Faculdade Valdense de Teologia.  Inauguração a. Académica de Fé e Política

Faculdade Valdense de Teologia. Inauguração a. Académica de Fé e Política

Roma (NEV), 15 de setembro de 2022 – O ano acadêmico 2022/23 da Faculdade Valdense de Teologia será inaugurado no sábado, 8 de outubro, com a Prolusão do Professor Valdo Spini (Florença) com o título “Fé e política. O compromisso do cristão evangélico”. O Culto de Abertura será no domingo, 9 de outubro, com a pregação do pároco Michael Jonas. Seguiu-se a semana introdutória da Faculdade sobre o tema da teologia intercultural.

A Faculdade Valdense de Teologia em Roma em uma imagem vintage – Foto tirada de facoltavaldese.org

A inauguração do ano letivo está marcada para o dia 8 de outubro, às 17h30, na Aula Magna da Faculdade de Teologia Valdense, na via Pietro Cossa, 40 (Roma). Será possível acompanhar a transmissão ao vivo do Prolusion na seguinte página:

O culto de abertura no domingo será a partir das 10h na Igreja Luterana da Via Sicilia, 70 (ainda em Roma). Quanto à Semana Inicial da Faculdade, que tradicionalmente inaugura um novo ano de cursos, o encontro é de 10 a 14 de outubro na Sala A, ou online, para todos os que estudam na Faculdade, em qualquer nível.

A Semana Introdutória da Faculdade Valdense de Teologia

Por vários anos, lemos no site da Faculdade Valdense, “as igrejas metodista, batista e valdense tornaram-se cada vez mais internacionais: irmãs e irmãos, vindos dos quatro cantos do mundo, trouxeram uma nova força vital e, com ela, diferentes espiritualidades que enriquecem a nossa abordagem teológica tradicional, pedindo-lhe que desenvolva uma nova reflexão sobre nós mesmos e sobre a nossa pregação: como podemos desenvolver um discurso teológico no contexto multicultural revigorado pela globalização?”. Sobre o tema da teologia intercultural, a Faculdade adquiriu experiência através das duas edições do Mestrado “Teologia e diaconia numa perspectiva intercultural”.

Entre as atividades propostas pela Faculdade, está também uma viagem de estudos a Castel Volturno, “para conhecer a realidade deste recanto esquecido da Itália da imigração, caldeirão de intensas experiências humanas e laboratório intercultural”.


Para maiores informações:

PÔSTER INTRODUTÓRIO SEMANA 2022 .pdf

PROGRAMA DA SEMANA INTRODUTÓRIA FVT 2022 .pdf

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Rosarno Film Festival, a segunda edição está chegando

Rosarno Film Festival, a segunda edição está chegando

Roma (NEV), 12 de julho de 2023 – O festival de cinema de Rosarno retorna ao Piana di Gioia Tauro. E quer ser, explicam os promotores, “um olhar sobre a sociedade em que vivemos a partir da terra. De quem a trabalha para se alimentar e de quem a defende, de quem a viola e saqueia por fome de lucro”. No ano passado, prosseguem, “propusemos a um júri de trabalhadores rurais lançar um novo olhar, aquele de quem nesta sociedade pode no máximo ser filmado como testemunha mas nunca se tornar protagonista da sua própria vida. Queremos continuar a manter este olhar também este ano, organizando um festival que terá como elemento central a resistência das populações que lutam pela defesa da terra, das suas comunidades e dos direitos sociais”. Esta segunda edição do festival de cinema sobre as temáticas do trabalho e dos direitos será "um festival "ecossocial" no qual procuraremos fazer um elo entre as práticas de solidariedade, entreajuda, defesa dos direitos e meio ambiente, mostrando e tecendo entre seus vários pontos de vista”. Também este ano, como na primeira edição realizada em 2022, o Festival de Cinema de Rosarno será organizado como "uma resenha de curtas que, após a seleção, serão exibidos em momento público e avaliados por um júri 'sem fronteiras' , da qual também participarão os operários da Piana di Gioia Tauro”. A competição é reservada para curtas-metragens "que tratem do tema da resistência ecossocial, lutas ambientais, mobilizações, testemunhos, terras envenenadas ou resgatadas". Primeiros membros: Ass Coopisa Cooperação em saúde (Reggio Calabria), Ass. Culturale Terra dei Morgeti (San Giorgio Morgeto), Ass. Santa Barbara (San Ferdinando). Equo Sud (Reggio Calabria), The Blanket of Memory Piana di Gioia Tauro, Faro Fabbrica dei Saperi (Rosarno), Valarioti Foundation (Rosarno), Coop Sankara (Gioiosa Ionica), ResQ People Saving People, Comune Info, Confronti, Volere la Luna , Imprensa Internacional. Para participar: [email protected] Especificações técnicas para os participantes: Os filmes devem ser enviados em formato Mpg4 com tamanho máximo de 2 GB. Aconselha-se o envio de filmes em formato 1920×1080, com wetransfer. Duração máxima 20'. A seleção das obras fica sob o inquestionável julgamento da direção artística. Ao final da pré-seleção, os autores serão informados do resultado por telefone ou e-mail. Os trabalhos devem ser enviados para o endereço de e-mail [email protected] até 1 de setembro de 2023. Prêmios: Dada a particularidade, originalidade e experimentação da revista, que leva em consideração o trabalho árduo e mal remunerado dos trabalhadores, os prêmios – Primeiro, Segundo e Menção – não serão pagos em dinheiro, mas em produtos agrícolas e alimentícios da Piana di Gioia Touro. Para saber mais: na primeira edição da revista, atendida por Sara Manisera Para protestantismo ...

