No Hospital.  Ouvir que cura

No Hospital. Ouvir que cura

Diácono Máximo Longo

Roma (NEV), 11 de outubro de 2022 – O diácono valdense Máximo Longo acaba de concluir o período de “Educação Pastoral Clínica” (CPE), formação pastoral clínica. Esta disciplina nasceu por volta de 1920 nos Estados Unidos da América, por iniciativa do pastor presbiteriano Anton Theophilus Boisen. O curso, que confere uma Certificação reconhecida, é em si aberto a todos os interessados, sendo obrigatório para os que iniciam o ministério pastoral e a consagração. Em particular, destina-se, portanto, aos alunos da Faculdade Valdense de Teologia em Roma, provenientes das igrejas Batista, Metodista e Valdense. No entanto, houve participações maiores, inclusive ecumênicas. Uma psicóloga, por exemplo, o primeiro caso de “não-teólogo” a participar, havia pedido para fazer esse tipo de treinamento. E, novamente, alguns capelães e freiras católicos participaram de um seminário da CPE com o supervisor, pároco Sérgio Maná. Outros cursos de formação pastoral clínica também são propostos e implementados nas igrejas locais, onde existem grupos que visitam doentes em hospitais. No entanto, é necessária uma formação teológica básica, pois os momentos de pregação e adoração são conduzidos alternadamente por todos os participantes.

Perguntamos ao Diácono Massimo Long sobre a experiência como aprendiz.

Ela ele é um diácono da igreja valdense. O que isso significa? Quais são as suas funções e qual é o seu papel?

A igreja valdense reconhece algumas pessoas, a quem uma vocação foi dirigida e que se prepararam adequadamente, papéis específicos que são definidos como ministérios. Uma delas é a do diácono. Em meus mais de 30 anos de serviço à igreja, desempenhei várias funções: fui animador de jovens nas igrejas de Val Pellice (TO), onde estive particularmente envolvido na catequese e animação de grupos de jovens nas várias comunidades; Fui diácono comunitário na igreja de Rio Marina (Ilha de Elba), onde minhas funções eram de caráter pastoral, mas também tive a experiência de administrar uma “casa de veraneio”; em Turim, servi durante 16 anos e foi a minha experiência mais longa e diversificada: estive envolvido na coordenação do secretariado, na catequese juvenil, nas atividades musicais e sobretudo na coordenação das atividades diaconais, ou seja, nos serviços de apoio e assistência às pessoas em problema da cidade. Agora, há três anos, estou a serviço da igreja de Pomaretto e compartilho, com um colega pároco, o cuidado da comunidade e, portanto, das várias áreas: pregação, catequese, celebração de batismos e funerais e cuidado de almas às famílias e aos enfermos. No entanto, mantive um papel mais “diaconal” graças a um pequeno serviço de ajuda a pessoas em dificuldade que a comunidade local realiza.

Um momento de formação pastoral clínica “Educação pastoral clínica” (CPE). Foto Sérgio Maná

Em outubro você participou do curso Educação pastoral clínica” (CPE), com o supervisor, pastor Sergio Manna. Quatro semanas intensivas noHospital de Gênova. Você pode nos contar sobre o dia cara?

O nosso dia típico começava pela manhã às 9, com um culto preparado à vez por um de nós (3 formandos e o supervisor); seguiu-se um momento de briefing sobre o dia que nos esperava e, em geral, começaram as visitas aos pacientes nas enfermarias que nos foram atribuídas. Às 13h30 fazia-se uma pausa para almoço e às 14h retomava-se com uma parte teórica por parte do supervisor (sobre as várias vertentes da pastoral clínica) ou pelos médicos das várias especialidades que nos apresentavam alguns problemas relacionados com as várias patologias. Às 15h30/16 as visitas às enfermarias recomeçavam e terminavam às 17h. Depois, todas as semanas, havia encontros marcados que mudavam um pouco o nosso dia: cada estagiário tinha uma reunião individual de supervisão, havia a discussão de textualmente das visitas realizadas e na sexta-feira concluiu com um momento de avaliação do grupo.

