Um instituto ecumênico, um sinal profético de diálogo em Marrocos

Um instituto ecumênico, um sinal profético de diálogo em Marrocos

Roma (NEV/Riforma.it), 1º de abril de 2019 – “Um sinal profético”: assim disse ontem o Papa Bergoglio em visita a Marrocos definiu o Instituto de Formação Teológica Al Mowafaqa (The Meeting) de Rabat, que representa um unicum no continente africano, pois foi criado graças a uma ação conjunta de católicos e protestantes para promover o diálogo e o ecumenismo, especialmente em relação à religião dominante na região, o Islã.

Fundada em 2012, a escola formou cerca de 400 alunos ao longo dos anos na cultura do diálogo inter-religioso, e atualmente acolhe 40 deles, divididos igualmente entre católicos e protestantes, quase todos africanos, mas não faltam jovens de origem europeia .

Cerca de oitenta professores se alternaram na cadeira nestes 6 anos, também de origem africana e europeia. O pastor luterano atualmente dirige o instituto Jean KoulagnaCamarões, após 6 anos de liderança do pastor reformado francês Bernard Coyault.

O projeto é apoiado, entre outros, pelo Serviço Missionário Protestante Francês (Défap), tanto com financiamento direto quanto com o envio de bolsistas.

O crescimento das tensões ligadas à radicalização religiosa evidencia a cada dia a necessidade de manter vivo o diálogo entre as diversas religiões. Mas como um pode dialogar sem saber do outro, em que se baseia sua fé? O Instituto realmente tenta ser um ponto de encontro entre as diferentes religiões.

Criado pela Igreja Católica no Marrocos e pela Igreja Evangélica no Marrocos, o instituto oferece formação universitária em teologia em língua francesa, enraizada no contexto marroquino, aberta ao encontro e ao diálogo com outras culturas e religiões, principalmente a islâmica. O apoio para o planejamento da iniciativa veio da Faculdade Teológica Protestante de Estrasburgo e do Instituto Católico de Paris.

O último ano letivo contou com 36 professores (8 mulheres) da Europa (15), Marrocos (5), outros países africanos (14), Líbano (2), protestantes (15), católicos (14), muçulmanos (5), judeus (2).

As classes refletem essas diferenças; um exemplo acima de tudo, uma turma de 18 alunos de 14 países diferentes: o seu percurso de estudo divide-se entre várias opções: alunos que se candidatam a igrejas em Marrocos, servindo também em paróquias locais (4 católicos e 3 protestantes), alunos independentes e alunos enviados de outros países por sua igreja local. Estudantes católicos, reformados, evangélicos, pentecostais são a confirmação da crescente influência do Instituto e da relevância do modelo de formação teológica “em diálogo”, especialmente em países onde o cristianismo é minoria.

Marrocos, envolvido nos últimos anos pelo êxodo de populações que se deslocam de países subsaarianos para a Europa ou para os mesmos países com melhores condições económicas, incluindo o próprio Marrocos. Daí as novas contaminações religiosas que também caracterizam a sociedade marroquina. Outras nações do continente vivem tensões nas quais as identidades étnico-religiosas são perigosamente manipuladas. A única receita é o conhecimento do outro e o Instituto trabalha para isso.

Existem cerca de dez mil protestantes no Marrocos, trinta mil católicos de uma população total de cerca de 33 milhões.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

