Procura-se jovens para conferência de paz em Paris

Procura-se jovens para conferência de paz em Paris

Roma (NEV), 7 de junho de 2019 – Você tem até 21 de junho para enviar sua candidatura para participar da Conferência de Paz 2019, que será realizada em Paris, França, de 10 a 12 de setembro.

A Conferência das Igrejas Europeias (KEK) convida os jovens das suas igrejas-membro a enviarem as suas perguntas e documentos através do formulário disponível para download nesta página. O CEC facilitará a formação ecumênica e a experiência internacional de cinco pessoas selecionadas entre 18 e 30 anos. Entre os requisitos, preferencialmente conhecimento de inglês e francês, forte motivação e entusiasmo.

Os organizadores selecionados terão um papel especial na condução da conferência, auxiliando o coordenador e a equipe em diferentes áreas de trabalho, como gestão do programa e da plenária, comunicação e mídia, orientação e informação sobre as sessões.

A CEC cobrirá os custos de alimentação e acomodação, enquanto os custos de viagem, passaporte, visto e outras despesas pessoais serão pagos pelo candidato e/ou pela igreja proponente, corpo ecumênico ou conselho nacional a que pertença.

O comparecimento é obrigatório de segunda-feira, 9 de setembro de 2019, na hora do almoço, até quinta-feira, 12 de setembro de 2019, à tarde. Os voluntários trabalharão em contato direto com o pessoal do KEK coordenado por Charlotte (Charlie) Belot e são encorajados a ouvir e participar nas diferentes sessões plenárias, seminários e fóruns.

A Conferência de Paz realiza-se no contexto do 60º aniversário da CEC e explorará a Conferência de Paz de Paris de 1919 no seu centenário, identificando os seus legados no passado europeu e global, para chegar à procura de novas e criativas formas de construir paz no século 21. A conferência terá lugar noInstituto Protestante de Teologia em Paris.

As inscrições devem ser enviadas para [email protected] até 21 de junho de 2019. Os resultados das seleções serão anunciados até segunda-feira, 28 de junho. Para mais informações, clique aqui.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Faculdade Valdense de Teologia.  Inauguração a. Académica de Fé e Política

Faculdade Valdense de Teologia. Inauguração a. Académica de Fé e Política

Roma (NEV), 15 de setembro de 2022 – O ano acadêmico 2022/23 da Faculdade Valdense de Teologia será inaugurado no sábado, 8 de outubro, com a Prolusão do Professor Valdo Spini (Florença) com o título “Fé e política. O compromisso do cristão evangélico”. O Culto de Abertura será no domingo, 9 de outubro, com a pregação do pároco Michael Jonas. Seguiu-se a semana introdutória da Faculdade sobre o tema da teologia intercultural. A Faculdade Valdense de Teologia em Roma em uma imagem vintage – Foto tirada de facoltavaldese.org A inauguração do ano letivo está marcada para o dia 8 de outubro, às 17h30, na Aula Magna da Faculdade de Teologia Valdense, na via Pietro Cossa, 40 (Roma). Será possível acompanhar a transmissão ao vivo do Prolusion na seguinte página: O culto de abertura no domingo será a partir das 10h na Igreja Luterana da Via Sicilia, 70 (ainda em Roma). Quanto à Semana Inicial da Faculdade, que tradicionalmente inaugura um novo ano de cursos, o encontro é de 10 a 14 de outubro na Sala A, ou online, para todos os que estudam na Faculdade, em qualquer nível. A Semana Introdutória da Faculdade Valdense de Teologia Por vários anos, lemos no site da Faculdade Valdense, "as igrejas metodista, batista e valdense tornaram-se cada vez mais internacionais: irmãs e irmãos, vindos dos quatro cantos do mundo, trouxeram uma nova força vital e, com ela, diferentes espiritualidades que enriquecem a nossa abordagem teológica tradicional, pedindo-lhe que desenvolva uma nova reflexão sobre nós mesmos e sobre a nossa pregação: como podemos desenvolver um discurso teológico no contexto multicultural revigorado pela globalização?”. Sobre o tema da teologia intercultural, a Faculdade adquiriu experiência através das duas edições do Mestrado "Teologia e diaconia numa perspectiva intercultural". Entre as atividades propostas pela Faculdade, está também uma viagem de estudos a Castel Volturno, “para conhecer a realidade deste recanto esquecido da Itália da imigração, caldeirão de intensas experiências humanas e laboratório intercultural”. Para maiores informações: PÔSTER INTRODUTÓRIO SEMANA 2022 .pdf PROGRAMA DA SEMANA INTRODUTÓRIA FVT 2022 .pdf ...