Ler artigo
Livro.  Mulheres da Palavra.

Livro. Mulheres da Palavra.

Roma (NEV), 17 de agosto de 2020 - Abaixo está a versão completa de uma entrevista com a pastora valdense Letizia Tomassone foi ao ar, de forma resumida, no episódio do programa de rádio "Culto evangélico" da RAI Radio1 no domingo, 16 de agosto. A entrevista diz respeito ao livro “Donne di Parola. Pastor, diácono e pregadores no protestantismo italiano”, (editora Nerbini, pp. 168, euro 16) da qual Tomassone é curador. "Mulheres da Palavra". Pastora Tomassone, o que significa este título e que história ele descreve? A Palavra, com "P" maiúsculo, no mundo protestante indica a Palavra de Deus.As mulheres sempre foram afastadas da Palavra. Em muitas igrejas, eles também são proibidos de ler o Evangelho em público. Portanto, mulheres da Palavra significam exatamente isso: mulheres que se envolvem na Palavra de Deus e que de alguma forma a retribuem através de uma novidade que passa pela vida, pela existência, pela diferença de ser mulher. Letizia Tomassone Os vários artigos do livro refazem as etapas e os temas que acompanharam as pastoras nas igrejas protestantes italianas. Qual é o caminho percorrido e onde estamos? O mundo protestante italiano iniciou a discussão sobre a presença de mulheres em ministérios reconhecidos pela igreja após a Segunda Guerra Mundial. Uma discussão também solicitada pelo Conselho Mundial de Igrejas. No entanto, foi apenas em 1962 que o Sínodo valdense conseguiu abrir às mulheres a possibilidade de ingressar no ministério ordenado, até então reservado apenas aos homens. Ela vem com forte apoio de organizações de mulheres evangélicas da época; com o apoio de algumas comunidades sicilianas muito ativas no apoio ao ministério das mulheres. Hoje estamos em uma situação em que, na Itália como no exterior, nas igrejas valdenses, metodistas, batistas e luteranas, não só temos muitos pastores, mas também mulheres presentes nos órgãos de governo da igreja. As históricas igrejas protestantes italianas seguiram esse caminho e permitiram uma maior amplitude de pregação, tanto por meio de palavras de mulheres quanto de homens. Em um dos artigos do livro, ele nos conta que entre as primeiras pastoras valdenses havia aquelas que lidavam de maneira especial com os migrantes, com as comunidades migrantes. Que migrantes eram eles? Sim, é verdade. Inicialmente, algumas pastoras foram enviadas para comunidades migrantes. Eram migrantes do sul da Itália para a Alemanha e a Suíça, que viviam em uma situação muito difícil, a começar pelo fato de que muitas vezes chegavam sem família. O ponto que motivou esse envio de pastores pelas igrejas não foi tanto o fato de as mulheres serem mais ativas ou sensíveis nessa área, mas sim que as igrejas italianas ainda não viam com bons olhos o ministério de uma mulher e, portanto, pensavam em ser capaz de mandá-los para lugares