20 de agosto.  O Sínodo Valdense começa em Torre Pellice

20 de agosto. O Sínodo Valdense começa em Torre Pellice

Casa Valdense, sede do Sínodo das igrejas Metodista e Valdense. Torre Pellice (Turim) Roma (NEV/CS17), 16 de agosto de 2023 – O Sínodo das Igrejas Metodista e Valdense terá início no domingo, 20 de agosto, em Torre Pellice (Turim). Inicia-se com a habitual procissão, desde a casa valdense até ao templo onde se realiza o culto de abertura, às 15h30. A pregação é confiada ao pastor Sérgio Maná. As obras decorrem de 20 a 25 de agosto. A habitual noite pública (segunda-feira, 21 de agosto, às 20h45, no templo valdense de Torre Pellice) tem como título: “Opressão, resiliência, transformação: mulheres no espaço público”. O Sínodo reúne 180 delegados de toda a Itália e representa o órgão máximo de decisão e democrático para estas igrejas históricas. Temas Entre os principais temas deste Sínodo 2023 estão o compromisso da Igreja na sociedade, a fé, a ética, o papel da mulher nos ministérios e na vida política, religiosa, social e cultural. Outro compromisso importante sobre o qual o Sínodo irá delinear as linhas de trabalho para o próximo ano está em preparação. Na verdade, 2024 será um marco fundamental para os valdenses, que celebrarão o 850º aniversário do nascimento, em Lyon, do Pedro Valdo. Convidados O Sínodo deste ano regista um elevado número de convidados de toda a Itália e do estrangeiro. Foram convidadas diversas personalidades religiosas e leigas, entre as quais o teólogo e pároco Daniele Garrone, presidente da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). O pastor Gênero João Pedro, Presidente da Conferência das Igrejas Protestantes dos Países Latinos da Europa. O Decano da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI), pároco Carsten Gerdes. O presidente da Federação das Igrejas Pentecostais, pastor Alfredo Giannini. A pastora Mirella ManocchioPresidente da Federação de Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI). Também entre os convidados estavam representantes da Igreja da Escócia (Igreja da Escócia) e da Sociedade Valdense de Ajuda Missionária, da Igreja Evangélica Alemã (Evangelische Kirche em Hessen und Nassau), da Sociedade Valdense Americana e da Igreja Metodista Unida. Mais uma vez, representantes religiosos da Áustria, Bélgica, Alemanha, Grã-Bretanha, Holanda, Portugal, República Checa, Estados Unidos, Suíça e Hungria. O moderador da Mesa Valdense, diácono Alessandra Trotta, será convidado do Culto Evangélico no próximo domingo | Rai Radio 1 entrevistado por Gian Mário Gillio. É possível solicitar entrevistas, materiais, fichas informativas escrevendo para [email protected] – A agência NEV estará presente em Torre Pellice como assessoria de imprensa do Sínodo. Eventos paralelos: 18 de agosto Jornada Teológica "John Miegge" 19 de agosto Os jovens pré-Sínodo (nev.it) O pré-Sínodo das mulheres (nev.it) Par ou ímpar? Uma questão de gênero. 19 de agosto com a Diaconia (nev.it) 31 de agosto Mattarella na Torre Pellice em agosto. O sonho pró-europeu nasceu aqui. (nev.it) Para saber mais: FORMA. Igrejas Metodistas e Valdenses na Itália – Novembro FORMA. Os Valdenses – Novembro ...

Ler artigo
Ecumenismo.  Fase V do diálogo entre católicos e luteranos concluída

Ecumenismo. Fase V do diálogo entre católicos e luteranos concluída

Participantes do encontro em Kligenthal (França) Roma (NEV), 31 de julho de 2018 – O último encontro da quinta fase de diálogo da Comissão Católica Luterana para o estudo da unidade foi realizado em Kligenthal (França) de 17 a 24 de julho. Promovida pela Federação Luterana Mundial (FLM) e pelo Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos (PCPUC), esta fase de diálogo foi concluída após nove anos de trabalho. Com base em documentos anteriores sobre o batismo, a doutrina da justificação, a Eucaristia, o ministério e a apostolicidade da igreja, esta última reunião foi dedicada à relação entre o batismo e a comunhão eclesial. Em particular, tentou-se responder à pergunta sobre que tipo de comunhão eclesial deriva da compreensão compartilhada por católicos e luteranos sobre o batismo. Uma pergunta, sublinhou o pároco luterano Kaisamari Hintikkaque pede uma resposta também a partir dos compromissos expressos pelo então presidente da FLM, Munib Younane de Papa Francisco em Lund (Suécia) em 2016, por ocasião da abertura do 500º aniversário da Reforma, a respeito da divisão contínua na mesa da Ceia do Senhor – especialmente em referência a casais inter-religiosos. O relatório será agora recebido pela FLM e pelo PCPUC e será publicado no início de 2019. A Comissão Luterana-Católica – atualmente co-presidida pelo bispo luterano finlandês Eero Huovinen e pelo bispo católico britânico William Kenney – foi instituída em 1967 e, ao longo dos anos, produziu documentos de grande importância, como a “Declaração Conjunta sobre a doutrina da justificação pela fé”, assinada em Augusta em 1999, e “Do conflito à comunhão” de 2013 que definiu a possibilidade de uma celebração ecumênica dos 500 anos da Reforma Protestante. ...

