“Tudo sobre minha mãe”, protagonista é a pastora valdense de Milão

“Tudo sobre minha mãe”, protagonista é a pastora valdense de Milão

Roma (NEV), 2 de outubro de 2020 – Como é ter uma mãe pastora? ele disse isso Sophie Bouchard, há alguns dias, segunda-feira, 28 de setembro, no programa noturno “Tutto su mia madre”, transmitido de segunda a sexta-feira às 20h25 no Rai Tre. No centro do episódio está a história de Sofia e sua mãe, pastora da igreja valdense em Milão Daniela DiCarlo.

“Foi uma boa ocasião, estamos ambos felizes com o resultado – explica Sofia Bouchard, assistente social, da região valdense – . Ambos reservados, decidimos juntos participar deste projeto e contar um ao outro. Espero, no pouco tempo disponível, ter representado nosso relacionamento, nossas vidas, e também a “normalidade” de ser valdense e filha de pastora”. Precisamente nos vales valdenses, a jovem escolheu viver: “Decidi criar raízes aqui, onde estão as raízes da minha família”, e onde também estão as origens e a história da comunidade valdense.

A vida nos vales valdenses foi um dos elementos centrais do documentário, “seguindo a biografia de minha mãe”: o compromisso após o terremoto de Irpinia, a vocação, a relação, posteriormente concluída, com o pai de Sofia. “Na igreja valdense o divórcio é aceito, faz parte da realidade da vida, das contradições humanas”, explica o pastor no documentário. Até ao quotidiano de uma mulher cuja vida “é tão complexa como a de todas as trabalhadoras”. Mas a docu-ficção também foi uma oportunidade de contar ao mundo dos valdenses. “Queria lembrar o grande exemplo de Gianna Sciclone, a primeira mulher que presidiu um culto e que em 1988 também revolucionou a linguagem, tornando-a inclusiva – por exemplo, usando pela primeira vez o termo “ministra”. Um ponto de inflexão que causou discussão, na época, e que antecipou o debate atual sobre gênero, também sobre igualdade linguística.

O pessoal é político, dizia um lema feminista. Assim “Não foi fácil colocar de alguma forma a nossa experiência na rua, mas a minha filha Sofia foi muito corajosa e aceitou com entusiasmo esta possibilidade. Então filmamos no final de agosto e faltam poucos dias para a exibição”, conta Daniela Di Carlo.

Um episódio que despertou grande interesse e muitas opiniões positivas, principalmente dentro da comunidade valdense. “Estou muito feliz, muitas pessoas me escreveram, tudo para nos parabenizar e agradecer. Acho que eles apreciaram especialmente meu testemunho de fé, que evidentemente pode ser prestado mesmo de maneira leve, e o sentimento entre mim e minha filha. Várias mães valdenses entraram em contato comigo, que têm um caminho semelhante ao meu, mas também liguei para três pessoas de outras confissões que gostariam de se aproximar da comunidade valdense, uma senhora em Rimini, um menino em Milão … Acho que esta “propaganda” é positiva, com valor cultural, para representar uma comunidade, fora de uma descrição quase folclórica em que por vezes há o risco de cair”.

Um eco que também pode ser uma oportunidade para refletir sobre a forma de comunicar “lá fora”. “No bar, na banca de jornal, eles me reconhecem, me chamam de “senhora pastora”, é legal. Mas estou particularmente feliz que tantas pessoas da comunidade protestante tenham me agradecido por este simples e espontâneo testemunho de fé. Evidentemente há também uma crescente urgência de poder contar e comunicar a nossa fé, na consciência de que sim, pode-se dizer “coisas normais” mesmo sendo valdenses. É aquele linguagem comum também pode ser usada para falar de Lutero“.

Aqui o episódio de “Tudo sobre minha mãe” estrelado por Daniela Di Carlo e Sofia Bouchard.

As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

“Quando é que te vimos como estrangeiro e te demos as boas-vindas?”

“Quando é que te vimos como estrangeiro e te demos as boas-vindas?”