Quais tópicos são abordados no curso?

O tema principal é o da pastoral hospitalar, que é tratado em várias passagens: introdução geral, escuta como elemento fundamental, diagnóstico pastoral ou das necessidades e problemas espirituais dos pacientes, identificação e uso pastoral dos recursos, pastoral do morrendo. Temas que também são abordados com a ajuda de suportes audiovisuais, de textualmente e discussões em grupo. No que diz respeito às reuniões com médicos especialistas, pudemos explorar, por exemplo, a telemedicina na gestão do doente idoso frágil, as novas tecnologias na cirurgia e na qualidade de vida dos doentes, o doente traumatizado, os problemas do internamento social, a comunicação na patologia neonatal e nos casos de privação social, a abordagem das adições e comportamentos abusivos, cuidados paliativos e cuidados em fim de vida.

Qual era para ela lávisual mais desafiador?

O hospital geralmente é o local onde se chega porque é forçado por uma situação clínica comprometida e, portanto, é uma concentração de sofrimento e doença e nem sempre as pessoas voltam para suas casas curadas ou com perspectiva de voltar à vida anterior. Não era fácil entrar nos quartos das enfermarias e ouvir as histórias, os sofrimentos e até a raiva daqueles que não conseguiam superar sua condição de doente. Foram 4 semanas que me marcaram profundamente emocionalmente, mas também me ajudaram a enfrentar essas questões com maior serenidade.

E qual, ao invés, o momento mais feliz?

Eu poderia muito facilmente responder dizendo que os momentos mais felizes foram as minhas visitas ao departamento de neonatologia e obstetrícia, quando conheci as mães que tinham dado à luz e tudo tinha corrido bem… mas isso seria muito fácil! Em vez disso, os momentos mais felizes foram quando compartilhei a alegria dos pacientes da enfermaria que finalmente voltaram para casa, talvez depois de passar semanas no hospital. Lembro também, no último dia de visitas no final do curso, do abraço com o marido de uma paciente que permaneceu em coma farmacológico por vários dias: tivemos boas conversas sobre a fé com ele, todas as manhãs eu passava no quarto e o encontrou ao lado da esposa.

Como o próprio Sergio Manna explica em umentrevista, esse tipo de treinamento é único na Itália. Há (mais) necessidade de pastoral clínica?

Depois de ter vivido pessoalmente esta experiência, posso confirmar a absoluta utilidade da pastoral clínica. E fico feliz que agora faça parte da formação daqueles que estão se preparando para ocupar o cargo de pastor ou diácono em nossa igreja. É uma pena que nossas forças atuais não nos permitam estabelecer um papel de capelania nos dois principais que ainda administramos: Nápoles (Villa Betania) e Gênova (Hospital Evangélico Internacional). Também seria bom poder estabelecer um serviço de capelania ecuménica, formando adequadamente os ministros das várias confissões e garantindo assim um serviço de qualidade nos hospitais.

A partir da esquerda, Sergio Manna e Massimo Long. Entrega do Certificado de “Educação pastoral clínica” (CPE)

Se você fosse recomendar esse caminho para alguém, o que gostaria de dizer?

Quando comecei minha formação para ser diácono, essa possibilidade de formação não existia. No entanto, estou muito feliz por poder fazê-lo, sobretudo porque será muito útil para o serviço pastoral que estou desempenhando no momento. Espero que nossa igreja possa continuar garantindo essa possibilidade de formação para o futuro, talvez abordando uma vocação para que outras pessoas possam ser formadas como supervisores. Seria uma pena se tudo parasse com a aposentadoria do pastor Manna.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

