“A Terra Desconhecida”.  2º encontro do Galo Verde em Milão e online

“A Terra Desconhecida”. 2º encontro do Galo Verde em Milão e online

Foto Hossam M. Omar / Unsplash

Roma (NEV), 8 de abril de 2022 – O segundo encontro do ciclo promovido pelo Centro Cultural Protestante e o Galo Verde da Igreja Valdense de Milão acontece na sexta-feira, 8 de abril, às 18h. Título da exposição: “O grito da Criação: Ciência, Teologia e Responsabilidade”. Especialistas seculares, jornalistas, filósofos, estudiosos das Sagradas Escrituras discutem essas questões.

“A terra desconhecida” é o tema de hoje, com duas sessões de aprofundamento. A primeira, “A terra está viva”, conta com a participação de Paolo Pilari, professor de planejamento urbano e design no Politecnico di Milano. “Em uma colher de chá de terra existem nove bilhões de existências microscópicas, entre raízes, fungos, larvas, bactérias… sufocadas pelo asfalto e pelo concreto”, escrevem os organizadores. A segunda sessão é, em vez disso, “Guardiões do jardim, não mestres”. Uma meditação sobre o dom do divino com Gabriel Arósiopastor da Igreja Evangélica Batista de Bollate e educador profissional.

No rodapé da página todas as informações para participar.

A revisão terminará na segunda-feira, 9 de maio, com uma reunião sobre “O sopro verde da vida”. A sessão anterior, com Francesca Dalrì, Isabella d’Isola e Daniela di Carlo, teve como título “Animais como nós”. A gravação está disponível no YouTube abaixo.


Informações e reservas

A apresentação da iniciativa diz: “Queimamos florestas envenenando o ar, aprisionamos os animais de que nos alimentamos em jaulas que tornamos invisíveis aos olhos. Selamos o solo sob concreto e asfalto. A que futuro condenamos hoje tão rapidamente, e com tempo irreversível, as gerações vindouras?”. E ainda: “Por um lado falaremos de uma fé que encontra inspiração e razão de agir nas dificuldades do presente em suas antigas raízes. Por outro lado, há competências científicas que se opõem à narrativa agora negada, assente numa ideia de progresso sem limites, até à catástrofe”.

As reuniões são realizadas na sala Claudiana do templo valdense de Milão, na via Francesco Sforza 12/a, às 18h. . Na presença, obrigatoriedade do uso de máscara Ffp2 e Passe Verde reforçado.

Online, será possível acompanhar a live pelo canal do YouTube neste link ou na página do Facebook do Centro Cultural Protestante.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

De norte a sul, proposto pelas 4 Conferências Distritais Metodistas e Valdenses

De norte a sul, proposto pelas 4 Conferências Distritais Metodistas e Valdenses

O coro ganense saúda a procissão à porta do Templo. Sínodo 2019, imagem de arquivo Roma (NEV), 12 de julho de 2022 – Durante o mês de junho, as igrejas Valdenses e Metodistas reuniram-se democraticamente nas habituais “Conferências Distritais”. É um momento programático importante para essas igrejas protestantes, divididas em quatro distritos territoriais (Vales Valdenses, Norte, Centro e Sul da Itália). Entre os objetivos, a identificação de temas e pedidos a serem apresentados ao Sínodo das igrejas metodistas e valdenses, que será realizado no final de agosto na Torre Pellice, na província de Turim. Entre os temas que atravessam as quatro Conferências estão o pós-covid, o compromisso diaconal, a fé e o futuro das igrejas. Outro tema que vem surgindo há algum tempo a nível nacional diz respeito à transformação dos órgãos de gestão das igrejas. Por um lado, é necessário harmonizar e otimizar o trabalho vocacional e administrativo. Por outro lado, sente-se a urgência de uma vida nova, tanto em termos de visão de futuro como em termos quantitativos. No sentido de que seria necessário um novo “chamado”, para envolver diretamente mais pessoas na vida das comunidades. Entre os temas, porém, que de alguma forma caracterizaram especificamente os vários territórios, o Distrito dos Vales Valdenses se concentrou no envolvimento dos jovens. Foi elaborado um projeto articulado que, entre outras coisas, pretende criar e consolidar espaços de encontro que favoreçam o crescimento na fé, mas também o aprofundamento das raízes histórico-religiosas e a cidadania ativa. O Distrito do Norte da Itália explorou algumas questões de "Being the Church Together" (ECI), o programa de trabalho da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália (FCEI) lançado há mais de vinte anos para promover relacionamentos e encontros multiétnicos e multiculturais nas igrejas, que ao longo do tempo viram aumentar o número de seus membros graças à imigração de diferentes países do mundo. Em particular, falou-se de integração com irmãos e irmãs de Gana. O III Distrito, o da Itália Central, encarou uma reflexão sobre os “sinais de cansaço e desconforto das igrejas”, fazendo algumas propostas. Além disso, destacou a importância da capacitação e apoio a atividades que agregam valor às igrejas. Falou também das linguagens da fé e da colaboração entre entidades locais. Do IV Distrito saem as avaliações de cinco trabalhos diaconais, inclusive alguns que envolvem diretamente a FCEI. Uma palavra de ordem: “concretude”. Precisamos de um testemunho evangélico e de uma pregação que tenha implicações práticas. Entre as propostas, a de capacitação para ajudar as igrejas a superar a crise e o isolamento pós-pandemia. Finalmente, palavras duras contra a guerra e a violência, com o compromisso cristão de testemunhar a paz e o amor, a resolução de conflitos e a diplomacia, denunciando a corrida armamentista. Conferência Distrital do 1º Distrito (Vales Valdenses) Conferência Distrital do II Distrito (Itália Norte) Conferência Distrital do III Distrito (Itália Central) Conferência Distrital do Distrito IV (Sul da Itália) ...