Ler artigo
valenzi.  A necessidade de uma lei-quadro sobre a liberdade religiosa

valenzi. A necessidade de uma lei-quadro sobre a liberdade religiosa

Roma (NEV), 28 de fevereiro de 2023 – Segundo “episódio” do especial da Agência para retomar os temas da conferência “Pluralismo religioso, fundamentalismo, democracias”, realizada recentemente em Roma. A conferência foi promovida pela Fundação Lelio e Lisli Basso, o Centro de Estudos e Revisão Confronti, a Biblioteca Legal Central, a revista Questione Giustizia e a Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). Após a primeira entrevista com Paulo Nasohoje é a vez de Ilaria Valenzi. A grande participação na conferência "Pluralismo religioso, fundamentalismo, democracias" realizada recentemente em Roma e que contou com a participação de representantes de diversas religiões, especialistas, juízes, juristas, jovens universitários, "confirma o crescente interesse pela liberdade religiosa e pelos direitos fundamentais na esfera intercultural – aponta Ilaria Valenzi, assessor jurídico da FCEI –. A reunião - recorda - nasceu por iniciativa da Fundação Basso e de algumas vozes do Poder Judiciário, algumas vindas do Supremo Tribunal de Cassação. As sessões de trabalho dedicadas ao tema “direito e religiões” abordaram um tema essencial de forma interdisciplinar: interagir com o mosaico cultural e de fé presente no nosso país. As orientações religiosas entram diariamente nas sentenças do Tribunal de Cassação. Os juízes têm de lidar com situações inusitadas, como a poligamia ou o repúdio conjugal, distantes do nosso ordenamento jurídico e da nossa sensibilidade jurídica e cultural. A Fundação Basso e a revista Comparar eles vêm promovendo programas de estudo sobre o pluralismo religioso há algum tempo. A Federação das Igrejas Evangélicas da Itália foi o interlocutor natural para a experiência adquirida no campo da liberdade religiosa. As comemorações da Semana da Liberdade e do 17 de fevereiro, mais uma ocasião para enriquecer o debate geral”. A liberdade religiosa (e a vontade de chegar a uma lei-quadro) sempre foi uma questão decisiva para a FCEI, porquê? Porque está presente na ideia fundadora da Federação. Há muito que a FCEI reclama a superação da obsoleta lei dos "cultos admitidos" de 1929 e promove iniciativas a favor de uma lei geral da liberdade religiosa, precisamente para adequar o quadro constitucional vigente em matéria de protecção dos direitos e liberdade religiosa para as comunidades de fé e alargada às associações e aos seus membros individuais. De facto, existe uma Comissão das Igrejas Evangélicas para as Relações com o Estado (CCERS) constituída para o efeito e que reúne também as Igrejas Evangélicas não federadas em torno do tema da liberdade religiosa. Por estatuto, é presidido pelo presidente da FCEI. A situação legislativa em matéria de liberdade religiosa na Itália é "piramidal", diferentes níveis dão acesso a diferentes direitos. Nossa Constituição, apesar da garantia abrangente, não consegue desvendar as pequenas disparidades ainda presentes. Existem, de fato, níveis hierárquicos de tratamento em relação às diversas confissões religiosas. Começa da Concordata com a Igreja Católica aos Acordos com 13 confissões religiosas, à lei de 1929 dos "cultos permitidos" que acomoda todas as outras religiões, mas no nível mais baixo. Os "admitidos", por exemplo, podem nomear seus ministros ou construir locais de culto, mas a aprovação do governo costuma ser muito complexa. Disparidades que aumentaram após a promulgação de algumas leis regionais, também erroneamente definidas como "leis anti-mesquitas", porque afetam indistintamente todas as denominações religiosas minoritárias. Falou-se do princípio da laicidade do Estado? Foi o pano de fundo de nossas discussões. O espaço dos direitos deve ser inserido em uma moldura e essa moldura é o princípio supremo da laicidade; o lugar onde todos somos chamados a nos mover com respeito. O pluralismo religioso é garantido pela neutralidade não confessional do Estado. Entre os modelos de secularismo, além do italiano, foram citados o francês e o britânico. O modelo italiano, já foi dito, está em contínua evolução, devido à natureza da concordata. Você mencionou o degrau mais baixo da pirâmide em termos de liberdade religiosa, de quem estamos falando e de quais números? Quem se encontrar sob a proteção da legislação de 1929, antes de poder recorrer a uma Entente, deve obter o reconhecimento legal. Este é um primeiro passo, mas também um primeiro obstáculo. Portanto, as confissões religiosas que estão na base da pirâmide muitas vezes são obrigadas a empreender uma longa jornada para obter o reconhecimento institucional. Estamos falando de milhões de pessoas, por exemplo, as duas confissões de origem imigrante que são parte integrante e viva de nosso tecido social: o Islã e a comunidade ortodoxa romena. O último tem cerca de 1.700.000 membros, o primeiro cerca de 1.400.000. Durante a pandemia, por exemplo, surgiu a necessidade de se chegar a uma lei-quadro o quanto antes. Entre as dificuldades que surgiram estava a de conseguir encontrar lugares para sepulturas rituais para acolher os corpos dos crentes muçulmanos; e, novamente, para garantir assistência espiritual em prisões e hospitais. Algumas leis regionais no passado intervieram para resolver disputas, mas às vezes de forma arbitrária. Uma lei-quadro nacional certamente poderia enquadrar e fixar princípios fundamentais no campo da liberdade religiosa, eliminando pela raiz as atuais anomalias. ...