O sonho de uma Itália protestante

O sonho de uma Itália protestante

O webinar, organizado pela Comissão Batista-Metodista-Valdense (BMV) que trabalha para a Assembleia-Sínodo, tem como título: “O sonho de uma Itália protestante. História e atualidade de um percurso comum. Reconhecimento mútuo entre as igrejas batista, metodista e valdense cem anos após a Primeira Conferência das Igrejas Evangélicas Italianas". Émile Florio, professor de história e filosofia, fará uma retrospectiva histórica das relações entre as Igrejas BMV cem anos após o 1º Congresso Evangélico Italiano. “Aquela reunião realizada em novembro de 1920 – recorda Florio – foi julgada pela maioria como um fracasso: houve subestimação da complexidade dos problemas, não houve respostas definitivas e não se conseguiu a constituição de uma única igreja evangélica nacional. No entanto, é interessante ver como o mundo evangélico italiano, substancialmente sob a pressão dos leigos, questionou algumas questões, que em parte ainda nos questionam hoje: como falar à Itália como evangélicos? O que é liberdade religiosa? Qual relação entre as igrejas evangélicas é mais útil para fazer tudo isso?”. deexcursão historiador então, com a ajuda de três palestrantes (Gianna Urzio, Cláudio Paravati E John Bremner), será oferecido um vislumbre dos desafios futuros e das potencialidades do caminho comum. A última Assembléia-Sínodo foi realizada em Roma em novembro de 2007. Desde então parece ter diminuído o interesse entre nossas igrejas no caminho da colaboração e comunhão entre as igrejas batistas, metodistas e valdenses. É assim mesmo? Quais podem ser as razões? Três dos seis membros da Comissão de Trabalho da BMV para a Assembleia-Sínodo responderam a essas e outras perguntas. “Acho que houve uma queda no interesse – diz o pastor metodista Pedro Ciaccio – e que tem vários fatores contribuintes, que levaram a uma mudança de prioridades na agenda. Entre eles destaco três: o fenômeno migratório, no qual se concentra um grande empenho das igrejas valdenses e metodistas; o chamado da Comunhão das igrejas protestantes na Europa para esclarecer a contradição entre o reconhecimento mútuo dos membros e das igrejas sem que haja o reconhecimento mútuo do batismo; o enfraquecimento da Federação Juvenil Evangélica da Itália (FGEI), forja da “BMV”». “Acho que o BMV encalhou na questão do batismo – continua o pastor valdense David Rostan – um problema que ainda não entendo. Realizei a maior parte do meu ministério em igrejas batistas e valdenses no contexto de projetos de colaboração territorial e, na prática pastoral, encontrei-me enfrentando a questão do batismo ou da confirmação com uma abordagem mais sociológica e simbólica do que teológica. Mais do que apenas discussões teológicas, tenho visto prevalecer, tanto do lado batista quanto do lado valdense e metodista, um apego à identidade que tem muito pouco a ver com a realidade da pastoral e com os problemas reais de nossas igrejas”. . “Acho – acrescenta o pastor batista Daniel Podesta – que a diminuição do interesse pelo BMV se deve também ao fato de que hoje vivemos uma época em que cada vez mais somos levados a nos retirarmos para o próprio quintal, e nossas igrejas não estão imunes a essa tendência. Mesmo as igrejas da mesma denominação, em nível regional ou na mesma cidade, estão encontrando cada vez mais dificuldade para colaborar, com algumas exceções. A questão certamente não será resolvida por webinars de 21 de novembro, mas esperamos que dê início a uma reflexão que leve a uma nova visão de uma hipótese de trabalho comum". – Então, onde recomeçar o relacionamento e a comunhão de nossas igrejas? “Recomecemos da vocação comum – responde Ciaccio -, que é servir ao Senhor na cidade onde Deus nos chamou a viver, levando adiante as respectivas tradições, histórias e teologias. Isso é suficiente para reviver o BMV? Não sei, deveria ser." “Talvez – diz Rostan – possamos recomeçar considerando as colaborações territoriais não como um 'plug-gap' para responder à falta de recursos econômicos e pastorais, mas uma ferramenta para racionalizar nossos recursos e lançar projetos missionários”. Sobre a necessidade de recomeçar a partir das igrejas locais, Podestà continua: “Mais do que nos documentos oficiais, que também são importantes, devemos nos concentrar naqueles projetos de colaboração territorial nos quais os membros da igreja possam se sentir direta e ativamente envolvidos”. O pastor cita a experiência dos cultos online preparados durante o confinamento das igrejas evangélicas de Milão, ou a experiência de adoração de zoom, no qual estiveram envolvidos vários pastores e pastoras das igrejas BMV. “Devemos esperar essas novas formas de colaboração, pois elas podem ampliar nosso escopo de trabalho comum.” Os executivos incentivaram uma ampla participação no webinars, especialmente por aqueles que se juntaram recentemente a uma de nossas igrejas. “Numa época em que estamos totalmente afogados em agendas de coisas para fazer, – diz Ciaccio -, este webinars é uma boa oportunidade para tirar algum tempo para fazer perguntas que são importantes para nossas igrejas”. “Para aqueles que recentemente participaram da vida de uma de nossas igrejas – sugere Rostan – eu diria: 'caro irmão, irmã, seja qual for a igreja protestante histórica que você escolheu para frequentar, você não está sozinho, existem outros protestantes que têm histórias diferentes; venha e veja o que o protestantismo fez neste país'”. “Eu começaria pelo título de webinars, 'O sonho de uma Itália protestante' – conclui Podestà -. Em uma sociedade dividida, onde cada vez mais muros de separação estão sendo construídos, acho importante reiterar a necessidade de se apegar ainda hoje a esse sonho de unidade e, portanto, gostaria de encorajar as pessoas a participar da reunião para entender como eles pode fazer parte da realização desse sonho”. ...