Ler artigo
Alguém está batendo.  A biblioteca dos direitos civis em Ariccia

Alguém está batendo. A biblioteca dos direitos civis em Ariccia

Roma (NEV), 22 de abril de 2023 – Uma pequena biblioteca especializada na história do Movimento dos Direitos Civis, na história do protestantismo e na música nas igrejas cristãs. É a biblioteca Somebody's Knocking em Ariccia, no Castelli Romani, que leva o nome de uma famosa canção espiritual negra. Nasceu como um projeto do Centro Cultural Protestante Martin Luther King (CCPMLK) em 2018, foi apoiado por Otto per Mille à União Cristã Evangélica Batista da Itália (UCEBI).A biblioteca possui um catálogo que pode ser utilizado online e está disponível para consulta, com cerca de 1765 textos entre monografias, volumes coletivos, revistas, atas de conferências, publicações históricas, mesmo as de rara disponibilidade.Os temas mais presentes são aqueles relacionados à figura do pastor batista Martin Luther King, Prêmio Nobel da Paz, e ao movimento pelos direitos civis.“O CCPMLK, como muitas outras realidades culturais ligadas ao protestantismo, não só na Itália, tem no centro de sua atividade a divulgação de livros e conhecimentos: teológicos, históricos, filosóficos, direitos humanos e sociais - lê-se na página do registro de Bibliotecas italianas, nas quais a biblioteca está presente e o patrimônio inventariado -. A biblioteca possui uma sala de leitura com seis estações de trabalho, sendo duas com computadores de mesa e acesso wi-fi à internet, fotocopiadora e scanner para envio de pdfs das monografias parciais e artigos que forem solicitados; a sala está equipada com sistema de ventilação contínua, desumidificador e luzes led de baixo impacto ambiental e facilitadores de leitura; um projetor de vídeo para organizar reuniões temáticas e apresentações de livros”. O Martin Luther King Center pretende concluir algumas obras e continuar a apoiar a biblioteca, para tornar o seu acervo de livros o mais utilizável possível. Para o efeito, ativou assim uma angariação de fundos ativa até 31 de maio. Centro Cultural Protestante Martin Luther King | Facebook ...

Ler artigo
“Descolonizando nosso olhar sobre a migração”

“Descolonizando nosso olhar sobre a migração”

