Guerra, Paz, Justiça – Nev

Guerra, Paz, Justiça – Nev

Roma (NEV) 6 de abril de 2022 – “Guerra, paz, justiça. Igrejas protestantes e
guerra na Ucrânia” é o dossier que acaba de ser publicado pela revista e centro de estudos Confronti, que contém contributos “úteis para refletir sobre os tempos de guerra que vivemos”, refere o comunicado de lançamento.
O volume é editado por Fulvio Ferrarioteólogo, professor da Faculdade Valdense de Teologia em Roma, que em sua introdução recorda como “a guerra de agressão desencadeada pela Rússia de Vladimir Putin 24 de fevereiro de 2022 está se preparando para ser um grande ponto de virada na história mundial”.
A publicação pretende “trazer um pouco da reflexão das Igrejas da reforma européia para a esfera pública italiana”. As contribuições do volume são traduções de artigos publicados pela revista Zeitzeichen (editada pela Igreja Evangélica na Alemanha), da intervenção do pároco Annette Kurschus (a mais alta autoridade do protestantismo alemão) na manifestação de Berlim pela paz em 27 de fevereiro; e de um
declaração oficial da Comunhão das Igrejas Protestantes na Europa (Igrejas Luterana, Reformada, Unida e Metodista Europeia).
Todas as contribuições “são a favor de uma ética de participação responsável de homens e mulheres na construção política da paz”.
Ferrario conclui: “Este pequeno dossiê visa ajudar quem não se considera profeta, mas busca o mandamento de Deus orando e pensando; quer estimular aqueles que não se contentam com citações bíblicas usadas como um porrete para atingir aqueles que pensam diferente, mas sabem que a Escritura deve ser questionada com paciência, mesmo que a história avance muito rápido; quer
acompanham aqueles que se sentem ensurdecidos pelos slogans, mas sentem a sua vontade chantagista e pretendem resistir-lhes”.
Aqui está o link para baixar o livro.

artigo anteriorO jardim urbano no telhado da igreja
Próximo artigoCentro Inter-religioso para a Paz. Carta aos Sínodos e à Rede de Associações