Ler artigo
Um instituto ecumênico, um sinal profético de diálogo em Marrocos

Um instituto ecumênico, um sinal profético de diálogo em Marrocos

Roma (NEV/Riforma.it), 1º de abril de 2019 – “Um sinal profético”: assim disse ontem o Papa Bergoglio em visita a Marrocos definiu o Instituto de Formação Teológica Al Mowafaqa (The Meeting) de Rabat, que representa um unicum no continente africano, pois foi criado graças a uma ação conjunta de católicos e protestantes para promover o diálogo e o ecumenismo, especialmente em relação à religião dominante na região, o Islã. Fundada em 2012, a escola formou cerca de 400 alunos ao longo dos anos na cultura do diálogo inter-religioso, e atualmente acolhe 40 deles, divididos igualmente entre católicos e protestantes, quase todos africanos, mas não faltam jovens de origem europeia . Cerca de oitenta professores se alternaram na cadeira nestes 6 anos, também de origem africana e europeia. O pastor luterano atualmente dirige o instituto Jean KoulagnaCamarões, após 6 anos de liderança do pastor reformado francês Bernard Coyault. O projeto é apoiado, entre outros, pelo Serviço Missionário Protestante Francês (Défap), tanto com financiamento direto quanto com o envio de bolsistas. O crescimento das tensões ligadas à radicalização religiosa evidencia a cada dia a necessidade de manter vivo o diálogo entre as diversas religiões. Mas como um pode dialogar sem saber do outro, em que se baseia sua fé? O Instituto realmente tenta ser um ponto de encontro entre as diferentes religiões. Criado pela Igreja Católica no Marrocos e pela Igreja Evangélica no Marrocos, o instituto oferece formação universitária em teologia em língua francesa, enraizada no contexto marroquino, aberta ao encontro e ao diálogo com outras culturas e religiões, principalmente a islâmica. O apoio para o planejamento da iniciativa veio da Faculdade Teológica Protestante de Estrasburgo e do Instituto Católico de Paris. O último ano letivo contou com 36 professores (8 mulheres) da Europa (15), Marrocos (5), outros países africanos (14), Líbano (2), protestantes (15), católicos (14), muçulmanos (5), judeus (2). As classes refletem essas diferenças; um exemplo acima de tudo, uma turma de 18 alunos de 14 países diferentes: o seu percurso de estudo divide-se entre várias opções: alunos que se candidatam a igrejas em Marrocos, servindo também em paróquias locais (4 católicos e 3 protestantes), alunos independentes e alunos enviados de outros países por sua igreja local. Estudantes católicos, reformados, evangélicos, pentecostais são a confirmação da crescente influência do Instituto e da relevância do modelo de formação teológica "em diálogo", especialmente em países onde o cristianismo é minoria. Marrocos, envolvido nos últimos anos pelo êxodo de populações que se deslocam de países subsaarianos para a Europa ou para os mesmos países com melhores condições económicas, incluindo o próprio Marrocos. Daí as novas contaminações religiosas que também caracterizam a sociedade marroquina. Outras nações do continente vivem tensões nas quais as identidades étnico-religiosas são perigosamente manipuladas. A única receita é o conhecimento do outro e o Instituto trabalha para isso. Existem cerca de dez mil protestantes no Marrocos, trinta mil católicos de uma população total de cerca de 33 milhões. ...