Torre Pellice (Turim), (NEV/Riforma.it), 21 de agosto de 2022 – Se as migrações forçadas são uma das grandes emergências de nosso tempo, com centenas de milhões de pessoas forçadas a abandonar suas casas e embarcar em uma longa odisséia que o soma-se a violação dos direitos mais elementares da pessoa, a mulher nesse processo é uma categoria ainda mais exposta ao risco: de maus-tratos, físicos e psicológicos, violência, preconceitos. agora em #sinodovaldese encontro #FDEI sobre #mulheres E #migraçõescom nossas coordenadoras Marta Bernardini e Loretta Malan @DiaconiaValdese. Para acompanhar o trabalho de #sínodo @nev_it @Riforma_it @ValdeseChiesa @rbe_radio_tv @8x1000Waldensian @Confronti_CNT pic.twitter.com/eZ0yiUcdHV — Esperança do Mediterrâneo (@Medohope_FCEI) 20 de agosto de 2022 Ao mesmo tempo, sua força e tenacidade na busca de um objetivo muitas vezes fazem deles um modelo que derruba nossos clichês, nossos preconceitos. Portanto, dedicar a presidência da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália ao tema "Mulheres e Migração: Juntas Portadoras de Valores Universais, Simbólicos e Culturais Inalienáveis" parece ser uma escolha extremamente oportuna. As próprias igrejas crescem e se enriquecem com a contribuição de muitas pessoas, muitas mulheres, que de outros países decidem continuar seu projeto de vida e entre as várias contribuições que trazem para nossa sociedade está também a de hibridizar, inovar e renovar o culto e formas de viver a fé e a Igreja. A Galeria de Arte Cívica dedicada a Filippo Scroppo em Torre Pellice (To) estava lotada ontem à tarde, sinal da grande vontade de nos encontrarmos novamente após mais de dois anos de distâncias forçadas, para nos ouvirmos, conversarmos, discutirmos. Duas mulheres lideram dois dos projetos mais importantes que as igrejas evangélicas italianas estruturaram nos últimos anos em torno do grande tema da migração: da ajuda além do Mediterrâneo à acolhida em nosso país e à construção de novos projetos de vida. Loretta Malan, diretora do Serviço ao Migrante do CSD, a Diaconia Valdense, braço social da Igreja Valdense, destacou o quão apropriado é o título da conferência, justamente "pela grande e variada contribuição que mulheres de todos os cantos do mundo trazem ao nosso mundo. Ao mesmo tempo, somos nós que devemos compreender quantas culturas diferentes nos encontramos perante diferenças que requerem respostas moduladas, certamente não homologadas, num processo contínuo de aprendizagem e enriquecimento”. Malan relembrou as várias ondas migratórias dos anos 1970 (Filipinas, Indonésia) até hoje (África, Oriente Médio, mas não só), cada uma delas trazendo diferentes desafios e valores. Atualmente são acolhidas 700 pessoas nos diversos projetos da Diaconia Valdense, 30% mulheres. Cada um com sua própria história, todos aparentemente semelhantes, mas na realidade profundamente diferentes. E é justamente da escuta, sublinhou Malan, que devemos partir. “As mulheres empreendem jornadas trágicas porque são vítimas de violência, porque elas ou seus filhos estão doentes e precisam de cuidados, para estudar e por muitos outros motivos. Nossa tarefa é também nos questionar, interceptar suas necessidades e entender que cada um tem seu próprio projeto de vida. A escuta dos porcos é o primeiro ato pelo qual eles recuperam uma singularidade, uma dignidade”. marta bernardini em vez disso, coordena o programa Esperança do Mediterrâneo da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, conhecida sobretudo pelo projeto inovador dos "Corredores Humanitários" que trouxeram vários milhares de pessoas à segurança na Itália, fugindo de suas próprias nações atormentadas. Seus longos anos de serviço na linha de frente, na ilha de Lampedusa, também serviram para entender quantos preconceitos todos nós, quer queira quer não, carregamos quando nos aproximamos de uma pessoa, uma mulher em particular, que de alguma forma descende de uma barcaça. “Descolonizar nosso olhar e considerar que nossas ações muitas vezes estão ligadas a uma imagem não neutra que temos do outro”, comentou Bernardini. “Quando conseguimos sair dos estereótipos da mulher vitimizada ou da esperta manobrista, então encontramos acontecimentos individuais, entendemos necessidades e urgências, projetos de vida. O ísquio de julgar está sempre à espreita, mas nós operadores temos que dar um passo atrás diante das expectativas daqueles que literalmente sofreram um inferno para chegar na nossa frente. Começando de baixo porque mesmo na Itália ainda há muitos direitos negados aos migrantes, e às mulheres em particular”. A música e os cantos sobre as migrações de ontem e de hoje em que o Grupo de Teatro Angrogna imergiu o público foi o digno encerramento do encontro, para lembrar sempre quantos italianos migraram e quantos o fazem ainda hoje. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.