Foto do unsplash Roma (NEV), 27 de fevereiro de 2023 - Declaração do Presidente da Obra para as Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (OPCEMI), pároco Luke Elders: “Assim, os discípulos de Jesus respondem à palavra do mestre que declara bem-aventurados aqueles que o acolheram como estrangeiro. A resposta de Jesus a esta pergunta: sempre que… é uma declaração de pertença, Jesus pertence ao estrangeiro que procura refúgio. Então, se você fez isso com um deles, você fez isso comigo. Hoje somos nós que nos perguntamos: quando? A resposta de Jesus é: você está certo, você não está, você não fez isso. O nosso mar é novamente um mar de morte e as nossas costas não são uma terra de salvação mas areia e rocha que recebem corpos sem vida. A Europa unida, construída com resistência ao nazismo e ao fascismo, simbolizada pela queda dos portões de Auschwitz, hoje perde cada vez mais credibilidade sem poder salvar vidas. Mas as responsabilidades são claras, não se trata de um acidente ou de uma tragédia aleatória, trata-se de responsabilidades concretas: decidiu-se não poupar! Escondemo-nos atrás dos pronunciamentos das circunstâncias ou atrás de uma política externa míope que pensa poder evitar os desvios do desespero. Na realidade, uma clara opção política de não salvação já foi implementada. As igrejas têm uma responsabilidade. Podemos continuar a agir pelo bem e pela justiça, podemos continuar, e devemos continuar, a salvar através da boa prática dos corredores humanitários, devemos continuar a confiar em Deus e hoje devemos dar um passo mais além, é uma questão de unir todos os esforços das igrejas europeias para uma ação política precisa dentro de seus próprios países e dentro da Comunidade Européia para garantir acessos legais e seguros, apoio às ONGs que salvam centenas de pessoas no mar, cooperação entre os países mediterrâneos com o objetivo de não de bloquear as saídas ou deter os migrantes em verdadeiros campos de detenção, mas de garantir um sistema de apoio ao desenvolvimento, acolhimento e socorro. As igrejas metodistas na Europa e junto com os irmãos e irmãs das igrejas da FCEI querem se comprometer com este propósito. Todos os crentes se deparam com a Palavra de Jesus que exige o imperativo de acolher o estrangeiro e hoje esse imperativo é categórico: somos responsáveis ​​pelo tempo em que o Senhor nos chama a viver e a dar testemunho. Um dia chegará o momento de fazer um balanço e não será possível responder: quando?” E quando foi que te vimos estrangeiro e te acolhemos?1 É assim que os discípulos de Jesus respondem à palavra do Mestre que declara bem-aventurados aqueles que o acolheram como estrangeiro. A resposta de Jesus a esta pergunta: 'Quando foi...' é uma declaração de pertença, Jesus pertence ao estrangeiro que procura refúgio. Então, se você fez isso com um deles, você fez isso comigo. Hoje somos nós que fazemos a pergunta: quando foi? A resposta de Jesus é: você está certo, não. O nosso mar é novamente um mar de morte, e as nossas costas não são uma terra de salvação mas sim areia e rocha recebendo corpos sem vida. Uma Europa unificada, construída através da resistência ao nazismo e ao fascismo, simbolizada pela queda das portas de Auschwitz, perde hoje cada vez mais credibilidade por não conseguir salvar vidas. Mas as responsabilidades são claras, isto não é um acidente ou uma tragédia do acaso, são responsabilidades concretas: Decidiu-se não poupar! Escondemo-nos atrás de declarações circunstanciais ou de uma política externa míope que pensa poder evitar partidas desesperadas. Na realidade, já houve uma escolha política clara de não poupar. As igrejas têm uma responsabilidade. Podemos continuar agindo pelo bem e pela justiça, podemos continuar, e devemos continuar, a salvar através da boa prática dos corredores humanitários, devemos continuar confiando em Deus e hoje devemos dar um passo a mais, é unir todos os esforços das igrejas europeias para uma ação política precisa dentro de seus próprios países e na Comunidade Européia para garantir vias legais e seguras de acesso, apoio às ONGs que resgatam centenas de pessoas no mar, cooperação entre os países mediterrâneos com o objetivo não de bloquear partidas ou deter migrantes em verdadeiros campos de refugiados, mas de garantir um sistema solidário de desenvolvimento, hospitalidade e resgate. As igrejas metodistas na Europa e junto com os irmãos e irmãs das igrejas da FCEI querem se comprometer com este objetivo. Todos os crentes se colocam diante da Palavra de Jesus que exige o imperativo de acolher o estrangeiro, e hoje esse imperativo é categórico: somos responsáveis ​​pelo tempo em que o Senhor nos chama a viver e a dar testemunho. Um dia chegará a hora do ajuste de contas e não será possível responder: quando será? 1 Mateus 25:38 - Nova Versão Revisada da Bíblia Trabalho para Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (OPCEMI) As igrejas metodistas nasceram no século XVIII na Inglaterra a partir de um movimento de renascimento religioso, que mais tarde se espalhou para a América e outros países. Na Itália, grupos metodistas foram formados por pregadores ingleses e americanos no século XIX, no contexto do despertar cultural do Risorgimento. Durante os vinte anos de fascismo, a missão americana, duramente atingida pelo regime, foi incorporada à britânica. Em 1961 nasceu a Conferência Metodista da Itália, emancipada da Conferência Britânica. Atualmente existem cerca de 5.000 metodistas italianos, espalhados por todo o país, e fazem parte do Conselho Metodista Mundial, que tem cerca de 70 milhões de fiéis em 130 países. Os metodistas também são membros do Conselho Mundial de Igrejas (CEC), da Conferência das Igrejas Européias (KEK) e da Comunhão das Igrejas Protestantes Européias (CCPE-Concord of Leuenberg). Desde 1979 os valdenses e metodistas estão unidos em um pacto de integração que deu origem à Igreja Evangélica Valdense (União das Igrejas Metodista e Valdense). As duas igrejas têm em comum a organização sinodal-representativa, a administração (Mesa Valdense) e o corpo pastoral; entretanto, a representação ecumênica e a gestão patrimonial permanecem distintas. As relações com o Estado italiano são reguladas pelo Acordo de 1984. ...