Agência de Imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

desafios e riscos, entre fé e ecologia

desafios e riscos, entre fé e ecologia

Foto NEV/er Roma (NEV), 20 de junho de 2022 – Recebemos e publicamos o relatório completo da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI) que participou da 14ª Assembleia da Rede Cristã Europeia para o Ambiente (ECEN ). A Assembleia, intitulada “Os desafios que vivemos”, decorreu de 13 a 15 de junho. Entre os principais temas que surgiram estavam o risco de ecocídio e teocídio; a necessidade de transformação em todos os níveis, espiritual e prático; o desejo de esperança e reconciliação; justiça climática. Abaixo, a reportagem do GLAM. O contexto A European Christian Environmental Network (ECEN) é uma rede que trabalha em estreita colaboração com a Conferência das Igrejas Europeias (KEK) e em colaboração com o Conselho Ecumênico de Igrejas (CEC), bem como com o Conselho das Conferências Episcopais Católicas Romanas na Europa (CCEE). A ECEN costuma organizar uma Assembleia Internacional a cada dois anos. As Assembléias ECEN fornecem uma ampla plataforma ecumênica para cooperação e compartilhamento entre representantes das igrejas anglicana, ortodoxa, protestante e católica romana. A última Assembleia foi realizada em junho de 2021 em formato online e a anterior foi realizada em 2018 em Katowice, pouco antes da COP24 em que pela primeira vez Greta Thunberg falou em um escritório da ONU. Os fatores contextuais incluem as diferentes formas como a espécie humana continua a afetar o equilíbrio vital do planeta (incluindo a proliferação de guerras e sua crescente violência nos ecossistemas) e os efeitos em termos de poluição e mudanças climáticas. Comprometem-se tanto as temperaturas como o ciclo da água (e com ele a hidrelétrica) e a biodiversidade terrestre e marinha. Face aos compromissos que a ONU tenta arrancar aos Governos durante as Conferências das partes para as alterações climáticas, a mesma Europa que quer ser ambiciosa (o European Green Deal e o compromisso de alcançar a neutralidade climática até 2050) ainda considera as renováveis ​​como uma diversificação e não uma linha prioritária, mantendo uma dependência energética que corre o risco de passar para terras raras de combustíveis fósseis. A avaliação dos resultados alcançados pelos esforços dos governos a nível global para reduzir as emissões de CO2 6 anos após a assinatura do histórico acordo de Paris (COP21 2015, que entrou em vigor em 2016) e os novos dados científicos na avaliação do os progressos das alterações climáticas, apresentados no âmbito do 6.º Relatório de Avaliação do IPCC, são motivos de crescente preocupação. Nesta situação, o networking e a troca de experiências estão se tornando mais importantes do que nunca. A montagem Os objetivos da Assembleia ECEN definidos no convite foram: Oferecer um espaço de compartilhamento e intercâmbio de ações ambientais em igrejas na Europa e no mundo, e intensificar o trabalho das igrejas na Europa e a cooperação com parceiros, com atenção especial às preocupações dos jovens. Enfatizar a dimensão ética, espiritual e teológica do compromisso ambiental das igrejas. Destaque os esforços das Igrejas para uma ação global coordenada sobre mudança climática e desenvolvimento sustentável e apoie o tema do desenvolvimento sustentável e justiça ecológica na Assembleia do CMI 2022 agendada para setembro em Karlsruhe, Alemanha. Fornecer às igrejas orientação e apoio em seu trabalho ambiental e desenvolver sua capacidade de trabalhar em rede, cooperar e agir em conjunto. As intervenções Na sessão teológica