O Senhor é sempre uma rocha forte

O Senhor é sempre uma rocha forte

Roma (NEV), 1º de dezembro de 2019 – Esta manhã, domingo, 1º de dezembro, o Culto Evangélico abriu as notas de uma nova sigla que “queríamos igual e diferente da histórica que nos acompanhou por 50 anos, até o último domingo ”, explicou o pastor no episódio de hoje Luca Baratto que leva junto com Elisa Baglieri o programa Radio1 Rai produzido pela Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI).

A continuidade com o acrónimo anterior dá-se sobretudo pela re-proposição da peça “Forte rocca” o coro luterano musicado por bach e tirado de Mendelsson no último movimento da sinfonia “La Riforma”, que define o marca do culto evangélico.

“Forte rocca” foi tirado de Marco Robino degli Architorti que criou o novo logotipo. “Foi uma experiência nova para mim, substituir uma música-tema que muitos ouvintes gostam. Senti a responsabilidade, mas também o prazer de ter sido escolhido para esta tarefa”, explicou Robino esta manhã ao Culto Evangélico.

A torre do Castelo de Wittenberg com a inscrição “Ein feste Burg / Forte Rocca”

“Trabalhei mais nas semelhanças do que nas diferenças entre as duas siglas – continuou Robino -. A intenção é que o ouvinte ao acordar escute uma sigla diferente mas ao mesmo tempo reconheça que está em casa”. A grande novidade reside, antes, no “movimento mais rápido e vivo”, mais sintonizado com o gosto e a vida de hoje.

O episódio de hoje do Culto Evangélico foi também uma forma de homenagear os três músicos que escreveram o tema anterior, gravado nos estúdios RAI na via Verdi em Turim, há uns bons cinquenta anos: o maestro Ferruccio Corsani no órgão, e os irmãos Paulo e Silvano Calzino eufônio e na corneta, respectivamente.

“A peça ‘Forte rocca’ foi sugerida pelo pároco batista Stanley Crabb que na época tratava do culto evangélico. lembre-se de Corsani – A partitura que usamos tinha o título ‘Fantasia sopra Ein Feste Burg‘ que é o título original do coral. E de fato tinha o caráter de uma fantasia”

Já os irmãos Calzi trouxeram para o Culto Evangélico a rica tradição musical protestante das Brass Bands, as fanfarras do Exército da Salvação. “Meu irmão Silvano e eu – explica Paolo Calzi – começamos a brincar com Raymond Quintal, um oficial inglês do Exército de Salvação, um belo músico e um ótimo comunicador; foi ele quem fundou a maioria dos grupos de metais na Itália. Em Turim formei um grupo coral, meu irmão um grupo musical. Ambos conhecíamos os corais de Bach e também por isso fomos contatados por Crabb para as iniciais do Culto Evangélico”.

Na sigla histórica Silvano Calzi tocava corneta, principal instrumento das Bandas de Metais, que – recordou a emissora – “acompanhou a infância de gerações de meninos e meninas, evangélicos e não, que eram acordados por seus avós ou pais que iniciavam o dia com o culto evangélico no domingo”.

“É justo ser acordado pelo receptor – sublinhou Silvano Calzi – porque é uma ferramenta que chama à ação. É importante ressaltar que para a gravação não usei um trompete, mas sim um cornet que é a versão mais popular da banda. Foi o primeiro instrumento no final do século XIX ao qual foram aplicados pistões para que pudesse tocar qualquer melodia”.

Uma anedota também está ligada ao registro na via Verdi. “Percebemos – recorda Paolo Calzi – que o órgão era ligeiramente mais alto do que nós, instrumentos de sopro; e os metais não podem aumentar o tom, eles só podem abaixá-lo um pouco. Corremos para o artesão que limava as bocas dos instrumentos para nos afinar com o órgão. Coisas que não deveriam acontecer de última hora, porque são um choque para um pobre músico!”