Ler artigo
Paolo Naso: não se resigne ao mal

Paolo Naso: não se resigne ao mal

Murais em Katowice, Polônia. Foto Pawel Czerwinski Unsplash Roma (NEV), 25 de outubro de 2022 – Enquanto as comunidades religiosas do mundo se reúnem no Coliseu de Roma para a cerimônia de encerramento do encontro “O grito pela paz”, o Mediterrâneo envolve mais mortos. O "grito pela paz" reúne muitas vozes e entre elas queremos retomar a de Paulo Naso, ex-coordenador do projeto Esperança do Mediterrâneo (MH) e atual pessoa de contato para as relações institucionais do MH dentro da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). Paolo Naso falou esta manhã durante o encontro internacional anual de oração e diálogo pela paz entre as religiões do mundo, organizado pela Comunidade de Sant'Egidio. O contexto é o do Fórum sobre a responsabilidade das religiões na crise da globalização. “Os cristãos não aceitam o mal – disse Naso -. Dietrich Bonhoeffer não se resignou ao mal total e absoluto que via crescer ao seu redor; Martin Luther King não se resignou ao mal racista que permeava sua igreja e a própria comunidade cristã; Desmond Tutu ele não se curvou ao mal do apartheid e a um sistema de regras que criava hierarquias baseadas na cor da pele. Cada um à sua maneira enfrentou o problema de contrastar o mal, imaginando como interromper o fluxo de violência e ódio. Este é o desafio que enfrentamos hoje. Tal como acontece com as migrações globais, a política parece não encontrar soluções. Também não vemos aquele 'povo de paz' ​​que no passado marchou junto pelo desarmamento nuclear ou pela guerra no Iraque”. Foto Comunidade de Sant'Egidio Em seu discurso, Paolo Naso sublinhou o valor do que chamou de “a mais importante aventura ecumênica destes anos: o compromisso comum de conceber, implementar e promover corredores humanitários na Europa”. Paolo Naso então aborda a questão ucraniana: “Diante deste massacre da humanidade, até a voz dos cristãos está dividida. Os contrastes também atravessam nossa comunidade de fé. É um escândalo, um obstáculo dramático à credibilidade da nossa fé. Então? Oração é claro, como acontecerá em algumas horas. E então? Somos capazes de dizer e fazer outra coisa, algo mais?”. São três questões, segundo Paolo Naso, para recomeçar. “Podemos dizer que a guerra não pode ser abençoada? […] Podemos dizer juntos que a paz deve ser justa ou não? […] Finalmente, podemos dizer juntos que o uso de armas nucleares não pode sequer ser contemplado entre as opções militares plausíveis? Isso certamente se aplica à Rússia, mas também aos aliados da Ucrânia, aos Estados Unidos e ao campo ocidental no qual a Itália se reconhece”. Para ler o discurso completo de Paolo Naso no encontro internacional de oração e diálogo pela paz entre as religiões do mundo organizado por Sant'Egidio (Roma, 23/25 de outubro de 2022) clique abaixo. Paolo Naso - Não se resigne ao mal. Entre as presenças evangélicas do evento, também o presidente da FCEI, pastor Daniele Garrone. Para ler a meditação de Garrone clique abaixo. Daniele Garrone – A palavra de Deus gera sonhos. Para ver as outras presenças do mundo protestante e reformado clique aqui. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.