Ler artigo
Semana da Liberdade 2023: “Liberdade, Cidadania, Responsabilidade”

Semana da Liberdade 2023: “Liberdade, Cidadania, Responsabilidade”

foto: Liz Vo, unsplash Roma (NEV), 12 de dezembro de 2022 – Por ocasião do aniversário de 17 de fevereiro de 1848, quando Carlo Alberto concedeu direitos civis e políticos aos valdenses e logo depois aos judeus do Reino da Sardenha, as igrejas evangélicas celebram uma "Semana da liberdade" que inclui eventos e manifestações em toda a Itália.O tema indicado para 2023 é “Liberdade, Cidadania, Responsabilidade”.“Com estes termos – explica Daniele Garrone, presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) - pretendemos recordar um tema que desapareceu da agenda política, o da cidadania para milhares de 'italianos de facto' a quem é negado o reconhecimento formal da sua presença, do seu trabalho e seu engajamento cívico na Itália. Há muitos anos – continua Garrone – como evangélicos nos empenhamos em afirmar que não há verdadeira liberdade sem direitos e que a cidadania, com os direitos e os diversos deveres que ela implica, fortalece a coesão de uma comunidade nacional.No entanto, com as palavras "Liberdade, cidadania, responsabilidade" não nos referimos apenas aos imigrantes, mas também a nós, italianos, que possuímos a cidadania por nascimento e muitas vezes esquecemos de refletir sobre seu significado, suas implicações e como vivê-la em nosso cotidiano. vida. Somos os primeiros a redescobrir o significado profundo do nosso compromisso cívico e a responsabilidade que ele implica. A cidadania é um pacto entre iguais, um vínculo de coesão social e adesão a um sistema de princípios fundamentais. Em suma, nesta Semana - conclui Garrone - pretendemos reflectir sobre a nossa sociedade, sobre as fracturas que minam os laços de coesão, sobre os desafios da integração e da inclusão, sobre as responsabilidades que implica ser cidadão e, no nosso caso, crente que "procure o bem da cidade" (Jr 29:7).Tendo em vista a Semana da Liberdade de 2023, será publicado um volume dedicado à cidadania, promovido pela Comissão de Estudos da FCEI e editado pelo jurista Ilaria Valenzi: coleta ensaios de I. Valenzi, E. Bein Ricco, T. Moritz, L. Alfieri, MC Giorda e R. Ricucci, D. Spini, B. Peyrot, E. Noffke, P. Naso. “Não é um manifesto – explicam os promotores da iniciativa editorial – mas uma ajuda ao estudo, à discussão comunitária, à reflexão, ao diálogo com aqueles que se interrogam sobre o futuro da nossa democracia constitucional. É com essa postura que queremos participar do debate no espaço público”. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.