O Culto Evangélico é um programa da Radio1 Rai, produzido pela Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), que é transmitido todos os domingos de manhã às 6h35. É possível ouvir e baixar o podcast dos episódios já exibidos na página do Culto Evangélico da Rádio RaiPlay.

Para ouvir a abertura do Culto Evangélico com a nova sigla, clique aqui.

Para ouvir a abertura do Culto Evangélico com as iniciais históricas, clique aqui.

Para ouvir a entrevista com Ferruccio Corsani, Paolo Calzi, Silvano Calzi e Marco Robino (do minuto ’10”30 até o final do episódio), clique aqui.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Parentes substitutos.  Quando cuidadoras e empregadas domésticas se tornam mães, esposas ou filhos

Parentes substitutos. Quando cuidadoras e empregadas domésticas se tornam mães, esposas ou filhos

Imagem gerada com GPT-3, o modelo de geração de linguagem em grande escala da OpenAI - openai.com (ER/NEV) Roma (NEV), 16 de março de 2023 – 2 milhões de ajudantes e cuidadores domésticos, especialmente mulheres, mas não só. Cerca de metade dos quais são invisíveis e pagos fora dos livros. Apenas os trabalhadores do setor de serviços e mecânicos são numericamente mais numerosos, com 4,1 e 2,3 milhões de pessoas, respectivamente. Os que trabalham no setor doméstico superam os professores e os que trabalham nos transportes (ver Il Sole 24 Ore neste artigo). Estamos falando de mulheres e homens que cozinham; lavam e passam roupas; limpam cozinhas, salas e banheiros; que cuidam dos filhos dos outros; que acompanham os idosos na jornada, longa ou curta, da velhice. O trabalho doméstico é, na maioria dos casos, realizado por mulheres, tanto no que diz respeito a quem é pago para fazer este trabalho como nas famílias (em todos os países europeus há uma percentagem mais elevada de mulheres do que de homens que se ocupam dos cuidados com os filhos, tarefas domésticas e cozinha, dados ISTAT). No entanto, pesa sobre os cuidadores e trabalhadores domésticos uma “substituição” de papéis, que implica também um envolvimento relacional, emocional, existencial. Bem como, em alguns casos, a falta de reconhecimento social e econômico. Essas pessoas vivem conosco, em nossa sociedade, em nossas casas, frequentam nossas igrejas. Pedimos ao ministro de evangelização da Igreja Batista de Roma Trastevere, pároco Ivano De Gasperisum testemunho. “A ajuda doméstica é um tema sempre presente que preocupa os ricos, mas não só. Este tema também questiona as comunidades religiosas e os círculos de fé. Devemos sempre ter clareza sobre os limites entre experimentar um privilégio, um apoio e o que poderíamos definir como exploração real”, diz o pastor. “É o pão de cada dia para nós – continua De Gasperis – acompanhar essas irmãs, essas famílias, esses irmãos. Freqüentemente, famílias inteiras estão envolvidas neste trabalho, às vezes esposas e maridos são separados porque trabalham em famílias diferentes. Eles vivem em situações difíceis. Recentemente, conversei com uma mulher que queria parar. Porque quase se tornam mães dos filhos que cuidam. Há mães que se desinteressam completamente dos filhos naturais. Mães e pais que delegam, que confiam quase totalmente a educação dos filhos a babás; empregadas domésticas que quase se tornam esposas de maridos com quem talvez não haja mais um bom