Líbano, o compromisso da FCEI – Nev

Líbano, o compromisso da FCEI – Nev

Roma (NEV), 22 de janeiro de 2021 – Não há mais emergências em Beirute.

Mediterranean Hope, o programa de migrantes e refugiados da Federação de Igrejas Evangélicas na Itália, decidiu, imediatamente após as explosões de seis meses atrás, continuar presente neste contexto, na capital libanesa de onde partem os corredores humanitários Tavola Valdese e S.Egidio têm vindo a realizar desde 2016. Remodulando a sua intervenção, precisamente em virtude dos muitos problemas que o Líbano atravessa.

Fê-lo juntando-se ao projecto de solidariedade “de base”, Nation Station, nascido no bairro de Geitawi, um dos mais atingidos pelas explosões do passado mês de Agosto. A colaboração nasceu graças à doação econômica de 50 mil euros do Conselho Valdense através do Otto per mille das Igrejas Valdense e Metodista e com outros 25 mil euros arrecadados com uma assinatura nacional lançada pela FCEI após os acontecimentos que abalaram Beirute no último verão.

“Desde 2016, o MS atua no Líbano para coordenar a saída de refugiados, principalmente sírios, pelos corredores humanitários, promovidos em conjunto com a Comunidade de Sant’Egidio e a Tavola Valdese. Este novo projeto pretende ser um sinal de solidariedade total, dirigido aos cidadãos deste pequeno, grande país que soube acolher milhares de refugiados”, explica o pároco Luca Negropresidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália.

O Nation Station é um posto de gasolina abandonado há anos onde, a 5 de agosto de 2020, alguns jovens residentes no distrito de Geitawi decidem criar um local de acolhimento e recolha de bens para distribuir. Não só isso, com a limpeza da estação, ela se torna um polo social, cultural e assistencialista e hoje conta com uma ampla rede de voluntários e funcionários, estruturada em departamentos específicos. Vão desde a cozinha – com mais de 26 mil refeições quentes entregues até ao momento – à equipa de avaliação de danos estruturais das casas, passando por uma equipa dedicada à reabilitação das casas: até à data 126 casas voltaram a ser habitáveis . Por último, a área em que a FCEI está mais directamente envolvida, o departamento médico, gerido integralmente pela Medical Hope, com o Luciano Griso, juntamente com dois operadores locais. Até 9 de janeiro de 2021, o departamento médico da Nation Station acompanhava 313 pacientes.

Doutor Griso visitando um paciente

Graças ao empenho da Medical Hope e dos protestantes italianos, numerosas atividades no setor da saúde foram realizadas e estão sendo realizadas. Foi criado um banco de dados sobre as necessidades médicas dos habitantes de Geitawi, foi aberta uma “farmácia popular” com os remédios mais solicitados pela população (aos quais são oferecidos gratuitamente), foi montada uma pequena clínica. Os medicamentos são fornecidos em casa para pacientes que sofrem de doenças crônicas e em condições de pobreza. Além disso, foram assinados convênios e acordos com laboratórios e outras farmácias locais para tratamentos e testes para as pessoas mais vulneráveis. Por fim, e esta atividade tem crescido com a evolução da pandemia, o MH trata da compra e distribuição de materiais sanitários, desinfetantes e máscaras.

“A meta para o futuro, pelo menos até agosto de 2021 – explicam os operadores da FCEI Silvia Turati, Irene Vlad, Halima Tanjaoui e o chefe da Medical Hope, Luciano Griso – é continuar a prestar apoio de saúde, ativar um sistema de monitorização ad hoc sobre a Covid19, facilitar o acesso a serviços de saúde mental e apoio psicossocial às pessoas afetadas pela explosão, organizar eventos de informação e formação, mas também recreativos e desportivos. Queremos também continuar a prestar o nosso apoio à cozinha da Estação Nação, concretizar parcerias com outras entidades envolvidas na assistência à população e, por fim, produzir relatórios sobre a situação da saúde em Beirute, para acompanhar as necessidades médicas mais urgentes, informação que gostaríamos gosto de colocar à disposição todas as realidades capazes de dar uma mão”.

Um grande compromisso que continua, portanto, e que tem recebido importante apoio da Mesa Valdense.

“Estamos satisfeitos, à nossa pequena maneira, por poder contribuir activa e concretamente para a reconstrução de um país tão afectado pela pandemia, pela crise económica, e devastado pelas explosões do passado mês de Agosto. Continuaremos apoiando essas realidades do mundo que a pandemia tornou ainda mais invisíveis”, declara o moderador da Mesa Valdense Alessandra Trotta.