introdutória, o arcebispo luterano sueco Karl Gustav Hammar (1943) expressou a urgência da mudança e o anúncio da esperança a partir de Romanos 12 e Filipenses 2. Devemos viver na tensão produzida por estar no mundo de forma crítica, não porque estejamos menos expostos ao pecado, mas pela fé , procurando fazer a vontade de Deus, para dar sinais do reino. Devemos deixar-nos guiar pela humildade, feita de justiça e simplicidade, para mudar o exterior. A teologia deve ser transformadora, kenótica (do grego kenosisesvaziamento), ecológico. Guiados pela fé, a teologia e a experiência nos dizem que é necessário um novo sistema econômico para superar o consumismo, a legitimação da posse baseada no ego, na propriedade e na violência. Rute Valério (da Zâmbia, para a Tearfund – uma agência cristã internacional de assistência e desenvolvimento com sede no Reino Unido) enfatizou que a transformação requer cooperação. Além disso, ele falou sobre o papel da impaciência na vida cristã. É tempo de enfrentar os desafios com a oração, a ação, o testemunho da esperança. Desafios que não são enfrentados com as mesmas ferramentas em diferentes contextos. E isso, segundo Valerio, produz injustiça climática. No debate, foi mencionado o tema do ecocídio, que está destruindo a resiliência da criação (David Colemann, Escócia). Fala-se também em “teocídio”, considerando que o espírito do mundo vem de Deus, é seu sopro; a extinção foi chamada de blasfêmia. Mais do que a sessão com deputados do Parlamento Europeu e com o diretor de A Rocha (1983, rede internacional de organizações ambientais de origem cultural cristã), a oportunidade de continuar a refletir sobre os fundamentos da nossa fé foi durante o dedicado painel no 11º Assembleia do Conselho Ecumênico (Karlsruhe, 31 de agosto – 8 de setembro). Durante esta sessão, de facto, emergiram os temas, em particular, da interpretação antropocêntrica das Escrituras, da fronteira entre o humano e o não-humano, do uso de mordomia em vez de parcerias e suas consequências. Em Karlsruhe, a Assembleia do Concílio Ecumênico deu a si mesma uma indicação cristológica (o amor de Cristo move o mundo rumo à reconciliação e à unidade). Presume-se que o foco no amor, na compaixão, na reconciliação, na cura e na unidade, no contexto de uma emergência de saúde global e de uma guerra multiterritorial, marcará seus documentos na história do Concílio Ecumênico. Foi dada especial atenção ao envolvimento dos jovens e às suas preocupações específicas relacionadas com o cuidado de um futuro sustentável. A estreita colaboração com o Conselho Ecumênico da Juventude da Europa e com a Federação Mundial de Estudantes Cristãos/Movimento Estudantil Cristão – Europa, foi parte essencial do processo. Além disso, durante a Assembleia, foram apresentados os materiais para o Tempo da Criação e as iniciativas do movimento sueco www.walkforfuture.se, criado para organizar a peregrinação de 103 dias rumo à COP26. Por fim, surgiu a preocupação com o futuro do ECEN, em particular no que diz respeito à decisão do CEC de alterar as suas relações organizacionais e financeiras, e de cooperar de diversas formas com as redes que gravitam para ele (ECEN, Rede de Ação da Igreja no Trabalho e na Vida ( CALL) e a Comissão das Igrejas para os Migrantes na Europa (CCME). Os relatórios para a Assembleia estarão disponíveis em www.ecen.org Para saber mais Abaixo alguns links compartilhados no chat da Assembleia https://www.spiegel.de/wissenschaft/abstimmung-im-eu-parlament-vorschlag-zur-taxonomie-faellt-ueberraschend-durch-a-681ff121-6322-43eb-9379-34461966ffe2https://casa-comun-2022.de/ ...