relacionamento. Onde talvez existam casais divorciados. Em alguns casos, esses colaboradores se veem tendo que fazer a mediação entre um e outro". Imagem gerada com GPT-3, o modelo de geração de linguagem em grande escala da OpenAI – openai.com (ER/NEV) …”sacrificar-se como membros da família” A estas “nossas irmãs”, a estes “nossos irmãos”, é pedido que “vivam para os outros, portanto, que se sacrifiquem como se fossem membros da família. Eles se dirigem aos empregadores como 'minha avó'. Eles vivem juntos, às vezes desenvolvendo patologias”, continua o pastor. Algumas dessas pessoas têm contato limitado com o mundo exterior, “justamente pelo trabalho delicado que realizam. Alguns empregadores até os fazem prometer não ver ninguém, trancam os cuidadores e os idosos durante anos” (pense no período da pandemia). Essas pessoas “tornam-se mães, esposas, filhas. Às vezes, eles são mal pagos ou, se pagos honestamente, certamente não são pagos por esse tipo de 'performance'. Fala-se inclusive de um novo perfil psicopatológico, a 'síndrome italiana'. Uma forma de depressão. Pensemos, por exemplo, em quantos são obrigados a chorar à distância. Ou, de volta ao seu país de origem, encontram-se em casa com maridos que já eram um casal estável com outra mulher e com filhos que as odeiam porque se sentiram abandonadas quando suas mães vieram trabalhar na Itália”. Workshop sobre casa, família e trabalho doméstico No próximo dia 23 de março (às 10h na Sala Salvadori da Câmara dos Deputados, em Roma) a segunda papel do Relatório 2023 Família (Net) Trabalho, "Workshop sobre casa, família e trabalho doméstico". Editado pelo Centro de Estudos e Investigação Idos, este relatório centra-se na necessidade familiar de mão-de-obra estrangeira no sector dos cuidados e assistência ao domicílio. Entre os palestrantes também Júlia Gori, oficiais de projeto do programa de refugiados e migrantes da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), "Esperança do Mediterrâneo", representando a campanha "Fui estrangeiro" à qual a própria FCEI adere. Giulia Gori vai chamar a atenção para a questão da falhada regularização de 2020 ("Fui estrangeira" de facto faz um acompanhamento atento das práticas, donde resulta que ao fim de três anos alguns territórios já realizaram cerca de metade delas). Além disso, a proposta de superação do sistema de cotas do decreto de fluxo, cotas que, aliás, não contemplam as pessoas que exercem o trabalho doméstico, portanto, impossibilitadas de regularizar-se. Em cima da mesa, fui estrangeiro ainda põe o pedido de abertura a autorizações de residência para trabalho ou a uma regularização que permita a saída do trabalho não declarado. O Relatório 2023 será apresentado na íntegra em novembro deste ano e está dividido em 4 capítulos, cada um dos quais a cargo de um dos parceiros do projeto, promovido pela Assindatcolf em parceria com o Censis, Effe (European Federation for Family Employment & Home Care), Fundação de Estudos de Consultores Trabalhistas e Centro de Estudos e Pesquisas Idos. Para saber mais: 01/03/2023 Migrantes, Assindatcolf-Idos: para o setor doméstico fluxos fechados há 12 anos, cuidadores e trabalhadores domésticos não estão mais disponíveis 09/03/2023 Migrantes, Assindatcolf: Governo estende decreto de fluxo também a empregadas domésticas e cuidadoras ...