mais marginais. Foi uma marginalização da qual, porém, emergiu uma grande riqueza. A experiência na Suíça e na Alemanha, contada em primeira mão no livro da Giovanna Pons – uma de nossas reitoras – é realmente emocionante e dá a sensação de uma época – em que os italianos eram migrantes e em que as mulheres davam seus primeiros passos rumo ao pastorado. Algumas semanas atrás, chegou a notícia de que na Igreja Luterana da Suécia o número de pastoras superou o de homens. O que você acha? Quando as pastoras, ou outras mulheres em cargos governamentais, superam os homens, os homens imediatamente se sentem marginalizados. Fala-se da feminização da igreja e há um temor por parte dos homens de que não contarão mais. E estamos assistindo a uma espécie de autoexclusão por parte dos homens. Esse é um risco apontado de várias maneiras por diferentes estudos: os homens têm dificuldade em permanecer em um lugar um pouco mais do que o habitual moldado pelas decisões das mulheres. Esta é uma grande dificuldade: na verdade, deve-se ter em mente a necessidade de um equilíbrio entre as vozes masculina e feminina, mas é igualmente necessário que os homens aprendam a dar um passo atrás. O caminho descrito no livro e percorrido por mulheres evangélicas pode ser uma referência para mulheres de outras denominações cristãs, por exemplo, para mulheres católicas? “Mulheres da Palavra” também contém artigos escritos por mulheres católicas. Isso porque com eles caminhamos juntos como teólogos, leitores das Escrituras, mas também como ativistas pelos direitos das mulheres, contra a violência contra menores e contra as mulheres dentro das igrejas. Um caminho no qual nós, evangélicos, apoiamos o pedido de mulheres católicas para poderem acessar ministérios ordenados, da Palavra, dentro de sua igreja. Um pregador local e um diácono também aparecem entre os artigos do livro. Então não estamos falando apenas do pastor? Sim, entre os autores do livro também há um pregador local no livro, Erica Sfredda que presidiu o culto de abertura do Sínodo das igrejas metodista e valdense no ano passado, e um diácono, Alessandra Trotta, atual moderador da Mesa Valdense. Nossas igrejas se distinguem por uma variedade de ministérios, inclusive locais, que são exercidos por mulheres e homens. Em todos esses ministérios pesa a diferença de ser mulher: é ver a realidade a partir de uma posição diferente. É muito importante não manter as mulheres no gueto, mas misturar as coisas. Portanto, estar juntos e superar de um só salto as divisões que nos tornam italianos ou migrantes, pastores ou diáconos. Hoje as mulheres podem ser uma força capaz de renovar a igreja e responder ao evangelho com nova energia. ...

Ler artigo
Adoração inaugural do Sínodo.  Winfrid Pfannkuche: “Comece de novo a partir daqui”

Adoração inaugural do Sínodo. Winfrid Pfannkuche: “Comece de novo a partir daqui”