Ler artigo
Martin Luther, 500 anos atrás, a excomunhão do pai da Reforma

Martin Luther, 500 anos atrás, a excomunhão do pai da Reforma

Roma (NEV), 3 de janeiro de 2021 – Em 3 de janeiro de 1521, com a bula Decet Romanum Pontificem, Martinho Lutero (1481-1546) é excomungado por Leão X. A acusação é de heresia. Reunimos aqui várias contribuições sobre a história e atualidade do pensamento de Lutero, quinhentos anos depois dessa data. Os quinhentos anos da Reforma foram celebrados em todo o mundo com inúmeras iniciativas em 2017: muitos eventos para comemorar as 95 teses que em 31 de outubro de 1517 Lutero afixou no portal da igreja do castelo de Wittenberg, iniciando assim a Reforma. A Federação Luterana Mundial (WLF) e o Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos (PCPCU) concordaram, inter alia, durante sua reunião anual conjunta realizada em Genebra em janeiro do ano passado, para comemorar conjuntamente o 500º aniversário da excomunhão de Lutero, que ocorreu em 1521. O Secretário Geral da FLM, Martin Junge e o Presidente do PCPCU, Kurt Kochco-presidiu a reunião no FLM Communion Office. “No espírito do compromisso de continuar trabalhando para passar do conflito à comunhão, o evento conjunto se concentrará nos importantes desenvolvimentos ecumênicos dos últimos tempos. Será delineado como o caminho ecumênico das últimas décadas permitiu relacionar um momento doloroso da história com abertura ao dom da unidade, pelo qual luteranos e católicos continuam a rezar e trabalhar”, escrevem os promotores. Para expressar esta abertura ecumênica, será celebrado um serviço litúrgico em 25 de junho de 2021 em Roma, em antecipação ao 500º aniversário da Confissão de Augsburgo, apresentada naquela data, em 1530. Aqui oferecemos um pequeno texto de Lutero, divulgado nas redes sociais nos últimos meses, que pareceu profético para muitos, a respeito da pandemia em curso: “Vou pedir a Deus, por misericórdia, para nos proteger. Depois vou desinfetar com fumaça, para ajudar a purificar o ar, dar remédios e tomá-los. Evitarei lugares e pessoas onde minha presença não seja necessária, para não ser contaminado e não colocar em perigo outras pessoas, para não causar sua morte por negligência minha. Se Deus quiser me levar, certamente me encontrará e terei feito o que Ele esperava de mim, sem ser responsável nem pela minha própria morte nem pela morte dos outros. Se meu vizinho precisar de mim, não evitarei lugares ou pessoas, mas irei livremente como mencionado acima. Veja, é uma fé temente a Deus, porque não é impetuosa nem temerária e não tenta a Deus”. Da Riforma destacamos o artigo de Paulo Ribet no livro “Relendo a Reforma. Estudos sobre a teologia de Lutero”, publicado por Claudiana em 2020. No site da igreja luterana na Itália, vários insights e leituras. Em abril de 1521, o imperador Carlos V convidou Lutero para a Dieta Imperial em Worms para interrogatório. O Eleitor da Saxônia, Frederico, o Sábio, obteve salvo-conduto para Lutero. Quando perguntado se queria revogar seus escritos, Lutero respondeu que não, a menos que eles provassem que ele estava errado com base na Sagrada Escritura e termina seu discurso com as famosas palavras: “Aqui estou. Eu não posso de outra forma. Deus me ajude. Amém". No caminho de volta de Worms, Frederico, o Sábio, salva sua vida, sequestrando-o com um falso assalto e escondendo-o no castelo "Wartburg" sob o nome de Junker Jörg, onde Lutero traduzirá o Novo Testamento do grego para o alemão. Até 1534 traduziu toda a Bíblia, base importante tanto para o luteranismo quanto para a língua alemã. Nos anos seguintes, ele delineou sua posição, enquanto em 1525 se desenvolvia a Revolta dos Camponeses. Leia mais sobre a biografia de Lutero aqui. Aqui a apresentação do livro do professor Paulo rico “De monge a marido” que contém a tradução de dois escritos de Martinho Lutero sobre casamento e vida familiar. ...

Ler artigo
Maria Vingiani: explorando os caminhos do encontro

Maria Vingiani: explorando os caminhos do encontro

Com efeito, em 2021, recorda Gavarini, foram organizados três momentos de recordação e estudo: dois online, a 26 de fevereiro de 2021, promovidos não só pela Sae, mas também pela Universidade Ca' Foscari de Veneza, pelo San Bernardino Institute of Estudos Ecumênicos em Veneza, da bunda. «Amici di don Germano Pattaro» e por familiares, e uma segunda vez em março; então, em outubro, o Sae organizou um dia na Faculdade Valdense de Teologia em Roma. O encontro de Pinerolo é promovido pela SAE (Grupo dos Vales de Pinerolo e Valdenses) em conjunto com a Comissão para o Ecumenismo das Igrejas Valdenses do Primeiro Distrito, que aderiu à iniciativa: a intenção é, explica Gavarini novamente, "divulgar este volume e o conhecimento desta figura que esteve entre os pioneiros do ecumenismo na Itália, dando origem a uma associação única a nível europeu, não só na Itália, como notaram testemunhas de autoridade como o teólogo valdense Paulo rico. Aproveitamos também a presença do jornalista em Pinerolo Raffaele Luise, decano dos vaticanistas de Rai, também aluno de Maria Vingiani, tendo sido professor no liceu. Juntamente com Luise envolvemos o atual presidente da Sae, Erica Sfreddaque teve a oportunidade de colaborar durante muito tempo, quando jovem, com a própria Maria Vingiani, como posso dizer que tive a sorte de o fazer eu próprio». Para quem ainda não conhece a figura de Maria Vingiani ou do Sae, uma boa oportunidade para o fazer, numa das primeiras “oficinas ecuménicas” em Itália, Pinerolo. Leia sobre a reforma ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.