Ler artigo
uma entrevista com Maurizio De Giovanni

uma entrevista com Maurizio De Giovanni

Roma (NEV/Reforma), 18 de julho de 2023 – “Giallo Ecumene”. Nenhum crime ou mistério envolvendo o centro metodista de Velletri: este é, ao contrário, o título do fim de semana, de 14 a 16 de julho, dedicado ao renovado sucesso literário e televisivo dos romances policiais. Uma reflexão feita na companhia da professora Isabella Merzagoraprofessor de criminologia do Instituto de Medicina Legal da Universidade de Milão e presidente da Sociedade Italiana de Criminologia, e sobretudo por um autor excepcional: Maurice De Giovanni, o criador do comissário Ricciardi e muitos outros personagens, protagonistas de tantas séries de detetives. Nós o entrevistamos. Vamos começar com esta primeira consideração: como você explica o sucesso atual do gênero thriller? Na realidade, os romances policiais sempre tiveram sucesso em termos de leitores e vendas de livros. No entanto, houve uma mudança, introduzida por Camilleri, que levou à passagem destes romances das bancas, onde ainda se compram títulos de famosas séries de suspense, para as livrarias. Camilleri e seu Vigata transformaram histórias de detetives de simples histórias de um crime para narrações de um território e suas particularidades. Minhas histórias contam Nápoles; os de De Cataldo, Roma; Lucarelli, Bolonha; Carofiglio, Bari; e assim por diante. O amarelo torna-se uma forma de contar as diferentes identidades italianas e de explorar a sociedade do nosso país. Um escritor de mistério deve de alguma forma entrar na mente dos criminosos sobre os quais ele fala. É uma experiência difícil? Claro, é difícil. É uma experiência complicada e muitas vezes dolorosa, mas é preciso entender com que frequência crimes hediondos podem ser cometidos. Tomemos como exemplo uma notícia que se passou na zona milanesa: aquele homem que matou a noiva grávida de sete meses. Aquele homem devia ter família, parentes, amigos, colegas, nenhum dos quais conseguiu desviar ou interromper sua trajetória criminosa. Descrever como ideias, obsessões, violências passam pela cabeça de quem comete um crime é como destapar a tampa de um bueiro e mostrar que a rua por onde andamos todos os dias não é tão limpa nem tão tranquila. E que todos temos responsabilidade pelo que acontece diante de nossos olhos sem que percebamos. O inspetor Ricciardi diz que se mata de fome ou de amor. O que isso significa? Claro que é uma simplificação. A fome indica a necessidade, mas também o desejo de poder, de posse. Da mesma forma, o amor que mata é uma distorção do amor, é o amor que quer possuir. Quando alguém diz: "Eu matei por amor", está mentindo, o amor se sacrifica, mas não mata. Pessoalmente não acredito no Mal, com M maiúsculo. Em vez disso, penso que o mal de que estamos tratando deriva do extremo egoísmo do ser humano que o leva a não valorizar a vida alheia ou o bem comum. O comissário Ricciardi tem a capacidade de ouvir as vozes das vítimas dos assassinatos que investiga. O que significa um comissário que ouve a voz dos mortos? Gostaria de dizer que, na verdade, Ricciardi não ouve a voz dos mortos, palavras que vêm do além, porque Ricciardi não acredita no além. Ouve antes o último pensamento das vítimas antes de morrer, uma vida cuja morte violenta pede, por um lado, que a justiça, por outro, seja acompanhada ao seu descanso. Vem à mente que, na Bíblia, a ação da ajuda de Deus começa a partir de Sua capacidade de ouvir o clamor do sofrimento, até mesmo o clamor do sangue inocente subindo ao céu. Eu diria que, afinal, ouvir é o verdadeiro superpoder, hoje esquecido, ao alcance de todo ser humano. Eu gostaria que todos, especialmente as novas gerações, redescobrissem o poder da escuta que consegue nos tirar de uma narrativa centrada em nós mesmos e nos abrirmos para a comunidade mais ampla, para sabermos que fazemos parte dessa comunidade. Você explicou que o amarelo hoje fala de um território. Você é napolitano; que imagem de Nápoles sai de seus livros? Espero que meus livros sejam capazes de dar uma imagem composta e polifônica de Nápoles. Nápoles é uma cidade que tem muitas outras cidades dentro dela, uma em cima da outra. Em todos os meus romances quero dar conta dessa multiformidade e não me limitar a contar um único aspecto. Pintar apenas um lado daria uma imagem distorcida da realidade. Em particular, gostaria que meus leitores notassem como em Nápoles o contato entre diferentes classes sociais é constante. Turmas que em outras cidades são separadas com mais clareza, até por distâncias de quilômetros e quilômetros. Não é assim em Nápoles. De Giovanni, à esquerda, no auditório Ecumene. Ela é uma grande fã do futebol Napoli e também escreveu sobre futebol. A conquista do Scudetto foi uma grande alegria para a cidade e a festa que floresceu foi um grande ritual coletivo. O que essa vitória e essa alegria podem trazer para a cidade? O Scudetto no final dos anos 80 veio quando Nápoles era uma cidade de joelhos. Nápoles veio da cólera, do terremoto e de sua reconstrução, viu as grandes rixas da Camorra pelo governo do território baseado no narcotráfico. A cidade de hoje é muito diferente: é uma capital da Europa, com uma vida muito animada e uma oferta cultural, cheia de turistas. Nápoles é muito mais contada do que ontem. Por isso diria que este campeonato é mais um motivo de enriquecimento numa cidade certamente cheia de sombras, degradações, problemas, mas consciente de si como nunca. A última pergunta diz respeito aos evangélicos. Por que você aceitou o convite de Ecumene? Encontrei protestantes italianos em outras ocasiões. Fui duas vezes convidado no "Una Torre di libri", o evento realizado nos vales valdenses todo verão. Pude conhecer um pouco da história dos valdenses e da realidade dos protestantes hoje. Então, quando Ecumene me chamou, aceitei de bom grado! ...