Ler artigo
A onda pentecostal e o precipício católico

A onda pentecostal e o precipício católico

Roma (NEV), 25 de julho de 2018 – O ensaio do cientista político Paolo Naso intitula-se “A onda pentecostal e o precipício católico”, publicado na edição de julho da revista geopolítica “Limes”, dedicada a “Francisco e o estado do igreja”. O artigo de Naso está incluído na segunda seção do volume, dedicada aos "desafiadores" da Igreja Católica. E certamente o movimento pentecostal pode ser considerado feroz concorrenteem constante e consistente crescimento na África, mas sobretudo na América Latina, o continente do papa "veio do fim do mundo". Naso mostra como o "penhasco católico" se relacionou com a "onda pentecostal": primeiro com hostilidade aberta (recíproca), mitigada na época do pontificado de Bento XVI "em homenagem à convergência comum em questões éticas: não ao aborto, ao homossexualidade e famílias gays”. Em vez disso, Bergoglio introduziu "uma estratégia de diálogo" baseada nas relações de fraternidade. Segundo alguns, seria uma “teologia da amizade” que “gera consenso a um preço baixíssimo”. Segundo outros, seria "mais uma rendição de um papa muito orientado para o ecumenismo". Naso se inclina para uma terceira análise que vê o diálogo empreendido pelo Papa Francisco como “fruto de uma experiência e reflexão sobre as perspectivas do cristianismo que, projetando-se para o Sul global, acaba interceptando o pentecostalismo em todos os seus quantitativos e qualitativos”. O ensaio recorda as relações do então bispo de Buenos Aires com o mundo pentecostal argentino; o encontro na Itália, em Caserta, com o pároco Giovanni Traettino da Igreja da reconciliação; o pedido de perdão aos católicos que, baseando-se na circular Bufarrini Guidi de 1935 - aquela que definia o culto pentecostal como "prejudicial à integridade física e mental da raça" - perseguiam os pentecostais em nosso país. Em conclusão, de acordo com Naso, “a estratégia de Francisco não é acidental ou instrumentalmente dialógica. Vindo dos 'fins do mundo', onde o pentecostalismo cresce mais rapidamente, o papa argentino sabe bem que seu crescimento também soa como uma crítica às formas tradicionais do catolicismo e a busca de uma espiritualidade à qual as Igrejas estabelecidas parecem incapazes de dar uma resposta". No que diz respeito ao movimento pentecostal, cabe destacar que o último número da International Review of Mission, revista do Conselho Mundial de Igrejas (CEC), é dedicado à "Teologia Pentecostal da missão" com artigos, em inglês , amplamente assinada por expoentes do mundo pentecostal internacional. ...

