O pastor japonês que ajuda migrantes na Islândia

O pastor japonês que ajuda migrantes na Islândia

Roma (NEV), 18 de fevereiro de 2020 – Toshiki Toma, 62, é um migrante que ajuda migrantes. Pastor luterano de origem japonesa, tornou-se “famoso” na Islândia, onde é passado por pessoas que, ao longo dos anos, escolheram a pequena ilha perto do Ártico como destino.

Eu meu mim meu

O site da Federação Luterana Mundial (FLM) conta essa história singular em uma entrevista com o pastor, que reproduzimos abaixo, traduzida.

Toshiki Toma na Islândia

“A Islândia aprecia as pessoas”, diz Toshiki Toma, sacerdote de serviço especial para a comunidade imigrante na Islândia. Veja nosso vídeo principal sobre o Dia da Soberania da Islândia aqui: Íslands

Publicado por RÚV English na segunda-feira, 10 de dezembro de 2018

“Primeiro, conte-nos sobre suas origens no Japão e por que você queria se tornar um pastor.

Eu sou o único cristão na minha família, pois a maioria dos meus parentes são budistas ou xintoístas. Fui pela primeira vez a uma pequena igreja luterana no meu bairro de Tóquio quando tinha 18 ou 19 anos e estava procurando um propósito para minha vida. Na universidade, formei-me em ciências políticas e atuei no partido social-democrata e na minha igreja local.

Depois de formado, trabalhei na secretaria de educação de um sindicato, onde pude constatar como as pessoas sempre se preocupavam com o futuro, com a velhice ou com os problemas familiares. Percebi que os direitos humanos e o trabalho político podem criar um terreno fértil para o bem-estar das pessoas, mas na verdade não podem criar felicidade, então decidi que queria trabalhar na igreja para ajudar as pessoas a encontrar a verdadeira felicidade.

Como sua família reagiu à sua decisão de ser ordenado?

Meu pai foi muito aberto sobre essa ideia. Quando lhe disse que queria largar meu emprego e ir para o seminário, ele respondeu: “É melhor trabalhar para Deus do que por dinheiro.” Minha mãe não foi tão positiva no início, mas não se opôs à minha decisão e assim fui consagrada há 30 anos, em março de 1990, na Igreja Evangélica Luterana do Japão (JELC).

Por que você se mudou para a Islândia?

Durante meu último ano de seminário em 1989, fiz um curso de dois meses em Jerusalém, ministrado pela Igreja da Suécia. Lá conheci e me apaixonei por uma pastora islandesa e nos casamos após a minha consagração. Ela veio morar no Japão por dois anos, mas nossa igreja é muito pequena, então não havia possibilidade dela trabalhar como pastora e decidimos nos mudar para a Islândia em 1992. Nos divorciamos em 1999.

Eu queria servir como pastor na igreja islandesa, mas não sabia falar o idioma, não conhecia ninguém, exceto a família de minha esposa, e tive que fazer alguns cursos na escola de teologia para me tornar pastor da Igreja Evangélica Luterana. da Islândia. Demorou cinco anos, então trabalhei meio período e aprendi o idioma enquanto procurava outras oportunidades.

Agora você trabalha como pastor para imigrantes: que apoio você oferece?

Não havia ninguém fazendo esse trabalho antes de mim, mas logo depois que cheguei, em meados dos anos 1990, a imigração começou a crescer, incluindo mulheres da Ásia – Filipinas, Tailândia, Vietnã – que se casaram com homens islandeses. Como mulheres asiáticas, muitas vezes eram tímidas demais para falar sobre seus problemas, mas achavam mais fácil falar comigo, vendo-me como alguém que entendia sua cultura. Muitos não eram cristãos, então, em vez de trabalhar como pastor, comecei como conselheiro para eles, pois não havia outro serviço de apoio em nível estadual ou municipal.

Ajudei-os a encontrar trabalho e moradia e tentei ajudá-los a lidar com a discriminação que sofriam com pessoas que não estavam acostumadas a ter contato com estrangeiros. Se alguém não falasse seu idioma, geralmente para os islandeses isso era um sinal de grosseria ou desrespeito para com eles, então um limite nas habilidades linguísticas poderia torná-lo um cidadão de segunda categoria. A Islândia é um país tão pequeno e seu povo tem um forte apego ao idioma. É visto como um símbolo de unidade nacional e eles temem que, se perderem sua língua, perderão sua identidade.

Quem são as pessoas que vêm até você para pedir ajuda e isso mudou ao longo dos anos?

As coisas mudaram por volta de 2004, quando a Polônia e outros países do Leste Europeu aderiram à UE. A Islândia faz parte do Espaço Econômico Europeu e do Acordo de Schengen e tem feito um grande esforço para oferecer um melhor acolhimento aos imigrantes, por isso, ao longo dos anos, tive a oportunidade de retornar ao meu trabalho normal como pastor, como havia planejado inicialmente .