Ler artigo
“Quando é que te vimos como estrangeiro e te demos as boas-vindas?”

“Quando é que te vimos como estrangeiro e te demos as boas-vindas?”

Foto do unsplash Roma (NEV), 27 de fevereiro de 2023 - Declaração do Presidente da Obra para as Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (OPCEMI), pároco Luke Elders: “Assim, os discípulos de Jesus respondem à palavra do mestre que declara bem-aventurados aqueles que o acolheram como estrangeiro. A resposta de Jesus a esta pergunta: sempre que… é uma declaração de pertença, Jesus pertence ao estrangeiro que procura refúgio. Então, se você fez isso com um deles, você fez isso comigo. Hoje somos nós que nos perguntamos: quando? A resposta de Jesus é: você está certo, você não está, você não fez isso. O nosso mar é novamente um mar de morte e as nossas costas não são uma terra de salvação mas areia e rocha que recebem corpos sem vida. A Europa unida, construída com resistência ao nazismo e ao fascismo, simbolizada pela queda dos portões de Auschwitz, hoje perde cada vez mais credibilidade sem poder salvar vidas. Mas as responsabilidades são claras, não se trata de um acidente ou de uma tragédia aleatória, trata-se de responsabilidades concretas: decidiu-se não poupar! Escondemo-nos atrás dos pronunciamentos das circunstâncias ou atrás de uma política externa míope que pensa poder evitar os desvios do desespero. Na realidade, uma clara opção política de não salvação já foi implementada. As igrejas têm uma responsabilidade. Podemos continuar a agir pelo bem e pela justiça, podemos continuar, e devemos continuar, a salvar através da boa prática dos corredores humanitários, devemos continuar a confiar em Deus e hoje devemos dar um passo mais além, é uma questão de unir todos os esforços das igrejas europeias para uma ação política precisa dentro de seus próprios países e dentro da Comunidade Européia para garantir acessos legais e seguros, apoio às ONGs que salvam centenas de pessoas no mar, cooperação entre os países mediterrâneos com o objetivo de não de bloquear as saídas ou deter os migrantes em verdadeiros campos de detenção, mas de garantir um sistema de apoio ao desenvolvimento, acolhimento e socorro. As igrejas metodistas na Europa e junto com os irmãos e irmãs das igrejas da FCEI querem se comprometer com este propósito. Todos os crentes se deparam com a Palavra de Jesus que exige o imperativo de acolher o estrangeiro e hoje esse imperativo é categórico: somos responsáveis ​​pelo tempo em que o Senhor nos chama a viver e a dar testemunho. Um dia chegará o momento de fazer um balanço e não será possível responder: quando?” E quando foi que te vimos estrangeiro e te acolhemos?1 É assim que os discípulos de Jesus respondem à palavra do Mestre que declara bem-aventurados aqueles que o acolheram como estrangeiro. A resposta de Jesus a esta pergunta: 'Quando foi...' é uma declaração de pertença, Jesus pertence ao estrangeiro que procura refúgio. Então, se você fez isso com um deles, você fez isso comigo. Hoje somos nós que fazemos a pergunta: quando foi? A resposta de Jesus é: você está certo, não. O nosso mar é novamente um mar de morte, e as nossas costas não são uma terra de salvação mas sim areia e rocha