "Workshop sobre casa, família e trabalho doméstico". Editado pelo Centro de Estudos e Investigação Idos, este relatório centra-se na necessidade familiar de mão-de-obra estrangeira no sector dos cuidados e assistência ao domicílio. Entre os palestrantes também Júlia Gori, oficiais de projeto do programa de refugiados e migrantes da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), "Esperança do Mediterrâneo", representando a campanha "Fui estrangeiro" à qual a própria FCEI adere. Giulia Gori vai chamar a atenção para a questão da falhada regularização de 2020 ("Fui estrangeira" de facto faz um acompanhamento atento das práticas, donde resulta que ao fim de três anos alguns territórios já realizaram cerca de metade delas). Além disso, a proposta de superação do sistema de cotas do decreto de fluxo, cotas que, aliás, não contemplam as pessoas que exercem o trabalho doméstico, portanto, impossibilitadas de regularizar-se. Em cima da mesa, fui estrangeiro ainda põe o pedido de abertura a autorizações de residência para trabalho ou a uma regularização que permita a saída do trabalho não declarado. O Relatório 2023 será apresentado na íntegra em novembro deste ano e está dividido em 4 capítulos, cada um dos quais a cargo de um dos parceiros do projeto, promovido pela Assindatcolf em parceria com o Censis, Effe (European Federation for Family Employment & Home Care), Fundação de Estudos de Consultores Trabalhistas e Centro de Estudos e Pesquisas Idos. Para saber mais: 01/03/2023 Migrantes, Assindatcolf-Idos: para o setor doméstico fluxos fechados há 12 anos, cuidadores e trabalhadores domésticos não estão mais disponíveis 09/03/2023 Migrantes, Assindatcolf: Governo estende decreto de fluxo também a empregadas domésticas e cuidadoras ...

Ler artigo
Ouça minha voz, ouça minha voz

Ouça minha voz, ouça minha voz

Roma (NEV), 4 de abril de 2022 – A exposição pop-up sobre "Perspectivas e experiências migrantes através da arte" é intitulada "Ouça minha voz", que será inaugurada na quinta-feira, 7 de abril, às 18h30, na igreja valdense na Piazza Cavour, em Roma. A iniciativa é resultado de uma série de oficinas de arte realizadas por voluntários britânicos Karen E Bill Crooks, respectivamente terapeuta e artista, facilitador e especialista em construção de comunidades. Bill Crooks colabora como consultor da Clewer Initiative, um projeto da Igreja Anglicana para combater a exploração de pessoas e todas as formas de escravidão moderna. As oficinas foram frequentadas por migrantes na Calábria, em Camini, e na Sicília, em particular em Scicli, na Casa delle Culture, no âmbito do programa de migrantes e refugiados da FCEI, Mediterranean Hope. O projeto compreende quatro fases, incluindo a realização de um vídeo, uma coleção de obras de arte feitas por migrantes e refugiados, uma série de pipas e uma instalação sobre o tema da exploração dos trabalhadores migrantes. Após a inauguração em Roma, a exposição itinerante “Posteriormente, passará a atingir outras igrejas na Itália, a assembléia do Conselho Mundial de Igrejas na Alemanha e outras catedrais na Inglaterra. Em cada etapa do percurso, a exposição será um estímulo para a discussão e a comparação, e permitirá vislumbrar outras perspectivas - como afirma a apresentação do projeto -. As instalações foram projetadas para serem facilmente transportadas, montadas e desmontadas. Uma série de materiais acompanhará a exposição e será fornecida a quem desejar hospedá-la. Em particular, foram produzidos: um pequeno vídeo explicando como montar os painéis, uma série de postagens para circular nas mídias sociais, uma cartilha ilustrativa com informações básicas e detalhes sobre o trabalho, algumas perguntas para estimular o debate em pequenos grupos de discussão . A exposição é composta por quatro instalações, cada uma tratando de um tema diferente”. A exposição estará aberta na sexta-feira, 8 de abril, das 15h às 19h, no sábado, 9 de abril, das 14h às 18h, no domingo, 10 de abril, das 13h às 16h, na Igreja Valdense na Piazza Cavour, na via Marianna Dionigi 59. Para aqueles desejando hospedar a exposição, entre em contato com [email protected] ou [email protected]. AQUI o flyer em formato pdf Hear My Voice é o resultado de uma colaboração direta entre a Federação de Igrejas Evangélicas da Itália e a Iniciativa Clewer, o trabalho da Igreja Anglicana contra a exploração e a escravidão moderna. Agradecimentos sinceros a Bill e Karen Crooks, Luca Badetti e aos alunos da University of Loyola Chicago e do Centro Anglicano de Roma por seu apoio. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.