Em 2008 tivemos a grande crise econômica, mas aos poucos as coisas voltaram ao normal por volta de 2012. Alguns anos depois, houve um novo fluxo de requerentes de asilo, vindos da África, América do Sul, Leste Europeu e Oriente Médio. Há entre 800 e 1.000 inscrições por ano e agora trabalho principalmente com elas.

Na minha igreja (Breidholts Church International Congregation), 70 por cento das pessoas são do Irã, Iraque e Afeganistão, então eles seriam de origem muçulmana, mas ainda querem assistir aos nossos cultos de domingo e nós os batizamos, se assim o desejarem. Mesmo que não peçam asilo ou que seus pedidos sejam rejeitados, tentamos apoiá-los o máximo possível.

Quão receptivos são os islandeses hoje, com os “novos” migrantes?

Os islandeses querem ajudar, especialmente famílias com crianças, mas muitas vezes são menos empáticos com os rapazes, então eu os acolho especialmente. Sendo um país tão pequeno, os islandeses também valorizam as pessoas como indivíduos, de uma forma muito diferente do meu Japão, por isso espero que continuem a abraçar o valor único de cada indivíduo.

Quando comecei este trabalho, a igreja não entendia totalmente meu ministério e me perguntavam: “Por que devemos ajudar os budistas ou outros?” Agora o bispo da Islândia me apóia muito e até diz que a igreja poderia fazer muito mais. Depois que uma de nossas delegações esteve em Genebra em setembro passado, também estabelecemos um grupo de trabalho para propor mais apoio aos requerentes de asilo no próximo sínodo da igreja. É uma grande mudança em relação a 10 anos atrás e estou muito feliz com isso.”

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

O papel da fé nas Nações Unidas

O papel da fé nas Nações Unidas

Roma (NEV), 7 de setembro de 2020 – Por ocasião das comemorações do 75º aniversário das Nações Unidas, no dia 8 de setembro será realizada uma iniciativa sobre o papel da fé. O Conselho Mundial de Igrejas (CMI) está envolvido com as Nações Unidas desde a elaboração da Declaração Universal dos Direitos Humanos no final da década de 1940. Hoje, eles se juntam a mais de 40 líderes globais que representam o mesmo número de organizações religiosas no Conselho Multifé. O Conselho Multi-Religioso das Nações Unidas (Conselho Consultivo Multi-religioso das Nações Unidas – MFAC) foi criada em 2018 pela agência das Nações Unidas para religião e desenvolvimento. O Conselho tem funções consultivas sobre questões religiosas para 22 órgãos das Nações Unidas que lidam com direitos humanos, paz, segurança e desenvolvimento sustentável. Será "uma oportunidade para compartilhar mensagens-chave de esperança e solidariedade entre comunidades de fé em todo o mundo e para aumentar a conscientização sobre a colaboração entre organizações religiosas e agências das Nações Unidas", diz a apresentação da iniciativa, que destaca a importância da cooperação para o desenvolvimento sustentável desenvolvimento. Para a Agenda 2030 das Nações Unidas, existem 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (Metas de desenvolvimento sustentável – ODS) a serem alcançados: do fim da pobreza e das desigualdades econômicas e de gênero, ao desenvolvimento social, do combate às mudanças climáticas, até a construção de sociedades pacíficas até o ano de 2030. O evento estará disponível em streaming neste link Clique para mais informações e inscrições AQUI ...