Ler artigo
Sínodo Luterano.  Inclusivo e digital no futuro

Sínodo Luterano. Inclusivo e digital no futuro

Roma (NEV/CELI CS12), 2 de maio de 2021 – 2ª Sessão do XXIII Sínodo da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) 29.04/01.05.2021 Continuidade, mudança, futuro. A misericórdia como responsabilidade da Igreja Declaração sobre Justiça de Gênero Igualdade de gênero como expressão de fé Criação de uma plataforma digital profissional Um desafio superado de forma excelente e com muita disciplina: um sínodo em formato online. Em vez do habitual encontro presencial, dois dias e meio de trabalho concentrado em frente a uma tela. O resultado mais importante da 2ª Sessão do XXIII Sínodo da Igreja Evangélica Luterana na Itália são duas decisões corajosas que guiarão a Igreja e suas comunidades em seu trabalho futuro. A aprovação de uma declaração programática sobre justiça de gênero e uma moção da Comissão Digital, aprovada por ampla maioria, sobre a criação de uma plataforma digital CELI. Outro destaque deste sínodo 2.0 foi a conferência com o convidado de honra, o secretário geral da Federação Luterana Mundial (WLF), Martin Junge. Muitos ferros na brasa no último dia do Sínodo, 1º de maio, com grande número de moções a serem aprovadas. O documento sobre justiça de gênero, aprovado após um debate muito intenso e acalorado, não é apenas a expressão de uma mentalidade aberta, mas quase uma declinação específica do título do sínodo, que colocou no centro de seus trabalhos o tema da misericórdia, ou seja, a a aceitação do outro sem preconceitos e o profundo respeito pelo seu ser. Foi claramente sublinhado que este tópico não apresenta nenhum perfil problemático dentro da igreja. A aceitação do outro (tanto em relação à orientação sexual quanto contra qualquer discriminação étnica) é um dado adquirido. A Igreja, por outro lado, tem como missão específica “sair do armário” e promover fortemente os temas do acolhimento e da integração na sociedade. O pré-requisito é uma atitude aberta e sem preconceitos, que deve ser expressa pelo menos adotando um modo de falar e agir inclusivo em todos os níveis, inclusive na pregação, culto e catequese, e nas comunicações públicas. A sede do Decanato da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) Destaque também para o projeto de três anos de um plataforma digital profissional. Especialmente após a experiência da pandemia e para superar um problema objetivo de acessibilidade "geográfica" ou por outros motivos, o CELI pretende viabilizar a pastoral e a assistência religiosa, bem como a informação sobre o luteranismo em sentido geral, através de podcasts, online estudos bíblicos, possibilidade de diálogo através de blogs, culto online e páginas interativas. E isso também para atender às necessidades e expectativas daqueles que se interessam por temas religiosos e pela igreja, mesmo que não desejem se comprometer em uma comunidade. Na sexta-feira, 30 de abril, os temas justiça de gênero, digitalização, pandemia, diaconia, juventude e meio ambiente foram discutidos em Grupos de trabalho. Nesses grupos menores, uma troca de ideias frutífera e animada foi possível, apesar do formato digital. Porém, há um elemento que une as conclusões de todos os grupos: todos os temas dependem muito da estrutura das respectivas comunidades. Vamos Saudações do convidado houve profundo apreço pelo CELI e suas atividades, bem como pela positiva cooperação. Entre outros, Luca Maria Negro, presidente da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI); o moderador do Tavola Valdese, Alessandra Trotta; o presidente da Ópera das Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (OPCEMI), Mirella Manocchio e o presidente da União das Igrejas Evangélicas Batistas da Itália (UCEBI), João Paulo Arquidiácono; o bispo Leon Novak (Eslovênia); mons. Ambrogio Spreaficopresidente da Comissão Episcopal da CEI para a cooperação entre as Igrejas; Martin Hubner, secretário-geral do Martin Luther Bund; os representantes da Igreja Evangélica Luterana Unida da Alemanha (VELKD) e da Igreja Evangélica da Alemanha (EKD), Norbert Denecke E Olaf Wassmuth; Klaus Rieth da Igreja de Württemberg; Enno Haakssecretário-geral da Gustav Adolf Werk; Mário Fishersecretário-geral da Comunhão das Igrejas Protestantes na Europa (ECCP); a presidente da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI), Gabriela Lio; o presidente do Sínodo da Igreja da Baviera, Annekathrin Preidel e o presidente da Claudiana, Eugênio Bernardini. Leia no site do CELI [email protected] Anexo: Posição de Justiça de Gênero tomada Veja todo o especial: Sínodo Luterano 2021 ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.