recebendo corpos sem vida. Uma Europa unificada, construída através da resistência ao nazismo e ao fascismo, simbolizada pela queda das portas de Auschwitz, perde hoje cada vez mais credibilidade por não conseguir salvar vidas. Mas as responsabilidades são claras, isto não é um acidente ou uma tragédia do acaso, são responsabilidades concretas: Decidiu-se não poupar! Escondemo-nos atrás de declarações circunstanciais ou de uma política externa míope que pensa poder evitar partidas desesperadas. Na realidade, já houve uma escolha política clara de não poupar. As igrejas têm uma responsabilidade. Podemos continuar agindo pelo bem e pela justiça, podemos continuar, e devemos continuar, a salvar através da boa prática dos corredores humanitários, devemos continuar confiando em Deus e hoje devemos dar um passo a mais, é unir todos os esforços das igrejas europeias para uma ação política precisa dentro de seus próprios países e na Comunidade Européia para garantir vias legais e seguras de acesso, apoio às ONGs que resgatam centenas de pessoas no mar, cooperação entre os países mediterrâneos com o objetivo não de bloquear partidas ou deter migrantes em verdadeiros campos de refugiados, mas de garantir um sistema solidário de desenvolvimento, hospitalidade e resgate. As igrejas metodistas na Europa e junto com os irmãos e irmãs das igrejas da FCEI querem se comprometer com este objetivo. Todos os crentes se colocam diante da Palavra de Jesus que exige o imperativo de acolher o estrangeiro, e hoje esse imperativo é categórico: somos responsáveis ​​pelo tempo em que o Senhor nos chama a viver e a dar testemunho. Um dia chegará a hora do ajuste de contas e não será possível responder: quando será? 1 Mateus 25:38 - Nova Versão Revisada da Bíblia Trabalho para Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (OPCEMI) As igrejas metodistas nasceram no século XVIII na Inglaterra a partir de um movimento de renascimento religioso, que mais tarde se espalhou para a América e outros países. Na Itália, grupos metodistas foram formados por pregadores ingleses e americanos no século XIX, no contexto do despertar cultural do Risorgimento. Durante os vinte anos de fascismo, a missão americana, duramente atingida pelo regime, foi incorporada à britânica. Em 1961 nasceu a Conferência Metodista da Itália, emancipada da Conferência Britânica. Atualmente existem cerca de 5.000 metodistas italianos, espalhados por todo o país, e fazem parte do Conselho Metodista Mundial, que tem cerca de 70 milhões de fiéis em 130 países. Os metodistas também são membros do Conselho Mundial de Igrejas (CEC), da Conferência das Igrejas Européias (KEK) e da Comunhão das Igrejas Protestantes Européias (CCPE-Concord of Leuenberg). Desde 1979 os valdenses e metodistas estão unidos em um pacto de integração que deu origem à Igreja Evangélica Valdense (União das Igrejas Metodista e Valdense). As duas igrejas têm em comum a organização sinodal-representativa, a administração (Mesa Valdense) e o corpo pastoral; entretanto, a representação ecumênica e a gestão patrimonial permanecem distintas. As relações com o Estado italiano são reguladas pelo Acordo de 1984. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.