A partir da esquerda, Winfrid Pfannkuche, Gabriele Bertin e Monica Natali. Sínodo das Igrejas Metodistas e Valdenses, 22 de agosto de 2021 Roma (SSSMV03), 22 de agosto de 2021 – O culto de abertura do Sínodo das igrejas metodistas e valdenses contou com a pregação do pastor Winfrid Pfannkuche. Durante o culto, a consagração de Gabriel Bertin ao ministério pastoral e de Mônica Natali ao ministério diaconal (aqui as entrevistas em vídeo). O sermão sobre o hino ao amor, da carta de Paulo aos Coríntios, destacou "o caminho por excelência” indicado pelo apóstolo. Em grego, "hiperboleno". Hipérbole, disse o pastor Pfannkuche: “Sim: a paixão, o entusiasmo, a beleza, a arte, a vitalidade mediterrânea. Não é apenas um jeito certo, reto, reto, sóbrio, modesto, politicamente correto. Nem mesmo uma via secundária, provinciana, escondida da maioria, para os especialistas, um nicho, uma saída secreta do grande trânsito. Nunca pode ser um atalho ou um bypass. Mas o caminho por excelência. Sim, existe um protestantismo que não perde de vista a paixão, a beleza e a arte”. O pároco falou ainda da vocação da Igreja, “neste mundo onde tudo tem o seu limite, o seu tempo, tudo é precário, passageiro, mortal”. Tudo falha. No entanto, lembra Pfannkuche, há uma "profecia", como a da pregação do hino ao amor por Túlio Vinay, que há 70 anos inaugurou o Centro Ecumênico de Agàpe. Uma profecia que “deixou uma marca profunda na biografia de muitos e muitos. Uma experiência de amor após o fracasso absoluto da Segunda Guerra Mundial. Ele falhou? Nossa espiritualidade, nossa força positiva e proativa, sim, falharam nos últimos anos. Claro, estamos na boa companhia de todas as criaturas, gememos com elas: até a biodiversidade, os animais, até as línguas no sentido próprio, estão amplamente ameaçados de extinção. Sim, claro, até nossas igrejas falharam nos últimos anos". O caminho é, portanto, "Reler, encontrar-se de fato no hino ao amor e recomeçar daqui, hoje". É uma escolha que “envolve uma coisa: deixar de pensar como crianças que querem tudo e não abrem mão de nada”. E, novamente para dizê-lo com Tullio Vinay: “Que tipo de edifício seria o nosso hoje Amém! ao hino ao amor?”. O pároco tenta uma resposta teológica e diaconal: “Só saberemos vivendo, caminhando, discutindo juntos. Talvez, como o apóstolo, só possamos mostrar um caminhodesta forma, e construir no caminho desta palavra por excelência”. É um desafio que exige coragem e humildade. “Esvaziar-se, desistir de si mesmo, sempre permanece maior do que qualquer outro desafio que encontramos em nosso caminho. O desafio por excelência. Nossa prioridade: o amor que exige sempre uma decisão, uma escolha clara. Deste caminho por excelência sabemos que no final algo dura, permanece. Caminhando juntos neste caminho, fica algo de nós: a fé, a esperança, o amor”. Para ler o sermão completo clique aqui. A sede do Sínodo tomou posse oficialmente e foi eleita presidente Valdo Spini, que comentou: “Emoção, gratidão, humildade”. Aqui a mensagem completa do Presidente Spini. Esta manhã o Sínodo também recebeu a visita do bispo de Pinerolo, Derio Olivero. Chegou também a mensagem de saudação do cardeal Walter Bassetti, presidente da Conferência Episcopal Italiana (CEI), que escreve: "A condição diaspórica das comunidades religiosas sempre foi uma situação normal para aqueles que vivem ao redor da bacia do Mare Nostrum: uma riqueza complexa da qual haurir para uma cultura cultural fértil e renovada e religiosa". Bassetti também compartilhou as palavras ""ouvir, pesquisar e propor", como um traço ecumênico para "conhecimento mútuo, testemunho autêntico e compromisso com o bem comum". Em chiesavaldese.org, as entrevistas em vídeo com o pastor recém-consagrado Gabriel Bertin e ao diácono recém-consagrado Mônica Natali. Amanhã, a noite pública: “Próxima geração Eu? – os jovens e a Europa, entre o sonho da recuperação e o risco da marginalização”. A partir das 20h45, presencialmente no Templo Valdense da Torre Pellice e online, ao vivo, nas páginas do fb da Igreja Valdense, Rádio Beckwith, e no canal do YouTube da mesma emissora. O Sínodo das Igrejas Metodistas e Valdenses é o órgão máximo de decisão dos valdenses e metodistas e está ocorrendo de forma mista (presencial e online) após um ano parado devido à pandemia. Todos os detalhes nesta página. FACT SHEET: Igrejas metodistas e valdenses na Itália. Veja também: www.rbe.it – www.riforma.it Assessoria de Imprensa: NEV-Agência de Imprensa de Notícias Evangélicas – www.nev.it – Twitter: @nev_it – Facebook: @AgenziaNEV – [email protected] (NEVCS/20) [embed]https://www.youtube.com/watch?v=3IKvI-ZP880[/embed] ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.