Enquanto isso, ainda ontem, 21 de janeiro, o Líbano estendeu o bloqueio total, em vigor desde 14 de janeiro, para conter a propagação do novo coronavírus até 8 de fevereiro. O anúncio foi feito pelo gabinete do primeiro-ministro cessante, Hassan Diab. O bloqueio limita as viagens e impõe um toque de recolher. Todas as instituições e bancos públicos e privados estão fechados, supermercados e restaurantes poderão oferecer serviços de entrega das 5 às 17. Fundo Nacional de Seguro Social, fábricas médicas e de alimentos, mercados atacadistas de alimentos, moinhos de farinha , padarias, farmácias, laboratórios médicos, clínicas, casas de câmbio e transferências, postos de gasolina e seguradoras podem funcionar em determinados horários do dia. Na quarta-feira, 20 de janeiro, o Líbano registrou 4.332 casos, elevando o número total de infecções para 252.812 desde o início da pandemia, com mais de 2.000 mortes.

As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Fortalecendo o diálogo inter-religioso no mundo

Fortalecendo o diálogo inter-religioso no mundo

foto CEC Roma (NEV), 12 de fevereiro de 2020 – A reunião anual do Pontifício Conselho para o Diálogo Inter-religioso e do Conselho Mundial de Igrejas (CEC) aconteceu no Centro Ecumênico de Genebra e no vizinho Chateau de Bossey de 6 a 7 de fevereiro . O pessoal do Pontifício Conselho para o Diálogo Inter-religioso e o Escritório para o Diálogo e a Cooperação Inter-religiosa do CMI trocaram notícias sobre as várias atividades realizadas no ano passado e analisaram os programas futuros. Uma das principais características do encontro foi a elaboração de um documento conjunto, "Servir juntos em um mundo ferido: rumo à solidariedade inter-religiosa". Desde 1977, os dois escritórios têm editado conjuntamente uma série de publicações inter-religiosas, incluindo “Interreligious Prayer” (1994); “Reflexão sobre o casamento inter-religioso” (1997); “Testemunho cristão em um mundo multirreligioso”: Recomendações de conduta” (2011); e “Educação para a paz em um mundo multirreligioso: uma perspectiva cristã” (2019). A reunião foi seguida por mais dois eventos que atraíram grande participação. Primeiro, uma mesa redonda com a presença de líderes de diferentes religiões, bem como diplomatas, trabalhadores inter-religiosos, ativistas pela paz, que explorou o tema "Repensando o engajamento inter-religioso em um mundo ferido". Em segundo lugar, o CMI organizou o lançamento em novo formato de "Diálogo Atual", a revista do CMI sobre as relações inter-religiosas, dirigida aos trabalhadores inter-religiosos, pesquisadores, estudantes, instituições acadêmicas e todos os interessados ​​no estudo das religiões. ...

Ler artigo
Prêmio Interfedi ao filme “Sonhos moram nas árvores” de Marco Della Fonte

Prêmio Interfedi ao filme “Sonhos moram nas árvores” de Marco Della Fonte

Detalhe do cartaz do filme "Sonhos moram nas árvores" de Marco Della Fonte Roma (NEV), 5 de dezembro de 2022 – O júri da Interfedi concedeu ao filme o “Prêmio pelo respeito às minorias e pelo secularismo” “Sonhos habitam árvores”. estréia do diretor Marcos Della Fonteconvidado do 40º Festival de Cinema de Turim (25 de novembro – 3 de dezembro de 2022), o longa-metragem recebe assim o reconhecimento da nona edição deste júri especial. O Júri Interfedi é de fato promovido, desde 2013, pela Igreja Valdense e pela Comunidade Judaica de Turim, com o patrocínio do Comitê Interfedi da Cidade de Torino. Este é o raciocínio: júri 2022 O Júri Interfedi 2022 é composto por Walter Nuzzo (representando o Comitê Inter-religioso). Nino Pennacchia (Igreja Valdense). Daniel Segre (comunidade judaica). Prêmio Interreligioso “O reconhecimento, estabelecido em 2013 por iniciativa da Igreja Valdense e da Comunidade Judaica de Turim, com a participação do Comitê Inter-religioso da Cidade de Turim, visa premiar e chamar a atenção para filmes que contribuam para dar voz a todos tipos de minorias, para promover o respeito pelas mesmas, o reconhecimento dos direitos, a integração, a superação da discriminação e que afirmem os valores da laicidade, a cultura da tolerância, o respeito pela autonomia, a liberdade e a responsabilidade individual" lê-se no comunicado de imprensa do Prémio. Este Prémio pretende reafirmar “os valores que constituem os fundamentos de toda a sociedade verdadeiramente democrática e pluralista”, denunciando toda a intolerância e racismo, propaganda anti-semita e discriminação contra as comunidades de fé, em primeiro lugar a islâmica. De fato, afirma "acolhida, partilha, solidariedade, respeito mútuo, dignidade humana, aceitação das diversidades étnicas, culturais e religiosas como fundamentos de uma sociedade justa e inclusiva, multiétnica, multiconfessional, multicultural, na qual os direitos e as liberdades do indivíduo sejam preservadas". O Comitê Inter-religioso da cidade de Turim reúne representantes do cristianismo (católicos, protestantes e ortodoxos), judaísmo, hinduísmo, islamismo, budismo e mundo mórmon. ...