Ler artigo
A utopia do amor no TEDx em Spoleto, com Gianluca Fiusco

A utopia do amor no TEDx em Spoleto, com Gianluca Fiusco

Roma (NEV), 11 de novembro de 2022 – Uma edição especial do TEDx, um conhecido formato de conferência sobre inovação e tecnologia, foi realizada em 5 de novembro em Spoleto. Este ano, entre as várias intervenções, o tema da utopia do mundo novo, daágape que, em grego, significa amor. Para falar sobre isso foi escolhido Gianluca Fiusco, ex-diretor do Serviço Cristão de Riesi. Fiusco falava em "utopias possíveis". “Construir uma aldeia alpina, chamada Agàpe-amor fraterno – que no verão e no inverno pode receber muitos jovens de todos os lugares para conferências e acampamentos. Que AGAPE seja a efígie do amor verdadeiro entre as rochas de nossas montanhas que conheceram a feiúra da guerra…” Túlio Vinay Começando com a história da amizade entre Túlio Vinay E Leonard Ricci, até a história de uma "utopia do mundo novo, do agápe". Vinay (teólogo, pastor valdense, senador da República, antifascista) foi o criador do centro ecumênico internacional "Agape" na província de Torino e do mesmo "Servizio Cristiano" na Sicília, junto com seu amigo arquiteto Ricci. Ambos os lugares, ainda ativos, são um ponto de referência para o mundo internacional desde o século passado, um viveiro de cultura e ideias, tanto local quanto globalmente. Onde encontrar utopias possíveis… “Se você me perguntasse – começou Gianluca Fiusco – o que é a utopia, eu lhe responderia o seguinte: o lugar ainda não alcançado, mais a intuição”. É a utopia possível do Serviço Cristão e da última intuição realizada e realizada durante os anos de gestão em Riesi: o laboratório humano LURT de regeneração territorial. O LURT representa um exemplo concreto de como a contaminação entre ideias, culturas, profissionalismo, experiências ou simplesmente curiosidade pode contribuir para a mudança de pessoas e lugares. “É na ação coletiva e no encontro de nós mesmos fora de nossas zonas de conforto e autossatisfação que as utopias nos encontram”, disse Fiusco. E acrescentou: “A utopia não é nosso sonho porque se descobre e se modela no compromisso coletivo; não é algo nosso, mas vem ao nosso encontro no encontro com os outros, no caminho para os outros e com os outros». Este “testemunho secular” leva a visão do “agápe” para além dos perímetros convencionais.“A utopia possível é, portanto, caminhar em uma praça imensa e lotada, que é o mundo: de braços abertos”, concluiu Fiusco, citando o slogan criado em 2015 para a inauguração do Museo del Servizio Cristiano. TED Nascido em 1984 como um único evento em Design de entretenimento de tecnologia (este é o significado da sigla), desde 1990 i Ted fala eles gradualmente se desenvolveram em direção a temas mais díspares. O objetivo é o compartilhamento de ideias, intuições, descobertas e pistas motivacionais voltadas para o aperfeiçoamento humano e social. A missão resume-se, portanto, na fórmula "ideias que valem a pena espalhar”, ou ideias que valem a pena espalhar. Espalhados pelo mundo, os TEDs reúnem falas de personalidades que de alguma forma impactaram a sociedade. Entre eles, chefes de estado e autoridades religiosas, ganhadores do prêmio Nobel, cientistas e mulheres cientistas, homens e mulheres autores... O formato, replicado em eventos temáticos organizados de forma independente, deve obedecer às diretrizes do TED. A edição Spoleto, com o título “O homem, o gênio”, ofereceu ao público experiências e ideias que mudaram e podem mudar a vida das pessoas e das sociedades. Para o melhor. Spoleto convidados 2022 Além de Gianluca Fiusco, foram 13 participantes nesta edição do TEDx Spoleto: Mohamed Ba (ator e educador), Renato Brignone (Inventor), Daniele Cassioli (atleta paralímpica), Gloria Chiocci (UX Designer), Lara Citarei (Autora e Gestora) , Alessandro Fanni (Inventor e Empreendedor), Andrea Gatto (Professor Universitário), Alessandro Giuliani (Empreendedor), Gian Franco Grassi (Engenheiro e Psicólogo), Francesco Sgaramella (Segurança U-nfluencer), Andrea Sisti (Agrônomo e Prefeito de Spoleto), Giovanni Tomassini (Engenheiro), Flavia Trupia (Especialista em retórica). Para mais informações, aguardando a publicação dos discursos: O TEDx Spoleto foi realizado no Teatro Caio Melisso. Vá para o arquivo NEV em Tullio Vinay. FORMA. Túlio Vinay ...

Ler artigo
Dossiê Estatístico de Imigração 2022, apresentação amanhã

Dossiê Estatístico de Imigração 2022, apresentação amanhã

Roma (NEV), 26 de outubro de 2022 – Está de volta o encontro com a apresentação do Dossiê Estatístico de Imigração 2022. O evento será realizado no dia 27 de outubro, às 10h30, no Nuovo Teatro Orione, em Roma, e será aberto com a introdução do moderador da Mesa Valdense, Alessandra Trotta, cuja fala será seguida da projeção de um vídeo. O conteúdo do Dossiê será então ilustrado por Luca Di Sciullopresidente do Centro de Estudos e Pesquisas IDOS. AQUI o programa do dia e o debate, coordenarão os trabalhos Cláudio Paravati. No mesmo dia, o dossiê será apresentado em toda a Itália. No encontro agendado em Aosta, a partir das 17h30, participarão da conexão Giovanni D'Ambrosio e Laura Guanidois operadores do Mediterranean Hope, um programa de refugiados e migrantes da Federação de Igrejas Evangélicas na Itália, de Lampedusa. Aqui o cartaz do encontro na capital do Valle D'Aosta. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.