Ler artigo
30 anos depois de Basel, os milagres de então e os de hoje

30 anos depois de Basel, os milagres de então e os de hoje

Marica das três nações, a partida no Lungo Reno Roma (NEV/Riforma.it) 14 de junho de 2019 – Continua a memória e o relançamento do espírito de Basileia 1989, da primeira Assembleia Ecumênica Europeia, poucos meses antes da queda do Muro de Berlim e da crise da União Soviética para inspirar o trabalho e os pensamentos de muitas mulheres e homens de fé. Como lembrou o pároco no programa de rádio Culto Evangélico Luca Maria Negro, presidente da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI) “Em 15 de maio de 1989 foi aberta a primeira Assembléia Ecumênica Européia, sobre o tema 'Paz na justiça', inspirada no Salmo 85: 'Justiça e paz se abraçarão'. Pela primeira vez em séculos - desde os tempos do Grande Cisma entre o Oriente e o Ocidente (1054) e a Reforma Protestante - mais de 600 delegados oficiais das três principais denominações cristãs - ortodoxos, católicos e protestantes - reuniram-se para uma assembléia comum. Mas foi também a primeira vez que se reuniram cristãos de todos os países da Europa”. Uma passagem chave, portanto, também lembrada pelo seguinte texto de Otto Schäfer pastor da Igreja Protestante Unida da França e responsável pelas questões teológicas e éticas da Federação das Igrejas Protestantes da Suíça. Para o site da CLCC, a comunidade de trabalho das igrejas cristãs na Suíça, um local de planejamento e colaboração ecumênica dentro das igrejas suíças: “O milagre de Pentecostes se repete ano após ano. O mesmo Espírito sopra sobre nós, em nossas igrejas, grandes e pequenas. Fazemos parte da mesma família e todos juntos fazemos parte do mundo: o Espírito de Deus age por sua vez no mundo. Um duplo milagre ganha vida no Pentecostes. Em um mundo polarizado, nos aproximamos uns dos outros. E em comunidades e paróquias que podem cuidar de si mesmas, somos enviados ao mundo. No Pentecostes de 1989, em Basel, durante o primeiro encontro ecumênico europeu, este duplo milagre foi sentido intensamente. As convulsões na Europa Central e Oriental abalaram um continente até então dividido. Claro, a Suíça em particular nunca esqueceu completamente a grande Europa, aquela que se estende até os Urais e o Cáucaso. Mas nunca esta visão foi tão visível como comunhão eclesial como em Basileia, no Pentecostes de 1989. Muitas irmãs e irmãos da Europa Central e Oriental participaram ativamente do evento de Basel. Pertencemos à mesma família, experimentamos isso rezando, cantando, celebrando, ouvindo a Palavra, compartilhando tantos dons e talentos diferentes. Esses momentos nos deixam gratos e esperançosos. Ficarão em nossas memórias por toda a vida. Este é o primeiro milagre, um milagre eclesial, no Pentecostes de 1989 em Basileia: uma Igreja de toda a Europa, aberta ao mundo além-fronteiras, animada e unida pelo Espírito. O outro milagre foi, e ainda é, a mudança política e social geralmente pacífica na Europa. O que seis meses depois se tornou realidade em muitos países, ou seja, uma revolução pacífica, já se fazia sentir no Pentecostes de 1989. Com muita esperança e não menos medo: parecia impossível quebrar o equilíbrio do terror sob a ameaça de armas de destruição em massa em ambos os lados, parecia impossível chegar a uma situação de normalidade sem sacrifício ou destruição. O fato de que as coisas poderiam ter tomado um rumo pacífico nunca foi previsto. Foi um milagre e ainda é hoje. Nunca será suficientemente lembrado o milagre político de 1989, que se opôs e ainda se opõe ao 'curso das coisas', como acontece com o Espírito de Pentecostes. Devemos a ele este milagre, e não apenas isso, e pode ser visto hoje onde homens e mulheres envolvidos na Igreja trabalham como construtores de paz. A decepção e a desilusão não esperaram 30 anos para aparecer. Conflitos, velhos e novos, injustiças, velhos e novos, a crescente desintegração de um mundo cada vez mais inquieto deixam seus rastros na consciência pública. A Europa está mancando, as igrejas na Europa estão mancando. O ecumenismo dobrou suas asas largas, parece caminhar, com os pés doloridos, por caminhos pedregosos. No entanto, o ecumenismo é a tela que pintamos e que fica gravada em nossas mentes. O duplo milagre de Pentecostes em Basel em 1989 parece muitas vezes deixado de lado. Mas podemos revogar um milagre? Onde o milagre acontece, ele pede uma lembrança agradecida e um novo começo, com coragem. Para uma vida inspirada pelos milagres de Deus: 'Contarei todas as tuas maravilhas', reza o salmista. De novo e de novo … As sensibilidades também mudam com o tempo; vejamos hoje a maravilhosa encíclica Laudato Si, 26 anos após a manifestação de 1989. É inegável a influência do primeiro encontro ecumênico sobre este texto, com seu ensinamento sobre a Terra como casa comum. Podemos ver quão perspicaz foi a Assembléia Ecumênica de Pentecostes de 1989 ao tornar a mudança climática causada pelo homem uma questão importante, em colaboração com a European Physical Society. Em muitas igrejas, o impulso daqueles dias é implementado diariamente. Claro que o diabo está sempre aninhado nos detalhes, segundo uma bela expressão da língua alemã usada para evocar as dificuldades encontradas na realização dos próprios projetos. Mas o Espírito perseguindo o diabo e quebrando os círculos viciosos não conta mais? E o espírito daquela época continua. Assim como os Atos dos Apóstolos continuam depois de Pentecostes. O Pentecostes é mencionado nos capítulos 2, 26 e seguintes – com maravilhosas descobertas, corajosas reconciliações, difusão da Boa Nova e crescimento da jovem Igreja. Mas também com contratempos, cativeiro, terremoto, naufrágio. Seguimos os outros capítulos da história do milagre de Pentecostes de 1989 em Basel: 'Paz e justiça para toda a criação'. Vamos escrever juntos: o Espírito guia nossa pena”. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.