Ler artigo
Páscoa sem jantar e sem Eucaristia?  As pessoas não são um acessório

Páscoa sem jantar e sem Eucaristia? As pessoas não são um acessório

Foto James Coleman - Unsplash Roma (NEV), 9 de abril de 2020 – As mãos vazias dos presos na Páscoa, em uma prisão uruguaia, durante a ditadura militar de meados dos anos 1970. Desta história, dos presos que celebram a Páscoa tranquilamente com a partilha de um pão invisível e um copo de vinho, fica a reflexão “Jantar de mãos vazias” da pastora maria bonafede no boletim de abril da “Hospitalidade Eucarística”, que oferece várias ideias sobre a Páscoa (e a Santa Ceia) em tempo de coronavírus. É uma história que o pastor Bonafede, ex-moderador da Mesa Valdense, ouviu há cerca de quarenta anos durante uma aula na Faculdade Valdense de Teologia em Roma pelo pastor Paulo rico e que de alguma forma está ligada à próxima Páscoa, que os cristãos de todas as confissões provavelmente experimentarão na ausência: "Hoje tudo é diferente, mas não consigo tirar da cabeça aquele fato distante e impressionante da presença de Cristo nas mãos vazias dos prisioneiros. Na situação que vivemos, devido à pandemia do COVID-19, celebraremos uma Páscoa em que não nos faltará os elementos, o pão e o vinho, mas nos faltará outro elemento indispensável, a comunhão dos crentes, estar juntos à ceia ". Essa não é a única percepção captada por Margarida Ricciuti (valdense) e Pedro Urciuoli (católico), editores da folha que abre com uma matéria intitulada "Estar junto: um conceito a revisitar?" e continua com o artigo publicado no Reino das Mulheres Sem presbítero, não, sem povo, sim? do teólogo católico Simona Ségoloni Ruta. "A proximidade espacial garante o controle social e a proximidade física, mas não a proximidade mental e espiritual", escrevem Ricciuti e Urciuoli na introdução. Segoloni Ruta esboça o significado da Eucaristia e sublinha: “não é possível celebrá-la se o povo não estiver reunido”. O risco é que o povo seja declarado "acessório" para a liturgia, com consequente retorno ao "empresas desiguais centrado na prática sacramental: sem sacerdócio batismal, sem sinodalidade". A edição de abril da “Hospitalidade Eucarística” procura também encontrar os aspectos positivos da situação de emergência: o aumento da comunicação, ainda que virtual, e a redescoberta de alguns valores e princípios da fé cristã. A ficha também menciona Alberto Melloni, que falou sobre os ritos pascais na TV do La Repubblica no dia 5 de abril. O historiador do cristianismo se pergunta se, na atual situação de jejum eucarístico forçado, não poderia acontecer que algum “não sacerdote” parta o pão em casa para poder viver espiritualmente a Eucaristia. Depois de uma reflexão do pároco católico de algumas comunidades da Alta Val Camonica José Magnolini"Hospitalidade Eucarística" conclui com um trecho do sermão do pároco valdense Rosário Confessor por ocasião da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos (SPUC) 2020, na qual, parafraseando o versículo "Eles nos trataram com bondade", questiona se não é o caso de ir além da mera "bondade ecumênica" promovendo também na nível institucional, a Hospitalidade Eucarística. A Folha “Hospitalidade Eucarística” nasceu dentro do grupo ecumênico “Partir o Pão” nascido em 2011 em Turim, que inclui crentes individuais protestantes e católicos. O grupo envolve também igrejas, mosteiros e paróquias e está aberto a todos os interessados ​​em praticar a recepção recíproca da “Santa Ceia Protestante” e da “Eucaristia Católica” nas igrejas; em 2017 também propôs um questionário sobre o tema. “O termo 'hóspede' indica tanto aquele que oferece hospitalidade como aquele que a recebe, pois ambos os sujeitos, embora com papéis diferentes, estão unidos por um valor superior: a hospitalidade – lê-se no subtítulo da folha -. Assim, a 'hospitalidade eucarística' é uma forma de dizer que somos todos hóspedes do único Senhor que nos acolhe e acolhe com todas as nossas diferenças. A Ceia pertence ao Senhor, não às Igrejas”. Para informações ou para receber "Hospitalidade Eucarística" você pode escrever para os seguintes e-mails: Margherita Ricciuti, Igreja Valdense. E-mail: [email protected] Pietro Urciuoli, Igreja Católica. E-mail: [email protected] ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.